PplWare Mobile

Veículos elétricos – Governo vai aumentar apoios para a compra


Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. ElectroescadaS says:

    Falar é fácil, o resto é que não é tão “fácil” como pintam embora reconheça que nos dias de hoje dava muito mais jeito ter um carro eléctrico do que a gasolina…

  2. Goncalo Pereira says:

    Vectrix Premium….tenho uma e não quero já saber de combustíveis…quase 70.000kms!

  3. R says:

    Algumas dúvidas surgem:
    – onde vão buscar os impostos que actualmente provêm dos combustíveis?
    – isenção de IUC para veículos eléctricos não deverá durar muito tempo
    – e capacidade de fornecimento de electricidade para tudo isto? (se os de hidrogénio não vierem a ter muito sucesso)

    • int3 says:

      Não vejo nenhuma dúvida aí, só inocência.
      Portugal maior parte das vezes excede a produção/consumo de energia. Ainda estamos em 2018, imagina daqui a 20 anos.

    • rui says:

      respondendo ao resto:
      – iuc vão pagar como os outros quando a isenção acabar
      – impostos vão buscar a outro lado, incluindo a redução de despesa atual em vários sectores

    • Nuno Ferreira says:

      Este último ponto é o que me preocupa, pois ninguém mostra estudos da origem da energia quando falam na redução do CO2. As energias renováveis são flutuantes e possivelmente terá de ser compensado com centrais térmicas. Até pode mesmo assim ter redução, contudo não mostram números conclusivos.

  4. Luís Silva says:

    o Governo disponibiliza apoios financeiros para a sua compra. Em 2019 o valor subirá para os três milhões de euros.
    E QUANTO CALHA DE APOIO A CADA CARRO, AFINAL?

    • Pedro Pinto says:

      Em 2018, o incentivo pela introdução no consumo de motociclos de duas rodas e ciclomotores elétricos é traduzido na forma de atribuição de unidades de incentivo no valor de 20% do valor do veículo, até ao máximo de 400€, devido pela introdução no consumo de um veículo 100% elétrico novo, isto é, cujo primeiro registo tenha sido feito em nome do candidato.

      Em 2019 (as noticias indicam que o incentivo de 2.250 euros, tanto para empresas, como para particulares se vai manter)

      • Paulo Proença says:

        Vou comprar um, já chega na próxima semana como obtenho esse incentivo?

      • LFC says:

        esse incentivo é único/mensal/anual? Conhecendo o país, será único certo?
        Compro um carro 100% electrico a 40000€ e recebo 400€ por esta compra, é isso?

        considerando então 400€ + 1500€ (IUC de 10anos. Ex 150€ de IUC) + 7350€ (poupança de preço de combustível em relação ao meu carro em 10 anos) = 9250€
        Imaginemos que compro um peugeot 308 1.5 BlueHDi 130 cv que custa cerca de 27500 com os extras que me convêm.
        Consigo eu encontrar um carro 100% eletrico entre os 27500€ e os 36750€ (27500+9250)?
        Os Tesla já vi que estão fora de questão… Excepto o Model 3, vamos ver ao preço que vai ficar em PT.

        Acho que um carro 100% eletrico ainda é muito caro

        • GM says:

          Consegues o RENAULT ZOE e o NISSAN LEAF, e o HYUNDAI IONIQ ELECTRIC, e o KIA NIRO ELECTRIC (estes 2 últimos ligeiramente mais caros). No entanto, àquelas contas que fizeste há que acrescentar, ou deduzir, o diferencial nas manutenções entre os dois tipos de veículos (convencionais vs eléctricos). Sim, diferencial, pois não se pense que um veículo eléctrico não tem manutenção. Há alguns lubrificantes, pneus, lâmpadas, etc. Sem dúvida, substancialmente inferior. Até chegar às baterias, se e quando for necessário. Mais uma incógnita para a equação, haverá que contar que quando os VE tiverem massa crítica, leia-se volume de unidades em circulação, o IUC deixará de ser zero para passar a ter valores positivos. E àqueles valores haverá ainda que acrescentar os custos de carregamento, independentemente de ser maior ou menor o custo.

          • LFC says:

            obrigado pelas dicas.
            Mas eu procuro um veículo que corresponda às minhas necessidades e as opções atuais (os exemplos dados por si) são veículos citadinos (pequenos) e/ou automnomia máxima muito baixa (388km num dos casos).
            As manutenções variam bastante, desde as marcas, à qualidade do produto, à antiguidade/atualidade do veículo, por isso não coloquei em questão. Mas a vida das baterias também é muito importante assim como referiu e eu não tinha colocado em equação.
            Também vi algures que nalguns casos as baetrias são alugadas e não fazem parte do preço do carro, é transversal?
            Há muitas incógnitas…
            Parece o início das criptomoedas, investir agora pode ser um risco se der para o torto ou posso sair a ganhar…
            É o que me parece, mas eu não sou nenhum entendido na matéria.
            Mais uma vez, obrigado GM pela resposta

          • GM says:

            LFC, se porventura necessita um veículo com maior dimensão e capacidade de transporte, tem sempre a NISSAN NV200e. Tem 7 lugares. O preço é (bastante) elevado mas a autonomia é (muito) reduzida.
            https://www.nissan.pt/veiculos/novos-veiculos/e-nv200-evalia.html
            O melhor mesmo é aguardar 3 a 5 anos até as propostas serem diversificadas e que satisfaçam amplas necessidades. Claro que para que apareçam propostas, há que haver procura, para já, dos modelos existentes. De outra forma, não havendo procura, os modelos não aparecem, ou então aparecem muito devagarinho. Pescadinha de rabo na boca….

    • de mattos sébastien says:

      o apoio actual é de 2.250 e passando em 2019 para os 2.500 euros

  5. Marco says:

    Essas Zero SR são fantásticas 🙂

  6. Vox says:

    Ate que ponto estes apoios contribuem para o preco elevado destes carros. Era caso para investigar. As marcas estao a perder dinheiro de inicio porque a tecnologia esta em desenvolvimento. Em vez de apostar em economias de escala, vendendo mais barato, podem estar a contar com os apoios dos estados para motivar os compradores, vendendo caro.

    • Tony says:

      Contribuem muito e não tenho dúvidas de que as marcas aproveitam para ganharem mais com isso.

      Mas isto é apenas mais do mesmo.

      Basta relembrar o exemplo da Nissan que no tempo de Sócrates chegou a ter planos para instalar postos de abastecimento para carros eléctricos em todo o país mas quando o Sócrates perdeu as eleições seguintes a Nissan “fugiu”… Porque terá sido? Deixou de ser vantajoso financeiramente para a Nissan porque o apoio do Estado Português desapareceu.

      Falta é saber que “incentivos” viriam, em troca, por parte do Governo de Sócrates para a compra (na altura) do Leaf (carro ao qual José Sócrates até chegou a fazer publicidade encapotada de visita de Estado)… E quanto José Sócrates iria “agasalhar” por conta própria. Ía ser um negócio assim tipo o do tão famoso Magalhães. Negócios à Sócrates com o dinheiro dos contribuintes.

      O exemplo dessa altura continua, infelizmente, a verificar-se (com nomes diferentes e pessoas diferentes). É a mania dos Governos acharem que investimento público é dar dinheiro a empresas privadas, quando isso não é mais do que contribuir para o desequilíbrio da economia e da sociedade em geral.

      Deixem-se de demagogias e utopias. A energia eléctrica não é uma energia alternativa (a electricidade já era usada para muito mais coisas no dia-a-dia ainda antes de ser pensada para os carros) e os carros eléctrico não são a alternativa viável aos carros a combustão actuais. As marcas que invistam o dinheiro que gastam na produção de carros eléctricos para inventar/aperfeiçoar outras tecnologias porque esta, está mais do que visto, é apenas um ponto de passagem.

      • mlopes says:

        os carros elétricos são o futuro e quanto a isso não me parece que haja quaisquer dúvidas.
        o que é ainda muito discutível é os seus motores irão ser movidos a energia armazenada em baterias de lítio, em baterias de novas tecnologias, produzida por células de hidrogénio, etc

  7. GM says:

    A moto da foto, ZERO SR, custa, a mais económica (leia-se de menor capacidade de bateria), 19800€. Só!

    • asouto says:

      100km com 5litros 70000km com 3500litros
      3500litros x €1.6 euros de gasolina=5600€
      e as motas começam nos 5000€ só em gasolina já poupas 5600€

      • Tiago says:

        Uma Moto de 125cc custa entre 2500 e 5000Eur e tem um consumo médio de 2lts/100km. Acresce ainda um pormenor importante, a energia não é gratuita e custará quase tanto como o gasóleo ( comparação de consumo por 100Km ). Feitas as contas e considerando a autonomia e os locais de carregamento está longe se ser um bom investimento.

  8. Vasco Ferreira says:

    Os automóveis actuais poluem apenas 2%, da poluição mundial. Onde estão os tais 98%? Lembro que 15 navios poluem mais de que 1300 milhões de automóveis e representam mais de 3%. Isto é uma treta bem montada à escala mundial e só serve certos Interesses.

  9. Simplório says:

    ´´´
    «Veículos elétricos – Governo vai aumentar apoios para a compra»

    Bolas! Esta mania de nos porem a todos a subsidiar os luxos de uns poucos tem de acabar. Não é justo, à custa dos nossos impostos, andarmos todos a pagar os veículos eléctricos de uns poucos! Quem quer um veículo eléctrico que o pague mas pague na totalidade e do seu próprio bolso.

    ´´´
    «medidas visam também uma aposta na descarbonização»

    Tretas! Estas medidas nada têm a ver com “descarbonização”, não passam de pura ideologia.

    ´´´
    « e redução dos tarifários no transporte público.»

    Tendo como exemplo o que já se passa, essa redução de tarifários mais não será do que pôr as empresas privadas de transporte de passageiros a fazer apoio social já que, para não variar, o actual governo não tem qualquer intenção de arcar com essas despesas e compensar estas empresas ainda durante a actual legislatura.

    ´´´
    «Este apoio não é apenas para a aquisição de carros elétricos, podendo ser solicitado também por quem pretender adquirir motos e bicicletas elétricas.»

    Nem lhes interessa o tipo de veículo, tem é de ser eléctrico. Não importa se é carro, mota, bicicleta ou as tais trotinetas que andam a espalhar por aí e que pelo que se sabe só pelas notícias já provocaram acidentes graves por falha de travões (votos de boa sorte a quem as utilize).

    Quanto às motos, neste caso as eléctricas, que estão agora a querer promover… não passa de demagogia já que o que defendem parece depender da direcção do vento. O que hoje é amanhã deixa de o ser… senão vejamos, há apenas 10 meses estava este governo a querer reverter a lei das 125cc. que foi transposta e aprovada por unanimidade para a legislação portuguesa a partir de directiva comunitária.

    ´´´
    «Até 2030, o Governo pretende ainda criar mais mil quilómetros de redes cicláveis»

    Safa, que doideira! Estão a pensar que ficam no governo até 2030?

    Quanto às ciclovias, é de uma inteligência fenomenal quando são feitas em cima de passeios onde seria suposto as pessoas poderem andar à vontade sem receio de serem atropeladas! Já é mesmo, mesmo giro ver bicicletas normalíssimas a fazer razias aos peões quanto mais agora bicicletas eléctricas com o seu peso e velocidade extras!

    As ciclovias, além de serem com frequência praticamente inúteis em muitos dos locais onde são colocadas não mostrando qualquer benefício que corresponda minimamente ao investimento feito são também potencialmente perigosas para qualquer peão obrigando as pessoas a estar constantemente em alerta e ainda mais se estiverem acompanhadas de crianças.

    Haverá sequer estatísticas de atropelamento de peões por bicicletas, em ciclovias? Ou mesmo fora delas? Provavelmente são estatísticas impossíveis de fazer já que um toque de uma bicicleta que atire um peão ao chão em poucos casos haverá a necessidade de se chamar uma ambulância e em menos ainda a necessidade de se chamar as autoridades policiais.

    Se existe algum tipo de regulamentação especifica para as ciclovias que os ciclistas (e peões) devam conhecer e seguir… desconheço completamente.

    ´´´
    «num investimento de 300 milhões de euros»

    300 milhões? Esta facilidade em gastar o dinheiro que não é deles deve ser estonteante de tanto lhes subir à cabeça. Que pessoas tão limitadas de pensamento que, apesar do estado em que o país se encontra, não conseguem ver por aí mais nenhuma área onde esse dinheiro pudesse ser muito melhor aplicado!

    ´´´
    «um conjunto de políticas que nos permitem reduzir substancialmente o volume de emissões de gases de efeito de estufa, nomeadamente o CO2»

    Mais uma vez, tretas! Estas medidas nada têm a ver com emissões de gases, bem pelo contrário, não passam de pura ideologia.
    Se ao menos a preocupação fosse reduzir a poluição para assim se reduzir a incidência de doenças relacionadas com o ar poluído ainda compreendia mas não… não é isso o que os preocupa ou motiva. Preocupa-os o CO2 que nem sequer é um poluente. Prioridades completamente trocadas!

    ´´´
    «reduzindo esse volume de emissões é que somos capazes de limitar o aquecimento global»

    Como se a humanidade tivesse capacidade intencional ou inadvertida de provocar o aquecimento de num planeta! É preciso ter imaginação para se pensar que já somos capazes de tal feito!

    Como curiosidade, tecnologicamente não passamos de uma civilização do tipo 0 (zero) e já estamos com muita sorte, pelo menos nós os ocidentais.

    Escala de Kardashev
    -> https://universoracionalista.org/a-escala-de-kardashev-e-os-tipos-de-civilizacoes-avancadas-no-universo/
    -> https://pt.wikipedia.org/wiki/Escala_de_Kardashev#Atualiza%C3%A7%C3%A3o_da_escala
    em inglês
    -> https://en.wikipedia.org/wiki/Kardashev_scale

    ´´´
    «até 2050 (…) “reduzir as atuais 70 megatoneladas de CO2 por ano que nós emitimos para 10 megatoneladas»

    Puro exercício de futurologia que, no entanto e à semelhança do que já acontece, bem tentarão aplicar à custa do bem estar da população. Já assim a população se vê aflita para pôr dinheiro de parte para pagar a electricidade que lhe devia aquecer a casa no Inverno mas também não é isto coisa que preocupe o actual governo e o seu muito convicto Ministro do Ambiente que também o é, note-se, da Transição Energética que teve a lata de nos ter aconselhado a contratar uma potência de 3,45 KVA.

    Com conselhos tolos destes bem podem fazer futurologia, não é a eles que lhes custa na pele… por mim apenas gostaria que algum jornalista tivesse perguntado a este ministro qual a potência que tem contratada em sua casa. Quanto ao Secretário de Estado Adjunto e da Mobilidade desta notícia talvez lhe devessem perguntar se já comprou o seu veículo eléctrico com o apoio das ajudas de estado que o seu governo contínua a oferecer.

    • Tony says:

      «num investimento de 300 milhões de euros»

      Dar o aval para utilização de 22 milhões de euros (dos quais 19 milhões já foram angariados através de doações e outros) para a construção de um hospital pediátrico no norte do país, que está em suspenso há mais de 10 anos, parece ser muito sacrifício para as contas públicas.

      300 milhões de euros para dar a empresas privadas sempre que alguém compra um veículo eléctrico… não há problema nenhum.

      Prioridades!

  10. helder says:

    Será que os apoios funcionam por exemplo para a specialized levo?
    Bicicleta eletrica?

  11. JORGE COSTA says:

    Apoiar sem critério…coitadinhos dos que compraram teslas, devem ser pobrezinhos e sem esse apoio nunca teriam um carro de >100k
    Deveria existir escalões (no valor do carro) para distribuição do apoio …tal como que acontece noutros países.

  12. Toneca says:

    Como já referido isto é mais uma grande tanga do governo para beneficiar alguns com o dinheiro dos contribuintes fácil de governar assim e ainda arrecadam algum tambem de forma indireta se se preocupasse mas era em baixar o Iva em alguns bens como a água a luz isso sim seria uma boa medida pois há concelhos em Portugal onde vão ter aumentos dos mesmos cerca de 95% já em 2019.E só jogadas políticas mais nada

  13. Rodrigo says:

    Promessas políticas? Está bem. Não vou esperar sentado para ver essa medida a ser aplicada. Falta pouco para as eleições. Vamos ver muitas promessas destas nas proximas semanas.

  14. Vasco Ferreira says:

    Enquanto continuarmos a ser intoxicados com informações falsas, deturpadas vindas de certos jornalistas que apenas obedecem a ordens interesseiras vindas dos patrocinadores das televisões e jornais, nunca poderá haver uma verdade simples do que realmente está por detrás destas poluicoes inventadas de maneira a favorecer os interesses de certa indústria do lítio e seus componentes eléctricos. A elevada taxa de lucro do negócio dos carros eléctricos é muito superior à dos automóveis convencionais. É esta a verdadeira razão!

  15. Vasco Ferreira says:

    Enquanto continuarmos a ser intoxicados com informações falsas, deturpadas vindas de certos jornalistas que apenas obedecem a ordens interesseiras vindas dos patrocinadores das televisões e jornais, nunca poderá haver uma verdade simples do que realmente está por detrás destas poluicoes inventadas de maneira a favorecer os interesses de certa indústria do lítio e seus componentes eléctricos. A elevada taxa de lucro do negócio dos carros eléctricos é muito superior à dos automóveis convencionais. É esta a verdadeira razão!

  16. Samuel says:

    Deviam era sortear um carro elétrico na “Fatura da Sorte” além dos 35 000 euros em certificados.

  17. R says:

    Leio muita gente descontente. Por momentos até pensei que as manifestações de coletes amarelos tinham sido em Portugal.

  18. Vasco Ferreira says:

    Caros e ilustres senhores: foi num site que de repente desapareceu logo que li, surpreendido de que os navios Intercontinentais, porta contentores, 15, poluem mais do que 1300 milhões de automóveis. Mais! Os auto actuais têm catalizadores e no caso dos diesel adblue que permitem eliminar 99%das partículas dos motores de combustão. Mais! A Bosch referiu que consegue afinar os motores diesel de maneira a não poluirem ou poluirem o mínimo possível. Acreditem, se quiserem, de que a destruição dos carros a diesel é meramente política! Faço lembrar de que a BMW e a Mercedes não desistiram dos Diesel e estão a desenvolver novos motores mais eficientes. E não vão na conversa de determinados lobbies ecologistas tipo Filha de José Eduardo dos Santos que comprou a Efacec e anda a fornecer baterias à indústria automóvel alemã! Um dos lobbies está aqui. Querem continuar?

    • Pierre Cross says:

      Hahahaha! 99% a eliminação das particulas do diesel!!!!!???? Ahahahahaha!!!! Melhor, a não poluirem??? A Bosch???? Ahahahaa… alguém não percebe nada de quimica ou é tudo burro… Ahahahaha! Os alemães andam aflitos para manter o mercado auto em pé nos próximos 50 anos a petróleo e vêm para aqui dar bitaites destes… Hidrogénio é o futuro, o problema reside na forma de armazenar e manter a temperatura… atualmente muito dispendioso e pesado.

  19. Vasco Ferreira says:

    Diz se aqui que os carros eléctricos são o futuro. Tudo bem. Mas em sintonia com outras energias alternativas e renováveis, porque o planeta não vai ter capacidade para electrificar tudo e todos os transportes. Aviões, Navios porta contentores, etc. Aqui será utilizada energia alternativa, tipo hidrogénio e outras e ainda vão ser investigadas novas formas de captação de dióxido de carbono e transformação em hidrocarbonetos para funcionar como combustível limpo. O futuro do planeta são várias formas de energia combinadas entre si. Os próprios Combustíveis fósseis vão ser de futuro muito mais amigos do ambiente e há há investigação nesse sentido, pelo simples facto de que será impossível haver apenas uma ou duas formas de energia.

  20. GM says:

    Consegues o RENAULT ZOE e o NISSAN LEAF, e o HYUNDAI IONIQ ELECTRIC, e o KIA NIRO ELECTRIC (estes 2 últimos ligeiramente mais caros). No entanto, àquelas contas que fizeste há que acrescentar, ou deduzir, o diferencial nas manutenções entre os dois tipos de veículos (convencionais vs eléctricos). Sim, diferencial, pois não se pense que um veículo eléctrico não tem manutenção. Há alguns lubrificantes, pneus, lâmpadas, etc. Sem dúvida, substancialmente inferior. Até chegar às baterias, se e quando for necessário. Mais uma incógnita para a equação, haverá que contar que quando os VE tiverem massa crítica, leia-se volume de unidades em circulação, o IUC deixará de ser zero para passar a ter valores positivos. E àqueles valores haverá ainda que acrescentar os custos de carregamento, independentemente de ser maior ou menor o custo.

  21. CB says:

    E a rede eléctrica nacional tem capacidade para suportar este aumento previsto de viaturas em carga? E as potências contratadas que normalmente temos em casa, suportam a carga rápida de viaturas com baterias de 64KW ou mais?

  22. César says:

    Os veículos a gás natural são tudo, menos amigos do ambiente. São aliás mais poluentes do que os a gasóleo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.