Apple não quer os seus equipamentos reparados por terceiros


Destaques PPLWARE

40 Respostas

  1. urms says:

    preparando a pipoca

  2. Pai de Burro says:

    “a oposição destas marcas é baseada numa falsa moral e que apenas querem defender os seus lucros elevados”, ora está tudo dito. No ramo Automóvel , e na Europa em particular, isto já se passou, foi aberto o mercado, e as marcas OFFICIAIS, nunca venderam tantos carros como agora, digamos que foi o melhor de 2 mundos, ganha o consumidor, ganha o prestador de serviços e ganha a marca.
    Pois mas é Apple, aquela coisa que os outros SERVEM PARA PRODUZIR, desde que o preço seja baixinhooooo, mas nao servem para REPARAR.
    “A empresa alega que esta nova lei vai abrir os segredos a qualquer atacante”, Esta é a parte humorística, certo !!! Segredos !! quais segredos ? A saída de áudio 3,5, que desapareceu, sabe-se lá para onde !! Ainda nao foi encontrada….que desolação. Entao que produz massivamente aquela coisa, nao sabe como funciona ? Sabe sim e bem, até faz clones e vende, antes dos oficiais saírem…..segredos…leva-os o vento como as palavras.

    • Guiomar says:

      Há peças no iPhone que por questões de segurança só podem ser substituídas como deve ser se na reparação houver um novo emparelhamento/reconhecimento criptográfico interno. Permitir que qualquer pessoa tivesse como fazer uma substituição dessas reduziria a segurança dos aparelhos.
      Sobre o ramo automóvel, uma diferença importante. A actividade das oficinas é muito mais regulada que uma loja de reparações electrónicas, não creio que um pequena “loja” gostaria de ter esse tipo de peso em cima.

  3. Nope says:

    Título: “Apple não quer os seus equipamentos reparados por terceiros”

    Nada disso – a Apple não quer é os seus equipamentos reparados fora dos “centros de assistência autorizados” – que são terceiros, com estas características:
    https://support.apple.com/pt-pt/aasp-program

    P.S. Já gora, tenham em atenção a Worten, com as venda do iPhone, promove um seguro para acidentes, não cobertos pela garantia, por exemplo, cair de grande altura e ficar partido – mas o contrato diz que podem ser usadas peças que não são originais. Há relatos de que quem ficou surpreendido e bastante chateado por receber um não-iPhone – nem a caixa, nem o ecrã eram originais.

    • Tens de ver que é uma lei a ser aprovada num estado norte americano. Não tem nada a ver com a realidade que temos em PT.

      • Nope says:

        A realidade em PT é igual à dos EUA – onde se lê “centros de assistência autorizados” basta ler Apple Repair Center.

        O que está a faltar é um elemento informativo no post – o direito à reparação implica que o proprietário do produto o possa reparar, não é apenas poder recorrer a uma qualquer empresa, certificada pelo fabricante ou não. Tal como acontece num automóvel, que posso levá-lo ao representante, à oficina da esquina ou reparação-lo eu. A questão é saber se em produtos como um smartphone, com componentes sensíveis, como as baterias e que podem ser hackados, se pode fazer o mesmo.

        A política da Apple obriga a que apenas forneça peças originais aos centros de reparação autorizados. Com a aprovação de leis do “direito à reparação” teria de as fornecer, não só a empresas não certificadas, mas também a utilizadores – onde tem argumentado que os utilizadores ao querer reparar o botão on/off podem tornar o iPhone inutilizável ou que a substituir o ecrã podem cortar as mãos, ou que as baterias podem explodir. De modos que em vários Estados americanos esse tipo de “leis do direito à reparação” têm sido abandonadas. Provavelmente porque se considera que os “centros de assistência autorizados” são o melhor para os consumidores.

        • P says:

          Isto das peças OEM, acho que é uma birra da Apple.

          É possível hoje em dia, para quase todos os dispositivos, encontrar peças OEM, são mais caras que outro tipo de peças, mas a qualidade compensa

    • int3 says:

      é por isso que nunca fiz um seguro desses. prefiro uma capa decente e ter sentido de responsabilidade. nunca parti nenhum telefone ou smartphone…

      • Alibabá says:

        com certeza que não, ficas o dia todo a enfardar sentado no computador e a mandar postas de pescada no pplware…

      • Nope says:

        Pois, mas aqui o problema é que os funcionários da Worten não informam que podem ser usadas na reparação peças que não são originais. Como ninguém está à espera disso, nem vai ler o contrato nas altura, deviam esclarecer. Depois cada um decidia. Assim – considero que estão a ser enganados. Pagar um seguro e depois ficar com uma espécie de iPhone não passa pela cabeça de ninguém.

    • Filipe says:

      Esses seguros de acidentes e roubo de telemóveis, hardware, consolas são uma banhada. Pagas por um serviço para seres roubado. Nós já temos muitos desses, a começar pelos bancos e acabar no IRS

  4. Filipe says:

    A apple nao repara. Caso queiras recuperar dados de um iphone morto só recorrendo a terceiros. Vejam o canal youtube ipad rehab e luis rossmann…

    • Nope says:

      Recuperar dados de um iPhone com os dados encriptados (e está encriptado qualquer smartphone com password de acesso logo que é bloqueado o ecrã) a Apple não tem como, porque não tem a chave de encriptação. O que tem isso a ver com reparação?

      E quais são os terceiros já agora? É que se fala de o FBI ter conseguido (no caso do iPhone de S. Bernardino) mas terá pago milhões de dólares a uma empresa israelita.

      • Nope says:

        … e está encriptado qualquer – iPhone – com password de acesso logo que é bloqueado o ecrã. A Google também se encaminhava para aí no Android – ficando também sem chave de encriptação, mas a encriptação não era automática, dependia do utilizador querer ou não, por ser menos eficiente e consumir recursos do smartphone.

      • Guiomar says:

        MAs se a pessoa der o código é teoricamente possível recuperar dados dum iPhone “morto”, desde que o processador não tenha pifado.

    • Miguel Sousa says:

      Isso é falso.
      A Apple Portugal já me entregou uma pen com todas as pastas que tinha no meu telemóvel (iphone 3) que se avariou e que me pediram mais de 300 euros para o repararem. Paguei 74 euros e picos, uma semana depois um estafeta entregou-me uma pen com as pastas todas que estavam no telemóvel dentro de uma caixinha da Apple… não dei o meu código de desbloqueio à empresa.

      • João Reis says:

        A realidade mudou, atualmente, estás a falar de um iPhone 3 😀 eheheh era fantástico mas não usava nenhuma encriptação.

        Os modelos atuais, todos tem encrptação, se perderes o telemovel nao conseguem aceder aos teus dados, impossivel mesmo, nem o FBI consegue com facilidade.

        A vantagem Apple e por isso pagamos mais, é nestas coisas, os exploits usados para aceder a esses dados vieram a publico passado umas semanas vai estar tudo corrigido para todos os telemoveis de à 5 anos para cá….por isso pagamos mais 😀

      • Guiomar says:

        Isso foi há quantos anos, 7 anos? O sistema operativo e hardware mudaram muito desde então, a começar pelo nível de encriptação que leva a que a Apple não possa recuperar os dados sem que tenha o código.

  5. juiz Carlos Alexandre says:

    a sempre um AMIGO que faz isso

  6. ifernando says:

    A Apple tem razão, porque assim mantinha a qualidade dos seus aparelhos.
    A realidade é que não disponibilizando as peças originais, os aparelhos acabam sendo reparados com peças sem qualidade.

  7. Nelson says:

    Será que os tipos da Apple não conhecem o site iFixit? Há mais algum segredo para desvendar? Os preços dos materiais também são públicos, já fizeram RX aos processadores A qualquer coisa. Qual segredo há para desvendar?

  8. Manuel says:

    Eu compro Apple exatamente por este tipo de políticas, jamais confiarei em reparações não oficiais.

  9. Helder Bandeira says:

    Ainda bem que os clientes continuam a entregar o seus produtos Apple para eu reparar. Exemplo orçamento Apple para reparar iPhone 6s ecrã 160€, eu faco por 105€.

    • Nope says:

      Ecrã original?

      • Antunes says:

        Não existe ecrã original!

        O que existe é vários tipos de qualidade A+++ e por ai fora…

        • Pérolas says:

          “Ecrã original”, quer dizer ecrã LG, certo? Porque apple só de nome… 😉

          • Guiomar says:

            O ecrã é mais do que o LCD. Tem o backlight, tem mais electrónica, tem o sensor touch, tem o 3D Touch, tem a laminação com o vidro, etc. Vários componentes integrados segundo o desenho desenvolvido pela Apple para os produtos.

          • Nope says:

            @Antunes & @ Pérolas
            Ecrã fabricado pela LG, pela Samsung ou outro, de acordo com múltiplas especificações definidas pela Apple e com controlo de qualidade da Apple – e diferente dos ecrãs que a LG ou a Samsung fabricam para outros smartphones.
            Esse é o ecrã original de um iPhone. Essa de “Apple só de nome” parece que a a Apple compra o que houver … se não houver daqueles compra outros … Nada mais errado. Não fabrica hardware mas especifica o que quer.

  10. Str says:

    Tendo em conta que várias empresas estão contra essa lei, a APPLE no título é só para gerar clics

  11. Jose says:

    Apple sem foi um absurno nos precos, onde eu compro 20 euros um ecra e mudo por mim proprio! youtube e melhor que livro de instrucoes

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.