Quantcast
PplWare Mobile

Alerta: Falha com 7 anos no Linux permite invasores fazer tudo

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. lapizazul says:

    Normal… Todos os sistemas têm falhas graves.

  2. JJ_ says:

    Prova, que apesar de ser um open source e com milhares de especialistas analisar o código, existe sempre alguma coisa que escapa.

  3. Gil says:

    Uiiiii agora é que os maluquinhos da linha de comandos se vão passar ehehehehehe

    • Filipe says:

      Eles vão todos dizer que é mentira. Ou então enquanto iam escrever esses comentários foram afectados por esta falha e ficaram “sem acesso”.

    • Pasteleiro says:

      Os maluquinhos da linha de comandos vão simplesmente usar um comando que custa 2 segundos a escrever e actualizar o sistema operativo. Simples.

    • sdfgh says:

      os maluquinhos da linha de comandos vao fazer:
      sudo apt-get update && sudo apt-get upgrade

      • Acácio Bernardo says:

        Instalei o ubuntu há uns dias e estou a adorar. Pode parecer estranho, mas o principal motivo de trocar o windows (apesar de ainda o ter em dualboot) é pela expriência em si. A fluidez do UI. No windows a interface tem muitos saltos e cortes. Não é fluida. E é tudo muito quadrado. Além disso, é altamente o software livre, à partida náo está sempre a telefonar para casa e a mandar informações.. dá a sensação que tenho mais controlo..
        Comando update e upgrade feito 🙂

  4. Fernando Neto says:

    Problema detectado, divulgado e corrigido, esta é a diferença de um sistema aberto.

    • TóSousa says:

      Desculpe, mas isso passa-se com sistemas fechados como o Windows, macOS, Android, etc…
      Nada e novo aqui.
      De estranhar é que se existe há 7 anos as versões de 2018 não eram afectadas , apenas as mais recentes….
      E 7 anos para tapar um buraco de segurança é muito seja Linux, Windows, macOS ou outro…

    • lapizazul says:

      Pena foi ter demorado 7 anos a resolver…

      • Douglas Ferreira says:

        Pelo que entendi da matéria, existe a falha há 7 anos, mas foi descoberta agora. Além disso, já está corrigida nas versões mais novas das distribuições.

    • LG says:

      A diferença neste caso é a análise detalhada ao “buraco” causado para assim se aprender e evitar no futuro.

  5. Samuel MG says:

    Onde está o comando?

  6. cacun says:

    O problema deriva de se ter cão ou não ter. Neste caso o comentário será que demorou 7 anos a descobrir, devido a não ter utilizadores. Ou seja não tem grande relação com a qualidade do sistema. No sentido contrário têm o seguinte tema: https://pplware.sapo.pt/microsoft/windows/windows-11-ou-sun-valley-afinal-o-que-esta-a-preparar-a-microsoft-para-o-seu-evento/ , e os seus comentários.

    • sdfgh says:

      tem utilizadores tem, e a maioria dos que tem sao pagos para descobrir estas coisas

      • Samuel MG says:

        Estás errado ninguém é pago para descobrir isto ao contrario da Apple, da Microsoft e da Google 🙂 Estas empresas pagam para se descobrir estas falhas!! A falha tem 7 mas não demorou 7 anos a descobrir!! Se fosse no Windows demorava 15 a ser descoberta!!

    • Douglas Ferreira says:

      Se considerarmos que praticamente todos os serviços que usamos no celular envolve operações em servidores da internet, podemos dizer que o Linux tem a quase totalidade dos usuários conectados.

      Não dá para considerar o Linux como apenas um sistema desktop que será instalado em um pc. O Android usa Linux, o roteador da sua casa usa Linux, talvez sua TV use o Linux, o servidor do seu banco usa Linux, os roteadores pelos quais o seu e-mail é transferido até chegar ao destino usam Linux, … apesar de eu usar um MacBook, eu uso Linux e às vezes não me dou conta disso. E isso também acontece com quem usa Windows.

      Aliás, já passou da hora acabar com essa discussão sobre qual sistema é melhor. Até a Microsoft já reconheceu a importância do Linux.

  7. Carlos Correia says:

    Afinal, só afecta quem está a usar as versões mais recentes e “instáveis” (bleeding-edge) das distribuições.

    Nenhuma versão estável do Debian foi afetada, por exemplo. Nada de mais, portanto 🙂

  8. Sardinha Enlatada says:

    Sem comparacao. Linux e linux, a rapidez com que as falhas sao corrigidas e notavel. Disso ninguem pode negar.

  9. wtvlol says:

    Esta notícia é para os nabos que dizem que o Linux é 100% seguro.

    Ora toma e embrulha.

    Todos os OS têm falhas.

  10. António Paulo says:

    Quer dizer que não afecta o Linux Mint ?

  11. Manoel do Brasil says:

    Falha que nunca foi explorada, sem dúvida Linux é mais seguro que Windows.

    • MR says:

      Isso não se sabe. O facto de passar a ser conhecida agora, não significa que alguém não a tenha conhecido anteriormente, e tê-la usado indevidamente.

      • Carlos Correia says:

        Muito improvável (e difícil isso acontecer), até porque isso implica ter uma sessão aberta na shell, o que, para quem não está fisicamente junto à máquina, é praticamente impossível.

        Por outro lado, se estamos fisicamente próximos da máquina, torna-se muito mais fácil reiniciar a máquina e iniciar uma sessão como single-user 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.