PplWare Mobile

Maior veículo elétrico do mundo gera mais energia do que consome


Imagem: eMining

Fonte: CNN

Responsável pelo Pplware, fundou o projeto em 2005 depois de ter criado em 1993 um rascunho em papel de jornal, o que mais tarde se tornou num portal de tecnologia mundial. Da área de gestão, foi na informática que sempre fez carreira.

Destaques PPLWARE

  1. Marcelo Frazão says:

    Eu não percebi essas contas da CNN, ou existiu ai algum lapso a tradução.
    O camião consumiu 20% da bateria para subir e só carregou 8% na descida. Isso contradiz o resto do artigo!

    • Vítor M. says:

      O camião, como diz o piloto, partiu com cerca de 80% e terminou com cerca de 88%.

      Portanto, além do que gastou na descida com as toneladas de carga, ainda gerou mais 8%.

      Como eles referem, este camião não necessita de ser carregado. Ele produz a sua própria energia e com excedentes.

      • Quim says:

        Isso foi só na descida!!
        Sim, durante a descida, gerou mais do que gastou. Partiu de cima com 80% e chegou com 88%.
        Mas antes é preciso chegar lá cima!!!

      • Bruno Garcia dos Santos says:

        Se gera mais do que produz e tem excedente ao final de cada dia, porque está nos 80% e não chega aos 100%?

        Será que ninguém se questiona sobre o que vê?
        Realmente a publicidade vale mais que a própria inteligência

        • Vítor M. says:

          Eventualmente pode naquela altura ter feito uma tarefa além daquela que foi referida. Ele a meio do percurso já regenerou até 88% no final quando descarregar deverá chegar aos 100%.

          Depois, as contas da empresa estão referidas em baixo.

          Segundo o que está explicado pela piloto, de forma simples, o consumo é de 30 kWh nas subidas, enquanto que nas descidas o consumo não além de ser zero (ou residual) o motor elétrico ainda gera 40 kWh na descida, recorrendo ao motor elétrico como gerador, depois essa energia é totalmente armazenada nas baterias.

        • GM says:

          A imagem não é a mesma, mas penso que a máquina o seja, apesar das cores distintas:
          https: //www.razaoautomovel.com/2017/10/komatsu-edumper-maior-veiculo-eletrico-do-mundo-produz-energia-do-consome
          Há mais notícias acerca do assunto, vá pelos seus dedos. Mas num ponto dou-lhe razão: a 1ª carga teve sempre de existir. A partir daí, gasta e regenera, num balanço, em que o que regenera é sempre mais do que consome. Mais alguma questão de fundo, tem sempre a liberdade de contactar a empresa suíça promotora da transformação, ou a própria KOMATSU, e pedir explicações mais concretas. Como pode ver neste link e noutros relacionados com o tema, os engenheiros projectistas conceberam e estão, ou estavam, expectantes relativamente ao resultado.

        • Paulo says:

          Então se for a tua inteligência a publicidade vale um balurdio… Se parte com 80% e chegou ao destino com 88% não produziu mais que aquilo que consumiu ohhh inteligência rara?!!!

        • Mapril Oliveira says:

          O veiculo não precisa de ser carregado a 100% para executar as suas tarefas. Provavelmente o sistema está assim concebido para prolongar a vida da bateria.

  2. Quim says:

    Ou seja: Gastou 20% para cima e recuperou 8% para baixo.

    Onde é que ele gera mais energia do que a que gasta, mesmo?!

  3. RR says:

    ora aí está uma cena muito bem esgalhada!!

  4. Ricardo belarmino says:

    Deveriam pesquisar mais sobre baterias, está sim será a revolução.

  5. Jorge says:

    maior do mundo!! só se for na Suiça!! e apenas uma miniatura ao lado do BELAZ de 450ton!!

  6. PauloT says:

    … e uma questão de matemática! Se ganhou 8, quer dizer que para subir gasta 20% e para descer produz 28% logo 28-20=8. 🙂 … e só saber ler. Como diz o ditado “quem conta 1 conto, acrescenta 1 conto”

    • Pedro says:

      Sim, este camião até “derrete” leis da Física!

      • Vítor M. says:

        Não é possível ele gerar mais do que o que consome dadas as 110 toneladas de massa a gerar energia?

        Claro que é.

        • RPG says:

          A descer sim, visto que tem a gravidade entre outros a ajudar, e o motor nada consome.. a subir ou em plano, não me parece lolol

          • Vítor M. says:

            Repara, ele faz um trajeto entre o ponto A e o ponto B várias vezes ao dia. Nesse trajeto, que será o seu trajeto durante anos, ele gera mais energia do que aquela que consome. Só tens que ficar nesta realidade. Outras que possas imaginar, não passam de pura imaginação. É simples, segundo o que está explicado, de forma mesmo mesmo mesmo fácil de perceber, o consumo é de 30 kWh nas subidas, enquanto que nas descidas o consumo não além de ser zero (ou residual) o motor elétrico ainda gera 40 kWh na descida, recorrendo ao motor elétrico como gerador, depois essa energia é totalmente armazenada nas baterias.

          • Fábio Almeida says:

            Hum, dizer que faz não chega. Alguém inteligente o suficiente deverá ser capaz de fazer os calculos com base nas variaveis e nas leis da termo-dinamica para próvar se é ou não possivel. Custa a crer porque senão teriamos descoberto a energia gratuita mas não é bem gratuita porque ele está a usar cargas nas descidas para regenerar… Pode ser que seja verdade mas é estranho pois os motores eletricos são menos eficíentes a regenerar do que a converter eletricidade em energia motriz. e depois ha outras perdas e forma de calor, som, etc… Não sei, pode ser possivel, ou pode ser só mais um daqueles videos de um gajo a acender lampadas com a lingua e a imprensa acreditar cegamente.

          • RPG says:

            Sim, o que quis dizer é que nas condições em que isto é apresentado (a descer com o peso extra etc), é possível, mas apenas neste tipo de condições. Se fizeres 1km com este veículo numa linha sem declive por exemplo, é óbvio que já não se aplica, e irá consumir mais do que produz.

      • Francisco Coelho says:

        Não é isso! como ele desce carregado e sobe “leve”, a conta é sim possível. Pelo menos até acabar o minério do topo. A situação não se sustenta indefinidamente. Para isto, sim, desafiaria a conservação de energia.

      • Pedro Faria says:

        É exatamente a explorar as leis da física que este caso vai buscar a piada. Ninguém diz que o processo de fabrico da pedreira gera mais energia do que produz. Só a particularidade da fábrica estar numa cota mais baixa do que o minério é que torna possível. É uma questão de potencial gravítico e trabalho das forças em questão. Mas já punham camiões a utilizar o freio magnético para carregar baterias de scooters. Isso sim, era bem pensado!

    • Vasco Rocha says:

      Eu adoro questões matemáticas e colocando em evidência o rigor matemático temos que perceber que o veículo começa lá em cima com 80%, vamos descer mas não sabemos quanto vamos carregar a bateria… Vamos assumir que carrega os restantes 20% de bateria atingindo assim a carga máxima de 100% no ponto de baixo… Se depois de subir, chega lá acima com 88% quer dizer que no máximo gasta 12% na subida, mais do que isso não consome de certeza.

  7. Jorge Correia says:

    Desafia todas as leis da física. Vou reciclar todas as sebentas que tenho dos meus tempos de faculdade. Pelos vistos o que aprendi está tudo errado.

  8. Irónico says:

    Era colocar 1000 desses camiões a subir e a descer para alimentar uma cidade!

    • Filipe says:

      nao digo isso mas substituir as frotas por eletricos isso sim. É que é literalmente so andar com ele.
      A poupança da propria empresa e o ambiente ainda agradece, e claro sem ruido… Isto sim deveria ser publicitado

    • GILMAR FRANÇOIS says:

      Impossível, pois vai gastar mais para carregar o camião/caminhão. Nessa conta só está o consumo e geração de energia do camião, deve-se levar em conta que o camião precisa ser carregado por outras máquinas, aí vais gastar mais energia do que é gerado.

    • Vasco Rocha says:

      Mas quando deixares de ter massa para descer carregado… O saldo energético já não será positivo. Não vais ter que levar para cima a massa que se trouxe para baixo? Aí é que se perde o sistema eterno! Nada de cria nada se perde, tudo se transforma. Senão… Teríamos o sistema energético alimentado eternamente!

  9. Franklin says:

    Eficiência que pode e deve ser transferida aos veículos comuns, sejam utilitários, de passeios, ou mistos.

    • Blam-O says:

      Não consegues pura e simplesmente porque isto não é uma situação de norma, é um caso situacional.
      O camião sobe sem carga, inevitavelmente consome o que consome; a descer graças ao peso adicional consegue recuperar o suficiente para ultrapassar o consumo na subida.
      Fosse ao contrario, a situação seria muito mais negativa.

  10. Eduardo P. says:

    Não percebi… ele desce carregado com o quê? o objectivo não é tirar o minério do poço para fora?

    “O camião basculante de 45 toneladas sobe declives de 13% e carrega 65 toneladas de minério. No entanto, este leva mais do dobro do peso a descer a encosta.”

    Se leva mais do dobro do peso para baixo ou está a encher a mina com chumbo ou em menos de nada está o buraco fechado.

    • Vítor M. says:

      Vai para a trituradora. O processo é feito numa área desnivelada. Mas vê o vídeo.

      • Eduardo P. says:

        Este situação de output de energia positiva só se verifica na situação em que o que queremos carregar está no alto de uma colina.

        Penso que a generalidade das minas/pedreiras onde um camião deste género opera será ao contrário. Carregar de baixo para cima.

        • Vítor M. says:

          Repara, o caso aqui SÓ se refere a esta viatura. O resto do mundo não está aqui espelhado. Como dizes e bem, esta situação de output de energia positiva só se verifica na situação em que o que queremos carregar está no alto de uma colina.

        • Queijo says:

          Nem mais , este caso é muito específico, na generalidade as pedreiras estão no poço e aí sobe carregado e desce vazio.Qual será o resultado? Difícil…

    • Mapril Oliveira says:

      Desce carregado com minério. A mina fica numa encosta!

  11. MárioDias says:

    Quer dizer que a fisica que hoje conhecemos está toda mal ou então este é mais um daqueles casos da banha da cobra. Como um sistema consegue debitar mais de output do que recebo de input?

    • Vítor M. says:

      Viva. Mário. Não será antes tu não teres conseguido perceber? É mais isso Mário. Está tudo muito bem explicado. Mas lê alguns comentários e vê o vídeo que pode ser que ajude.

      Cump.

      • MárioDias says:

        Vitor M. eu consegui perceber que isto só passa de marketing e publicidade enganosa.
        No video ele diz que os motores são 20% mais eficientes do que os a diesel, já aqui isto cheira a esturro. so se os motores diesel fossem 80% eficientes este camião teria motores 100% eficientes, ou seja não perdia energia nenhuma. Como os motores diesel nem chegam aos 50% de eficiencia então estes motores não são 100% eficientes ou seja vai ter sempre perdas. Se tem perdas não consegue gerar mais do que consome. Maior veiculo electrico no mundo???? não me parece, existe a Hitachi EX5500E-6 bem maior, só não tem baterias mas é electrica.
        depois o segundo ponto é, no video ele diz que na teoria deveria recarregar com mais energia do que ele consome a subir. Em teoria???? não existe provas disto? onde estão os cálculos?
        terceiro ponto, não é este camião que gera mais energia do que consome porque se assim fosse teríamos a primeira maquina perpetua do mundo. Em conclusão este sistema que montaram é mais eficiente do que um motor a diesel, verdade, mas este camião vai ter sempre perdas e vai sempre preciso carregar as baterias. E se o que os artigos fossem verdades porque teriam uma bateria com tanta capacidade? bastaria ter uma bateria com metade da capacidade que faria o mesmo trabalho.

        • Vítor M. says:

          Ó. Sabes aquela história do mistura tudo e diz que há algo errado na confusão? É o que estás a fazer.

          Lê bem o texto e gasta uns minutos a ver o vídeo.

          Cump.

          • MárioDias says:

            eu li bem o texto e o titulo tambem, e o video tambem o vi. só gostava que me dissesses qual foi a parte ou partes do que disse que estão erradas? eu só vejo a tuas justificações sem factos os unicos factos que te baseias são um piloto de formula um num camião, e num artigo da CNN. agora vamos a factos existe camiões bem maiores que este e que são electricos (como quase todos os equipamentos mineiros) 300 toneladas chega? https://www.directindustry.com/prod/xcmg/product-50713-1987808.html qual é o facto que te baseaste para dizer que todas as viagens ele consegue gerar mais energia do que consome, e por ai adiante. se fores verificar bem este veiculo de especial só tem as baterias, em vez de um gerador.
            Como te disse a solução é mais eficiente do que os outros camiões que estavam a usar mas só neste percurso nesta única mina. A forma que é apresentado o artigo parece que este camião especifico e em minas que tenham descidas vai funcionar. Até te posso dizer que existe em portugal um sistema mais eficiente do que este a funcionar na cimpor de alverca, em que o material é transportado por correias.

          • Vítor M. says:

            Os factos foram falados pelo piloto (que descreves como se falasse sem saber!!!), que se baseou no que a empresa transmitiu. Além disso, a CNN fez a transcrição do que o piloto testemunhou e com o que falou quer com as pessoas que fizeram a máquina, quer com as pessoas que a compraram e que a usam no dia a dia. Aliás se lesses o texto e visses o vídeo saberias que ele na descida usa o motor como gerador. Além do mais, ele faz sempre esse percurso para gerar energia, quando tem as baterias em baixo, volta à rotina diária para subir vazio e descer com 100 ou mais toneladas. Aliás, ele pode descer até um máquina de 138 toneladas, o que promove um ganho de energia maior do que aquele que está a ser mostrado no vídeo.

            Camião como este, segundo a empresa, não existe.

  12. NjsS says:

    We had 75 tons of rocks and we went out of here with 90%, went all the way to the top,” di Grassi told CNN Sport.
    “We arrived with 80% battery, loaded up and on our way back, we recovered 8% so we came back with 88% — that’s actually pretty cool.

    Eu seja, saíram com 90% e um carga de 75 toneladas, subiram e chegaram com 80%. Desceram para mais uma carga e recuperaram 8%. Ou seja perderam 2% de bateria entre ciclo de carga e descarga.

    Conclusão, precisam de um curso de inglês.

  13. Marco says:

    “De acordo com os consumos anunciados, um camião basculante típico consome entre 41.600 e 83.200 litros de diesel por ano. Desta forma, este gigante elétrico poupa até 196 toneladas de dióxido de carbono em 365 dias.”

    As contas de quem usa este dumper é mesmo de qtas tonelada de carbono estão ser poupadas… Ou será mais qts euros estamos a poupar em gasóleo e em qt tempo vamos pagar o dumper so com o q poupamos no diesel?

  14. Luis says:

    Para quem ainda não percebeu, a extração é feita no alto de uma montanha e transportada para a cimenteira no fundo. Ora, como desce com mais 70 a 90 toneladas de massa consegue por isso produzir mais energia na descida, do que o que consome na subida já sem a carga. Não viola por isso nenhuma lei da física, encontraram foi o sitio ideal para um veiculo elétrico com travagem regenerativa.

    • Doom says:

      Muito bem respondido xD

    • Dot says:

      Portanto obviamente que não gera a sua própria energia, porque a massa que transporta monte abaixo não vai parar ao camião por artes mágicas.
      Obviamente que quem escreveu este post não percebe que há uma relação entre massa e energia.

      • Dot - O donut português com buraco grande na inteligência says:

        Este comentário só pode ter sido feito por um bot, que não é grande espingarda na abstração necessária para ler o artigo, ou então é alguém que apenas gosta de gozar com o trabalho de outros.

        Outrora, as gerações pequenas, cujos níveis de ABSTRAÇÃO são normalmente altos, mascaravam-se de Zorro e impunham a sua justiça ficcional como brincadeira no mundo real. Agora temos um “Dot”, o temido que vem meter os pontos (Dots – peço desculpa, sinto a necessidade de explicar TUDO À LETRA!) nos i’s. É pena que estes “Lavoisier” existam para denegrir o trabalho dos outros.

        Já posso ir dormir descansado

    • JJ_ says:

      Na Serra da Arrábida, também conseguiam fazer isso… A mina esta no topo e a fabrica no “fundo”.

    • André says:

      Para além de o tempo de descida a gerar energia ser maior que a subida. Sobe mais rápido do que desce, e a massa total ajuda nestes casos

  15. Lucas says:

    Ora aí está o que vai dar azo a quebrar a lei da gravidade universal e fazer futuramente viagens intergalacticas!

  16. Dot says:

    Maxwell andou só a perder tempo.
    Devia vir ler isto e era muito mais feliz.

  17. Redin says:

    Faz crer que a construção de um elevador eléctrico possa nas descidas fazer o mesmo contrariando as leis da física.
    Mas o que está aqui a ser esquecido é que o que vai permitir “esconder” tal facto, é que ele é carregado com muito peso para que na descida coloque toda a sua recarga em movimento.
    Em resumo: Tal só se torna possível, enquanto ele tiver carga (peso) para ser carregada e facilitar o recarregamento, estando assim de acordo com a lei da física que somente com o peso bruto se tornará possível “enganar” estas leis.
    Parece-me aqueles geradores infinitos que só funcionam enquanto existir movimento impulsionado por ações externas. Depois as perdas de energia tornam-se evidentes e o gerador pára.
    Aqui, depois de não existir mais nada para o carregar, esse factor inverte-se.

  18. JLB says:

    Pois, há qualquer coisa que está a escapar !!!
    Vamos ver: 80 > 88 # 88 > 96 # 96 > 104 / MAX: 100
    Quer dizer que ao fim de 3 viagens a subir/descer tem a bateria carregada a 100%.
    Agora se ele só carrega a bateria em descida então pode não ter a bateria sempre carregada a 100%.
    Mas no final fazendo as contas compensa mais do que se fosse a diesel.
    Se assim for é excelente !!!

  19. Bruno says:

    Esta gente não tem a noção do que é a energia potencial gravítica pois não? Não vi o video mas é perfeitamente possível que se subirem uma encosta com o camião com metade do peso gastem menos energia do que conseguem recuperar ao descer com ele totalmente carregado… Ninguém está a “dobrar” as leis da física… Já estou a ver que aqui é só douturados em termodinâmica.
    Já agora o Lucas Do Grassi foi piloto de F1 mas atualmente é piloto de fórmula E, provavelmente é por isso que foi ele experimentar este camião.

  20. AbstractEdge says:

    Muito obrigado pelo artigo e MUITO OBRIGADO pela paciência adquirida ao longo dos artigos para manter a integridade informativa e construtiva em resposta a alguns comentários!

    Tenho uma pergunta a fazer (não é de forma alguma provocatória, mas sim para formação pessoal). Num passado “recente”, a quantidade de gralhas existentes nos artigos era notória e agora parece ter sido reduzida a “zeros”. Houve alguma alteração recente na forma como verificavam as gralhas nos vossos artigos?

    Mais uma vez, obrigado pela reexposição do artigo!

    • Vítor M. says:

      Boa tarde.

      Os sistemas de edição sofreram algumas adaptações. Além disso, como a equipa cresceu neste último ano, foi necessário redefinir algumas políticas de edição, principalmente a edição da madrugada, da equipa que cobre o mercado americano. Há outro rigor. Contudo, tal como qualquer canal informativo (alguns até com revisores dedicados), não estamos imunes a sair uma gralha ou duas. Temos também um grupo fantástico de visitantes que nos alertam usando a ferramenta de notificação de erros ou gralhas. Ainda temos o apoio de uma gigante comunidade de seguidores sempre atentos e críticos.

      Cump.

  21. S. Gil says:

    e o que fazias tu com tanta pedra que tem de transportar encosta abaixo? Ele só consegue gerar mais energia na descida porque vem carregado.
    Se o transporte da pedra fosse de uma mina com a cota inferior ao do destino não haveria produção de energia superior ao do consumo.

  22. Paulo Cesar says:

    Gente até 2030 , muita coisa, pode mudar, não entendo, sobre tecnologia , mas fico feliz,. Que nosso ar vai melhorar,

  23. Walter says:

    Acredito que um sistema mais eficiente para aproveitar está energia potencial gravitacional, seria com correias transportadoras utilizando motores de alto rendimento e inversores de frequência com retificadores regenerativos conectados diretamente a rede elétrica local, inclusive já existem minas se utilizando desta tecnologia já a algum tempo.

  24. ARTHUR says:

    O óbvio do óbvio: não existe moto-perpétuo. Não é possível que uma máquina gere mais energia do que consome. Alguém fez alguma conta errada. Por que algo tão óbvio gera tanta polêmica?

    • ARTHUR says:

      Ah, sim… O título do artigo diz literalmente: “Maior veículo elétrico do mundo gera mais energia do que consome”. Não, não gera. Isso é impossível. O cálculo precisa incluir a energia potencial dissipada com a transferência de massa na mesma direção da gravidade. Se não incluir, o argumento está errado.

    • Vítor M. says:

      Qual movimento perpétuo? Lê mas é o texto e vê o vídeo 😉

    • GILMAR FRANÇOIS says:

      Porque ninguém esta calculando que o caminhão é carregado por outra máquina que também consome energia, que o caminhão precisa ser fabricado e já consumiu muita energia, que há desgaste de pneu e óleo que também consomem energia e assim por diante. Se o caminhão não dependesse de mais nada, como ser carregado por uma fonte continua e mais alta de água, poderia até gerar mais energia que consome, mas então uma hidrelétrica seria mais eficiente.

  25. GUSTAVO ROBERTO KUHN says:

    Uma empresa com meu sobrenome, essa é nova pra mim! Esse veículo é bem interessante, espero que em um futuro bem próximo, as baterias pesem menos e sejam mais ecologicamente descartáveis.

  26. int3 says:

    Mais uma treta.
    “Como resultado, usando um sistema de travagem regenerativa, a besta recolhe energia suficiente para recarregar a energia que usou ao subir.
    Isto é impossível. É o principio da conservação da energia. A energia potencial gravitica é definida por Epg=mgh onde m é massa, g acc da gravidade e h altura em metros.

    Numa altura 0 a energia potencial é 0. Para subir por exemplo 20 metros com uma massa de 45+65 tons (110mil kg) precisa de 110000*9.8*20=21560000J ou 21.5MJ de energia assumindo um sistema PERFEITO.
    No momento em que está para descer para conseguir buscar esta energia num sistema perfeito TERÁ que ter a mesma massa. Se descarregar as tais 65 tons de carga ficamos APENAS com uma energia potencial de 8.8MJ. Perdeu-se 12.7MJ a carregar a carga para um ponto mais alto…. Então logo, mostra-mos que isto é mais uma treta daquela mesmo que cheira muito mal. Qualquer miúdo do 12o ano de ciências consegue mostrar que isto nunca na vida pode ser possível. Não há almoços grauitos.

    • Vítor M. says:

      Contas erradas. Deverias ter despendido mais tempo a ler. Ele sobe vazio, carrega as suas 45 toneladas e desce com 110 toneladas. Além de vários outros itens que não levaste em conta e que estão explicados no texto e vídeo.

      Mania de querer parecer esperto.

  27. António Martins says:

    Trabalho na empresa que é proprietária do veículo em questão.
    Após discutir com alguns colegas de trabalho, que lidam com esse veículo o dia todo, os mesmos me informaram e garantiram que desde que veio e foram carregadas as baterias, nunca mais foi preciso recarregar.
    E segundo foi dito na reunião trimestral, no futuro virão mais veículos como este, porque é rentável em todos os aspectos ecológicos e económicos.

  28. Hugo says:

    Na realidade o Lucas deGrassi afirma no vídeo que gastaram 19% na subida (indicando que começaram com 100%). Mas a segunda filmagem da carga da bateria não parece ter sido feita no final do trajecto. Para ser preciosista, não é este video que mostra que a máquina gera mais do que consome. Mas é perfeitamente possível, já que desce a encosta com mais do dobro do peso com que subiu (a mina é no topo, para quem não percebeu) e mesmo com eficiências de regeneração de 50%(valor conservador) , há excedente de energia

  29. JOJO says:

    Só vejo um problema, ao trazer o cimento outra vez para cima lá se vão os ganhos…
    Mas que é bem pensado e benéfico não haja duvidas.

    • António Martins says:

      Não transporta nada para cima, a não ser o condutor e por vezes um outro ocupante.

      • JOJO says:

        Não vi o video e não sei a localização da fábrica, mas se fica no fundo, tens de trazer as sacas de cimento para “cima”, de alguma forma, seja outra vez por dumpers ou outra forma. E todos os ganhos energéticos que tiveste com o dumper desaparecem. Não acredito que no geral tenhas algum ganho. Estás só a tirar partido da má localização da fábrica. Mas que é uma forma inteligente de o fazer é.

        • Cortano says:

          É só contrário. A mina no topo, fábrica em baixo. Não tem de subir nada de novo a não ser os camiões vazios.

          Tens minas destas em Portugal, p.ex., Arrábida e cimenteira em baixo.
          Alhandra a mesma coisa.
          Sousel… Etc

        • António Martins says:

          Jojo.
          Vai ao Google maps, procura Bienne, depois vai um pouco para norte e procura Pery.
          Lá vais encontrar a fábrica e do outro lado da encosta, para oeste, fica a montanha de onde é extraído o calcário.
          Depois se quiseres ser mais preciso, apanha o avião e vem aqui ver in loco.

  30. int3 says:

    Mais uma mentira.
    “Como resultado, usando um sistema de travagem regenerativa, a besta recolhe energia suficiente para recarregar a energia que usou ao subir.
    Isto é impossível. É o principio da conservação da energia. A energia potencial gravitica é definida por Epg=mgh onde m é massa, g acc da gravidade e h altura em metros.

    Numa altura 0 a energia potencial é 0. Para subir por exemplo 20 metros com uma massa de 45+65 tons (110mil kg) precisa de 110000*9.8*20=21560000J ou 21.5MJ de energia assumindo um sistema PERFEITO.
    No momento em que está para descer para conseguir buscar esta energia num sistema perfeito TERÁ que ter a mesma massa. Se descarregar as tais 65 tons de carga ficamos APENAS com uma energia potencial de 8.8MJ. Perdeu-se 12.7MJ a carregar a carga para um ponto mais alto…. Então logo, mostra-mos que isto é mais uma mentira daquela mesmo que cheira muito mal. Qualquer miúdo do 12o ano de ciências consegue mostrar que isto nunca na vida pode ser possível. Não há almoços grauitos.

  31. José Correia says:

    Boas pessoal. As contas estão certa, mas estão a mostrar a parte botina do problema. As pedras que são colocados dento do camião? Aparecem lá por obra e graça do Espirito Santo? Claro que não. Não quiseram contabilizar o dispêndio de energia no carregamento de pedras e assim, claro , temos um milagre.

    • GM says:

      Essa parte não conta para o caso. Apenas se pretende demonstrar na operação de transporte do minério. O processo de escavação e carga do dumper é igual, seja este diesel ou eléctrico. A diferença entre um e outro está no consumo dedicado ao transporte, e não no ciclo completo e equipamentos envolvidos.

      • Dhaaa says:

        Claro que conta, porque senão até você não gasta energia para sobreviver, pois não conta com a comida que come, que conversa.

        • GM says:

          O nickname condiz com a inteligência! É evidente que não conta para a comparação entre dois dumpers, um diesel e o outro eléctrico a baterias. Está-se a falar estritamente no transporte do minério do alto da mina para a base da montanha onde se situa a fábrica cimenteira (já agora e em jeito de curiosidade aqui fica o link para se ver a situação concreta: https://www.google.pt/maps/@47.1825138,7.22173,3176m/data=!3m1!1e3 – à esquerda fica a mina, ou local de extracção do minério a céu aberto, e à direita, no sopé da montanha, a fábrica da CIMENTS VIGIER). Evidentemente, em contecto de avaliação de custos da operação de extracção, carga e transporte do minério, tem que ser tido em linha de conta.

  32. Sergio Gil says:

    Com um tão numeroso grupo de ‘experts’ será melhore juntarem-se e ir até à Suíça e explicarem que eles estão errados.

  33. Sergio Gil says:

    Com um tão numeroso grupo de ‘experts’ será melhor juntarem-se e ir até à Suíça e explicarem que eles estão errados.

  34. Paulo says:

    Isto só resulta qdo temos que subir como veículo vazio e descer carregado, claro que na maior parte das vezes estes trabalhos são realizados ao contrário, descer vazio e subir carregado.

  35. Miguel Andrade says:

    Isto está referenciado no slashdot. https://hardware.slashdot.org/story/19/08/22/2154252/electric-dump-truck-produces-more-energy-than-it-uses

    pplware na primeira divisão mundial 🙂 . Parabéns!

  36. Rui Alberto Carvalho Delgado says:

    “…gera mais energia do que consome.”. Pronto, acabaram de solucionar o problema energético do planeta. Energia infinita para todos. Yupi! (sarcasmo)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.