PplWare Mobile

COVID-19: Espanha quer pôr robôs a fazer 80 mil testes por dia


Fonte: El País

Autor: Marisa Pinto


  1. Nightingale says:

    Não, não são precisos robôs para ajudar. O único robô que me parece útil foi aquele mostrado para desinfetar as superfícies com luz UV.
    Estas análises podem muito bem serem feitas por estudantes de enfermagem do 3º e 4º ano se forem autorizados pelo estado e pela Ordem, já que estes estão mais preparados para esta função. Só é preciso investir em material adequado e não em máquinas de empresas manhosas que estão apenas interessadas em ganhar dinheiro.

    Quem já pôs os pés nos bastidores de um hospital sabe que faltava material básico mesmo antes desta pandemia e não é só em Portugal. São precisos mais enfermeiros, médicos, auxiliares técnicos, com material de proteção adequado e não aquele que se vê na foto sequer (nem esse existe sequer na maior parte dos locais e quando há não o podem descartar e têm de reusar, em parte porque alguém se lembrou que é moda usar máscaras na rua sem analisar caso a caso se é necessário, mas que nem a sabe colocar e anda com ela ao contrário ou sem estar apertada o suficiente). Podem não querer admitir mas é por isto que tantos destes profissionais estão doentes. São vistos como um número: trabalham sem material, longos turnos, sem as mínimas condições para descansar algumas horas antes de começar um novo turno e irem trabalhar apesar de estarem com fortes dores no corpo, feridas na face e infetados mas sem fazerem análises para não terem de abandonar os contextos, de trabalharem longos turnos sem irem ao WC e sem comer ou beber nada até ao ponto de desmaiarem. Precisamos de tratar melhor quem trata de nós. Acender velinhas ou cantar não serve de absolutamente nada. Exijam mais respostas concretas do governo! A maior parte das pessoas podem não entender a diferença entre ser vista a temperatura por uma pessoa / servir a refeição / ser feita uma recolha para uma análise por uma máquina, mas acreditem que não, não é igual…. No futuro ainda falaremos em questões como dignidade na prestação de cuidados de saúde por estarem a subsistir os profissionais por máquinas que só obedecem a ordens e que não sabem parar e ouvir o outro sequer, se tal for necessário. A realidade não é como nos filmes… os robôs não têm e nunca terão empatia de verdade. Nem todos os problemas da humanidade se resolvem com tecnologia. Um dos grandes problemas nos hospitais ainda são as pessoas se sentirem sozinhas e abandonadas à própria sorte ( e um robô não consegue resolver, ele nem consegue perceber aquilo que as pessoas estão a sentir). Isto só se resolve com a contratação de profissionais. No caso de Portugal: não se esqueçam disto quando pedirem para contratar mais profissionais e o governo assobiar para o lado. Não é agora que o SNS está caótico, ele é caótico devido ao contínuo desinvestimento ao longo de todos estes anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.