Quantcast
PplWare Mobile

Squid Game: operadora sul-coreana processa a Netflix após aumento de tráfego

                                    
                                

Fonte: Reuters

Autor: Marisa Pinto


  1. Tiago Santos says:

    Quero neste momento processar todas as marcas de automóveis pelo trânsito causado e, logicamente, o meu atraso ao chegar ao trabalho bem como o stress sentido nestes anos todos! Tem me dado sérios problemas com o meu chefe e o meu prémio foi muito reduzido!

    Sem comentários…

  2. Honorato says:

    Agora a netflix tem culpa de as pessoas querem ver a tal série porque aumentou o tráfego tem de pagar. Se aumentou o tráfego só teem que aumentar a capacidade para aguentar. Se o isp de lá da Coreia do Sul tiver com grandes dívidas quis foi se aproveitar para chular a netflix para ver se safa

    • Manuel Costa says:

      O contrato de distribuição inclui uma margem para o tráfego. É uma das grandes diferenças entre a Netflix e a Disney (centralizada). A Netflix agrega o serviço externo e a operação fica no local que a produtora define. Como era uma série nova, a Netflix terá pago pouco mais de 3 milhões de dólares, para um lucro de 600 milhões de dólares, pela visualização da série. A empresa só reclama que é preciso actualizar o contrato, pois ninguém contou com a quantidade de utilizadores a visualizar a série.

  3. Watcher says:

    Todas as redes têm uma capacidade finita, facto.
    Todas as redes vão ter picos, facto.
    A Netflix tem um site na internet, no seu cantinho que não chateia ninguém que por acaso é o supra sumo da batata e todos querem ver bastando que para isso exista uma ligação à internet, facto.
    A Netflix têm caches, não creio que sejam gratuitas, que podem ser colocadas nos ISPs para que o tráfego seja minimizado fora da rede do próprio ISP, facto.
    Os utilizadores finais usam a rede dentro dos limites impostos pelos milhentos sistemas de gestão e controlo dos ISPs, facto.
    O ISP processa a Netflix quase com o argumento que o Netflix lhes provocou um DDoS, han?

    Duvido muito que os utilizadores deste ISP tenham ligações dedicadas ou com largura de banda garantida ou seja a ligação é multiplexada e é feito um sobre-provisonamento propósitado de clientes sobre uma ligação física e finita de acordo com uma taxa média de utilização para diminuir custos ou seja se todos os utilizadores usaram o máximo da sua largura de banda ao mesmo tempo, o segmento de rede não aguenta.

    Ou seja, o ISP vende mais do que consegue suportar ou não limita a velocidade da maneira correta. Mas a culpa é quem simplesmente colocou um conteúdo para visualização.

    É a mesma coisa que os LUSOPONTE processar a cidade de Lisboa pelo excesso de baixas médicas dos funcionários das portagens bem como o trânsito no tabuleiro da ponte, devido ao facto da maioria dos empregos serem localizados em Lisboa.

    Obrigado e bom dia!

    P.S.: Um grande abraço aos funcionários das portagens!

    • Manuel Costa says:

      ERRADO.
      O contrato da Netflix é com a produtora. A produtora tem um contrato com um ISP. Ora a Netflix pagou 3 milhões pela série e não quis centralizar os serviços (estás a 500000000 milhões de anos luz da forma usada pela Netlfix…), sendo que a produtora e a operadora é que suportam todo o tráfego de quem visualiza a série. É por isso que estão a exigir que a Netflix aumente o valor pago pelo tráfego de dados, reduzindo os 600 milhões de dólares, que a empresa terá obtido de lucro com a série. É que a publicidade é toda lucro da Netflix e não da produtora…

      • Administra Dor says:

        Mas isso foi é mal negociado, a Netflix não tinha como saber o sucesso que ia ter. É como o criador do Witcher que vendeu os direitos por tuta e meia para fazer os jogos porque segundo eles jogos são m***a e ninguém quer saber e depois ficou todo embufado quando os jogos foram um sucesso

      • Watcher says:

        Caro Manuel, espero que isto o encontre bem, e que possamos aqui criar uma confluência de ideias sem conflito e excessos. O Manuel ainda não me conhece mas eu não falo sem dados, isso não me impede de estar errado mas certo de acordo com o que li/vi. Neste caso em concreto seguem abaixo as minhas fontes de informação que partilho aqui consigo. Espero um comportamento recíproco para que eu possa perceber o seu lado e contribuir para um aumento de conhecimento generalizado entre si, mim e todos os que lêem a nossa conversa.

        Um vídeo da própria Netflix a explicar como funciona a desagregação dos dados: https://www.youtube.com/watch?v=sExZim0S8nk

        As arquitecturas de exemplo para a Netflix: https://openconnect.netflix.com/en/#sample-architectures

        Só mais um pequeno ponto. A Netflix ter que pagar ao ISP uma quantia diferenciada por acesso à internet vai contra as boas práticas da Net Neturallity em que um pacote é um pacote, não interessa de onde veio nem para onde vai. O ISP deve dimensionar os custos de acordo com a largura de banda e quantidade de tráfego disponibilizada ao cliente e não por ser um conteúdo popular onde se pode ir buscar mais uns cobres.

        Obrigado, bom dia

      • Adeus says:

        Não entendo a tua visão nem do contexto com esta notícia. Os ISP`têm uma coisa que se chama QoS. Só têm que limitar a transferência de dados com origem a determinado domínio. Isso dos contratos que falas é outra coisa.

  4. Há cada gajo says:

    Um imposto sobre a estupidez era receita certa, certa !

  5. Secadegas says:

    ISP com uma infraestrutura de m**da e culpam os outros?

  6. Rudi says:

    Então e o cliente não pagou pelo serviço de internet?
    Ridiculo!
    Como é que o aumento de tráfego aumenta a manutenção? O cabo de rede fica degradado com os eletrões a passar?
    Desculpas para sacar dinheiro.

    • Manuel Costa says:

      Se montares uma quinta de servidores para minares criptomoedas e pagas 30 euros pela tua ligação à internet, em que ultrapassas o TOS no dia 5 do mês. Podes fazer upgrade para os 6000 euros mensais e teres rede disponível para a tua quinta de servidores.
      Agora imagina que és um utilizador que se vai ligar a essa quinta. A tua operadora não te pode dizer nada. A fornecedora terá de pagar à tua operadora pelo aumento da utilização de dados… é o que se passa com este caso.

      • Rudi says:

        Desculpa mas não, como cliente de um ISP eu pago para ter acesso à internet, esse acesso é pago por mim com o meu dinheiro, o ISP não tem de negociar com mais ninguem sobre o que devo ter acesso ou não, se o ISP não tem o minimo de canal alugado a uma backbone, é porque está a “chular” os clientes e está a tentar a quem tem a “quinta de servidores” que paga o seu proprio acesso ao backbone, que pague para ter o extra que deveria de ter em primeiro lugar.

        OU seja o que dizes é fraude praticada pelo ISP.

        A Brisa não vai processar a Toyota porque tem mais carros a usar a autoestrada, quando os utentes pagam para USAR A MESMA AUTOESTRADA.

        É ridículo, fraude e exploração.

  7. Jorge Pedro Miguel says:

    Em Portugal a Meo, corta a ligação e pronto, está o assunto resolvido… façam o mesmo! 😀

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.