PplWare Mobile

CEO da Xiaomi revelou como a marca consegue ter preços baixos nos smartphones


Apaixonado por tecnologia, encontro no Pplware a forma ideal de mostrar aos outros os meus conhecimentos e de partilhar tudo o que me interessa neste intrincado universo

Destaques PPLWARE

  1. SANDOKAN 1513 says:

    É para vocês verem.Só tem lucros entre a margem dos 8 a 9 %.E,mesmo assim,continuam a vender e a inovar como nenhuma outra marca a nível mundial.Ainda por cima,com a alavanca do 5G prevista para o próximo ano de 2020,a Xiaomi vai lançar todos os seus aparelhos já com as especificações correctas para poderem operar neste espectro.Todos eles,dos mais baratos aos mais caros.Foi e é por isto que esta marca tanto me cativa.FTW Xiaomi. 🙂

    • SANDOKAN 1513 says:

      Já agora,queria acrescentar que a Xiaomi já é a 4ª marca a nível mundial em termos de vendas de smartphones.Poderá aspirar a mais ?? Acho que sim,mas ultrapassar a Huawei vai ser muito difícil.Quanto à Samsung e à Apple não duvido nem por um segundo(nem um !!),que,num futuro não muito longínquo,vai-lhes passar a perna como um foguete !! Acho muito bem.Faz aparelhos a preços excepcionais,enquanto outras marcas só pensam em lucros atrás de lucros.Onde se vê,por exemplo,o seu último modelo,o Mi Note 10,a ser inferior ao iPhone 11 da Apple ou ao Galaxy Note 10 da Samsung ?? Não vejo em quê.Ainda por cima custando nem metade do valor de cada um desses 2 smartphones,muita atenção !! É por este e outros motivos que muito aprecio a Xiaomi.

      • Mestre em direito says:

        A grande maioria das marcas chinesas copia tecnologias, explora trabalhadores (A Apple por exemplo produz lá mas faz imenso para manter regras, a Samsung, Sony etc também produzem e tentam manter as regras) e aqui o ponto mais importante: a maioria recebe subsídios do governo para meter telemetria e os transportes são grátis.

        Ora se em vez de salários americanos ou europeus deres salário de terceiro mundo, sem direitos, os chineses trabalham em média 6 dias/ semana a umas 50h/ dia (facto, na empresa temos chineses que nos contam como é lá a vida), mais subsídios do estado, então não é difícil preços baixos. É verdade que marcas como a Apple, Samsung, etc têm margens de lucro exorbitantes, mas não vem tudo daí.

        • eu says:

          Não sei se o seu mestrado ficou por fazer alguma cadeira, mas antes de dizer disparates deveria saber que o que é fabricado na china por algum motivo lá está a fabrica e não no pais de origem, é tudo lucro, seja lá que marca for, e se pensa que apple é o patamar, deveria pesquisar coisa simples no Dr. Google como “Apple Foxconn” a ver se acabava alguma cadeira em falta no Mestrado.

        • SergioM says:

          Tens que me dizer onde é que se arranja uma chinês que trabalhe 50 horas por dia, preciso de contratar um desses para me ajudar.

        • Eu says:

          Quantas horas tem o teu dia? Ou, será que pensas que a China fica noutro planeta? 😀

        • Pedro Sousa says:

          Aposto que não entras numa fábrica chinesa há largos anos…

      • Bruno f says:

        Não creio que ultrapasse a Apple e Samsung assim tão em breve. Sabes que a maior parte dos consumidores, vai a uma fnac ou a uma Worten e pergunta lá ao funcionário qual o melhor smartphone a comprar. Esse funcionário vai sempre recomendar uma das 3 principais marcas, porque são quem lhe paga e o consumidor vai comprar, porque não tem alternativas..nunca lhe vão recomendar um Xiaomi.
        Em Portugal funciona assim, acredito que nessa Europa fora seja muito semelhante. A Xiaomi sem investir numa distribuição e marketing como deve de ser, vai ter uma tarefa muito dificil para passar esta barreira do 4° lugar. Têm muito potencial sem dúvida, mas para já só quem se desenrasca em pesquisas e compras online, é que consegue chegar até eles

      • Sujeito says:

        não “vai-lhes passar a perna” não senhor. Pode é “passar-lhes a perna”.

    • simples says:

      É isto e a mão de obra de crianças na china a fabricar estes e todos os outros telemoveis neh?

      • RPG says:

        Não estará a confundir com Tailândia, Indonésia e outros países asiáticos subdesenvolvidos? Lol
        Na China isso poderá ter acontecido há 10 anos, mas hoje em dia deve ser mesmo muito raro, ao mesmo nível que alguns países europeus. Qualquer das formas isso acontece um pouco por todo o mundo, Índia.. África .. Europa ..
        Não sei onde quer chegar com esse argumento. Se fosse um mal só da china..

  2. Joselito says:

    Os escravos chineses que o digam….

    • Realista says:

      Os Chineses nesse aspecto só são escravos do Governo…

      • Mestre em direito says:

        São escravos do governo mas à quantidade de população que têm não precisavam de ser. A China é um país pseudo comunista onde os governantes e amigos são multi bilionários, o povo melhora agora algo mas no geral muito pobre.

        O governo dá muitos subsídios às empresas (E aos chineses que querem vir para o estrangeiro) com o intuito de conseguirem empresas fortes copiando tecnologia a todo o custo.

        Enquanto grande parte dos países de 1o mundo jogam +- pelas mesmas regras, a China e Rússia e Coreia do Norte fazem as suas regras e criam um desequilíbrio

        • Alfie says:

          Como dizes que a China é um país comunista (pseudo) não te deves admirar que combata os países capitalistas. São coerentes.
          E quando compras produtos feitos lá ficas a ganhar, não te lastimes.

          • Joselito says:

            Mas o povo chines a perder…

          • RPG says:

            Vocès esquecem-se que a china, embora muito mais poderosa que 99% dos países no mundo, ainda é um país em desenvolvimento e não desenvolvido. Os chineses acredita que só agradecem toda a indústria que têm no país, que os tirou da fome e miséria que se vivia há 20 anos. Eles são “escravos” do governo sim, e muitos admitem e aceitam isso, porque foi esse governo que tirou um bilião de pessoas da pobreza em 20 anos, algo nunca feito na história da humanidade. Se tem custos? Claro que sim.. Por aqui prefere-se grande liberdade em troco do 0.2% de crescimento.. normal, já somos um país desenvolvido e com baixo nivel de pobreza. Julgar os outros é fácil, mas se vos faltasse comida todos os dias no prato, talvez não se importassem de ser “explorados” pela foxconn e afins para ter comida ao final do mês. Um pequeno abre olhos: https://www.youtube.com/watch?v=Bc2wVyl8RLI

  3. Aquele gajo says:

    Estás margens não são em PT de certeza 😉

    • rui says:

      as lojas em PT têm de dar 2 anos de garantia, assim como na europa, os fabricantes qualquer um que seja só dão 1. o 2.º ano é suportado pelo vendedor que tem de ter apoio da marca para a troca/reparação em 30 dias ou tem de fornecer outro equipamento a custo 0. dependendo do número de vendas e média de avarias o valor tem de ser sempre superior para suportar as falhas

      • Pedro Sousa says:

        A garantia na Europa é de 2 anos. E é dada pelos fabricantes também tam como pelos vendedores.
        Se comprares qq coisa que avarie 1nsemana antes dos 2 anos podes ligar directamente para o fabricante e pedir assistência.

  4. Jo says:

    Uma pequena app ganham 40% ou mais.. Não é o universo 9 % isso não é golo. Bom marketing…

  5. dc@dd.c says:

    Completamente ERRADO. Eu sei: Fabricam smartphones sem qualidade nenhuma, daí o preço ser tão baixo. Eu já tive e sei do que falo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.