Quantcast
PplWare Mobile

Proton permite executar mais de 7000 jogos do Windows no Linux

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Spoky says:

    League of Legends é que….

  2. Al capone says:

    poucos jogos funcionam

  3. Rebenta anilhas says:

    E a latência?

    • theman says:

      O problema não é a latência. O acesso às internet é igual.
      O problema é as frames per second (FPS) em jogos pouco compatíveis com o Proton.
      Posso dar o exemplo do Path of Exile. No meu PC atual corre ótimo no Linux, mas no anterior tinha mais FPS no Windows do que no Linux enquanto que a latência era a mesma.

      • João says:

        Foi o vulkan, a ggg portou para o poe para vulkan e foi uma mudança brutal em estabilidade (e um pouco em fps), placas gráficas mais novas têm implementações de vulkan muito melhores tmb.

  4. Joao Cordeiro says:

    DosBox permite mais.

  5. Samuel MG says:

    Quem não sabe o que roda no Linux com o Wine então que vá a:
    https://appdb.winehq.org/

    Só para dizer que são mais de 27 mil aplicações (incluindo jogos). Ainda não falei dos jogos que correm ativamente como o MMORPG Warspear Online ou mesmo o MMORPG Eternal Lands entre outros.

  6. Sardinha Enlatada says:

    De certeza que encontras algo semelhante, a nao ser que seja algum software especifico que uma empresa use.

  7. André Magalhães says:

    Eu utilizo a distro Pop!_OS para gaming, acho que está mais a frente das outras nesse aspecto.

    • theman says:

      Boa dica, pelo que li já vem com a papinha feita no que diz respeito às drivers privadas das placas gráficas.
      Não é o meu estilo, mas pode dar jeito a muitos.

  8. Ru says:

    Tenho um Windows a correr nativamente, num disco externo (windows to go). Mas para pouco mais serve do que fazer uns testes com alguma coisa. De resto… Linux.
    Quando jogava, o “problema” eram jogos directx. Os opengl que gostava corriam nativamente no Linux. E posso dizer que com mais fps que nativamente em windows. Um bom exemplo era W:ET

  9. Luizo says:

    3 % de usuários Linux no planeta. Simples assim.

    • Samuel MG says:

      Esses 3 % são os que não tiveram medo em mudar. O resto têm medo ou não sabem nada sobre o sistema que em relação ao Windows é muito mais seguro .

    • Fernando says:

      Pessoas como tu não fazem nenhuma falta em caixas de comentários. Usa o que quiseres e deixa de ser uma criancinha. Que o teu comporta,menmto é de criancinha , isso sim, é um facto.

    • Rafael says:

      Antes continuasse assim, apesar de comunidade pequena existe um grande zelo pela privacidade, simplicidade e controlo transparente da màquina(ficheiros vs windows api) e considerando 3% temos acesso a muito mais que 3% do software ou equivalentes. Mas a realidade é que com a situação de pandemia a venda de chromebooks explodiu, o chrome os é linux com uma camada de compatibilidade android, ao contrário do windows, a google ganha dinheiro de forma indireta por isso é um bom corte no preço de compra do computador especialmente sendo que estes correm hardware de baixa gama os dispositivos saem bem mais baratos. Num ano os chromebooks roubaram cerca de 5% do mercado do windows e a tendência é continuar. É muito notável o crescimento entre estudantes, estudantes habituados ao chrome os entram no mercado de trabalho e cada vez mais será criada uma alternativa ao windows. A google já manifestou intenção de trazer chome os e android ainda mais perto de linux completo, a correr kernel mainline e eliminar drivers e bootloaders proprietários. Linux está bem como está espero que a google não estrague.

    • João says:

      O Android é o que mesmo?

      • Rafa says:

        Hum….o sistema operativo da maioria dos smartphones, o que eu quis dizer é que o android corre um kernel linux antiigo e a google quer trazer para o mainline.

  10. ElectroescadaS says:

    Deve ser interessante correr os simuladores da SCS (ATS/ETS2) via Steam num ambiente Linux. Vou ter de experimentar um dia destes…

    De qualquer forma é uma notícia bastante interessante… 😀

  11. Tiago Matos says:

    Para o Pessoal a dizer q isto n tem importancia nenhuma quero realçar q muitos estudios triple a n querem gastar recursos para fazer uma versao nativa para o linux o proton vem trazer um “middle ground” permitindo q users de linux usem software para windows (a grande maioria jogos) o simples facto q o wine funciona com grande maioria de software ja é algo simplesmente impersionante

  12. Paulo Pereira says:

    Por acaso utilizo Proton, assim como o Proton (proton-ge-custom). Veio ajudar bastante mas na minha opinião, quem quer um computador para jogar, que fique no windows. Simplesmente tudo é compatível, jogos e derivados.

  13. Joao Carlos says:

    Interessante.

  14. Gabrieli says:

    Só lembrando que Proton, lutris, playonlinux e etc nunca foram opções para tirar usuários do windows para o linux, na grande maioria de comentários fica bem evidente essa confusão.
    Todas as ferramentas citadas são opções para usuários linux poderem jogar jogos apenas disponíveis para windows na sua distribuição predileta.
    Tudo que jogo funciona perfeitamente no linux e já perdi a conta de qual foi a ultima vez que usei um windows para qualquer coisa, mas essa é minha realidade, isso não se aplica a mais ninguém.
    Quer jogar todos os lançamentos com o máximo de fps possível a Microsoft é a sua opção, simples assim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.