Quantcast
PplWare Mobile

STAYAWAY COVID: 740 códigos gerados e apenas 216 inseridos! O que se passa?

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Ruben says:

    Com tantos código inseridos estamos safos. O governo devia era estar preocupado em obrigar a quem tem o código a inserir, Inclusive devia dar códigos nem que fosse por correio a quem ja teve covid e esteve internado. Caso contrário a app nao tem utilidade nenhuma mesmo que queiram obrigar a usar.

    • ABC says:

      Em caso de positivo a pessoa devia ser obrigada a introduzir o código. Se ninguém estiver infectado não importa se há 10 milhões de pessoas com a app instalada, só interessa quem mete o código.

      Quem não está infectado, o benefício de ter a app é só para essa pessoa para ser alertada, não afecta os outros, por isso fica á escolha de cada um.

      Mas se está infectado e não tem app nem introduz código já vai afectar a saúde pública.

  2. RFR says:

    Não consigo é entender como é que uma entidade que desenvolve uma app cujo objectivo é ser usada pelo maior numero de pessoas, só corre em ios 13.5 (nos Androids desconheço qual a versão mínima). Tenho um iPhone 6s, com Wifi, Bluetooth e sei lá que mais, com 4 anos e fiquei surpreendido por não conseguir correr a Stayaway covid.

  3. ToFerreira says:

    Obriga-se a instalar, mas a introdução do código é voluntária… Governo de parvos.

    • Spoky says:

      +1, o Estado só quer meter medo e conseguiu como consequência os downloads aumentaram. Not bad.

      O que o pessoal pensa é que está APP elimina o vírus pelos comentários que se lê por cá e nas redes sociais da sempre para dar uma gargalhada.

      Então quando comparam com cartas de condução, carro, código de estrada.. é no mínimo para se rir.

      Estranho é quem diz não ter nada esconder, não colocar as passwords do banco aqui. E tenho as minhas dúvidas se tem portas em casa.

    • Pedro says:

      daqui nada queres que o governo va a casa das pessoas meter o codigo, depende das conciencia de cada um nao é governo de parvos as pessoas é que sao parvas tal como este comentario

      • ToFerreira says:

        Portanto, a instalação da app é obrigatória, não depende portanto da “conciencia” de cada um, mas a introdução do código (sem a qual a APP não serve para nada), já depende. Não é só o governo que é parvo, não…

  4. R says:

    Há casos em que só após 18 dias (e com insistência) é que as pessoas receberam os códigos para inserir.
    Eu não me focaria só em quem não insere…

  5. Almaister says:

    Eu pensava que o código era fornecido à pessoa assim que acabasse de fazer o teste depois de esperar os tais 30 minutos (+/-)…

  6. LG says:

    “Um código chega à pessoa infetada ao fim de quatro a cinco dias, esse código tem validade de 24 horas” não agora a sério?! Isto é mesmo verdade?
    Eu sou muito mas mesmo muito a favor desta app mas 4-5 dias para obter o código é simplesmente ridículo e torna todo este processo básicamente inútil.
    Como já referi em comentários anteriores, o Stayaway é baseado no projeto open-source DP^3T (SwissCovid) e na suíça, o paciente recebe o código na hora (e tem igualmente 24h para inserí-lo).

    *4 a 5 dias*… ridículo mesmo…

    • Zé Duarte says:

      4 a 5 dias? Pelo que se ve nos comentarios nem em 15 dias recebes.
      eu conheço um caso pessoalmente em que a pessoa já fez a quarentena dos 14 dias à uma semana atrás, ja fez outro teste que deu negativo e ainda não recebeu codigo nenhum; portanto no mínimo 21 dias desde o teste positivo inicial.

  7. André silva says:

    É o governo a pedir a instalação de uma APP e aí Jesus que vão saber o que eu faço.
    Facebook e Google sabem mais de vós que vocês próprios e ninguem diz nada. Mas as tantas também é culpa do governo.
    Ao menos o governo é desculpa para tudo. Até para os mentecaptos que não sabem cumprir distanciamento nem regras.

    • ToFerreira says:

      Estas enganado, não está a pedir, está a obrigar.
      Ninguém obriga a fornecer dados a Google nem Facebook. Mas, não sendo tu um mentecapto como os que referes, não precisava de te explicar isto, pois não?

      • Miguel says:

        Não, o governo não está a obrigar. Essa lei não está em vigor, foi apenas uma proposta, mas que não passa disso. Enquanto a população não souber como funcionam as instituições que regem o país, andamos sempre nisto. Uma proposta não é uma lei em vigor. Ninguém está a obrigar a nada. Leiam as notícias como deve ser antes de mandarem papaias.

  8. Artur Moisés says:

    O que se passa? Simples, quando alguém está infectado a primeira coisa que vai fazer é receber o tratamento e ir descansar, não é a ir a correr para o telemóvel a registar o código.

    Descansar, repousar e descansar a cabeça, descansar as canelas é o que a malta faz. Acham mesmo que a prioridade é pensar se introduziram ou não o código na APP Stayaway?

    Eles querem é pensar da saúde deles próprios. Só um parolo é que iria pensar primeiro no código antes da sua saúde e descanso que é fundamental.

    • Spoky says:

      É isso mesmo, o pessoal instala para com medo da multa e caga para a App, é lógico e perfeitamente compreensível, afinal de contas só tem de estar instalada. Depois fica para lá “jogada” como se lixo se tratasse.

      Perfeitamente compreensível, uma App inútil é o esperado.

    • Gonçalo says:

      Ir a correr para o telemóvel? Regista-se o código em 5 min se tanto. Fala de ir a correr para o telemóvel como se estivesse noutro país, estando ele com o doente durante todo o tratamento só vai a correr se quiser.

    • Blam-O says:

      Uma boa parte dos infectados estão a fazer tudo menos o que descreves (Afinal, muitos tomaram caução 0 e acabaram infectados, porque achas que se vão preocupar depois); portanto têem montes de tempo para usar a app — Por outro lado, ainda são as pessoas que se estão a borrifar, portanto porque usar a app?

    • Pirata das cabernas says:

      Há pessoal que recebe o teste positivo e vai passear ou vai para as piscinas…

    • Toni da Adega says:

      Não existe tratamento.
      E existe um grande número de pessoas que não possuem sintomas e somente uma pequena minoria tem sintomas de maior

    • Pedro Silva says:

      você lá sabe Moisés…….

  9. traceelliot says:

    Seria mais fácil quando estiveram a fazer o levantamento das funcionalidades e requisitos da aplicação pensar da seguinte forma.
    – código gerado seria automaticamente inserido na base de dados da aplicação.
    – associar o código gerado ao NIF da pessoa que fez o teste covid.
    – ao abrir a aplicação pedir o NIF.
    Agora não sei se existe alguma coisa que não se possa fazer desta maneira.

  10. Nightingale says:

    No fundo o governo sabe perfeitamente que ninguém estava a ligar nenhuma a isto e quer arranjar uma forma de justificar os 400.000€ gastos. A maior parte das pessoas que trabalham na área da saúde que conheço não suportam mais sequer ouvir falar desta app. Não sei qual é a mania em pensar que todos os problemas da humanidade podem ser resolvidos com tecnologia… É impossível seguir tantas cadeias de transmissão ao mesmo tempo… Admitam que dói menos. Esta aplicação é inútil e basta ter tido algumas aulas de saúde comunitária/pública para saber que esta é a verdade… Falem mais do que aconteceu no orçamento de estado que este sim é um problema bem mais grave. Nem material básico tenho para trabalhar (que muita vezes põe em risco a segurança do doente) e ver toda a gente preocupada com isto em vez de estar preocupada em o estado ter um orçamento medíocre para a área da saúde e alguns vendedores já nem venderem coisas ao estado porque este não pagar as dívidas…

    • bla says:

      Ora ai está, o governo e quem desenvolveu a app e ganhou os 400k…tentar justificar um ajuste directo para uma coisa que se sabia de principio que a viabilidade era zero.
      Seria muito mais útil colocar as autoridades a fazer visitas ao infectado em casa, verificando se este estaria efectivamente a cumprir o período de isolamento.

      As pessoas deviam ainda estar mais preocupadas com a pobreza e a fome, estes sim de aumento exponencial.

      Deveriam ainda de uma vez por todas perder o estigma do infectado. O infectado vai para casa, trata-se e acabou, volta à sua vida normal.
      Se não cumpre o seu dever de isolamento ai sim deve sofrer consequenciais, até lá é mais um cidadão como todos os outros e deve ser tratado como tal, não deve ser marginalizado de nenhuma forma.

      • Marisa Pinto says:

        A app não tem nada a ver se o infectado está ou não em casa. A app serve para, quando for colocado o código do teste positivo, alertar as pessoas que estiveram em contacto próximo nos últimos 14 dias.

        Acho que há muita confusão sobre como funciona a aplicação…

        • Hélio Musco says:

          Eu não sei se isto é uma característica do português, mas nota-se muito que as pessoas criticam afirmações que são totalmente falsas.
          Ou leram mal as instruções ou estão a derivar que funciona assim sem ler nada antes.

        • Robin says:

          app serve para nada, serve para justificar os 400 K e agora têm stress em justificar o dinheiro gasto.

        • Tuga says:

          O problema é falta de comunicação aliada à enorme ignorância tecnológica e não só do povo, que mais facilmente acredita na conversa de café do que na conversa das autoridades. Mas, povo latino é isto. Depois, quando o mal lhes cai em cima, apelam aos deuses e às santas.

      • nimboos says:

        Bla, não percebeste como a app funciona. Se quiseres saber mais consulta esta ligação:
        https://stayawaycovid.pt/funcionamento/

  11. José Carlos da Silva says:

    Quatro a cinco dias para receber o código? E pode levar até mais tempo? Mas vem alguém a pé do ponto mais longe possível trazer o código escrito num papel?

  12. Nuno says:

    Enquanto andamos entretidos com estes aplicativos lá nos vamos esquecendo do orçamento de estado.

  13. Joao Ptt says:

    Afinal isto ainda era pior que pensava, 4 a 5 dias para receberem um código e depois têm 24 horas para inseri-lo? ah ah com os correios que temos enfim. E já para não falar que nas primeiras 24 horas a malta pode ter mais em que pensar.

    Acrescente-se que apesar de acreditar na confidencialidade, não acredito na segurança porque no Bluetooth estão ano após ano a serem descobertas vulnerabilidades a todo o nível e algumas das quais permitem a invasão do dispositivo actualizado, e pelo menos no mundo Android a maioria dos dispositivos não recebem novas actualizações entre 1 a 2 anos depois de terem sido fabricados.

    Por último, como é que sabem que a pessoa que recebe os códigos tinha/ tem a aplicação instalada e a funcionar? Se é anónimo, como sabem? Estão simplesmente a dar os códigos na esperança que a pessoa tenha a aplicação?

  14. Xnelox says:

    Com tantos casos de covid e só foi gerado 740 códigos? Mas afinal o que se passa?

  15. AD9 says:

    Nossa Senhora, por mais que seja apoiante desta app (e no geral das medidas que possam parar a propagação “do bicho”) mas de facto isto deixa muito a desejar. Desde o tempo de demora a produzir o código, ao tempo de validade, ao facto de não ser automático a introdução do código (se é tudo anónimo, nem sei pq é que o médico não pode introduzir logo o código)

  16. paulo says:

    mas voces acham que as pessoas vao meter este codigo e usar a app ! isso era mesmo a dizer do meu lado! quem vai querer que os outro se afastem ?

    • Joao Ptt says:

      A aplicação não diz “Olá Joana, o seu amigo Paulo está infectado, e pode ter contaminado-a enquanto conversavam no café central no dia 15 de outubro pelas 12:45, a conversa pode ter sido tão boa que lhe passou o COVID-19, por favor considere de futuro não se dar com o Paulo.”.

      A aplicação só diz que esteve próximo de alguém que estava infectada, se por acaso tal pessoa só esteve com o Paulo nos últimos 14 dias, durante mais que 15 minutos, provavelmente vai saber que foi o Paulo o culpado, caso tenha estado com mais alguém já ficará a dúvida.

      Mas a aplicação não distingue de terem estado os dois de máscara ou não, nem sequer se a pessoa infectada estava em outra divisão fisicamente separada, mas próxima o suficiente para ser detectada (exemplo: em outra loja ao lado)… logo a sua utilidade é muito questionável.

  17. Pirata das cabernas says:

    Eu não instalo a app. É uma maneira de sacar os meus dados. (ironia)
    Ninguém se vai afastar de vocês porque ninguém sabe quem vocês são. Apenas vão saber que tiverem perto de uma pessoa I fetada.
    Se fosse a mandar não era uma app. Mas sim um carimbo no meio da testa para se saber quem são os infectados. Tinham que andar bem. Identificados.

    As matrículas não era obrigatório foi tudo trocar… A app que ajuda no combate à esta pandemia ninguém quer instalar.

    Tugas a serem tugas e por isso vamos ser sempre o cu da Europa. As mentalidades do tuga estão cada vez mais estúpidas

    • rodrigues says:

      Por “falar” em estupidez… um carimbo na testa? Lembra o III Reich quando “carimbava” os judeus! Enfim, não se aprende com erros do passado, por muito grosseiros que sejam!

      As matrículas do meu carro continuam a ser as mesmas, estão em bom estado, servem perfeitamente… com €15 já se compra um néctar razoável para uma refeição!

    • Robin says:

      E saber isso serve para quê ? para aumentar a paranóia de imensa gente que daqui a pouco está internada com doenças mentais devido ao medo que instalam e instalaram nas pessoas , existe gente que se recusa a sair de casa a meses e já esta a ser motivo de preocupação familiar.
      Acho que o problema não é o covid, mas sim a pandemia mental que criaram.
      Psicólogos e psiquiatras vão ser as profissões de futuro.

      • Há cada gajo says:

        O problema são as mentalidades como as tuas que persistem em manter atitudes que ajudam a perpetuar o problema. O problema é o covid ! Temos de acabar com esta merda. Não entendes isso? Por causa desta me&%$da que tu com a tua atitude ajudas a manter, vamos continuar com o agravar de outras situações.

  18. Pedro Cardoso says:

    APLICAÇÃO SEM QUALQUER UTILIDADE, senão vejamos :
    – Pessoa consciente – Instala a aplicação, vai fazer o teste, até á chegada do teste pode andar na rua, não sabe se está infetado, se receber o teste positivo insere os códigos e fica em casa em isolamento, não vai informar ninguém pela aplicação. Deixou de testar positivo, insere o código e vai para a rua sem problema.
    – Pessoa inconsciente – mesmo que teste positivo não insere o código e vai para a rua.
    Qual é a utilidade da aplicação ??? – ZERO – passatempo , á parte de ” comer “cerca de 23% da bateria

    • Marisa Pinto says:

      Como funciona a app STAYAWAY COVID?
      A app é instalada e assim que alguém tenha um teste positivo, insere o código na sua app e esta envia um código para um servidor central. Por sua vez, esse servidor vai notificar os dispositivos móveis com a app instalada que estiveram em contacto com aquele utilizador infectado num espaço de 14 dias anteriores à data da inserção do código.

      Exemplo prático:
      A Maria esteve em proximidade com o António no dia 10 de setembro. A Maria por alguma razão faz o teste no dia 13 de setembro e sabe o resultado a 15 de setembro, que deu positivo. A Maria insere o código na aplicação e esta, através de códigos aleatórios e anónimos, vai enviar os dados ao servidor. Por sua vez o servidor vai notificar os smartphones com a app que estiveram em proximidade com a Maria.
      Portanto, a Maria está em casa de quarentena, ao mesmo tempo que o sistema alertou as pessoas que estiveram em risco de contágio, no espaço anterior até 14 dias (tempo de incubação estimado do SARS-CoV-2).
      Quem receber a notificação poderá então proceder a medidas preventivas, como ligar para a linha 24 e eventualmente fazer o teste.
      Não há qualquer recolha nem partilha de dados pessoais nem de localização do utilizador.

      • Miguel says:

        Acredito que o caso da “Maria” ocorra em casos de surtos localizados e com testes em massa. No meu caso, que estive em contato direto com um caso positivo as contas são outras. Depois de 6 dias após o contato com a pessoa infectada sou contactado para fazer quarentena profilática. E após 5 dias de isolamento pude fazer o teste. No meu caso o resultado surgiu em 24h mas na mesma altura sei de casos que demoraram 3 dias a receber o resultado.
        Raramente a “história” começa com um resultado positivo e a aplicação resolve tudo. Acredito que a aplicação pode agilizar o processo, mas dificilmente o conseguirá com os tempos que vi em comentários anteriores.

  19. Raul says:

    Luís Filipe Antunes, diretor do Centro de Competências em Cibersegurança e Privacidade da Universidade do Porto.

    https:// http://www.noticiasmagazine.pt/2020/stayaway-covid-entre-a-saude-e-a-seguranca/historias/252932/

    Caso prático. “Vamos supor que hoje ficamos a saber que há mais 646 pessoas infetadas e que todos inseriram o seu código na app. Vamos também partir do princípio que cada uma dessas pessoas esteve em contacto com quatro pessoas por dia, ao longo dos último 14 dias. Isso ia significar que amanhã estariam 36 176 pessoas a ligar para o SNS24.” Nova questão. “O Estado está preparado para isto?” Mais. Para o especialista, o problema da eficácia pode constatar-se em diversas situações. “Numa ida ao banco onde há um acrílico a separar as pessoas, em que tanto nós como quem nos atende usa máscara. O telemóvel marca o contacto, mas a probabilidade de haver infeção é baixa. Numa superfície comercial, se as medidas de segurança forem cumpridas, o potencial de infeção também é muito baixo. Numa fila de trânsito eu vou marcar um contacto que está à minha frente, atrás, ao meu lado, e estamos dentro de carros diferentes.” Exemplos que servem apenas para perceber que “o número de falsos positivos que a app vai dar e que na prática não são potenciais infeções é muito elevado”. Tudo porque o Bluetooth “não sabe se há máscaras, acrílicos ou viseiras”, frisa. Motivo que o leva a defender a existência “de um número específico, que não a SNS24, para atender a app”. Para essa linha estar livre “para quem realmente precisa.”

    • Marisa Pinto says:

      A app não vai dizer se está positivo. É meramente informativa como medida de prevenção.

      • A. M. says:

        Então e isto: “Quem receber a notificação poderá então proceder a medidas preventivas, como ligar para a linha 24 e eventualmente fazer o teste.”….como é que ficamos??

      • rodrigues says:

        Acho que isso todos já percebemos… o link que o Raul colocou para o artigo da Notícias Magazine, de uma forma geral, explica bem o que “vale” esta app. Entre a real ocorrência da violação da privacidade, existe ainda a total disfuncionalidade da app em determinadas situações, criando falsas ocorrências de contactos.
        Depois, também já se percebeu, às grandes empresas não lhes interessará que os seus funcionários tenham a app no smartphone… e não se “fale” em desfasamento de horários.

        O Pirata da cavernas se não leu o artigo, deve o ler… li este depois de colocar o meu comentário à sua sugestão do “carimbo na testa”… felizmente existem mais cidadãos com uma “visão periférica” mais ampla…

    • Pipocas says:

      Este senhor também está associado ao INESC TEC o que mostra bem o tipo de pessoa com que estamos a lidar.
      Em engenharia nós chamamos a este problema que o sr levanta, um bom problema. Se milhares de pessoas ficarem a saber que tiveram um contacto de risco, é um problema, mas é um bom problema e que nada tem haver com APP. Repara-se, imaginemos que o pais tinha condições de fazer 10Milhões de testes amanhã, e que detectava 10.000 pessoas infectadas, é um problema manter essas pessoas em casa? Já não era, já era aceitável.

      Sim, a app não deteta quem está infectado, não. Mas informa quem pode estar com maior probabilidade. Is that bad?

      Já sabemos o porquê de tanta gritaria, queremos “Sol na Eira, e Chuva no Nabal”..ain’t gonna happen.

      Be safe 😉

    • Tuga says:

      Podes arranjar mil e uma situações para te desculpares quanto ao uso da app que eu arranjo-te mil e duas situações em que pode ajudar. A app apenas serve para ajudar a diminuir a propagação da infeção e evitar que chegue a pessoas mais vulneráveis como os teus familiares mais idosos, com outras patologias e que seguramente muito estimas. Isto não cura nada, só ajuda. Nunca precisaste em nenhuma situação da tua vida de ajuda de ninguém ? O teu país precisa.

  20. bla says:

    “Como temos vindo a referir, face à arquitetura e documentação a app STAYAWAY COVID é segura”. Quais os testes que realizaram? Como efectuaram esta validação? Quem foram os peritos? Os peritos são independentes? Segura em que contexto?

    Continuo a aguardar pelos resultados dos testes de engenharia social “realizados” e da possível marginalização dos infectados. Se eu tenho a app e não saio de casa, se receber uma notificação significa que é o meu vizinho o infectado? O meu vizinho vai à varanda, eu também posso ir ou corro o risco de ser infectado? Quem tem direito a ir à varanda eu ou o meu vizinho? Tenho uma caçadeira e o meu vizinho chegou perto da minha varanda, disparo? (só para o assustar, claro)
    Trabalho num shopping, todos os dias recebo notificação na minha app, o que faço? Testes todos os dias? Quantas vezes por dia?
    Hoje apanhei imenso transito e estive horas na fila, a minha app notificou, devo ir fazer um teste?


    • Marisa Pinto says:

      Se a app te notificou no trânsito provavelmente ias muito próximo a outros carros 🙂

    • Joao Ptt says:

      O ideal é meter um reagente na máscara de protecção, que mude de cor quando estiver em contacto com o vírus, de preferência que indique se o vírus está do lado exterior, ou a vir de dentro da própria pessoa. Assim está a testar permanentemente e a detectar imediatamente o problema e já pode entrar em pânico à vontade, porque tem razão para isso.
      Convêm é que o reagente não dê falsos positivos, nem falsos negativos.

    • nimboos says:

      A ferramenta de deteção foi criada pela Google e pela Apple. Podes questionar as empresas.
      Relativamente aos testes, podes perguntar ao teu médico de família.

  21. Rodrigo says:

    O que se passa? Não se passa nada. Ninguém obriga a um infectado a usar a App. 1/3 dos Infetados são pessoas idosas que não têm smartphone. Têm aí a vossa resposta ao grande enigma.

    • Hélio Musco says:

      “1/3 dos Infetados são pessoas idosas que não têm smartphone.”
      Totalmente falso e desafio-te a mostrar fontes que confirmam tal afirmação.

      • Samuel MG says:

        que tal estes valores minimos:
        – 165,18 euros na pensão de sobrevivência
        – 275,30 na pensão de velhice;
        O número de pensionistas de velhice da Caixa Geral de Aposentações (CGA) atingiu quase 410 mil em 2019. Já o valor médio da reforma de velhice caiu 39%, passando a ser de 764,40 euros mensais brutos.

    • Eu says:

      Já para não falar nos positivos que em poucas horas entram na UCI, sem qualquer hipótese de usar a App caso a tivessem, ou sequer ter o código desse positivo em tempo útil, dada a demora excessiva em fornecerem esse simples código!

    • Tuga says:

      E quem levou a infeção aos idosos da tua estatistica ? Os outros inconscientes que estão-se completamente nas tintas para o problema, até porque muitos depositam os seus velhos nos depostos de velhos que há por aí espalhados e só vâo à procura deles pelo natal…e vão de mão estendida.

  22. Fábio says:

    Medo de introduzir o código e saberem quem é a pessoa infetada?
    Quem tem medo nem sequer pede o código (pq só depois de saberem que estão infetados é que o podem e consequentemente devem pedir… Sim, o código não é dado à pessoa, tem de ser requisitado à posteriori pela mesma).
    As razões estão todas descritas no artigo, mas o medo não é uma delas.
    Por outras palavras, o pedido do código esta relacionado com o medo e o desconhecimento dos procedimentos, já a introdução do código na app está relacionado com todos os outros motivos descritos menos o medo.

  23. Joao Ptt says:

    Um truque que pode incentivar as pessoas a meter o código é dar a quem mete o código 1 € já livre de impostos, que pode ir para o cartão Continente, ou ser transferido para a conta bancária (a entidade do estado assegura o pagamento de eventuais taxas) por exemplo.

  24. Eu says:

    Colocando a hipótese desta App ter um uso generalizado da população, como pretendem os senhores governantes (para justificar o “investimento”), serão emitidas centenas de milhar de notificações, correcto?
    Pergunto, então, o que farão os serviços públicos, SNS 24 e hospitais?
    Estarão prontos para responder a uma tal demanda? Acham isso credível, viável ou sequer prático e útil?

    Nunca esta App servirá ou terá algum interesse para os cidadãos, nem melhorará em nada o combate à Covid-19!
    Tudo isto é uma falácia e uma tentativa de justificar uma medida com os gastos de dinheiro e para dizer que o governo até está a utilizar as novas tecnologias e tudo o que pode para combater a pandemia, quando na realidade de nada vai servir ou melhorar a situação actual.
    Antes pelo contrário, ainda vai aumentar a sensação de pânico generalizado e causar danos terríveis na resposta e atendimento do SNS!

    O governo e demais serviços públicos deveriam focar-se em organizar e distribuir os recursos humanos e materiais ao seu dispor para facilitar a resposta ao aumento de casos complicados que vão surgir e capacitar todos os serviços hospitalares de todos os meios necessários para servir adequadamente todos os tipos de problemas de saúde e não apenas dos casos desta pandemia!
    Para além disso, devem informar de forma simples e adequada a população, sem alarmismos e sem demagogia política, com base no conhecimento científico mais actual, da forma correcta de todos participarem activamente na proteção individual e colectiva, sem enfatizar proibições ou obrigações. Incentivem a participação da população de modo positivo e informado, e não de forma autoritária sem nenhuma base lógica de compreensão comum!

  25. André Cardoso says:

    Não percebo esta frase:
    “Por outro lado, se o código demorar sete a oito dias a chegar à pessoa, mesmo que tenha sido gerado no 7º ou 8º dia, já não serve de nada porque a pessoa, entretanto, pode ter melhorado.”
    Porque o que o código vai fazer é avisar todos os utilizadores da app que estiveram nas proximidades nos dias anteriores e não avisar em tempo real, porque o doente é obrigado a ficar em qaurentena…obviamente.
    Suponho que a frase tenha sido adicionada por quem escreveu a notícia e não dita pelo administrador do instituto do Porto.

  26. Jorge Nunes says:

    Resumindo e concluindo, não serve para nada.
    500.000 € do bolso do contribuinte, para nada, ou será que foi para alimentar certos interesses.
    Tipicamente português, mais valia o dinheiro ter sido aplicado no SNS em recursos humanos.

  27. Eu says:

    A questão desta App e de tudo o que gira em torno disso: obrigatoriedade, RGPD, certezas absolutas, garantias de segurança, é uma amostra do desnorteio do nosso Governo em responder à actual crise pandémica, social e económica.
    O Governo está a ficar “infectado” e será um caso real do efeito colateral de doença mental causado pela Covid-19!

  28. TóSousa says:

    É lamentável alguns dos comentários que por aqui se vêm. Demonstram completa ignorância ou pior falta de civilidade e de solidariedade para com os outros.
    É lamentável que um governo tenha de tornar obrigatório uma app, que anonimiza completamente todo o processo,e tem de o fazer porquê? Porque há uns de nós que se recusam pelas mais estúpidas razões a instalar a App.
    O meu telelé tem o BT sempre ligado para no carro ter mãos livres, assim como o GPS, porque uso de vez em quando o Google Maps. Consumo de bateria? Praticamente zero. O segundo telemóvel tem tb sempre o BT ligado para ligar à smart band e por acaso tem o GPS activo para monitorizar as minhas caminhadas.
    Tão ciosos da privacidade mas usam Facebooks, Instagrams, WhatsApp, e outro monte de aplicações, além de pelo facto de terem um Android ou iOS estarem sempre a ser monitorizados por um dos 2, ou pensam que não são?
    Também não usam cartão MB, faturas, impostos e outras coisas que permitem saber o que fazem.
    O estado já tem tantas ferramentas por nos vigiar que não precisa do stayaway para nada.
    Deixem de dar banho ao cão com conversas e argumentos da treta, e façam o que muitos de nós já fizemos e nos comprometemos ao instalar a App (desde que tenhamos equipamento que o permita).
    O estado já nos obriga a tanta coisa. Já agora têm a vacina do tétano em dia? A minha USF anda sempre em cima a ver quando acaba a minha para me dar o reforço. Não é uma invasão da minha privacidade? É, mas não me chateia, porque é para meu bem.

    Em vez do 1 Euro como já alguém disse,
    fiquem bem e cuidem-se e ganhem juízo
    Tó Sousa

    • rodrigues says:

      O governo quer que seja obrigatório a instalação da app… mas entre o querer e o poder existe muita “distância”! A obrigatoriedade não será possível, quer em termos legais quer em termos de fiscalização, que fica dependente da legalidade. Como é que se comprometeu a instalar a app? Nunca tinha visto um relato de compromisso neste caso… tenho a vacina do tétano em dia mas não é porque o meu USF “anda sempre em cima”, será porque eu “ando sempre em cima”… próxima 2032, se for vivo e capacitado para a tomar. Não é com o a “vigilância” do Estado que tem que se preocupar pois, nesta situação, nem é disso que se trata, mas com a vigilância dos gigantes tecnológicos, algo a que o Estado parece não se importar tomando, até, uma posição de servilismo.

      • TóSousa says:

        Então vou deitar fira os meus telefones Androids e os IPads, e já agora os PC’s Windows , mac’s e Linux porque todos me vigiam.
        É isso que está a dizer? Deixe-se de lirismos. Isso é pior que uma opera lirica, é delirar.
        Quando instala a App comprometesse a inserir o código, se não sabe é porque nem sequer olhos para ela.

        • TóSousa says:

          Compromete-se e não comprometesse. raio do corrector

        • rodrigues says:

          O seu problema começa logo no português neste caso, o escrito… é algo, infelizmente, muito comum. “e façam o que muitos de nós já fizemos e nos comprometemos ao instalar a App (desde que tenhamos equipamento que o permita).” – foi o que escreveu – eu perguntei como assumiu este “compromisso”… não me diga que é apenas mais um “dever cívico”… claro que se alguém a instala deverá a usar na sua plenitude. Sim, nunca a consultei, esta app, à semelhança da mais usada, não será colocada no meu smartphone. Já agora o “adjectivo” que usou sobre a minha opinião, acho que deve o corrigir para o que realmente quer “adjectivar” (seja lá o que for)… é a questão de se desconhecer a língua portuguesa.

          • TóSousa says:

            Disse

            “Não é com o a “vigilância” do Estado que tem que se preocupar pois, nesta situação, nem é disso que se trata, mas com a vigilância dos gigantes tecnológicos, algo a que o Estado parece não se importar tomando, até, uma posição de servilismo.”

            Isto se não é delirar será o quê?
            Ou quer fazer como a China que baniu todos esse serviços?
            Ou então como disse tenho medo e deito tudo fora porque todos me espiam.
            Não me corrija o português porque parece que não o percebe.

            QUando aceita instalar a app compromete-se a inserir o código se for infectado. Se não sabia fica a saber. Eu instalei (devo ser dos tais palermas que tentam fazer tudo, como andar de mascara na rua, para tentar parar esta pandemia).
            Fique bem e proteja-se a si e aos outros e instale a app que não morde.

        • Samuel MG says:

          Não metas o Linux no mesmo saco que os outros pois é o único que não vigia ou recolhe dados dos utilizadores.

      • Sergio says:

        Por acaso andam minimamente em cima, porque negam-te acesso a alguns serviços de saude.. eu com 20 anos tinha a minha em atraso segundo o sistema (que ate estava errado).. e não me deixavam ter uma mera consulta com a medica de familia 😛

        • TóSousa says:

          Se fores um tipo tecnologicamente interessado terias conta no Portal do SNS e verias que estavas atrasado.
          Como tenho e tenho as notificações activas de quem consulta a minha ficha, sempre que vou a uma consulta (que para mim são regulares no centro de saúde) alguém lá vai ver a vacina.
          Se têm as coisas usem e abusem delas, é para isso que servem, como a App.
          Estão todos tão preocupados com os 400k gastos, e os milhões que a AT gasta em software para nos controlar, por ex, com o eFatura? Não falam? Ou não sabem que se gasta? Vão ao base.gov.pt e vejam quanto gasta a AT…

    • Tuga says:

      É a tradicional hipocrisia a funcionar.

  29. Lopes says:

    Tenho uma sobrinha que a deixaram ir para a escola sabendo que a mãe de um colega estava infetada.
    Passaram 4 dias ate o colega fazer o teste que deu positivo também.
    Só depois é que a escola avisou a turma toda para ficarem em casa.
    O primeiro alerta foi dado pela mãe do colega infetado muito antes de se saber pela escola.
    Assim com a lentidão do sistema não existe aplicação que resulte.

    • TóSousa says:

      Mas o problema foi a mãe infectada ter deixado o filho ir para a escola.
      Com um infectado em casa, toda a gente devia ficar em isolamento imediatamente e automaticamente, sem ser preciso alguém lhes dizer para ficar.
      O que tem a App a ver com uma regra, pelo menos de bom senso, que devia ter sido cumprida e não foi?

    • airtup says:

      É culpa do Bolsonaro e do Trump..
      Ou será do Costa, Marta Temido e co.?
      Nós Europeus passamos o verão a gozar com Americanos e Brasileiros em vez de fazermos algo e agora vê-se os resultados..

    • Infetado says:

      Essa história está mal contada. Familiares de infetados, ficam todos isolados de imediato. A mãe seguramente não seguiu as instruções que recebeu.

  30. Leandro says:

    Por favor parem com esta discussão estúpida.
    Por favor Pplware.
    Nenhum estado democrático irá obrigar uma instalação destas.
    Foi apenas um delírio do Costa.

  31. Dan says:

    Os Portugueses são uma cambada de ignorantes! Pois se for para serem burlados no MBWAY caem que nem uns patinhos, mas fazer algo que pode ajudar nesta “guerra sem fim a vista” tem medo. Como dizia o outro, eu quero ir para a ilha!!!

  32. Dan says:

    A forma de obrigar a ter aplicação é tão simples.
    Quem fizer prova de que usa constantemente tem direitos na sociedade.
    Quem não fizer perde todos os direitos e fica só com os deveres, paga paga paga!!!

    • Eu says:

      Deverias adorar viver na Coreia do Norte!
      Lá eras obrigado a ter o retrato dos grandes líderes em casa sempre bem limpinho usando o paninho específico para essa tarefa.
      Podes até nem ter o que comer, mas se falhas o cumprimento dessa tarefa de limpeza vais parar a um dos vários campos de concentração ao dispor da população!

    • rodrigues says:

      Os deveres estão, desde sempre, garantidos… quanto aos direitos estes falham constantemente! O seu comentário é absolutamente desfasado da realidade.
      Mas não se preocupe, está ao nível do Dr. António Costa, no que concerne à realidade (ao seu conhecimento) pelo menos nesta situação… faz ideia de quantos cidadãos não possuem um smartphone? Sabe, por exemplo, que existem locais em Lisboa sem cobertura GSM para determinados operadores? Faz ideia da baixa escolaridade ou mesmo do analfabetismo existente? Por último, eu compro um smartphone, pago as comunicações e o Estado indica-me que tenho que lhe colocar uma determinada app?

      • Infetado says:

        Mas leste o documento que entrou na Assembleia da República sobre a obrigatoriedade do uso da app ? Alguém leu ????? Ninguém leu nada ! Ninguém lê nada. Se leram, não sabem ler! Não há obrigatoriedade como vocês a cospem para o ar. Estão a ser ridiculos. Leiam as coisas e não emprenhem pelos ouvidos ou pelas redes sociais !!

    • Viriato says:

      Desculpa , paga ?
      achas pouco o que o Português paga para sustentar a corrupção que existe neste País , e preocupas-te com uma aplicação que sim só feita para copiar-mos os outros e para derreter dinheiro.
      Portanto és a favor da escravatura económica que o estado impõe aos portugueses e ainda dás a opinião de roubar ainda mais.

    • Robin says:

      Portanto pra ti o governo existe para bater ou castigar o povo se ele não fizer a sua vontade.

  33. Luis Mendes says:

    Mais uma vez os teóricos ligaram o complicómetro, decididamente o simplex não funciona.
    Proponho a obrigatoriedade dos serviços médicos colocarem o código na App logo após resultados positivo e apagar quando o teste for negativo. O resto são tretas para gerar polémicas.

  34. Marco says:

    Obrigar a instalar a aplicação é que vai fazer o efeito contrário, muitas pessoas que pensavam em instalar já mudaram de ideias.

    • Infetado says:

      Outro ! Vai ler o documento que deu entrada na Assembleia da Republica sobre essa tua obrigatoriedade. Ao menos dá um uso útil ao teu pacote de internet. Sabes ler não sabes ? Que tristeza, fala-se sobre o que não se sabe.

  35. Sergio says:

    Isto para mim resolvia-se facil, multa de 500 a 1500€ , para quem nao enviasse o codigo. Mudava já a proporçao 🙂

    Infelizmente as pessoas continuam a ser o pior problema, nestas alturas é que se vê o estado de egoismo que se vive na sociedade.
    Dou o meu exemplo:
    Tanto o meu pai como a minha mãe não são ligados as tecs, nem a apps.. mas eles seriam os primeiros a dizer ” por favor, ensina-me a usar.. o que devo fazer?”

    O resto é paleio de pessoas hipocritas, que até usam um argumento que se pode aceitar ( falta de certeza absoluta na recolha de dados). Mas que o usam, quando sao os primeiros a abrir as pernas à Google e Facebook.
    Até o vosso ministro e presidente da republica usam a app, até aí o exemplo veio de cima.

  36. Eu says:

    Por favor, reinstalem uma nova versão deste Governo!

    Esta versão já está desactualizada e com muitos Bugs 😀

  37. joaneta says:

    O que se passa é que com 70000 infetados deviam ter sido gerados 70000 códigos.

  38. Carlos says:

    Gostava de saber quem é que me pode obrigar a andar com o telemóvel e/ou a instalarem o que quer que seja num aparelho por mim adquirido.
    Não instalei a mesma porque frequentemente o telemóvel fica no carro e, não considero que esta seja eficaz.
    Para a app funcionar, esta deveria gerar e alertar o sistema de forma automática, sem ser necessária a intervenção do utilizador.
    Se tal vier a acontecer instalo,
    Há tanta coisa que está a funcionar mal e ninguém se preocupa com a mesma. Pessoas com a máscara mal colocada, incumprimento das distâncias (sem motivos) .
    Enquanto este tipo de atitudes persistir não serão as aplicações que resolvem o problema e muito menos com arrogâncias ditatoriais

    • Infetado says:

      Nenhuma aplicação resolve o problema. Ninguém disse que resolvia. Mas tudo servirá para ajudar. E obrigar ? Sabes ao menos o contexto dessa obrigação ? Ou falas por que ouviste dizer ? Devias ler o documento que foi entregue na Assembleia da Republica. Passarias a fazer comentários informados.

  39. TóSousa says:

    Isto transforma-se numa arena dos pró e contra.
    É como os pró vacinas ou contra vacinas, por ex.

    Sabem o que está a acontecer na Europa com o Sarampo? Se não sabem procurem.
    Esteve erradicado na Europa mas a moda de não vacinar os miúdos, já está a voltar à Europa.

    Marisa, sugestão para pergunta semanal:
    Quando houver vacina para o SARS-Cov-2 vai vacinar-se ou recusar (mesmo sendo obrigatório)?
    Lá está o estado a obrigar-me a fazer o que não quero.
    Eu não quero pagar impostos mas tem de ser 😛

  40. Miguel Lima says:

    Digam me só uma coisa ao criares uma app para iphone podes criar para versões anteriores ou apenas para a versão mais recente?

    • TóSousa says:

      A apple só desenvolveu a API usada para o IOS 13.5 e a Google só para a Versão 6 ou superior.
      Logo só pode ser instalado em dispositivos com iOS 13.5 ou superior ou Android 6 ou superior

  41. rodrigues says:

    Tó Sousa aqui se existe um palerma será você… primeiro eu não o ofendi! “Lirismo” não é a mesma coisa que “delirar”… volto a insistir que é fraco na língua portuguesa…
    A China e todos os regimes totalitários preocupam-se em “espiar” os seus cidadãos, com certeza que o primeiro objectivo não será o comercial, porquê indica a China aqui nesta discussão? Deve ser por não entender o que escrevi, naturalmente…
    Deite fora o que entender, é seu supostamente… não tenho nada para deitar, em termos tecnológicos, talvez porque tenha o “saldo” positivo…
    Uso máscara no trabalho, somos cerca de 1000 trabalhadores, servimos a 3ª maior população do país, uso em todo o sítio que é obrigatório. Usar na rua? Se eu sair da porta fora só encontro o cão, o gato… “Usar na rua” terá que ser algo que passará por uma avaliação de cada um… uma rua da capital durante o dia está apinhada de gente e à noite estará praticamente vazia…
    Não vou instalar a app porque, simplesmente, é um aglomerado de falhas… o meu smartphone tem muitas apps “institucionais”, esta simplesmente é um fiasco!

    • TóSousa says:

      Caro rodrigues

      Agora cometeu o erro de todos…baixar o nível….Continuo d afrmar que não sabe ler, nem seuer o que escreve, quanto mais o que os outros escrevem.
      Leia bem o que Sua Excelência disse:

      “Não é com o a “vigilância” do Estado que tem que se preocupar pois, nesta situação, nem é disso que se trata, mas com a vigilância dos gigantes tecnológicos, algo a que o Estado parece não se importar tomando, até, uma posição de servilismo.”

      Não sei ler ou escrever? Tenhamos paciência para senhores como sua excelência.
      Eu faço o que que me parece devido e vossa excelência faça o que lhe der para fazer.
      Não ande de mascara na rua quando anda muita gente, não instale a inútil APP, não se proteja.
      Viva la vida.
      Fique bem mas não me chateie sff.

      • rodrigues says:

        Se se chateia é porque quer ou porque não admite a contrariedade à sua opinião… não baixei de nível, quando você se permite a me chamar de palerma é óbvio que terá que ter uma resposta ao nível que coloca!
        Eu estou quase permanentemente em casa, tenho muito por onde me entreter, saio para trabalhar apenas, só saio para algo que não possa fazer a partir de casa… segunda vou tomar a vacina da gripe, terei que sair, obviamente.
        Não entende o contexto do que escrevi, não vou perder tempo a explicar… estou desde as 9h de volta do LCD4Linux e do lamedb já tenho dor de cabeça que chegue!
        Instale a app, sinta-se mais protegido do que quem não a instala e seja feliz. Tire a máscara apenas para comer, beber, tomar banho entre outras situações em que não é mesmo possível a sua utilização.
        Apagaram o link que coloquei para o comentário do criador da app… pode ser que não voltem apagar:

        https://rr.sapo.pt/2020/10/15/pais/criador-da-app-stayaway-covid-contra-obrigatoriedade-polemica-era-desnecessaria/noticia/211117/

        • TóSousa says:

          Caro Senhor

          Nunca lhe chamei palerma, tenho pena que não saiba ler. Eu disse que EU devia ser dos tais palermas que usam mascara na rua, ….
          Continuo a dizer que não sabe ler.
          Eu como pessoa de risco, saio apenas para o que é preciso, trabalho muito remotamente e vou dar a minha caminhada diária.
          Se está com dor de cabeça tem uma aspirina que lhe deve fazer bem.
          E Já agora aceite as opiniões diferentes da sua. Eu aceito, não aceito é argumentos parvos para não se fazer uma coisa que devia ser normal fazer e não ser preciso o governo ou outro obrigar a fazer, ou ainda não percebeu o meu ponto de vista?
          Se não percebeu temos pena, mas passo à frente.
          Fique bem

        • TóSousa says:

          Eu disse mais abaixo mas está fora do sitio:

          Continua a insistir e dar com os burros na água.
          Porque não se cala?
          Já sabemos que não quer instalar a APP, ninguém a quer obrigatória, mas se tiver de ser lá terá de ser. Ainda não percebeu?
          Eu não quero voltar a ficar confinado, mas se me obrigarem que remédio tenho de o fazer.
          É muito mais grave obrigar-me a ficar confinado do que me obrigar a instalar uma APP, ou ainda não percebeu isso?
          Infelizmente muitos, como o sua excelência, ainda não perceberam isso.

          • rodrigues says:

            Eu nunca fiquei confinado, pertenço à “linha da frente”, nunca parei! E só ficarei confinado se ficar contagiado ou estiver estado em contacto com alguém que dê positivo no teste.
            A app nunca será obrigatória… até o Dr. António Costa já percebeu que meteu o “pé na poça”! No seio do partido e mesmo na sua bancada parlamentar, muitos com bom senso, perceberam que não podiam obrigar.
            Quanto ao acto voluntário de a instalar, não porque é algo sem utilidade prática e já se provou que o é de facto. Quando viu um burro pela última vez? Os de quatro patas, naturalmente… todos os dias vejo pelo menos um e vejo o Aeroporto da Portela desde casa… os que vejo não precisam que lhes dê água…

          • TóSousa says:

            Pois eu também não confinei….como informático sou da linha da frente também.
            A APP poderá ser obrigatória haja quem nos obrigue….espero que não.
            Se o Costa percebeu que não, porque a mandou para a AR?
            Se o acto de a instalar salvar 1 vida que seja já vale a pena.
            Infelizmente além dos de 4 patas vejo muitos de duas patas, felizmente que as suas vozes não chegam ao céu….
            Parece que não percebe o sentido de dar como os burros na água….pode ser que o ciberduvidas possa ajudar.
            Fique bem, boa sorte e proteja-se da forma que achar melhor e espero que a aspirina tenha ajudado na dor de cabeça.

  42. rodrigues says:

    O criador da app, José Mendonça, é contra a obrigatoriedade da sua instalação… o seu criador tem bom senso, contrariamente a muito “boa gente” que, simplesmente, está “fora de contexto”!

    “Não me sinto confortável” com a decisão, admite o presidente do INESC-TEC. “O Governo toma as decisões que entende, e entenderam colocar isto no Parlamento, mas de facto a aplicação não foi desenvolvida com este objetivo [de obrigatoriedade] e foi um modelo concebido para proteger a privacidade dos dados, o anonimato e ser voluntário.”

    Responder

  • Infetado says:

    A instalação da app não é obrigatória no sentido que tu e todos os outros insistem em espalhar aos quatro ventos. Lê o documento que foi entregue na Assembleia da Republica sobre a obrigatoriedade, que eu cada vez mais me convenço que ninguém leu. Ninguém.

  • TóSousa says:

    Continua a insistir e dar com os burros na água.
    Porque não se cala?
    Já sabemos que não quer instalar a APP, ninguém a quer obrigatória, mas se tiver de ser lá terá de ser. Ainda não percebeu?
    Eu não quero voltar a ficar confinado, mas se me obrigarem que remédio tenho de o fazer.
    É muito mais grave obrigar-me a ficar confinado do que me obrigar a instalar uma APP, ou ainda não percebeu isso?
    Infelizmente muitos, como o sua excelência, ainda não perceberam isso.

    • rodrigues says:

      Não me lembra da última aspirina que tomei… o Costa só percebeu depois das “vozes de burro” terem chegado aos “céus” e já tinha a enviado à AR… Ontem a Ordem dos Médicos veio afirmar que é contra a obrigatoriedade da instalação, uma vez que não existe nenhuma evidência científica de que a sua utilização contribua para a diminuição da incidência de covid-19, a Ministra da Administração Pública prefere que seja opcional e nem diz que instalou ou não (está no seu direito). Sérgio Sousa Pinto, deputado do PS, que a obrigatoriedade da instalação é “mil vezes pior que o covid-19″… Hoje é esta app, inútil, amanhã será uma bem “conseguida” capaz, até, de contar quantas voltas dá o rolo de papel higiénico cá em casa….

      Artigo 26º da CRP:

      (Outros direitos pessoais)1. A todos são reconhecidos os direitos à identidade pessoal, ao desenvolvimento da personalidade, à capacidade civil, à cidadania, ao bom nome e reputação, à imagem, à palavra, à reserva da intimidade da vida privada e familiar e à protecção legal contra quaisquer formas de discriminação.

      Então para fiscalizar se app está ou não instalada e activa, à autoridade que for incumbida essa tarefa vai ter acesso, para além da app, a outro conteúdo de natureza intima e privada do proprietário do dispositivo… suspende-se a Constituição ou só este Artº.? Não, eu não quero que se abra um precedente ainda para mais para esta ridícula app! A humanidade não se extinguirá pelo covid-19, já passou por várias pandemias…

  • Dan says:

    Quando tiverem dois palmos de terra em cima do lombo já teem toda a privacidade do mundo. Por isso, Portugueses, tenham juízo na cabeça e usem mascara sempre que saem de casa e levem o smartphone no bolso com o STAYAWAYCOVID instalado e a funcionar

  • Dan says:

    O Facebook não invade privacidade, o WhatsApp também não, o Instagram idem aspas e muito menos o Twitter, YouTube e afins. Essas aplicações como não sabem nada dos utilizadores ate podiam fazer alguma coisa de útil e identificar os infectados e se eles saíssem de casa as suas contas ficavam bloqueadas definitivamente. Era o fim do mundo para alguns =P

  • Lopes says:

    O que se Passa ?

    Eis alguns motivos:

    Não consideraram quantos desinstalaram a app.
    Não explicam para que é necessário ter o GPS ligado numa APP que somente deveria utilizar o Bluetooth.
    Não explicam o que é feito e quais os procedimentos se a app der o alerta.

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado.

    You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

    *

    Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.