PplWare Mobile

COVID-19: Governo lança novo site com informações e guias


Autor: Pedro Pinto


  1. NT says:

    Boa iniciativa do governo, agora pergunto-me porque raio tenho que ir trabalhar amanhã e expor ao perigo? Trabalho no comércio a retalho na parte do SPV(loja de eletrodomésticos / informática e afins) mais uma vez o dinheiro fala mais alto… enfim desculpem lá o desabafo mas estou farto de pessoal que vai (e leva a família toda) para entregar um comando de consola para reparação e não tem o mínimo respeito por eles nem por as restantes pessoas que estão à volta.

    • ze says:

      Claro que o dinheiro fala mais alto, o virus mal ou bem passa, os empregos como vivemos à pouco tempo podem levar 5 anos ou mais e é se o turismo ajudar.
      Prefiro morrer ou que morram muitos do que não ter o que comer nem tecto para dormir.

  2. Como Baratas Tontas Passeando-se Sobre Mer... says:

    Reparar o comando da consola,…enfim há “prioridades”, talvez queiram jogar o “Jogo da Vida” ou uma espécie de “Roleta Russa Viral”. Infelizmente muitos de nós achamos que só acontece aos outros…até acontecer. Também é triste que muitos patrões prefiram arriscar a saúde dos seus trabalhadores e clientes, tendo até mais custos, pois o preço de manter “a loja aberta” é certamente superior aos “trocos” recebidos ao fim do dia do que seria fechando a loja, protegendo-se e aos seus trabalhadores e a todos.
    Fiquemos todos em casa, só assim se quebra esta corrente de contágio. Caso contrário continuamos a “alimentar” o vírus com novos hospedeiros a cada dia que passa, replicando-o e propagando-o sem o sabermos.

  3. RF says:

    Eu trabalho na área das telecomunicações e também tenho de ir trabalhar!!!

    Trabalho Amanhã, depois, depois, depois (…)

    Quando morrermos vem outros fazer o nosso trabalho!

    • José Carlos da Silva says:

      Tu e muitos outros. O país não pode parar, evidentemente.

      • xPTo says:

        O país não pode parar, de acordo.

        Mas as empresas têm de ter uma atitude proativa e providenciar as condições mínimas de trabalho em segurança aos seus trabalhadores e consequentemente clientes.
        O que em muitos casos não acontece.

        Colocar gel desinfectante nas entradas é manifestamente pouco como medida de prevenção.

        E o facto de não existirem protocolos/procedimentos/áreas restritas no caso de surgirem situações suspeitas também não é adequado ao princípio de que o país não pode parar.

        O país não pode parar! Mas não é a menosprezar a situação nem aqueles que realmente têm de continuar a trabalhar. E isso não vejo falar.

        Fala-se muito em proteger os profissionais de saúde e não podia concordar mais. Mas e todos os outros profissionais das restantes áreas que não podem parar? E cujos patrões não tomam nenhuma medida preventiva?

  4. Jota says:

    Podemos sair de casa para ir trabalhar?

  5. Vasco Ranita says:

    O link não funciona.
    Vai para essa página: http://www.spms.min-saude.pt/alertas-e-seguranca/?client_ip=193.126.83.166&type=security&url=uggc%3A%2F%2Fpbivq19rfgnzbfba.tbi.cg
    Onde aparece:
    A página que procura não foi encontrada, situação que poderá resultar das recentes alterações no site SPMS.
    Procure novamente através do motor de pesquisa do site e, em caso de não encontrar o pretendido, contacte comunicacao@spms.min-saude.pt
    Agradecemos a sua colaboração!
    A SPMS no seu melhor

  6. João M. says:

    Tem vindo muito a ideia de que o país tem de parar por causa do Covid19. Muitos comentários do tipo “todos em casa mas eu tenho de ir trabalhar”. Apesar de compreender os receios, temos também o outro lado da medalha – se a economia pára o problema do Covid-19 será o menor dos nossos problemas.
    As linhas de produção não podem parar ou ficamos sem comida e outros bens essenciais.
    A comunicação, infraestruturas, media, etc.. não podem parar ou não temos noticias, formas de nos comunicar, nem água, nem eletricidade, etc..
    Os transportes e retalho (supermercados) não podem parar ou não há o que comer ou comprar os bens-essenciais.

    Claro que existem negócios como grande retalhistas como FNAC, ZARA, e análogas que decidem fechar – por iniciativa do empregador – porque não são essenciais neste momento de crise. O governo, em estado de emergencia, pode decidir o que fica aberto (e obrigar a ficar aberto) como o que deve fechar. No entanto, até chegar a esse ponto, a iniciativa privada pode decidir.
    Como vi num post algures, é nestes momentos que os “core values” das empresas são colocados á prova .

    Agora, também compreendo que alguns empresários – principalmente de empresas mais pequenas ou médias – tenham receio de fechar portas porque, se fecham, ficam com um grave problema de tesouraria e os salários têm de ser pagos na mesma – mesmo sem produzir (não há NENHUM trabalhador que diga que quer ficar em casa e abdique também do seu dinheirinho ao fim do mês, mesmo que não tenha produzido). Claro que o estado disse que tem uma verba de uns milhões para ajudar MAS nós sabemos que esta verba, até chegar Às empresas, vai demorar e podemos ver, num futuro próximo, problemas de desemprego e falências a surgir porque as empresas não aguentaram esta crise.
    Se podíamos estar melhor preparados? Podíamos sempre mas não existe sistema infalível. Todo o mundo vai sofrer recessão.. nenhum pais estará livre disso.. no entanto, pelo que tenho lido, será uma recessão menos “penosa” do que a de 2008.

  7. alvesz says:

    Por cá.. temos de vir trabalhar, até aqui estou de acordo e é óbvio que a economia não pode parar.
    Só não estou de acordo, quando pedimos o teletrabalho (que no meu caso dá para fazer 100% em casa) e nos é recusado. Sei que tenho esse direito , mas também sei que continuar a pedir e insistir neste assunto vou criar um braço de ferro com a empresa. O governo tem de ser duro e rígido nas leis que vai implementar neste combate. E avisar não só as pessoas mas também as empresas que existem coimas para quem nas as cumprir!

    • João M. says:

      Pelo que li, o teletrabalho é obrigatório caso a função possa ser realizada remotamente. Acho que aqui é o patrão a bater o pé só porque sim.,..

      • Helder Ferreira says:

        Durante a vigência das medidas excecionais e temporárias de resposta ao COVID-19 o regime da prestação subordinada de teletrabalho, desde que compatível com as funções exercidas, pode ser determinado unilateralmente pelo empregador ou requerida pelo trabalhador, i.e., sem o necessário acordo das partes.
        Quando determinada pelo empregador, este deverá assegurar ao trabalhador os meios necessários à prestação da atividade

    • ze says:

      Dá para fazer 100% remoto, e a empresa tem possibilidade tecnologica para que o trabalho seja feito 100% remoto?

      • alvesz says:

        Dá.. Apenas preciso de um portátil ou posso até mesmo usar o meu. O justificação deles basicamente foi “como não tem os softwares usados cá na empresa nem tem acesso á nossa rede não é possível fazer teletrabalho”… hoje vamos apertar com a entidade patronal mais uma vez, mas claro, o clima está a ficar desagradavel por já é mais que evidente que eles não nos querem dar essa opção.

        • JV says:

          Mas tens os softwares e acesso à rede, fora do local de trabalho? E quando dizes que precisas de um portátil, ele existe na empresa ou é necessário a empresa comprá-lo?

          Utilizares o teu não é opção porque isso responsabiliza a empresa caso algo lhe aconteça durante a tua atividade

  8. Declaração de Teletrabalho Obrigatório says:

    Declarado Teletrabalho Obrigatório sempre que possível. Exijam esse direito de proteção de todos. Protejam-se a vós e a todos contribuindo para a diminuição da transmissão da pandemia!

  9. José says:

    Bom noite que podiam fazer era dizerem a zonas dos infetadostados com vírus cidades ou aldeia deles ou delas para a população estar mais informada para caírem na realidade do vírus para temos um controle da situação e do contacto com os infetados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.