Quantcast
PplWare Mobile

Facebook manipulará sempre os sentimentos dos utilizadores

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Vítor M.


  1. Alex says:

    LOL, ficar feliz ou triste por causa do facebook? Deram aos utilizadores 1000 cookielikes numa publicação idiota para eles ficarem felizes?

    Colocaram todos os amigos offline no chat 10seg depois de fazer login no face? xD

  2. gonpin says:

    Nao tenho facebook.

  3. Tavares says:

    Quem deu esse “poder” ás redes sociais foram os próprios utilizadores,ao colocarem on-line para que toda a gente saiba, a sua vida a nível particular e profissional.Eu não sou melhor do que ninguém,mas penso que tudo na vida tem um limite.Não critico nem condeno quem gosta de toda essa exposição…mas depois não se podem queixar de violação de privacidade,quem expõe de tal forma a sua vida.Eu posso ser feliz ou infeliz em determinados momentos…mas NUNCA admitiria que os meus “humores” pudessem ser influenciados por uma rede social.Na-oa tenho perfil em qualquer rede e quando quero quero conversar com os amigos…tenho o telefone,tenho o Skype e o bar da esquina para ir beber um copo.

  4. CopyCatz says:

    sou utilizador do facebook desde 2004. 10 anos de experiencia
    deixar-se manipular por um website não é muito diferente de se deixar manipular por uma pessoa ou sociedade. somos livres. um espirito equilibrado jamais se deixa importunar por estas tentativas de manipulação por parte do facebook ou quem quer que seja.

    tenho dito.

    • RJCA says:

      Plenamente de acordo. Só quem é pobre de espírito é que se deixa manipular (ooops falei demais)… 😈

    • Teixeira says:

      Não querendo colocar a sua afirmação em causa, o facebook só é de registo livre desde a segunda metade de 2006, em 2005 ainda se chamava “thefacebook” e em 2004 era apenas aberto a um conjunto de universidades nos EUA e Canadá.

      Se por acaso teve mesmo a oportunidade de utilizar esta rede social desde 2004 ignore o que escrevi acima.

      Quanto ao tópico em si, eu deixei de utilizar o Hi5 porque se tornou num local deplorável e aderi ao facebook (para aí em 2008/09). Rapidamente deu para perceber que este iria pelo mesmo caminho, pensei que ia ser só por culpa dos utilizadores, mas no caso do facebook existem muito mais coisas negativas por trás, publicidades, manipulação de páginas, fraudes com gostos comprados, etc (é muito dinheiro envolvido).

      Entretanto tudo isto fez-me já deixar o facebook há coisa de um ano e tenho estado alegremente no G+ a rezar para que mais ninguém siga o meu caminho e venha poluir esta rede que por enquanto continua limpa e com aspeto profissional e sério.

      • Tavares says:

        “tenho estado alegremente no G+ a rezar para que mais ninguém siga o meu caminho e venha poluir esta rede que por enquanto continua limpa e com aspeto profissional e sério”. Realmente não foi o Google(a quem pertence o G+) o inspirador e desenvolvedor da “espionagem” eletronica a nível individual para vender os dados de utilizador que é a base dos seus negócios! Valha-me Santo Ildefonso…padroeiro da ignorância!!

        • Teixeira says:

          O que eu digo sobre o G+ mantem-se: é uma rede social com aspeto profissional e com poucos posts tipo “partilhe esta foto para ajudar esta criança com uma doença terminal”. É claro que a Google faz uso comercial dos meus dados, isso é bastante óbvio, tanto que até está claramente escrito nos termos e condições. Até nos termos e condições da Samsung, por exemplo, existem cláusulas que prevêem o uso da minha informação pessoal para fins não muito claros (o que lá está escrito é que é para “melhorar a experiência do utilizador”) e a base dos negócios deles nem é a publicidade. Isto é portanto prática comum não só nas empresas de software “gratuito” como também das empresas cujo foco principal é o hardware.

          Assim eu até diria que ignorantes são aqueles que se queixam da Google, Facebook e afins aqui no pplware quando tudo o que “os maus da fita” fazem para gerar lucro foi permitido por nós quando clicámos em “Aceito”. Sugiro ao Sr. Tavares que aprenda a ler para poder mudar de santo padroeiro.

  5. JFMoreira says:

    “Resumindo, se estiver a fazer parte de uma destas experiências, poderá estar no mesmo Site que o seu vizinho mas os resultados apresentado no seu ecrã serem diferentes dos dele.”

    Ora aí está uma boa forma de censura por parte dos governos sem que haja a chatice de serem comparados à China ou ao Irão.

  6. Abilio Marques says:

    Parece-me realmente que existiu aqui um sério caso de falta de ética. Qualquer estudo que envolva um cidadão, o mesmo deve ser aceite ou recusado pelo mesmo. Não me parece que seja correcto envolver utilizadores da rede social em estudos sem o seu consentimento. Nunca perdi tempo a ler as “condições gerais” de utilização da rede social que são aceites quando se cria uma conta, mas quase de certeza que não consta em parte nenhuma a autorização para o envolvimento dos utilizadores em estudos sem o seu conhecimento e consentimento. Mas assim vai o mundo. O ser humano terá sempre a capacidade de nos surpreender por bons e maus motivos de acordo com as suas motivações.

  7. João Terra says:

    O facebook a min nunca me influenciou em nada.
    Ups esqueci-me, começei a consumir droga pura…:)

  8. lo says:

    Vocês parece que nunca viram programas na national geographic sobre equipas científicas a estudarem comportamentos das pessoas através de câmaras ocultas, e só no final exporem que tudo foi um teste/estudo. Aí não vejo ninguém a fazer tempestades, mas como é moda criticar o facebook, então tá tudo bem. Double standards.

    • Camt says:

      Uma coisa é estudar um grupo restrito a outra é faze-lo globalmente para efeitos de negocio

      • lo says:

        Efeitos de negócios, o que tem a ver estudar a disposição das pessoas dividindo o grupo por tipos de exposição a conteúdos positivos e negativos…

        O facebook não precisa de isto para fazer negócios, ou esqueces-te que o facebook mostra anúncios baseados nas tuas preferências, actividade, localização.. eles não precisam destes estudos para criar negócios.

  9. Pedro says:

    Tinha conta no Facebook desde 2008 e a dois meses atras decidi cancela-la. Foi a melhor decisao que ja fiz. Sinto-me muito melhor comigo mesmo, aquilo mexia mesmo comigo e roubava-me tempo (nao conseguia tar mais de 10 minutos sem ver a minha conta. Este tipo de redes sociais sao muito manipulativas e criadoras de um mundo de fantasia que nada tem a ver com a realidade. Aconselho a todos a cancelarem qualquer rede social que tenham (Facebook, Twitter, Instagram e afins) e dediquem-se a viver a vossa vida. Saiam de casa, ide viajar e estejam com a vossa familia e amigos verdadeiros. Abracos a todos

    • lo says:

      Ou então usar com moderação e responsabilidade. A mesma coisa com bebidas alcoólicas. Uns não conseguem largar mesmo, então cortam mesmo a fundo quando fica grave.

  10. Luis says:

    boas,

    já usei e vi que não me identificava a certa altura e raramente lá vou…. só mm para ver cenas de certos amigos.

    abç

  11. Trolli says:

    Pessoa de fraco espirito ou ingenuas claro que as conseguem manipular. principalmente os jovens!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.