PplWare Mobile

O iPhone XS Max enfrentou o Galaxy Note9 nos testes de queda


Apaixonado por tecnologia, encontro no Pplware a forma ideal de mostrar aos outros os meus conhecimentos e de partilhar tudo o que me interessa neste intrincado universo

Destaques PPLWARE

  1. AAA says:

    Pplware têm que ver se fazem um artigo a falar do novo Beautygate nos novos iPhones Xs.

  2. Filipee says:

    Sem duvida ambos resistentes. A diferença maior é que se o Note partir ecra o custo de reparar será 5 vezes menor que no iPhone, e como se vê ambos partem.

    Entretanto a Consumer Reports famosa entidade dos EUA considerou esta semana o Note 9 o melhor dispositivo so mercado e curiosamente nos testes de quedas comuns feitos por eles aguentou 20 vezes sem partir.

    O que falta na Apple é ter custos de reparação acessíveis porque ha mais gente a usar iphones partidos que se calhar outras marcas e isto deve-se nao à fragilidade mas ao custo de reparar que faz com que muito utilizador iphone quando tem um azar prefira andar com ele partido que arranjar e ter o telemovel sempre como novo.

  3. Vitor says:

    “O iPhone XS Max apenas resistiu a 3 quedas, tendo o seu ecrã deixado de funcionar de forma total. O Samsung Galaxy Note9 foi mais longe e resistiu às 10 quedas do teste, mantendo-se sempre em funcionamento”.
    Peço desculpa,mas depois de escreverem o parágrafo acima como podem chegar à conclusão que…”A diferença de pontos é mínima e mostra a forma como o Galaxy S9 e o iPhone XS Max estão no topo da sua classe”. Quer dizer…um dos “aparelhos” passa o teste com distinção o outro “chumba” logo de início…mas as diferenças são mínimas!
    https://gizmodo.uol.com.br/iphone-xs-teste-durabilidade/

    • Joao says:

      Já conhecemos o critério do site. Se fosse ao contrário seria “iPhone arrasa Samsung nos testes de resistência”.
      Não me levem a mal pplware mas é uma opinião sincera e que vem de um não Fanboy. Ja vi por aquí comentarios similares que pareciam vir de pessoas sensatas.
      Peace

    • Paulo says:

      E que tal ver o vídeo até ao fim, e reparar na classificação final?
      Penso que não seria mau antes de se fazerem comentários.
      No vídeo, que serve de SUPORTE ao texto a diferença de pontos foi de … 1.
      Será que deveriam dizer que a diferença de pontos foi extremamente elevada??
      De facto entre 0 e 1 existe uma infinidade de números …
      Se foi essa a lógica adoptada, então parabéns pelo comentário.

      • Vitor says:

        Paulo,eu fiz um comentário ao artigo e não ao video! E limitei-me a destacar as contradições que existem no texto…ainda sou daqueles para quem a escrita deve ser clara e coerente. Normalmente os vídeos são para quem tem “preguiça” de ler…não é o meu caso!

        • Vítor M. says:

          Não existe qualquer incongruência, apenas existe o teu critério, que traz algumas opiniões óptimas para o diálogo.

          Na verdade neste teste e como o texto referem a diferença não foi nenhuma disparidade e o critério é muito uniforme, o que dá apenas uma ideia do que poderá acontecer no dia a dia. E o facto da Apple ter referido que colocou um vidro mais resistente e mais durável não quer dizer que seja indestrutível, nem isso é referido no texto.

          As diferenças são mínimas pelos estragos no vidro sim e isso é visível, se não vires o vídeo não vais perceber isso, porque no vídeo mostra essa pequena diferença (até o autor refere essa diferença).

          Sobre o método que tu referes (e que atrai logo o darkvoid e o joao, esta semana são esses os niks) deixo um texto interessante e muito atual para estes que apenas sabem destilar veneno:

          Repara que foi logo apontado que não éramos “politicamente corretos” 🙂 por estas duas personalidades. Poderiam ter discutido o que falaste, concordando ou não, mas não, apelas disseram “nada conm coisa nenhuma” porque não perceberam o que disseste.

          Temos de perceber o que hoje representa ser politicamente correto.

          “Ser politicamente correto hoje é renunciar à verdade do critério de quem sabe o que faz, porque o faz (e analisa), em benefício da aceitação de uma maioria de imbecis.”

          Autor desconhecido

          Realmente não somos politicamente corretos, porque não queremos agradar essa maioria de imbecis. Queremos apenas dar a conhecer as coisas tal como elas são.

          Realmente no teste vemos uma pequena diferença em ambos os smartphones que sofreram danos graves e que no final, um ficou pior que o outro e isso foi descrito.

        • Paulo says:

          Caro Vitor, o Vitor M. explicou o texto de forma tão bem fundamentada que me poupou o trabalho (caso não o fizesse teria todo gosto em o fazer, até porque a minha filha está no 1º ciclo e estou mais que habituado a realizar esse tipo de tarefa).
          Queria só chamar a atenção para o facto de atualmente vivermos um tempo em que não sabemos se o que está escrito na Internet é verdade ou não. Assim, gosto, sempre que possível, de ver o documento em que se baseia o texto (seja um vídeo, uma foto, um relatório, etc.). Eu sei que é defeito profissional, mas não o consigo evitar…
          De um modo geral obriga a dois trabalhos, ler o texto e analisar as fontes. De facto, parece-me que o adjetivo que mais se adequa a este tipo de atitude é … “preguiça”.

      • Joao says:

        @Paulo, a atribuição desta pontuação não tem qualquer criterio cientifico. Basicamente atiram um numero que lhes parece fazer sentido. Mas a questão não é essa. Se leres o artigo vais ver que apesar de o Samsung ter tido um resultado mais satisfatorio, o ênfase do artigo vai para a resistencia do iPhone:
        “Mesmo não sendo “o vidro mais resistente jamais usado num smartphone”, o material usado no iPhone XS Max é mesmo de elevada resistência e tudo o que estes dois equipamentos suportaram revelam isso mesmo. ”

        E se tivermos um minimo de bom senso, sabemos que o facto de deixar de funcionar plenamente com 3 quedas VS 10 quedas é muito mais significativo que ficar com umas rachas uns cms maiores.

        • Vítor M. says:

          O texto é reflexo do que o autor do vídeo analisou, até porque quem refere certas ilações é esse mesmo autor. E tal como ele refere e até pontua, dizer o contrário dele é só… estúpido (não vamos pelo politicamente correto, isso é para imbecis).

          No que toca à pontuação final, o vídeo é explicito, o texto não poderia ir em contrario. Realmente deixar de funcionar à terceira queda (depois de ter já várias quedas) não é de todo o melhor resultado, se bem que mesmo que funcionasse com o estado do ecrã, não seria uma utilização fácil. Por isso perdeu e foi isso que no resultado do teste mostrou.

          Quantos pontos é que foi de diferença no teste do autor do vídeo? 10?

          • Vitor says:

            Vitor M.,eu digo acima que não vi o vídeo…apenas comentei o “corpo escrito” do artigo. E de certeza que não vais dizer o contrário do que eu disse…existe uma contradição flagrante entre o “…apenas resistiu a três quedas” e o”…resistiu às 10 quedas mantendo-se em funcionamento” e a conclusão de que “…as diferenças são mínimas”! Foi apenas isso que comentei…abc.

          • Vítor M. says:

            Atenção que não podes truncar as frases, porque assim até parece um significado diferente. Na verdade e unindo o texto todo ao vídeo, diz o seguinte “Este último teste consiste em deixar cair os dispositivos de uma altura elevada, até um máximo de 10 vezes, até que deixe de funcionar. Foi aqui que a diferença surgiu e pendeu para o lado da Samsung.

            O iPhone XS Max apenas resistiu a 3 quedas, tendo o seu ecrã deixado de funcionar de forma total. O Samsung Galaxy Note9 foi mais longe e resistiu às 10 quedas do teste, mantendo-se sempre em funcionamento.”

            Ora sendo verdadeiro a referir o que lá diz, a frase frisa as 10 quedas programadas e conseguidas pelo Note9, o que deixa o iPhone Xs Max à terceira queda, com avaria no ecrã. Tendo em conta todo o teste para trás, onde o iPhone tirou alguma vantagem, no conjunto de tudo (volto a dizer que não podes truncar as frases) a diferença no final pontual é mínima, alias, está no texto escrito e está no vídeo.

            Não tem nada de errado no texto, está lá tudo. 😉

  4. iDespairing says:

    Ambos partem a primeira com mais ou menos cracks. Por isso existe capas.

  5. kiDix says:

    “O iPhone XS Max apenas resistiu a 3 quedas, tendo o seu ecrã deixado de funcionar de forma total” pelo video que vi foi de forma pacial pois havia apps que ainda abriam..

  6. Carlos1 says:

    Ya, e hilariante

  7. rodrigo says:

    Entao um em 3 vezes ao chao deixa de funcionar e o outro depois de 10 vezes a cair continua em funcionamento e a diferença é minima ? , acho que o funcionamento sobrepoe.se ao tar partido, vai uma grande diferença o telemovel ir ao chao e continuar a funcionar do que ir ah vida, acho que ninguem quer saber se x ou y ta mais partido ou nao se um deles for ah vida. E para nao falar que a parte de tras do note da para substituir , e a do iphone xs nao da, por isso os danos no iphone serao sempre irreversiveis

  8. mavidoor says:

    Mais uma anedota….
    Das quatro rondas de testes aqui apresentadas,expremendo e concluindo,ambos os tijolos saem danificados.Ambos a precisarem de substituir os vidros com a unica diferença em que um ao fim de 10 quedas continua a funcionar o display e o outro ao fim da terceira já era.
    No geral o Note9 sai com vantagem pratica.
    PS :eu não tenho um Samsung topo de gama muito menos um Apple.
    Se estes testes são veridicos aquilo que depreendo é que a campanha de marketing da Aplle é mais uma vez enganadora porque perante o video o Iphone não é o vidro mais resistente num smarphone,quando muito….um dos mais resistentes.

  9. HB says:

    “Quando apresentou os novos iPhone XS e iPhone XS Max, a Apple anunciou que estes tinham o vidro mais resistente que alguma vez tinha sido usado num smartphone.”
    Deixei de ler a partir daqui. Quando não sabem a diferença entre durabilidade e resistência está tudo dito.
    A Apple disse anunciou que os iPhones tinham os vidros mais duráveis algumas vez usados num smartphone e não os vidros mais resistentes.

    du·ra·bi·li·da·de
    (latim durabilitas, -atis)
    substantivo feminino
    Qualidade do que é durável. = DURAÇÃO

    “durabilidade”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://dicionario.priberam.org/durabilidade [consultado em 29-09-2018].

    re·sis·tên·ci·a
    substantivo feminino
    1. Força por meio da qual um corpo reage contra a acção de outro corpo.

    2. Defesa contra o ataque.

    3. Oposição.

    4. Delito que comete aquele que não obedece à intimação da autoridade.

    “Resistência”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://dicionario.priberam.org/Resist%C3%AAncia [consultado em 29-09-2018].

    • Então este teste não serve de nada e a utilização do dia a dia também na conta para nada.

      O que interessa é a resistência. É isso que impede que o telefone se parta e que os riscos não apareçam.

      Mas folgo em saber que dominada o português e os seus significados.

      • HB says:

        O teste foi à resistência não foi à durabilidade. A Apple falou em durabilidade, ou seja, na capacidade do vidro manter as suas características iniciais durante mais tempo (sem obviamente ser submetido a maus tratos como quedas).
        A resistência é outra coisa muito diferente. É a capacidade de resistir a impactos, a riscos, etc, em suma, a resistir ao contacto com outros materiais.

  10. irlm says:

    qual é a diferença entre policarbonato, aluminio e vidro na parte traseira de um telemóvel em resistência?
    qualificar por valores…

  11. Jnmartins says:

    A nova feature para complementar os 1000 ++ € ?
    https://www.youtube.com/watch?v=J_lRJuQtBmc&t=2s

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.