Quantcast
PplWare Mobile

Sistema de navegação Europeu Galileo já tem mais dois satélites

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Pinto


  1. lmx says:

    uma boa noticia…mas o preço dos satélites upa upa…os alemães sempre a facturar…

    Este sistema não é só uma opção credível ao GPS também o é ao GLONASS..

    Muita gente pensa que so se usa um sistema, e muita pensa que apenas vamos usar Galileu+ gps ou Galileu+Glonass…mas todos usam o seu sistema, mais pelo menos um satélite dos outros…

    Ou seja quem usa GPS, no fundo usa GPS+Glonass para ter melhorias na precisão…nem quero imaginar a precisão que a malta vai conseguir com Galileu+GPS+Glonass 😛

    • Sergio J says:

      Vais conseguir a precisão máxima do Galileo. Não vais conseguir mais por usar outros. Podes é eliminar erros, conseguir mais rapidamente posição, etc… Mas não vais conseguir melhor a precisão

      • Tuga says:

        Alem das constelações GPS, Glonass e Galileu há outros.
        Como o EGOS da UE.
        A China e o Japao tambem estao a criar os seus proprios istemas a nivel local (Beidou/Compass e QZSS) e querem torna-los sistemas globais.
        Procurem GNSS na net e vejam todas as novidades

        • Vera says:

          O EGNOS é um sistema de aumento de sinal, não é um sistema de navegação por si só tal como Galileo ou o GPS.

          Além disso, esta notícia tem alguns erros: o lançamento ocorreu às 22h46 (CET) de setxa feira (e não Sabado). Acresce ainda que os americanos estão a trabalhar no GPS 3 que não é outro sistema, mas sim, na evolução e melhoramento do sistema que já existe (evoluçao do sistema faz parte de qualquer sistema…)

          • lmx says:

            mas…

            O gps ainda vai na versão 1 acho eu?!

            O Glonass é que é a segunda iteração de um sistema de navegação, acho eu..

      • lmx says:

        boas Sérgio, em alguns pontos melhoras a precião, pois eliminas erros e fazes fix mais rápido, além de que ha menos pontos mortos(não sei como se chamam…).

        Por exemplo o sistema de emergencia Americano, baseia-se no Glonass e em alguns satélites do GPS…sim é ao contrario eu sei, mas é mesmo assim!
        Porque eles dizem que o Glonass oferece melhor localização para pessoas perto ou dentro de edificios…

        A ideia que tenho é a de que quantos mais tiveres mais precisão deves ter, até um limite claro, mas sou um leigo no assunto…

    • David Guerreiro says:

      Se fosse só o preço dos satélites… O preço do lançamento dos mesmos também é exorbitante. A SpaceX conseguiria lançar isso a metade do preço. Mas é americana, e o orgulho europeu é muito, dão tudo aos russos.

      • lmx says:

        boas david,

        eu acho que se fosse por ai, a spacex era a escolhida, que nós na Europa somos muito quadrados em relação a Russia…

        Mas ha factores que levam a Europa a engolir o orgulho, como uma fiabilidade de entrega impossível de bater por nenhuma potencia no mundo, no que toca a lançar coisas para o espaço, e também porque os Russos podem levar mais que um satélite de cada vez, etc…no fim de contas sai mais barato e é mais rápido(os Russos teem os maiores recordes de tempo gasto na viagem…para teres uma ideia, os EUA para chegarem a ISS levam pelo menos 4x mais tempo a lá chegar…o recorde russo e de 5h:45 minutos 😀 ).

        Mas é muito caro sim!
        Eu em tempos vi os preços e fiquei pasmado…no entanto os preços da viagem são justificados…já os preços dos satélites não o são de todo…

        Cada viagem custa a volta de 100 milhões de euros…

        cada satélite …custa ou 300 ou 500 milhões…um absurdo completo, sem justificação nenhuma!

        • David Guerreiro says:

          Esse tempo que falas a chegar à ISS não tem a ver com a velocidade. É porque um foguetão comum atinge a órbita baixa da Terra em 15 ou 20 minutos. A demora está depois nas manobras que são necessárias para subir a órbita, e atendendo ao facto da ISS não ser um objeto estacionário.
          Existem janelas de tempo que se perdem e obrigam a esperar algum tempo para seguir novamente.
          É para que não pensem que os russos abalam do Cazaquistão e vão direitinhos para a ISS.

          • lmx says:

            de facto os Russos abalam do kazaquistão ou dos cosmodromos na Russia e vão MAIS direitinhos a ISS…ao contrario da NASA que tem que fazer mais 2 voltas a volta da terra para subir…

            Devido a isso a Rússia já fez 5h:45 minutos, enquanto que a NASA faz, não sei se são 2 dias se 4 dias.

            é o avanço da tecnologia…passar de 2-4 dias para 5:45minutos(feitos numa nave transportando 2 russos e um americano em 2013), o tempo oficial é de 6 horas actualmente…não vá o diabo tece-las e eles terem que perder 15 minutos, abrandando devido a problemas 😀

            Isto tudo devido a grande potencia dos foguetões Russos e a poderosos computadores de bordo…

            Ou seja a viagem é muito mais rápida, gasta-se menos combustível porque se faz menos voltas á terra, gasta-se muito menos oxigénio, pois está menos tempo em voo, e os astronautas também estão menos tempo em voo, etc, etc, etc.

            Mesmo assim os Russos, continuam a procurar diminuir ainda mais, e dizem ser possível atingir tempos bem menores ainda…a ver vamos.

          • lmx says:

            boas..

            pelo que percebo a NASA faz 30 voltas, ou 50 horas para chegar a ISS.
            A Russia faz 4 voltas ou 5:45-6h para chegar a ISS.

    • Mitrovskyeiro says:

      NA altura da criação do Galileu ficou decidido que, à semelhança do GPS, os dados fornecidos pelo satelite ao publico em geral conteriam alguma margem de erro intencional, de forma a travar usos indevidos por militares de outras nações. As grandes vantagens estarão num conjunto de serviços novos que passarão a providenciar.

  2. fneves says:

    O novo sistema do departamento de defesa dos EUA vai ser para uso militar inicialmente ou é para substituir de vez o GPS?

    • miguel says:

      uso militar como sempre nos USA, no inicio.
      O que não entendo é como os USA estão tão a frente o GPS é de 1979 fisicamente(http://pt.wikipedia.org/wiki/Sistema_de_posicionamento_global) só agora é que outros países tem algo parecido.

      O galileo é o unico sistema 100% civil

      • lmx says:

        O GPS não é de 1979…

        o sistema americano, que é a segunda implementação de um sistema global de posicionamento é que foi lançado prai em 1979…

        O primeiro sistema de posicionamento Global é Russo!

        Na década de 60 da estava no ar…demorava muito tempo a fazer a aquisição do calculo onde se encontra a pessoa…e se fosses de avião….tás a ver a cena??!

        No inicio da década de 70 eles criaram o Glonass(24 satélites), como evolução do primeiro(31 satélites), MAS só o lançaram na década de 80, ou finais de 70 não tenho a certeza, e com o fim da URSS, só ficou concluído em 2011 salvo erro.

        Com o resto concordo, defacto montes de Países da EU andam muito atrás a nível tecnológico, e monetário também!!

        Porque não podemos esquecer que os Russos, teem o País mais rico do mundo no que toca a Recursos naturais…segundo dados estatísticos…eles Podiam se dar ao luxo de ter o nível de vida actual durante 200 anos, sem produzir absolutamente nada, só mesmo gastando os seus recursos, que o seu pib não diminuía.
        Claro que a seguir a isso, morriam massivamente de fome 😀

  3. Carlos says:

    Alem das constelações GPS, Glonass e Galileu há outros.
    Como o EGOS da UE.
    A China e o Japao tambem estao a criar os seus proprios istemas a nivel local (Beidou/Compass e QZSS) e querem torna-los sistemas globais.
    Procurem GNSS na net e vejam todas as novidades

    • lmx says:

      O EGNOS nem me lembrava disso, mas esse sistema só tem 3 satelites geostacionarios, o resto das estações estão em terra, mas li algures que teem uma precisão de 1,5 metros…isso deve acontecer apenas em situações muito especiais, ainda por cima usando estações terrestres…

      mas já nem me lembrava 😉

      • Bento Martins says:

        O EGNOS não é um sistema de posicionamento, é um complemento ao GPS e o Galileo, enviado correcções aos receptores/utilizadores GNSS utilizando satélites geoestacionários, melhorando significativamente o erro posicional. EGNOS sozinho não funciona.

  4. Joana Rita says:

    Os novos snapdragon 810 ja suportam galileo, ja vamos ter os beneficios ou so em 2020? Qual a melhoria dos galileo em precisao? O meu tlm ja consegue 3m de precisao o que e optimo com glonass

    • lmx says:

      eu não percebo muito disto…

      A ideia que tenho é que ao usarmos um, de alguma forma acabamos a usar pelo menos um satélite dos outros…

      Ou seja ao usarmos gps, estamos a usar pelo menos 1 satélite glonass, essa é a ideia que tenho… o Glonass, dizem os Americanos é mais preciso para leituras perto de edifícios, ou dentro dos mesmos, devido a isso o serviço de emergência americano(911) usa Glonass.

      Agora eu não sei como se activa um em detrimento do outro, nem sei como se pode ver quais os satélites que pertencem á constelação gps ou glonass ou Galileu…mas confesso um certo interesse por desenvolver um receptor para Galileu…um dia destes vou tentar…quando digo desenvolver não falo do hardware, mas sim firmware…

  5. Joao says:

    É pena ser um investimento tão elevado para durar uns 15 anos ou coisa parecida, mas terá certamente utilidade, nomeadamente a Europa estar independente da boa vontade dos EUA no que diz ao sistema de navegação via satélite. Mas a ideia é complementar o GPS, e se a coisa der para o torto e os EUA desligarem o GPS tem sempre a sua infraestrutura partindo do principio que os satélites não são destruídos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.