PplWare Mobile

Holandês completou com sucesso “a mais longa viagem de um carro elétrico”


Fonte: Plug Me In

Apaixonado por tecnologia, encontro no Pplware a forma ideal de mostrar aos outros os meus conhecimentos e de partilhar tudo o que me interessa neste intrincado universo

Destaques PPLWARE

  1. MalicX says:

    3 anos para fazer 95.000 km, em modo exclusivo é … uma bela …. M##$$.

    Já vimos alguém fazer isso de bicicleta. Portanto, tirando a publicidade serviu para quê?

    • Irai Rafael Castanheira says:

      O sujeito fez menos de 100Km/dia, é meio tosco que isso seja um recorde. O dia que alguém fizer uma media diária 10x maior que essa, como se conseguiria em um veículo à gasolina, aí será relevante. Não tenho dúvidas de que os veículos elétricos vieram para ficar, mas seu uso ainda é bastante restrito, não servem a qualquer um, para mim, por exemplo, é impossível. Meu apartamento não tem garagem, o carro fica na rua, então eu só precisaria de um cabo de 60 ou 70 metros para deixar o carro carregando na minha tomada todas as noites, rezar para ninguém tropeçar nele, claro.

      • Amarilio Barbosa says:

        Já existe tecnologia para percorrer 1000km com uma carga de baterias. Em menos de 5 anos estarão a venda.

        Veículos elétricos já são sucesso.

        Precisam baixar os preços, isso sim

        • Irai Rafael Castanheira says:

          Pois eu li sobre isso há poucos dias. Seria perfeito para substituir os motores a combustão, mas se chegarmos a metade disso, 500Km em veículos elétricos com preço semelhante ao dos a gasolina, e houverem estações de recarga em quantidade suficiente com capacidade de abastecer totalmente as baterias em uns 5 ou 10 min, então estaremos falando de uma realidade para substituir os combustíveis fósseis.

          • Lsudelino says:

            Olá amigo isso e realidade o carro elétrico tá embrulhado em um único detalhe e preciso construir fábrica para eles imagina o investimento mas a China prometeu abarrotar partes do mundo com seu carro elétrico em 2023 inclusive aqui no Brasil não tem nada de complicado nem baterias nada o bicho pega e que estão fazendo planejamentos para as fábricas que são diferentes em partes das tradicionais sbraco

        • Alberto Cruz says:

          O futuro que já é realidade está nos carros movidos a água salgada.

      • Alberto Pereira says:

        Postos vão se adaptar para atender elétricos, ou vão desaparecer

    • Nuno Soares says:

      Fez 95.000 em 3 anos, porque o carro só fazia 200 km por carregamento, mas já temos baterias a fazer 400km,500km,600km e iremos ter um Tesla a fazer uns 1000km por carregamento! Por isso não é uma bela m¿$?%a!

    • Jorge Santos says:

      Penso que a questão aqui não seja quanto ele andou, mas sim a dimensão do trajeto e por onde ele andou. Ele andou por terras um tanto remotas e o facto de ser um carro eléctrico não foi uma limitação, é essa a mensagem a passar.

    • Filipe Ferreira says:

      Para si talvez não tenha servido para nada,mas para mim serviu para lhe dizer que opinioes como a sua para nada servem

      • José says:

        Num futuro próximo tenho certeza vai rever teus conceitos. Carro elétrico já é uma realidade e em breve os movidos a combustível fóssil desaparecerão. Procure ler mais sobre o assunto antes de emitir opinião ou faltar com a educação. Tua prepotência é notória.

  2. Gonçalo Oliveira says:

    Para mim o problema maior é este: “A travessia de Wiebe Wakker e o seu “The Blue Bandit” foi condicionada pelos locais onde tinha de passar, para carregar o carro.”
    Não faz parte dos meus planos ter de alterar o meu percurso, ou a minha vida, em função de um carro eléctrico. O carro é que deve ser útil para me facilitar a vida, e não o contrário.
    Quando o paradigma mudar de forma a que seja um verdadeiro auxiliar, considerarei sem dúvida a utilização de um carro eléctrico para algo mais que umas voltinhas em cidade.

    • Joao says:

      quantos km fazes por dia mesmo? e quantas horas estas em casa numa noite?

      • Danny says:

        duas perguntas que não tem por onde se pegue pois nem o conheces. quem te garante a ti que ele está em casa a noite? e depois, o que tem os km por dia a ver com o assunto?
        Mas compreendo perfeitamente o Gonçalo pois o carro é para facilitar a vida da pessoa, nao dificultar.

      • Martins says:

        Só a necessidade de colocar essas perguntas mostra que os carros elétricos ainda estão muito longe de serem convenientes para grande parte das pessoas.

    • Lucio says:

      Não cara. KKK… Pense que ainda está engatinhando a ideia pelo mundo. Assim como quando surgiu o veículo a gasolina e também estava engatinhando não havia muitos postos de combustível. Uma coisa vai acompanhando a outra. Há alguns anos atrás não se imaginava que teríamos computadores em residências… Hoje é mato.

  3. jose augusto cruz says:

    E tudo TRETA PARA NOS ENGANAR!! CARRO ELECTRICO SÓ PARA CIDADE E PEQUENINO.
    DAQUI A 30 ANOS TEMOS O NITROGÊNIO
    É ESPERAR

  4. Pedro says:

    Apesar de ser apologista de tecnologias que não prejudiquem o ambiente. Não me parece que seja um grande feito… alias falta discutir qual o destino a dar as baterias em fim de vida, quais os tratamentos a dar aos resíduos que dai resultam.
    Mas mais importante que isso, qual é o volume de CO2 associado a produção de um veículo elétrico?

    Quando se começa uma frase por “esta é a forma mas limpa…” acho que primeiro é necessário ter a certeza do que estamos a dizer.

    https://www.bloomberg.com/news/articles/2018-10-16/the-dirt-on-clean-electric-cars

    • Toni da Adega says:

      “Mas mais importante que isso, qual é o volume de CO2 associado a produção de um veículo elétrico?”
      – , qual é o volume de CO2 associado a produção de um veículo a combustao?
      , qual é o volume de CO2 associado á produção de combustivel?

      • Pedro says:

        é um volume igualmente grande! Porem, se alguns países europeus mudassem a frota para eléctrico teriam de recorrer a carvão para carregar os veículos… porque simplesmente não há parque de renováveis que consiga satisfazer.

        • Ruy Acquaviva says:

          Errado. Pode-se produzir a eletricidade com os mesmos derivados de petróleo que se usa hoje nos carros a combustão (Gasolina e Gasóleo), sendo que a passagem para o gás natural, menos poluente, seria viabilizada gerando de início um ganho. Em seguida pode-se focar no aumento da particiação de fontes renováveis na matriz de geração elétrica.
          Além disso a substituição da frota de automóveis não será de forma abrupta, de uma só vez, havendo tempo para a implantação de centrais geradoras a partir de fontes renováveis ou pelo menos menos poluentes.

      • Ruy Acquaviva says:

        O volume de CO2 emitido na produção de um veículo elétrico é muito inferior ao emitido na produção de um veículo a combustão. Isso porque são muito menos peças, exigindo menos material, menos trabalho de usinagem e menos dispêncio de energia na montagem.
        Mesmo considerando o maior trabalho de mineração e refino de Lítio em comparação à produção de aço (e observe-se que os carros a combustão moderno estão a utilizar cada vez mais alumínio em substituição ao aço, a quantidade de emissões de CO2 para a produção do carro a combustão é muito maior que o elétrico. Isso sem nem considerar as emissões relacionadas à manutenção do veículo, pois por possuir muito mais peças o carro a combustão exige trocas periódicas de peças desgastadas e lubrificantes.
        Em relação à produção de combustível o carro elétrico pode utilizar fontes renováveis de energia que o veículo a combustível não pode usar e o inverso não é verdadeiro. Portanto se a fonte de energia elétrica for apenas originária de combustíveis a emissão de CO2 dos carros elétricos produzida pela fonte de energia fica igual aos automóveis combustíveis, daí para diante só pode melhorar, nunca piorar.

        • Pedro says:

          Quando falas de produção energética partes do principio que vamos carregar todos os eléctricos com energias renováveis. Em Portugal não estamos assim tão mal preparados para o fazer, pior são outros países da Europa. Tal como disse seria necessário activar industrias de carvão para a produção dessa energia.

          A próxima tendência é claramente os hibridos, os eléctricos e a infraestrutura inerente a utilização dos mesmo precisa de mais desenvolvimento.

          Só daqui a alguns anos o eléctrico será uma realidade no nosso quotidiano.

          A GE em 1996 lançou o EV1 quase nos mesmos moldes que a tesla lançou os seus modelos, porque será que não tiveram sucesso? Carros eléctricos não surgiram com a tesla mas sim com o Sr. Nikolas Tesla.

          Sugiro leitura…

        • Alvega says:

          “O volume de CO2 emitido na produção de um veículo elétrico é muito inferior ao emitido na produção de um veículo a combustão”, quer-me parecer que algo nao bate certo, pois os estudos CREDÍVEIS, RECENTES, feitos por universidades, dizem que a PEGADA ecológica de produção de um carro eléctrico é somente anulada ao fim de 5 ANOS, isto em relação ao mesmo carro consumindo combustíveis fosseis, isto quer dizer que somente depois de 5 anos e dai em diante os eléctricos sao na verdade vantajosos em termos ambientais.
          Tudo o mais sao TRETAS e sound-bytes, para VENDER e convencer os papal-vos, que de carros ….percebem….

          • Marco says:

            Sugiro:
            https://www.youtube.com/watch?v=6RhtiPefVzM
            em que indica quando a pegada ecológica é anulada e que é dependente de onde se carrega o carro e o tamanho das baterias.

          • Ruy Acquaviva says:

            Colocar em caixa alta os termos CREDÍVEISe RECENTES não torna esses estudos que você citou uma verdade universal. De fato eu conheço um único estudo nesse sentido, que por simnal já foi objeto de artigo aqui no PPWARE e esse estudo, se você observar com olhos críticos e não com viés de confirmação, tem vários problemas metodológicos, além de ser essa afirmação duvidosa em relação ao corpo dos dados apresentados.
            Primeiramente é necessário separar duas coisas. A produção do carro propriamente dito e a produção das baterias. É INEGÁVEL (para usar o argumento da caixa alta) que a produção de todos os demais elementos da carro elétrico é muito menos custosa em termos de materiais, energia e a quantidade de trabalho consumidos, refletindo tudo isso em uma muito menor “pegada” de carbono. Inegável porque é óbvia a menor quantiodade de peças e materiais em um carro elétrico, comparada com o carro a combustível. Quem não observa a gritante diferença nesse aspecto em favor do carro elétrico é porque não conhece o funcionamento dessas máquinas.
            Fica então a questão das baterias. A produção de baterias em sí é também bastante simples comparada com a produção de peças e elementos do automóvel a combustível. Podemos fazer uma comparação justa comparando a produção do carro elétrico sem baterias com a do carro a combustível sem o sistema de transmissão (embreagem, caixa de câmbio e diferencial, que o carro elétrico precinde) e comparando o custo separado de baterias em contraposição ao custo da transmissão. É muito mais simples e menos custoso produzir as baterias, que são componentes simples, comparado à produção do sistema de transmissão que tem grande número de peças e exige muitas horas de usinagem e montagem.
            Fica então a única questão em que se baseia essa afirmação incorreta de que a “pegada” de carbono do carro elétrico seria maior, a mineração e refino dos elementos químicos usados nas baterias, principalmente o Lítio e o Cobalto (embora a tecnologia de LIFePO4 precinda do Cobalto). ealmente a mineração desses elementos produz grande movimento de terra e consumo de energia, mas quem conhece o processo sabe que não há a possibilidade dele ser tão mais pesado em relação à produção dos materiais usados nas peças dos veículos a combustível .
            Um ponto que sempre é mencionado é que as baterias não tem um processo de reciclagem comercialmente viável. É importante entender que essa viabilidade comercial não é atingida por uma questão de escala. Uma vez que haja escala de produção suficiente a reciclagem dos materiais será total e aí o nível de mineração e refino do material bruto será muito menor que o atual.
            Muitas pessoas estão se apegando em estudos parciais e não conclusivos por simples viés de confirmação, motivado pelo seu desejo de reforçar uma posição pré-definida, mas qualquer análise criteriosa da tecnologia indica exatamente o contrário.

  5. Joel Francisco says:

    “Esta é a forma mais limpa… para viajar…”
    Quando as baterias já não prestarem, como fazemos? Mandamos para os países subdesenvolvidos? Como se faz com os computadores antigos etc etc? É fiável comprar um carro elétrico em segunda mão? Que garantias me vão dar para as baterias? É tudo muito bonito e tinha todas as condições para funcionar, mas não nos esqueçamos que temos que mudar 1 sociedades. Será que essa tecnologia dos carros eléctricos vai chegar a África? Entre outros países? Ou é só para os países desenvolvidos? Acho que ainda há muitas respostas para se responder. Para mim isso é como quando surgiram os carros a gás… O pessoal dizia que os carros a gasóleo estavam ameaçados, um tempo depois vemos nas estradas, carros a gasolina, carros a gasóleo e carros a gás. Portanto um futuro 100% elétrico é muito pouco provável. Mas não deixo de achar cada vez mais interessante o mediatismo/negócio que se tem feito acerca disso. Atenção que apesar disso eu apoio os carros eléctricos mas acho que temos que ser sinceros em relação a várias coisas…. Só para não falar da questão do petróleo etc etc etc. Mas isso foi a minha mera opinião.

    • Ruy Acquaviva says:

      As baterias dos carros elétricos são 100% recicláveis sim, apenas não existe ainda uma quantidade que permita escala de produção comercialmente viável. Ainda é mais barato armazenar essas baterias para uso futuro. A medida em que a quantidade de veículos elétricos aumente, haverá escala de produção suficiente para reciclar todos os componentes das baterias. Enquanto isso as técnicas de reciclagem vão se aprimorando, o que é outro fator que corrobora para atingir o ponto onde a escala de produção tornará a reciclagem dos materiais rentável.
      Trata-se de um problema que não existe, ou elhor, existe apenas na imaginação dos que tem pouco conhecimento do assunto e daqueles que tem discurso enviesado para defender a insustentável tecnologia atual.

  6. Jorge Manuel Gonçalves Garcia says:

    Gastou so 270.00 euros eu queria saber o quanto pagou os apoiantes para sabermos.o que realmente foi gasto

  7. Nicolas_RS says:

    Este site é pago por empresas de carros elétricos? Toda matéria é uma babaca o de ovo para os carros elétricos…

    1 – Carros elétricos não são o meio mais limpo e econômico de viajar!
    2 – Carros elétricos poluem tanto até mais que carros a combustão.
    2.1- Ninguem fala a origem das baterias, que são extremamente ruim ao meio ambiente!
    2.2 – Tambem ninguem fala a origem da eletricidade, nos EUA e China, quase toda eletricidade é de origem extremamente poluidora como usinas termoelétricas!
    3 – Ser possível é diferente de ser viável, carros elétricos só podem fazer viagens curtas. É patético dizer que 200km é uma viagem.
    3.1 – Imagina o tempo perdido carregando o carro, enquanto podia estar percorrendo mais KM.
    4 – Eu costumo fazer viagens de 800km, demora ~9 horas para percorrer, agora imagina parar a cada 200km para carregar uma bateria…

    • Marco says:

      Uma das muitas explicações na net:
      https://www.youtube.com/watch?v=6RhtiPefVzM

      Para o seu caso em viagens de 800Km é chato, mas não é impossível.
      Acho que precisa seriamente de rever esses pontos e viagem é ir de um ponto a outro, independentemente da distância que os separa! 😉

      • Nicolas_RS says:

        Como eu disse, ser possível não quer dizer viável. Ficar parando a cara 200km não é viável.

        • Marco says:

          Se for a 100Km/h, parava a cada 2 horas é recomendado em viagens longas (200Km de cada vez), no caso dos superchargers da Tesla, consegue ter autonomia em apenas 20 minutos para chegar ao próximo carregador…os modelos de longo alcance conseguem muito mais que 200 Km com uma carga completa.
          Em países ou continentes com a rede da Tesla já com algum avanço, é viável.

          • Nicolas_RS says:

            Ficar parando a cada 200km não é viável, será 80 minutos perdidos carregando o carro, sem contar os pedágio, congestionamento, serra + imprevisto.

            O ideal é carro hibrido!

          • Marco says:

            @Nicolas_RS Tal como disse, é recomendado parar em cada 2 horas de viagem, não pelo carro mas pela fadiga criada em nós humanos e o diminuir do nosso desempenho como condutores, mas quem quer conduzir mais tempo pode mas não deve. Ao fazer uma pausa tem tempo suficiente para recarregar as baterias do carro e ficar mais alerta…

          • Nicolas_RS says:

            Oi? Parar a cada 2h? Está de brincadeira?

    • Toni da Adega says:

      1- não são o meio mais limpo e econômico de viajar – é obvio isso são os transportes publicos.
      2 – Errado, basta ir a uma cidade onde não existam carros de combustão e ar é muito mais limpo.
      2.1- Ninguem fala a origem dos combusteiveis, que são extremamente ruim ao meio ambiente!
      2.2 – A % de electricidade derivada de energias renoveis tem vindo a aumentar
      3 – é arranjar um carro que tenha mais autonomia
      3.1 – Imagina o tempo perdido carregando o carro – com a nova geracao é minimo, é o tempo de beber 1 café e ir ao WC.
      4 – Eu costumo fazer viagens de 800km, demora ~9 horas . 800km em 9h ou a Estrada é má ou o carro é muito lento.
      ” agora imagina parar a cada 200km para carregar uma bateria…” – nao é a cada 200km basta 1 paragem a meio da viagem

      • Nicolas_RS says:

        Parede que vou ter que desenhar.
        1 – Taxa e Uber também são considerados transporte público.
        2 – Errado, VOCE! A poluição dos carros e ínfima, os maiores violões são fábricas! Caso não saiba, a poluição viaja milhares e KM.
        2.2 – Discurso fraco e patético! Ninguém fala que os combustíveis fósseis são limpos!
        2.3 – Energia renováveis é outra furada, matam milhões de aves por ano, são vulneráveis a tempestades, baixa energia produzida, etc.
        3 – Não existe carro elétrico capaz de fazer uma viagem maior que 350km.
        3.1 -Outro discurso patético! Carregamento super rápido que demora alguns minutos tem apenas em alguns modelos e estão em testes, não são realidade! A espera é de no mínimo 1h30min.
        4 – Digitei errado, é 7 horas Passando por 2 cidades grandes + 1 ou 2 paradas + serra + 7 pedágios.

        • Toni da Adega says:

          Um Tesla long Range faz no mínimo 500/600km. O recorde está em 900km.

          Todos os outros pontos estava à espera de contra resposta inteligente mas as espectativas foram muito elevadas

          • Nicolas_RS says:

            Errado novamente!

            O recorde do Tesla é de 1.000km, MAS andando a míseros 38km/h. Se aumentar a velocidade para 120/140/160km/h a autonomia despenca!

        • Tiago Barros says:

          nao vou comentar sobre os outros pontos pois a meu ver o “tni da adega” já fez um bom trabalho.. em relação ao ponto 3… bem o senhor esta muito enganado, e dá logo para ver que não fez a sua pesquisa… pois o mais barato dos tesla o model 3 long range é capaz de fazer 560+km numa só carga.. e a velocidades reais (100, 120) há uns tempos foi anunciada a v3 dos supercarregadores que lhe vão permitir carregar 80% da bateria em menos de 15 min…

          • Nicolas_RS says:

            As viagens que eu costumo fazer é de 750km e 100, 120 km/h em uma viagem é uma piada! Geralmente eu ando a 150/170km/h.

          • Tiago Barros says:

            A andar a essas velocidades, num futuro muito próximo (quando o v3 dos supercarregadores da tesla começarem a operar em Portugal) só vai ter de acrescentar 30min á sua viagem. Que são 2 paragens (que já é a exagerar) nos supercarregadores (enquanto vai ao WC ou tomar um café). Para não falar que não é permitido por lei andar a mais de 120km/h … E se anda a essas velocidades imagino o custo que terá no combustível

      • Ruy Acquaviva says:

        Boas respostas. Ponto a ponto e com argumentos.

    • Alvega says:

      Na generalidade tens razão, mas nao o podes exprimir aqui, vais ser banido ou no mínimo insultado, por ires contra o politicamente correcto, todos vivem de um salário, que alguém paga, por um determinado trabalho, adivinha de que vivem os escribas cá do burgo !!!

  8. Odair says:

    Isso é uma tendência mundial, os veículos elétricos vieram pra ficar, precisamos de incentivos públicos ,como na Europa, para baratear o preço ,

  9. jorge rodrigues says:

    Não é por eu gostar da marca X ou Y mas esse “recorde” é uma palhaçada, menos de 100 000 km em 3 anos … LOOOOOLLLLL…. acho k esse senhor teria tido muito mais sucesso com um electrico de raiz como o model S, mesmo o modelo de 85 kw de 2013 faria muito melhor do que esse Vw modificado com 200 km de autonomia. por exemplo: Bjon Nyland …. 100 MIL KM NUM ANO com um Tesla Model S
    https://www.youtube.com/user/bjornnyland

  10. Bruno says:

    Isto é recorde mundial? Eu fiz 7482km com minha bicicleta em pouco mais de 9h. Gastando apenas pouco mais de 2 mim reais.
    Uma pequena observação…. Minha bicicleta se encontrava dentro do porão do avião..
    Queria saber como o carro deste cara atravessou da Europa para Áustria..
    Se na reportagem não falar nada.. Então posso dizer o mesmo.. Fui do Brasil a Portugal com minha bicicleta..

    • Austriano Europeu says:

      F*dsse… como atravessou a europa para a Áustria? WTF!

      • Wishmaster says:

        Ele quis dizer “Austrália”….

        A questão aqui não é “maior distância em tempo recorde”.
        Simplesmente fez a viagem mais longa com um eléctrico.

    • Jaime says:

      Esta foi muito fora…. Como passar pela Áustria sem pisar a Europa! Dava um bom tema de conversa.

      • bruno says:

        Infelizmente escrevi Austrália, mas como utilizei o telefone para escrever, ele corrigiu altomaticamente para Áustria… Porque o telefone corrigiu eu não sei!! Mas em fim.. Sei também que o importante é a distancia percorrida pelo carro.. Mas a notícia fica confusa .. Da no mesmo eu afirmar que fui de bike do Brasil a Portugal.. Entende

    • Ruy Acquaviva says:

      Queres dizer AUSTRÁLIA de certo, não?

      • bruno says:

        Sim.. Queria escrever e realmente escrevi Austrália, mas não entendo bem o porque de ter ficado Áustria..
        Mas vc entendeu Minha questão… Para mim a notícia e para chamar atenção.. Sei que o cara conduziu muitos kms. Mas é se a notícias fosse.. Brasileiro sai de Minas Gerais e vai com a biciclet até Portugal! Muitas pessoas podem pensar.. Porra este pedala muito…. Quando na verdade a bike foi de avião.. Ou brasileiro atravessou de Portugal até a China de bicicleta. Demorou 50 anos …

  11. Leandro says:

    Para as mentes preocupadas e que onde uns veem soluções outros só veem problema.
    https://www.portal-energia.com/bmw-diminui-preco-dos-carros-eletricos-devido-a-reciclagem-de-baterias/

    • Ruy Acquaviva says:

      Atualmente o maior problema para a tração elétrica em veículos é a escala de produção, principalmente em relação às baterias. Este é um fator que é muito pouco comentado, mas é o ponto fulcral da questão.

      • Alvega says:

        Ora, algo com o qual concordo, e principalmente devido ao facto de as baterias nao usarem somente LÍTIO, precisam de outros componentes, CAROS, RAROS, e a medida que aumenta a procura…entra a lei do mercado, os preços vao DISPARAR, pois vao ser cada vez mais raros, claro que os “Chicos-espertos” dos produtores, logo,logo vao ALDRABAR, e como o consumidor nao tem modo de se proteger, vai rapidamente começar a comprar GATO por LEBRE.
        Para mais essas “terras-raras”, tem o seu maior deposito na China, que quer-me parecer nao vai abrir mao delas assim sem mais, pois os “chinos” de parvos nao tem nada, se aliarmos a isto a necessidade que os Governos Nacionais vao ter de lançar novos impostos, sobre os eléctricos, para colmatar a falta de receita devido ao decréscimo dos impostos sobre os “petróleo dependentes” …vai tornar toda esta MARÉ de mudança a favor dos eléctricos, numa “ondazita” sem expressao, vaticino, pode demorar, mas vai acabar assim.

        • Ruy Acquaviva says:

          Estude um pouco sobre as baterias com eletrólito de Fostato de Ferro (LiFePO4), material nada nobre, ou sobre baterias de Zinco-ar, que nem lítio usam. A tendência não é aumentar a dependência de terras raras, mas ao contrário, o uso de materiais comuns nas baterias.

  12. Celso says:

    Olá pessoal. Não vi ninguém falar de energia solar nestes comentários. Isso já é realidade, só é preciso massificar a produção das placas para se tornar mais barato. Eu já li que a Audi lançou um carro que capta energia solar através da carroceria aí na Europa. Ainda teremos muitas novidades boas surgindo, estamos apenas no começo. Vocês estão chorando de barriga cheia, pois aqui no Brasil os elétricos ainda estão começando a chegar.
    Um grande abraço a todos!

  13. Olly says:

    O ponto que mais me chamou a atenção, e que ninguém ainda tocou, foi o facto de ele ter modificado um carro para consumir energia eléctrica… É, provavelmente o ponto mais importante desta “aventura” e passou despercebido, o facto de termos forma de, daqui a uns anos, poder converter o parque automóvel em eléctrico em vez de obrigar o pessoal a desfazer-se dos seus carros.

    • Pedro says:

      Em portugal já se faz conversões do género. O único problema é que a lei em portugal é quadrada e muitas vezes em vez de se incentivar este tipo de transformações acabamos por as dificultar.

      Tens a evolution a fazer este tipo de projectos. O custo é que acaba por ser imenso.

  14. Varanda da Europa says:

    Porquê travam o HIDROGÊNIO ??? Quando se amontoarem Milhões de Baterias, que resposta darão os Ecologistas ??? E a Natureza ???

    • Alvega says:

      Porquê travam o HIDROGÊNIO ???
      Concordo, e nao é de hoje, é desde a 20 anos quando tive formação na área em questão, fiquei desde essa data convencido que era o caminho a seguir, por todas as razoes e mais alguma, mas….e há sempre um mas…é preciso que quem na verdade MANDA, QUEIRA, e quem manda a meu ver é o CAPITAL, e quem o tem nao quer perder o poder de MANDAR.

      Para acabar vou deixar uma pequena provocação (sem ofensas, dispenso, e ignoro), gostava que alguém dos que por aqui opinam, e defendem com unhas e dentes os eléctricos me explicassem por que motivo as anunciadas missões a Lua e Marte, para citar somente 2 das mais conhecidas, nao utilizam motores eléctricos para deixar a GRAVIDADE terrestre e fazer o restante percurso até ao destino ?
      Falta “pica” ?
      Tudo tem vantagens e desvantagens, e dai os eléctricos nao serem nenhuma panaceia, como propalam aos 7 ventos.

      • Marco says:

        Por exemplo, no Japão existe muita expectativa em relação ao hidrogénio, até por parte do governo.
        Em relação a missões espaciais, consegue imaginar um foguetão com hélices? Teria impulsão suficiente? De que modo pode haver propulsão na atmosfera terrestre de forma eléctrica? Existem testes e teorias com o ION Drive, mas é muita teoria e pouca acção…

  15. Tiago Barros says:

    O novo tesla roadster vai ser o carro comercializado mais rápido do mundo… E sim, vai ter 1000km+ de autonomia…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.