Microdisplay OLED será a próxima revolução nos smartphones

Por António Ferreira para Pplware.com

Destaques PPLWARE

36 Respostas

  1. Pllz says:

    Não, não vai usar IVitor. Este artigo implica todos os telemoveis, especialmente marcas que usam oled ha bastante tempo, não é um artigo apenas para IPhones.

    • Vítor M. says:

      Explica lá “todos os telemóveis”. É óbvio que é uma tecnologia que pode ser aplicada a todos os ecrãs OLED, contudo até hoje nenhum a colocou, mesmo havendo esta tecnnologia desde 2012. 😉

      Contudo, aqui a questão é que a Samsung passou o leitor de impressão digital para a parte de trás, possivelmente, pela limitação técnica do leitor biométrico debaixo do ecrã.

      Ora, com esta tecnologia “A utilização de micro-displays OLED para criar scanners de impressões digitais de alta precisão com uma resolução nativa de 1.600 dpi” o problema poderá estar resolvido. Portanto, no caso da Apple, que se faça (rumores claro) da tal limitação técnica em colocar o leitor de impressão digital no ecrã frontal, se a Apple optar por ecrãs OLED, esta poderá ser uma tecnologia a considerar. Pode, claro, já não ser no próximo, dada a imaturidade (segundo consta) da técnica. Mas… veremos mais à frente.

  2. Bruno says:

    Tal como o nome indica é tecnologia para ecrãs muito pequenos, ou seja a ser integrado num smartphone funcionaria como um segundo ecrã noutra área do aparelho, o que não é o que tem sido veiculado para o iPhone 8.

    • Vítor M. says:

      A tecnologia permite mais que isso. Se leres bem, diz o seguinte “Nós usamos um encapsulamento extra-fino para o chip deste sensor de impressão digital. Deste modo, a distância entre o dedo e o sensor de imagem foi minimizada e a impressão digital pode ser capturada de forma excelente….”

      Diz claramente que as tecnologias são mais que “um segundo ecrã noutra área do aparelho”…

      • Bruno says:

        Nada do que disse põe em causa que a tecnologia também funciona como um leitor de impressões. O que o meu comentário frisa é que, neste momento, esta tecnologia está a ser desenvolvida para ecrãs pequenos, e como tal implicaria ser um segundo ecrã e não o ecrã principal, o que é diferente do que tem sido falado para o iPhone 8, em que o sensor seria no ecrã!

        • Vítor M. says:

          Exacto. Mas segundo o que se tem falado desta tecnologia, este “ecrã” poderá ser embutido no ecrã OLED e permitir a leitura biométrica.

          • Bruno says:

            Não é isso que o Instituto Fraunhofer diz. O que diz é que o seu micro-ecrã OLED, o pequeno ecrã que mencionei, funciona também como sensor, não fala em lado nenhum em embutir este pequeno ecrã noutro ecrã.

          • Vítor M. says:

            Não disse que foi o Instituto Fraunhofer que disse, não coloques palavras na minha boca para começares a andar à volta da mesa. O que referi ao teu comentário é que esta tecnologia poderá ser embutida no ecrã OLED (tal como algumas imagens que têm sido criadas sobre o leitor biométrico no ecrã OLED), isto visto trazer a potencialidade de ler as impressões biométricas com precisão.

          • Bruno says:

            @ Vitor M, se o criador da tecnologia apenas te fala nos micro-ecrãs, explica-me donde é que tu desenterras que este micro-ecrã pode ser embutido noutro ecrã.

          • Vítor M. says:

            Não fala nada, ele fala em micro-ecrãs com capacidade de leitura de impressões digitais. Lê antes de dizeres disparates.

          • Bruno says:

            Mesmo? Vais implicar por no meu comentário não ter repetido a descrição do que o micro-ecrã faz, mesmo que esteja a identificar o micro-ecrã já falado nos comentários anteriores?
            Pois bem! vê se respondes à questão assim:
            Se o criador da tecnologia apenas fala nos micro-ecrãs, “com capacidade de leitura de impressões digitais”, explica-me donde é que tu desenterras que este micro-ecrã (“com capacidade de leitura de impressões digitais”) pode ser embutido noutro ecrã OLED.
            E aproveita e explica como é que fazes esse embutir noutro ecrã

          • Vítor M. says:

            Alto, afinal já foste ler para não estar a dizer incongruências. Bom, então vai ver onde disse o que não sabes onde eu disse, alias olha bem que está referido. Tens de ler bem, perdes muito tempo com meias verdades e cenários incompletos. Se estivesses atento, não farias essa questão.

          • Bruno says:

            @ Vítor M., Já fui ler sim. E aqui a questão é donde é que aparece o que tu dizes sobre poder ser embutido noutro ecrã OLED se tal não aparece nas informações do criador.

          • Vítor M. says:

            Não leste, se não não dizias isso, nota-se que não leste. Vai ler sff.

          • Bruno says:

            @ Vítor M., se tens tanta certeza que não li então certamente serás capaz de mostrar o texto original que eu “não” li e que diz o que estás a dizer sobre embutir um micro-ecrã (“com capacidade de leitura de impressões digitais”) noutro ecrã OLED.

          • Vítor M. says:

            Eu respondi ao teu comentário, assumi, conforme diz na resposta ao teu comentário, a possível utilização desta tecnologia. Mas, já por várias vezes, em sites que se dedicam aos rumores (até porque até ao momento não temos mais nada) referiram que poderia haver algo deste género. Foi o que assumi na resposta ao teu comentário. Depois estive a ajudar-te a perceber que esta tecnologia é mais que um micro ecrã. como podes ler para cima. Acho que foi já bem explicito. Portanto, nada mais a acrescentar.

        • Bruno says:

          @ Vitor M, resumindo, não leste em lado nenhum que esta tecnologia do Instituto Fraunhofer pode ser embutida num outro ecrã, mas decidiste começar a inventar sem saber se é possível embutir este micro-ecrã noutro ecrã, sendo que o meu comentário era sobre se seria esta tecnologia do iPhone 8 – a pergunta do artigo – quando o que se fala para o iPhone 8 é um ecrã único, coisa que esta tecnologia não permite para o tamanho necessário.

          • Vítor M. says:

            Não inventei, apenas te disse que perante os rumores essa tecnologia poderia ser embutida. Alias, respondi ao teu comentário que desconhecias que a tecnologia traz mais que um ecrã, que também poderá servir para leitor biométrico, com resolução acima do que exige, por exemplo, as normas de segurança do FBI, ainda te estive a dar informação útil sobre essa tecnologia. Quem está a inventar ou quem não está a perceber o alcance da tecnologia és tu, não eu. 😉 depois, como te falei, e na resposta ao teu comentário, são apenas rumores, certezas só tu é que as tens.

            Quanto à pergunta, foi colocada tendo em conta as ditas e supostas limitações que o ecrã OLED poderia ter com a inclusão de um leitor biométrico e sobre o que o iPhone poderá trazer para colmatar essa dita impossibilidade técnica. Num comentário apenas é que te sugeri que dados os rumores e as imagens que apareceram como hipotéticas soluções, esta tecnologia poderia ser embebida num ecrã OLED. Em lado nenhum refere que não possa.

          • Bruno says:

            “um ecrã único com sensor de impressões”

          • Bruno says:

            @ Vitor, não há nenhum rumor que diga que esta tecnologia do Instituto Fraunhofer pode ser embutida noutro ecrã para ser usada no iPhone 8. Ou será que te estás a auto-contabilizar como rumor? O que os rumores falam é dum ecrã único, assim como se falou nessa possíbilidade para aparelhos da Samsung com tecnologia da Synaptics, e isso sabe-se que não envolve andar a embutir um ecrã noutro ecrã – acho que não fazes ideia que há outras soluções para ter um sensor no ecrã.
            Que eu desconhecia? Fantástico, agora por não perder tempo a descrever o micro-ecrã num comentário passo a desconhecer algo sobre o micro-ecrã.
            Mas tu fazes ideia o que é embutir um ecrã noutro ecrã? Vês o criador a defender essa capacidade nalgum lado? Não!
            Tens alguma imagem dum rumor sobre o iPhone 8, que mostre um ecrã a ser embutido noutro ecrã para ter um sensor de impressões?

          • Vítor M. says:

            Não é verdade. Um dos maiores rumores para o Galaxy S8 foi a inclusão de um scanner de impressão digital embutido no ecrã. Alias, sempre se falou nessa possibilidade e esta tecnologia poderá ser, (quando mais madura) utilizada para isso, Mais, há várias publicações que ligam mesmo as capacidades de leitura da impressão digital desta tecnologia aos Galaxy S8 (quando eram vários os rumores que diziam que o leitor biométrico seria inserido no ecrã frontal). Mas já te referi isso nos comentários atras, há muitos rumores sobre isso e foi nessa óptica que, em resposta ao teu comentário, te disse que esse ecrã tem outra particularidade mais interessante, o leitor biométrico que disseste que não existia, ou pelo menos ignoraste na respostas. Portanto, é essa parte que referi como sendo o tal rumor que possivelmente o iPhone 8 a trazer ecrã OLED poderá necessitar de tecnologia “semelhante”. Por isso a questão no final do artigo. Artigo que deixou claras as capacidades quer da tecnologia do Instituto Fraunhofer como da empresa adquirida pela Apple.

            Mas se quiseres continuar em volta da mesa e a pedir imagens e mais não sei o quê, podes à vontade, porque o que não falta são artigos que desde há um ano para cá t~em saído com esses rumores e incertezas. Há rumores que dizem que poderá ser embutido um sensor de impressão digital por baixo do ecrã OLED que possivelmente trará o iPhone 8, há muitos até.

            Eu acho que ainda não percebeste que não é embutir um ecrã num ecrã, mas sim um leitor de impressão digital com outras valências a embutir num ecrã.

          • Bruno says:

            @ Vitor, Fantástico! É agora que vens dizer que afinal não é embutir o ecrã noutro ecrã, dEpois de te perguntar repetidamente para te explicares quanto ao teu comentário:
            “este “ecrã” poderá ser embutido no ecrã OLED e permitir a leitura biométrica”
            (como é que seria embutir a tecnologia de micro-ecrãs do Instituto Fraunhofer num ecrã OLED?)! E isto depois de ficar frisado que aquela tecnologia do Instituto Fraunhofer era para micro-ecrãs, não para ecrãs maiores.
            O que o Instituto Fraunhofer tem neste momento em termos de sensor é apenas tecnologia de micro-ecrãs, já que é em micro-ecrãs que aquele grupo tem sempre trabalhado ao longo dos anos e incorporar o sensor é mais uma variante daqueles ecrãs. Ou seja o Instituto não tem neste momento tecnologia para criar um ecrã (com sensor) de dimensões semelhantes aos usados nos smartphones. Ou seja, tal como disse logo no meu primeiro comentário, não é esta a tecnologia (Instituto Fraunhofer) que a Apple pode usar no iPhone 8.
            A tecnologia (Synaptics) que era falada para os aparelhos da Samsung, tal como referi anteriormente, não tem nada a ver com o tipo de tecnologia do Instituto Fraunhofer em que o sensor do micro-ecrã é embutido no próprio desenho do micro-ecrã OLED, e não sob ou sobre ou ecrã.
            A empresa adquirida pela Apple não trabalha com OLED, trabalha com microLED, uma tecnologia diferente, e uma tecnologia diferente do ecrã que tem sido falado para o iPhone 8 (OLED)

          • Vítor M. says:

            Ó Bruno… mas tu estás mesmo lento a ler. Eu referi, em vários comentários, que o instituto referiu que a tecnologia apareceu em 2012 e desde então foi aperfeiçoada ao ponto de agora já ter uma resolução que permite fazer uma leitura biométrica acima até de determinados requisitos. Além disso, a sua tecnologia poderia ser aproveitada para ser colocada integrada nos smartphones, entre outros dispositivos, dada a miniatura conseguida. Como eu referi, eles dizem que ainda está em desenvolvimento e a questão colocada era para perceber se esta tecnologia usada por eles ou pela própria Apple, que tem algo semelhante, poderia ser a solução para num ecrã OLED conseguir fazer a leitura biométrica. Foi isso que referi e num comentário ao teu disse-te isso expressamente. Já te disse isso várias vezes e quer-me parecer que não queres entender. Acho que não queres perceber… mas novamente é problema teu, está bem explicado no artigo, argumentei à tua dúvida com exemplos práticos mas se não queres entender…. –>

          • Bruno says:

            @ Vitor,
            “Eu referi, em vários comentários, que o instituto referiu que a tecnologia apareceu em 2012 e desde então foi aperfeiçoada ao ponto de agora já ter uma resolução que permite fazer uma leitura biométrica acima até de determinados requisitos.”
            Tal como o Instituto refere que a sua área de investigação e aplicabilidade é nos micro-ecrãs, não ecrãs do tamanho de smartphones. Dessa forma se fosse integrada no iPhone 8 seria um segundo ecrã (com sensor de impressões).
            A tecnologia semelhante da Apple referenciada no artigo não é um ecrã OLED, é um novo tipo de ecrã – microLED – ou seja, não é o tipo de ecrã que tem sido falado para o iPhone 8, sendo que a tecnologia microLED estava a ser pensada para wearables, que segundo os analistas ainda está um pouco longe de poder ser economicamente viável para ser fabricado para um ecrã do tamanho dum smartphone.

          • Vítor M. says:

            Outra vez? A resposta encontra-se em cima.

          • Bruno says:

            @ Vitor, resposta de palha!

          • Vítor M. says:

            Por vezes temos de dar à altura.

  3. Bruno says:

    O meu rato já tem disso.

  4. manito says:

    Duvido que a apple seja a primeira a usar este tipo de tecnologia, ultimamente só arriscam meter alguma coisa diferente (por ex mais ram) quando todos os outros já estao fartos defazer.Isto é uma critica constructiva! Steve Jobs we miss you!

  5. Helder says:

    A tecnologia é “microLED” e não “micro OLED”

    Grande diferença! É que os microLED não se desgastam.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.