Quantcast
PplWare Mobile

O 5G representa um risco para a saúde? A FCC considera que não!

                                    
                                

Fonte: FCC

Autor: Eduardo Mota


  1. Joao Ptt says:

    Cá em Portugal já ouvi de um familiar directo que já falou pessoalmente com imensas pessoas que se queixavam de problemas de saúde (dores de cabeça, ouvir coisas e etc.) a título particular e quando ele perguntava quando tinha começado tal invariavelmente tal coincidia com a colocação de antenas de operadores móveis, não por cima do edifício, mas em edifícios ou estruturas em frente que projectam naturalmente o máximo de exposição às radio-frequências.
    Pessoalmente quando falava por cerca ou mais de uma hora ao telemóvel ficava sempre com dores de cabeça, mas se falasse esse mesmo tempo ou até mais sem ser ao telemóvel não tinha problema nenhum.
    Coincidências? A mim parecem-me demasiadas coincidências.
    Para piorar as frequências do 5G serão ainda mais altas, o que desconfio que ainda fará pior, dependendo naturalmente da potência, mas como experiências no mundo real o demonstram… até virar a esquina ou ter um qualquer obstáculo entre a antena e o terminal podem significar que o sinal fica tão baixo que ou muda para outra tecnologia mais antiga, ou que no mínimo se reflete em muitos piores desempenhos. Será que vão começar a meter antenas ao nível dos candeeiros de iluminação de jardim (como referência da altura) como já vi fazer para instalações de Wi-Fi de um município? Onde naturalmente serão necessárias centenas de milhares, talvez milhões destas antenas para cobrir o país todo, porque terão de estar literalmente todas à vista dos terminais ou o sinal sofre imensas perdas… e as velocidades loucas serão quase impossíveis.

  2. LuisAlfa says:

    Basta comprar a FCC que ela diz que está tudo bem.

  3. Carlos Santos says:

    Desde quando é que as instituições norte americanas são idóneas???

  4. Joaquim Sobreiro says:

    Como se a radiação já existente com o 3G e 4G já não fosse questionável. Apareça um 6G e pronto o 5G é aceitável.

  5. Abreu says:

    Sinseramente não sei porque vão instalar a 5g, a 4g lte da bem conta do recado.. Deviam esperar e ver as consequências que os outros países irão ter com essa rede 5g

  6. Francisco Santos says:

    Desmistificar um pouco, o 5G faz parte das frequências de rádio (UHF) que ficam abaixo da luz visível, as frequências ionizantes ficam acima da luz visível (RX, etc.), muito mais altas .
    Cumps 😉

    • Miguel says:

      É redutor analisar apenas pelas frequências, pois a mesma frequência (em qualquer parte do espectro) pode ser nociva ou não, depende da intensidade que é recebida, do tipo de sinal e do tempo de exposição, tal e qual como uma coluna de som. A intensidade depende da potência do emissor, da proximidade deste e das condições de propagação.

  7. S. says:

    Se atá a propria eletricidade gera campo magneticos e radição. Ninguem quer viver perto de centrais ou postes de alta tensão. São malucos, colocar antenas em todas as ruas. Exposição permanente a radiações. A humanidade a caminhar para o abismo, com os olhos postos nos telemoveis.

  8. Gabriel says:

    Como se a FCC e a América tivessem alguma credibilidade… deve ser um relatório como o das armas de destruição maciça do Iraque, que ainda hoje estão para ser encontradas…

  9. Raquel says:

    Como acreditar numa entidade como a FDA que aprova medicamentos que matam e inutilizam pessoas em massa? Há inúmeros interesses por trás da tecnologia 5G. E as suas consequências na saúde serão inúmeras, já há vários estudos que o comprovam. Infelizmente, a humanidade já está tão alienada, envenenada e adormecida que provavelmente não fará associação com este “avanço” tecnológico. As pessoas já se habituaram de tal forma a conviver com a patologia e a falta de qualidade de vida que, perante as consequências do 5G, irão pensar que se trata apenas da velhice, do azar, whatever. Enfim…Vamos aguardar e ver para crer.

  10. Miguel says:

    A FCC e a ICNIR são instituições privadas subsidiadas pela indústria das comunicações, desde os fabricantes aos fornecedores dos serviços. Portanto não entendo como se pode confiar em instituições destas. É colocar o lobo a guardar o galinheiro.
    Por outro lado existem perto de 1000 estudos científicos que concluem consequências negativas na saúde humana e ecossistema provocadas por radiações, em especial micro-ondas, radiação essa que não existe no mundo natural com a constância e intensidades destas novas tecnologias. Ou seja os nossos corpos não foram adaptados para estas radiações.
    E já agora, se os estudos deles são tão ccredíveis então disponibilizem integralmente para qualquer um analisar.

  11. João says:

    Esta notícia só pode ser uma piada!

  12. Francisco Santos says:

    Desmistificar mais um pouco, o 5G faz parte das frequências de rádio (UHF), já estão padronizadas para a emissão da RTP2 desde 1968.
    Cumps

    • Miguel says:

      É redutor analisar apenas pelas frequências, pois a mesma frequência (em qualquer parte do espectro) pode ser nociva ou não, depende da intensidade que é recebida, do tipo de sinal e do tempo de exposição, tal e qual como uma coluna de som. A intensidade depende da potência do emissor, da proximidade deste e das condições de propagação.

  13. Paulo says:

    Sublinho que a generalidade dos factos são argumentados em base nos Sensos efectuados na América e esquecem-se dos inúmeros estudos científicos que existem ocultando o lado negativo destes campos electromagnéticos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.