Quantcast
PplWare Mobile

Uber proibida de realizar testes com carros autónomos no Arizona

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Simões


  1. WHTAT says:

    Onde está a lógica ? Acontece um acidente e e logo “banido” do estado americano, mas esquecem que porte de armas continua a ser legal para a maioria e mesmo aqueles que não podem compram com grande facilidade uma m4a1 ou uma kalashnikov e não se ve nada contra isso!! Acidentes vai sempre haver estão em testes!

    • Filipe Coelho says:

      Mesmo, quantidade de pessoas que têm morrido com os shootings nas escolas e não se faz nada relativamente a isso. Um acidente com um carro autónomo (que provavelmente se fosse uma pessoa a conduzir tinha acontecido o mesmo, pois atravessou-se à frente do carro) e é banido…

  2. Tiago Santos says:

    Boas
    Realmente 1 acidente com um carro autónomo é um escândalo mas os milhares de acidentes diários por erro humano já é pacífico!
    Hummm…

  3. MarioM says:

    Já está tudo a chutar pro lado.

  4. Linus says:

    Bem, como comentei na outra noticia, era mais que óbvio uma de duas coisas, ou não tinham o Lidar ligado, e estavam a fazer testes só recorrendo a cameras, ou estando ele ligado, algo no software não correu como esperado, e ai está aberto um manancial de argumentos técnicos que vão desde politicas de segurança activa e passiva, que neste contexto seria que tipo de condução é adoptada pelos algoritmos na deslocação do ponto A para o ponto B, e dado um perigo real de eminente colisão, qual é o padrão de condução e procedimentos de imobilização do veiculo que os algoritmos tentam seguir.
    Só estes dois tópicos vão dar muito que falar entre os técnicos ligados à segurança e ligados ao motor de AI e as autoridades, isto se realmente querem as coisas bem esclarecidas claro.
    Depois entramos ainda noutro campeonato, muito mais duro (a Liga dos Campeões). Sim, se se pensa que um carro autónomo a passear pelas ruas, cheio de sensores e com um brutal motor de AI, algo que em tempo real consegue recolher dados de varias fontes, “mastigar” todos esses dados, produzir acções em tempo real que respeitem, quer todo o código da estrada, quer seja (o carro) tanto ou mais seguro que a condução humana, quer promover maior eficiência na deslocação do ponto A ao ponto B, se isto ja parece, e é, super complexo, agora é “só” meter uma camada adicional em cima dessa complexidade e conceber todo o tipo de testes para tal sistema.
    Sim, o “motor” de testes para tal sistema, se for desenvolvido seriamente, por gente competente, é bem mais complexo e mais moroso do que o próprio software a correr naqueles computadores.
    Alias, ainda hoje em dia, que a AI está de novo na moda, e que a analise massiva de dados é ouro, a area mais pesada e mais complexa da ciência da computação, não são os algoritmos de AI, nem os seus novos desenvolvimentos, são os sistemas que testam e validam que o software faz realmente aquilo que é suposto fazer.

  5. Rui Santos says:

    Acho bem… que passem a fazer os testes em locais onde a probabilidade de atropelar e matar é nula!

  6. damn says:

    rsssrs “pode entrar se o cachorro morder eu bato nele”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.