Software de 1958 ainda é usado porque substituí-lo é muito caro


Destaques PPLWARE

25 Respostas

  1. Arlindo Pereira says:

    É o mais seguro. Não tem vírus!

  2. khidreal says:

    a verdade é que antigo, neste momento, é sinónimo de simples nos tempos que correm. antigamente tinhamos 1 botão para cada coisa, hoje nem butões se usam… quanta mais tecnoligia for necessária para fazer algo, maior a probablidade de falhas. quanto mais simples for um produto, mais facil é identificar falhas e consequentemente repará-las. mesmo vai para programas, veículos, etc. tudo o que usamos é tecnologia, até a nossa cama é um exemplo de tecnologia.
    nós trocamos conforto por segurança, a ver, quem não gosta de mais um pouco de conforto? por isso é que há problemas de privacidade e segurança. mas tbm se fossemos só a pensar em segurança nem saíamos de casa.

    eu sou defensor de que não é necessário comprar um computador ou seja o que for com carateristicas que não iremos usar. se o produto cumpre o objetivo a que é destinado, não é preciso nada mais “potente”…
    simplicidade = facilidade, seja facilidade de reparação, facilidade de uso ou outro tipo de facilidade.

  3. Sampas says:

    Façam um pouco de pesquisa e façam um artigo sobre o mesmo em Portugal.
    Posso falar directamente dos sistemas de Agua e saneamento, muitos dos sistemas ainda são controlados por PLCs onde o programa é feito em assembly, descarregado numa eprom ou eeprom e inserido no socket.

  4. Vasco A Alves says:

    Desde que o algoritmo sirva os fins a que se destina, sem bugs e a funcionar tantas décadas, porquê mexer no que está bom? São sistemas dedicados que cumprem funções bem especificas. “If it works don’t touch it.”

  5. manito says:

    Pessoalmente acho estes sistemas antigos mais seguros e fiaveis! Para quê mudar o que é bom?
    Lembra me os nossos submarinos antigos, que nos exercicios da NATO escapavam quase sempre aos sistemas ultra modernos dos colegas e faziam uns brilharetes com a sua tecnologia antiga simples e robusta! Mas com a pressão dos politicos corruptos e militares incultos modernizaram a frota da maneira que se viu e hoje em dia estão mais parados que outra coisa e a aumentarem os impostos de todos nós contribuintes por causa das constantes manutenções…. enfim o antigo é que é bom!

    • Cortano says:

      Isso é tudo muito bonito dos submarinos e tal, que fogem aos radares e sonares, que se colavam aos outros para passarem despercebidos,,, mas se fosse uma guerra a sério o que é que faziam?! Atacavam com fisgas?! Passavam a guerra colados ao submarino inimigo e rezavam para que este não fosse para profundidades grandes ou para não implodirem?!
      O desenrasque é bom, é muito útil, pode safar de muitas situações, mas não é a solução 😉
      E não, os submarinos não estão parados.

  6. milkshaker says:

    Faz a função dele, que é o que importa. A única questão que se mete é mesmo no hardware, que passa o seu tempo de vida e depois não se consegue arranajar substituto.

    Bem vistas as coisas, hoje em dia será raro o caso de alguêm que saiba ao certo para que serve todas as aplicações que têm instaladas e que usem realmente todas as funcionalidades das mesmas. Mas isto sou eu a dizer claro .

  7. André says:

    Legacy será sempre (valiosa) Legacy.

    Os sistemas nasceram e agora por ser “caro” não se muda, porque é difícil arranjar muitas pessoas para compreender e implementar um sistema novo sem “parar o antigo” !!!
    Há que virtualizar o sistemas para não haver falha de hardware, a partir daí, o sistema manter-se-á vivo (com a respetiva manutenção !

  8. Joao 2348 says:

    Deveriam modernizar o sistema nuclear para se conseguir lançar umas ogivas através de uma APP, mas deveria estar disponível para Android, iPhone, BlackBerry e Windows Phone. Não faz mal se apanhar código maligno, o mais que podia acontecer era acabar o mundo.

  9. Sérgio says:

    EMACS e VIM são exemplos de programas de computador dos anos 70 e milhares de programadores usam-nos hoje em dia. E não há coisa melhor…

  10. Jose Nunes says:

    Todas as grandes instituicoes financeiras a nivel mundial usam versoes deste sistema.
    Nenhuma o consegue eliminar pelas mesmas razoes indicadas no artigo, o sistema esta muito implementado e alem disso consegue processar milhoes de transacoes bancarias diariamente com elevada estabilidade.

    • Joao 2348 says:

      É sempre possível mudar tudo, mas não mudam porque não tem motivação para tal, tipo: legislação que obrigue a isso e que imponha o encerramento das instituições e prisão dos responsáveis pelas mesmas a quem não quiser implementar.
      Mas para mudar seria necessário existir algum bom motivo, e aparentemente não existe… se funciona deixa estar.

  11. Pérolas says:

    Outro dia estive a limpar garagem e descobri que num canto 2 ibm da idade da pedra com discos de 10mb e como me pareceu que poderia haver humidade decidi ver se ainda funcionavam. Liguei-os à corrente e realmente são máquinas que justificam o peso; 30 anos depois ainda funcionam 🙂

  12. alcaide says:

    Informática a sério!

  13. José Rodrigues says:

    Maior parte das vezes o custo de manutenção destes sistemas ao longo do tempo é em muito superior à mudança para um novo, a questão é que enquanto o fabricante garantir o suporte é preferível manter o sistema actual que correr qualquer tipo de risco na sua mudança.

  14. W00T says:

    Onde trabalho a plataforma de gestão e controlo dos activos é também em COBOL.
    Tanto quanto sei em Portugal ainda é utilizando na maioria dos bancos.

  15. Tino says:

    Velhas e eficientes linguagens COBOL, Assembler, jamais serão substituídas pois o velho Mainframe ainda continua a ser a máquina mais confiável e segura…..

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.