Quantcast
PplWare Mobile

FDA concluiu aprovação polémica do primeiro medicamento para o Alzheimer em 20 anos

                                    
                                

Autor: Ana Sofia


  1. David Guerreiro says:

    Já é um passo, mesmo que não se consiga reverter, mas travar o desenvolvimento da doença já é uma conquista.

  2. pedro lopes says:

    O engraçado é ver os nossos grandes doutores da Tugalandia virem dizer:”Não há comprovação científica da eficácia do medicamente…”

  3. Pedro V says:

    Ora, eis a cura para os males das vacinas que andam a impingir. Até lotarias já dão nos USA.

  4. FreakOnALeash says:

    Excelente notícia. Oxalá este medicamento possa ser receitado em Portugal o mais breve possível!

  5. Spoky says:

    Por isso é que não confio em nada que seja certificado pela FDA.

    Aqui está a prova de que o dinheiro é mais importante do que a saúde dos seres humanos.

    Vão aprender lentamente, quer queiram ou não. O mundo gira a volta de dinheiro.

    Se existir a cura deixa de haver compra de medicação e vai metade para o desemprego.

    George Orwell continua a dar-lhe. E venham lá os famosos apoiantes das indústrias farmacêuticas.

    É o que é. É a realidade. Há mais interesses do que muitos julgam. O problema desses apoiantes das indústrias farmacêuticas é achar que são pessoas do bem.

    Quando sabem muito bem que se aprovarem metade das possíveis tratamentos (que possam vir a curar) sabem que vão perder muito.

    Deixo a questão no ar para refletir

    O que será que acontecia num mundo se metade das doenças conhecidas fossem curadas?

    Imaginem que a existia cura para todas as gripes, febres, infeções o que iria acontecer a essas indústrias farmacêuticas?

    Fica a questão para refletir e pensar bem (out-of-box), quem quiser continuar a pensar quadrado nem tente.

    • SSD says:

      Tanto testamento escreves e é só teorias da treta…
      Ainda estamos bem longe de uma altura em que um comprimido resolva e acredita que há muito medicamento que não sendo “necessário”, vende a pacotes na mesma, basta olhar para o mítico comprimido azul… Por isso eles reinventam se não te preocupes.
      Agora infelizmente, doenças como Alzheimer e o cancro, difícilmente serão de toma única, sendo que no caso do Alzheimer provavelmente será para a vida toda, um pouco como acontece com os medicamentos para a epilepsia por exemplo.
      E mesmo que existissem curas para essas doenças, não ia ser o Zé Manel do talho que as ia vender, digo eu ..
      Por isso, as coisas não são tão lineares como queres fazer passar e felizmente ainda há pessoas a tentar arranjar maneira de de facto arranjar uma solução, como se pode ver por este tratamento por exemplo

      • Spoky says:

        Hahahaha, esquece! Não vale a pena, ao ler isto “felizmente ainda há pessoas a tentar arranjar maneira de de facto arranjar uma solução”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.