PplWare Mobile

Falha no Windows 3.1 coloca aeroporto francês de joelhos


Responsável pelo Pplware, fundou o projeto em 2005 depois de ter criado em 1993 um rascunho em papel de jornal, o que mais tarde se tornou num portal de tecnologia mundial. Da área de gestão, foi na informática que sempre fez carreira.

Destaques PPLWARE

  1. miguel says:

    desconhecia esse windows, por momentos ate pensei que o titulo estivesse errado.

  2. Daniel says:

    Culpa da Microsoft, já viu tempo de corrigir… paga um empresa por um software destes e depois vem com falhas.

  3. Miguel G. says:

    Penso que a questão do Legacy deveria estar sujeita a limites de bom senso, principalmente quando envolve segurança e risco para vidas humanas.

    Tantos milhões gastos literalmente em “cenas” e depois vão deixando arrastar estes casos, por vezes alegando falta de verbas.

    • Marco says:

      é por causa do bom senso e da segurança e do risco para as vidas que o sistema ainda n foi trocado, não se troca um sistema q está funcionar e com provas dadas por um sistema novo so porque o SO ja não está a ser mantido.

    • rand says:

      Lá por ser um S.O. velho não quer dizer que seja mais seguro/estável que um S.O. mais recente, nos últimos 20 anos (creio eu) não deu problemas, alguns sistemas bancários correm o DOS 4.0 e 5.0 (e até mesmo SOs mais velhos) e também não se veem problemas.

      Esta história e o teu comentário fizeram-me lembrar dos relatos de alguns barcos da marinha dos E.U.A que corriam, salvo erro, o Windows XP e que davam BSOD após disparar um míssil.

  4. Miguel Sousa says:

    Pelo que percebi, o software é usado para comunicar, via rádio, as informações de vários sensores, ao longo da pista e dados dos sensores colocados nas vias de aproximação.
    Como são informações que precisam de ser precisas quase ao cm, os aeroportos mantêm aquele sistema, porque instalar um sistema novo, custaria várias centenas de milhões de euros e poderia demorar 2 a 3 anos a ser licenciado e validado. Aquele já funciona, os sensores estão tratados e a transmissão de dados é feita de forma básica que os pilotos recebem e introduzem no computador de bordo.
    E a falha até pode nem ter sido do software… pode ter existido uma falha nos computadores que correm o sistema.
    É que, uma das normas de segurança é que os sistemas internos só funcionem por cabos. Lá não existem ligações wifi ou 4g… é tudo por cabos para garantir a segurança.

  5. Nuno Gonçalves says:

    Credo isto é o cumulo da desculpa do Software “Em equipa que ganha não se mexe”, não existe desculpa para não atualizar a aplicação para um Windows mais recente, simplesmente preguiça e teimosia.

    • Ricardo says:

      Desculpe mas não posso concordar com o seu comentário.
      Se virem bem, para operações simples como esta, acho que confio mais no antiguinho 3.11 (que deu já 23 anos de provas de bom funcionamento) que no novo Windows 10 que ainda tantos bugs tem! Imaginem se tinham decidido actualizar o sistema na altura do Windows vista ou millenium… Lol

    • Marco says:

      qd tiveres que fundamentar a tua resposta com relatórios sobre tudo e mais alguma coisa e provares que o novo sistema é melhor que o anterior e que cumpre todos os requisitos e normas, qd tiveres de justificar os custos, qd tiveres de justificar o porque é que se deve mudar o sistema e quais as implicações. Se calhar n dizias isso.

      • Nuno Gonçalves says:

        Por essa perspectiva fechada tua, nunca se atualizava os Sistemas Operativos e ficamos todos no Windows 3.1, e não havia internet, nem facebooks nem nada.

        • Nuno Gonçalves says:

          Eu sou sempre da opinião de que um Sistema Operativo mais recente traz mais vantagens que desvantagens para se atualizar uma app, mas enfim isso vai da opinião de cada um.

        • Marco says:

          nao é uma perspectiva fechada, estas coisas passa-se no mundo real. para mudares o sistema tens de garantir compatibilidade com todo o ecosistema onde o programa esta inserido. qd tiveres isso terás de o testar em aeroportos mais pequenos tipo Faro, Madeira, se algo correr mal (torre de controlo) alguém tera de assumir as culpas.

          • Blackbit says:

            Sim, a realidade empresarial é mesmo assim, então em infra-estruturas/empresas grandes nem se fala.
            Conheço muitos casos de aplicações que param no tempo (a nível versão de SO/SGBD/hardware) devido a essas analises de custo/beneficio… até ao dia em que um factor externo ocorre, a aplicação deixa de funcionar e ai esta toda a gente a perguntar porque é que a aplicação não levou upgrade!

      • Nuno Gonçalves says:

        E outra coisa a Microsoft não dá suporte para o Windows 3.1, logo faz mais sentido passar pelo menos para o Windows XP

    • Renato Encarnação says:

      Preguiça e teimosia?? Então e as Finanças de Portugal que ainda trabalham em VAX (1970 e tal), achas que justificava o investimento e o esforço da migração? É que não é só o software, também o hardware necessita de actualização, e eu acredito que num sistema que corra o Windows 3.1 um problema de hardware seja o mais provável… Já para não falar da aplicação em si que não é mais desenvolvida, provavelmente para manter um pouco da compatibilidade, a solução seria migrar para o Windows 95 ou o 98, que é “mais recente” que o 3.1… Mas o 3.1 é mais estável que o 95/98!!

  6. João Carvalho says:

    Saudade! 🙂

  7. Neo says:

    Grounded= em terra e não ” de castigo” 😉

  8. RootMAXX says:

    Isto é para as empresas, públicas e privadas, aprenderem.

    Um sistema informático, mais tarde ou mais cedo vai dar problemas. Tal como as empresas aprenderam a adquirir carros em ALD, porque eles mais tarde ou mais cedo dão problemas e despesas de manutenção, têm de fazer o mesmo com a informática.

  9. RJ45 says:

    Pois se esta notícia vos parece incrível aqui vai outra ainda mais maravilhosa.
    Existem ainda alguma aplicações que correm a partir de disquetes no sistema DOS 6.0, eu sou testemunha disso mas não posso dar mais detalhes por motivos de sigilo.

  10. Asdrubal says:

    Pareceu-me ouvir falar em em Windows Triássico… ouvi bem?

  11. Pedro Alex says:

    “o uso do Windows 3.1 para executar DECOR não é nada de estranho.” Também não me parece assim tão “normal” usar uma base em W3.1… Se fosse por cá já estavam os sindicatos todos na rua!

  12. José says:

    Esta noticia deve ser brincadeira o windows 3.1 não era um sistema operativo era um ambiente de trabaldo que tinha como sistema operativo o MSDOS.

    • Vítor M. says:

      Brincadeira? “Segundo o secretário-geral do sindicato francês do controlo do tráfego aéreo, o uso do Windows 3.1 para executar DECOR não é nada de estranho. Pelos aeroportos do país usam-se vários sistemas operativos, desde o Windows de 3.1, XP e até UNIX.”

      E o que não sabemos… 😀

      • nope says:

        Sinceramente, e depois de ter trabalhado em alguns bancos, não é mesmo nada estranho ver sistemas operativos da “idade da pedra” a funcionar em pleno. O que as pessoas não percebem – mas que neste espaço, os responsáveis se deveriam informar – é que seria necessário uma coordenação a nível mundial para mudar e actualizar o software. Isto está dependente de muitas opções não só tecnológicas mas também políticas. A verdade é que o software funciona bem em 99,9% dos casos (o que, comparado com muitos “softwares” modernos é muito, mas mesmo muito bom). Mais ! Isto não tem nada a ver com o sistema operativo, ou a sua versão, mas sim com bugs ou limitações do software, da app, do programa ou do que lhe quiserem chamar. É sempre bom chamar a atenção para estes casos mas, por favor, tenham a perspectiva correcta para falar sobre o assunto em vez de apontar par algo que não é a causa do problema. O que vocês tenta explicar aqui é uma embrulhada que, para quem conhece este tipo de situações, só dá vontade de rir. Não têm, nem o conhecimento, nem a experiência para criticar o quer que seja. Metam na cabeça, isto não é software doméstico nem nada que se lhe compare.

        • Vítor M. says:

          Não foi um problema na explicação, foi na aplicação. E não quer dizer que não vá continuar a funcionar com o Windows 3.1, porque vai. O que também não quer dizer que seja uma solução segura, mesmo que só tenha falhado uma vez. Mas é verdade que nso é caso virgem, os bancos são outro exemplo, embora por outros motivos.

        • João Marcelino says:

          A nível dos bancos não tenho experiência.
          Na indústria, instalei muito XP para controlar maquinas que têm de trabalhar 24/24 quando o 7 já estava bastante difundido. A mudança para o XP implicou muitos testes que duraram alguns meses e houve software que teve de ser alterado. A mudança de SO não é feita de ânimo leve. Estamos a falar de $$ e de possíveis grandes perdas, não do preço do SO.

        • António says:

          Onde é que eu faço like? Comentário muito bom…quem está de fora normalmente não faz ideia de nada disto…das implicações, dos riscos, dos custos, etc etc…

        • Hugo C says:

          Concordo nope prefiro trabalhar e manter um SO estável mesmo que velhinho onde conheço as “manhas todas” que em caso de fail a despistagem seja mais intuitiva porque já esta rotinada. e sim sou um “puto” novo a trabalhar em IT a 10 anos e nao me choca ouvir falar nestes casos onde se fala em que software com provas dadas não se mexe a não ser mesmo quando necessário, nao me choca ouvir que ainda se trabalha com microfilmes e discos opticos, o que me choca por vezes e serem efectuados migracoes para SO mais recentes sem serem devidamente testados ou que nao estejam devidamente estabilizados. ainda prefiro o w7 e o w3k que já deram provas do seu valor ainda prefiro e velhinho unix… prefiro conhecer e ter confiança num sistema velhinho do que andar a fazer de vidente a procura de soluções para inconsistências ou erros isto tudo com o stress de ter centenas de pessoas a serem afectadas por essas paragens… quem nunca sentiu o peso do mundo sobre os ombros é que não compreende o que eu estou a falar

  13. Bruno Carvalho says:

    Saudades de instalar windows com disketes….ahaah

  14. José says:

    Ao menos podiam ter feito upgrade para o 3.11, era bem mais fixe 😛
    Lembro-me que cheguei a um ponto em que tive que remover o win3.10 me tava a ocupar muito espaço no meu disco de 50mb…substitui-o por jogos, claro 😀

  15. Felippe says:

    windows 10 mandou lembrança

  16. Adamastor says:

    92? pelos vistos deve ser dos windows menos atacados por hackers.

  17. Paulo says:

    Windows + Aeroporto o que pode correr mal?

    • Outro Paulo says:

      Apenas o tempo que demora a encontrar as caixas pretas, além do desgaste físico que eventualmente possam sofrer, com a temperatura da gasolina a arder…

  18. André says:

    1992 ?
    C:\
    win
    … hehe …

    Trinca espinhas (programa de matemática)
    Picasso (Pintura – tipo paint)
    TD2 – Test Drive 2
    PushOver – (o jogo da formiga)

    … Bons velhos tempos …

  19. Zepipo says:

    Isto foi o Windows 3.1 que fez update sozinho para o Windows 10.

  20. André says:

    Realmente mas vocês acham que alguém no seu perfeito juízo muda um sistema só porque sim? Vamos lá ver uma coisa, nos bancos, o sistema que por exemplo faz processamento de transferências é na grande maioria dos bancos rotinas em Cobol. Acham que alguém vai actualizar aquilo para Java ou C# ou seja o que for? Imaginem que alguém diz (vamos actualizar isto para Java porque Cobol é do século passado). Já viram a quantidade de testes que era preciso fazer, e os bugs que ficariam por descobrir dado que nunca se iriam descobrir todos os bugs durante os testes? Ou seja, existe um sistema em produção que tem 30 anos de rodagem e vamos substituir por outro só porque é mais sexy? Então e se depois quando um de vocês fizer uma transferência e a transferência de 500€ em vez de ir parar à conta do vosso filho for parar a uma conta de alguém que vocês nem sequer conhecem? Vão compreender que foi um errozito por causa de se ter actualizado o software? Agora imaginem que substituam o DECOR e o Windows 3.1, por um Windows 10 (ou Linux) e um sistema novo. O DECOR funciona desde 92, portanto temos 23 anos de funcionamento e instalam um software que foi criado em 2010, e que funciona bem e que nunca deu problemas. No entanto o problema é que só leva 5 anos de utilização em comparação com 23 (e segundo a estatística, é mais provável terem-se encontrado mais erros críticos durante 23 anos do que durante 5 anos). Não se esqueçam que aqui não se trata de instalar no telemóvel a última versão do sistema X que ainda está em beta mas que tem uns ícones mais giros e é mais sexy e que de vez em quando não me permite fazer as chamadas para a minha mãe ou para o meu pai. Estamos a falar de sistemas que têm impacto significativo na vida das pessoas e que podem custar aos donos dos sistemas muito dinheiro.

    • Vítor M. says:

      Nessa tua presentiva nunca tínhamos saído do Windows 3.1… agora pensa.

      • Fábio says:

        Estás a confundir o teu PC que tens em casa com um sistema informático que faz parte dum sistema de controlo e ainda por cima duma área sensível. No caso dos bancos, quando alguma coisa corre mal há sempre a hipótese de corrigir, agora por exemplo no caso da tecnologia para fins militares e na saúde também é comum encontrar software e hardware que aqui chamariam antigos e eles chamam de tecnologia comprovada, e todos sabemos que o berço de muita da tecnologia de vanguarda está na área militar. Por vezes um determinado software novo é desenvolvido para ser corrido num sistema já descontinuado, quer por questões de falibilidade quer por questões de certificação.
        Por exemplo, quando já existem sistemas de segurança tão avançados, porque é que a maioria das pessoas continua a utilizar uma fechadura cuja chave é uma chapa dentada para abrir e fechar a porta de casa? É uma tecnologia com centenas de anos…

        • Vítor M. says:

          Mas achas que há algo mais sensível que evoluir todo um sistema operativo onde vai ter de correr tudo? Onde tudo em termos de segurança tem de ser pensado de raiz a partir do sistema que evoluiu?

          Nessa perspectiva nenhum sistema aeronáutico ou de qualquer outro fim altamente sensível teria uma evolução, estás a usar um argumento que não é válido, a tecnologia comprovada evoluiu sempre e acompanha hoje os mais modernos equipamentos. Tens hoje aeronaves já actualizadas com os mais modernos sistemas operativos.

          Não quero entrar em qualquer troca de argumentos contigo em casos concretos, muito menos no que toca a aspectos muito pormenorizados (porque não sou da área de nenhum), mas por exemplo, os bancos têm feito um esforço para alterarem toda a sua estrutura, o caso do Millennium BCP é um exemplo, segundo sei fizeram um tremendo upgrade a toda a sua plataforma e se não o tinham feito antes não era por não confiar no moderno era mesmo por questões de não querer gastar dinheiro.

          Na área militar, os mais modernos caças usam tecnologia de ponta e não usam sistemas com 10 anos, que funcionavam muito bem e não falhavam.

          Há uns tempos, os nossos caças F16 foram para os Estados Unidos actualizar todo o hardware e software para versões recentes, segundo constam não ficaram nos que funcionava bem há 10 anos atrás.

          Mas como digo, estou a falar de ouvido, pois não estou na área de nenhum desses assuntos, mas posso em cada um desses casos fazer uma pesquisa com quem domina o assunto.

          • Fábio says:

            Sim, mas não é a esse aspecto que me refiro, refiro-me mesmo à questão dos benefícios e desvantagens da actualização/substituição dos sistemas, daí ter dado o exemplo da fechadura.
            Outro exemplo que talvez seja mais claro para ilustrar a questão é o caso dos nossos telemóveis/smartphones. Os telemóveis têm evoluido muito até chegarem aos smartphones de hoje em dia, mas cada etapa dessa evolução geralmente era com o intuito de incrementar as funcionalidades ou então de melhora-las, mas já pensaste que apesar disso os telemóveis ainda continuam a poder comunicar por GSM, e que para alem dos telemóveis ainda hoje se desenvolvem sistemas novos e inovadores que vão assentar no GSM e este já tem mais de 20 anos? Ninguem diz que o 4G não serve para nada, mas não é por já existir o 4G que se abandonou o GSM. No caso oposto, como o do Millenium que referes (não sabia), mas imagino que a razão prática para terem dado esse passo seja pelas inovações que têm aparecido nas formas de pagamento, ou por uma questão de convergencia como a adopção do SEPA ou assim.

          • Hugo C says:

            Vitor M acho que se fores a ver bem o sistema que estas a falar so deve ter um interface novo porque a base de funcionamento deve ser baseado em cobol lembra-te que existe aplicações de frontoffice e backoffice se exitir um bug em front office nao é um problema muito grave agora se exitir um problema de back office este ja pode inoperalizar todo o sistema…
            Fabio quanto a adopção do sistema sepa e outros meios de pagamento apenas sao novos desenvolvimentos que nao implicam o SO mas sim e apenas o sistema aplicacional, basicamente e o mesmo do que um canal de televisao estar a transmitir a emissao em 4:3 e passar a transmitir por 16:9

          • Vítor M. says:

            Hugo, sim, até gostaria se ter mais detalhes sobre o bug. Seria interessante.

          • Hugo C says:

            Vitor M nao vamos entrar em pormenores xD …. mesmo com sistemas de disaster recovery à sistemas que por vezes ficam inoperacionais (alguém ainda se recorda da rede multibanco o ano passado por volta do natal) e por falar em bugs e multibanco quem é que nunca foi a uma ATM e viu o SO W98 ou W98 apresentado no visor xD

          • Fábio says:

            Hugo C, obrigado 🙂

          • Vítor M. says:

            Essas dos multibanco não será desleixo? 😉 Já ouvi dizer que sim!

          • Hugo C says:

            as do multibanco pode ser por a maquina reeniciar devido a falhas energéticas e nao efetuar o startup da aplicacao quando a maquina inicia, como acontece por vezes nos sistemas de faturacao das lojas.
            Nas alturas de mais transacções tipo natal com o excesso de trafego e pode haver DDOS como acontece quando estamos a ver os jogos de futebol mais importantes naquelas sites de streaming 😀

    • Peter Green says:

      A questão não terá a ver só com o SO nem com a linguagem de programação. O mesmo código-fonte COBOL, C, FORTRAN pode ser compilado e correr em Win 10 ou Linux. Mas se é win 3.1 está preso a endereçamento de memória a 16bits… e isso exige uma revisão cuidadosa do código para correr em SOs de 32 bits ou 64bits. Boa sorte com isso… a maioria dos programadores escreve código só para si ( sem comentários e nomeação de variáveis que não lembram a ninguém). Provavelmente seria mais fácil re-escrever o dito software que convertê-lo.

  21. TTA says:

    O problema por vezes é que o SW está desenvolvido para trabalhar com sistemas operativos “obsoletos” e não são compatíveis com os novos SO. Depois aparecem os problemas de termos que usar máquinas tão velhas e que já nem o fabricante dá suporte. Para alem disso se o sistema está isolado do resto da net, não tem necessidades de fazer upgrades por motivos de segurança ou por motivos de embelezamento do sistema. Por vezes as interligações dessas máquinas é feito por porta serie(RS232), RS422/RS485, ou X25, que são ligações ponto a ponto que não são acessíveis aos hackers. Por fim ainda existe outro problema que é o operador desses sistemas provavelmente já é alguém que domina a 100% esse sistema e pela idade já não se sente com vontade de mudar de método de trabalho. Por fim qualquer alteração de sistema, por muito simples que seja, custa sempre milhares de Euros, porque é sempre preciso fazer mitigações de todas as implicações que a alteração do sistema trás, é necessário certificações, formações e uma “cabazada” de papeis , porque na aviação a SEGURANÇA está sempre em 1º lugar. Por tudo isto as empresas fornecedoras gostam de ganhar muito dinheiro. Para vos dar um pequenino exemplo, um pequeno transformador simples de 12V 700mA, que custa 10 euros para todos nós, para a aviação custa perto de 1000 Euros (SIM mil Euros).
    Por aqui me fico para não escrever muito.

    • Peter Green says:

      +1, é verdade a comunicação com HW é uma das limitações ao upgrade, e além disso o win 3.1 é um sistema de 16bits. No caso de hardware legacy quase de certeza que não há drivers de 32 ou 64 bits por isso qualquer tentativa de upgrade de software esbarra nessa limitação obrigando a muito mais de mudar para um SO recente. Ás vezes em aplicações especificas que depende de determinado hardware, quando funciona é melhor não mexer, ou então mudar tudo (HW+SW ) que obviamente obriga a custos muito elevados .

    • Sergio J says:

      Completamente de acordo.

    • pmf says:

      Vinha escrever precisamente isso!
      A falha foi detectada no Windows 3.1 mas pode muito bem ter origem no hardware.
      E muitos sabemos que “meter” cd’s para dentro de uma caixa é fácil… mas poucos devem compreender a dificuldade de actualizar o hardware (não da caixa) para que se mantenha a estrutura em funcionamento.

  22. Joao says:

    Penso que nestes casos deve o governo ser mais rigoroso na segurança por vigilância e produzir legislação de modo a evitar que casos como este aconteçam de novo.

  23. Joao says:

    Caso as companhias de aviação não cumpram sejam então aplicadas multas na ordem de milhões (20 milhões mínimo) pois milhares as companhias pagam e não choram o prejuízo.

  24. DL says:

    Para aqueles que não conseguem entender a razão de usar material antigo porque funciona…. procurem por informações sobre os computadores usados pelo Space Shutler da NASA.

    Já agora, também os bancos mantém sistemas antigos, porque desenvolver um sistema novo, custa muito com muitos riscos associados.
    Se há áreas onde se pode assumir riscos, outras áreas, não há espaço para assumi-los.

  25. Marco says:

    agora brincando com o assunto, ca para mim foi o barrotes ou o sexta 13.

  26. JMCS says:

    Nos tempos do Unicode cheio de Emojis há sistemas que usam EBCDIC!

  27. joalmago46 says:

    No mundo em que vivemos, cada vez mais dependentes da tecnologia, deveria haver mais investimento da parte dos governos, bancos,instituicoes,onde a segurança pode afetar de forma dramática a vida de milhares, uma preocupação em desenvolver e atualizar um OS especifico.Sou consciente da despesa que isso acarreta e dos problemas de implementação.Mas e só a minha opinião.

  28. Paulo says:

    Li muitos dos comentários. Poucos referem o obvio de estarmos a falar de um programa para MSDOS
    Tentando advinhar, o programa terá sido feito em assembler ou em C, para correr numa CPU 386DX.
    O Windows 3.1 é só uma interface e a parte complicada eram as chamadas à API do Wndows da altura.

    23 anos são desprezados porque os testes são caros.
    Não conseguiram evoluir? Centenas de milhões? Repito: DeSpReZo!!!!

    Já agora, adorei a parte da notícia de que o UNIX está velho e ultrapassado.
    Decididamente, a ignorância é a mãe do caos.

    • Renato Encarnação says:

      O UNIX está velho e ultrapassado…acredite…
      Existem é milhentas implementações de UNIX (BSD, Linux, OS X, VAX..) que tentam pintar de ouro a ferrugem, mas isso são outros quinhentos…

      Dou o exemplo de um equipamento que mantenho na minha faculdade, uma máquina de raios-x para inspecção de placas de circuito impresso multicamada. O sistema de controlo era um 386 SX a 16 MHz com 1 MB (4x 256kB SIMM 30 pinos) com um disco de 40 MB a correr MS-DOS 5 e o programa de controlo da máquina. Nas slots ISA entram uma série de placas I/O que foram feitas especificamente para o controlo da máquina (umas 5 placas ISA full size).

      Um dia o computador não arrancou e descobri que foi dano provocado por mijo de rato na board. Paz à sua alma.
      Abdiquei de uma board com um 486 DX/100 que tinha em casa, a funcionar, para lá colocar e recuperar todo um equipamento que em 1992 custou perto de 100 mil contos e que ainda hoje faz serviço.

      • Bino Silva says:

        Muita ignorância, de facto. O Unix está longe de estar ultrapassado. Em muitas áreas está mais avançada que outros sistemas operativos para desktop.
        Há menos “players” no mercado, é verdade, mas o que ainda continuam (AIX, HP-UX, Solaris, NonStop OS, etc..) continuam a ser desenvolvidos e em muitos aspectos estão muito à frente do que os outros SO. Para citar alguns exemplos como a alocação e remoção dinâmica de recursos (RAM, CPU, IO) online, transparente, etc. Virtualização, etc, (não mainframe) Os maiores workloads críticos de processamento continuam a ser executados em sistemas Unix que os sistemas abertos ainda não conseguem o desempenho suficiente. (Para lá caminham, mas ainda não)
        Sem entrar no tema da segurança.

  29. Adriano Coelho says:

    A experiencia profissional ensina-nos que “software novo exige muitos testes e um controlo de segurança muito rigoroso”.
    Daí não me surpreendeu o uso do MS Windows 3.1 ou qualquer outro SO.
    É assim na indústria, serviços, saúde, etc.
    Algo que os mais novos vão aprender na vida activa.

  30. Sergio J says:

    Já pensaram que com o software possa haver hardware especifico, que foi feito há 30 anos e agora não teria suporte? Que seria necessário reescrever os divers e muito provavelmente esse hw nem seria possivel integra-lo nas novas máquinas?

  31. Peter Green says:

    Eu no meu local de trabalho tenho equipamento laboratorial complexo que só funciona em DOS e num velho i386 cuja torre já tem o chassis ferrugento e com o plástico amarelo…. e mesmo assim consta que há uns anos quando a fonte de alimentação do PC pifou alguém tentou colocar lá uma torre mais recente com windows XP e quando pediu ao fabricante software mais recente para win XP disseram que não havia e só adquirindo um equipamento novo ( algumas dezenas de milhares de euros) … yep… Escusado será dizer que lá foram desenterrar uma fonte de alimentação compatível à arecadação, limparam-lhe o cotão da ventoinha e e lá meteram o velho PC com DOS a bombar novamente.

  32. Pedro Ferreira says:

    Sinto-me velho. Já não ouvia falar do velhinho 3.1 há muito tempo.

  33. Jose says:

    Isto não tem perigo de segurança de nenhum, estão a fazer tempestade num copo de água.

    Estes sistemas não estão ligados a rede, e não é qualquer um que tem acesso físico a máquina.

  34. JP says:

    Para memória futura de um passado longínquo… ainda possuo dois computadores a correr o Windows 3.1 e o 95. 🙂
    Foi um tempo bem porreiro mas não o trocava pelo que temos hoje. Tudo tem o seu tempo… a caminhada continua, fico à espera do Windows 2050. 😉

  35. João Dias says:

    Se acham isto escandaloso, vejam o que o John Oliver descobriu pelos Estados Unidos sobre as bases nucleares. A maior parte delas ainda funciona com sistemas escritos nos anos 80.

  36. Filipe says:

    Respeito todas as opiniões claro, mas a minha opinião é que este sistema já deveria ter sido substituído.
    Todos falam no meio empresarial e tal… trabalho em TIC empresariais e industriais à mais de 15 anos e já tive de fazer muitos relatórios de aceitação de sistemas industriais e empresariais e este chumbaria redondamente.
    Não teria qualquer fundamento para certificar um sistema que se baseia numa aplicação (neste caso S.O.) de 3ºs e que os mesmos já não suportam a mesma…
    Regras básicas:
    1. Qual é a janela de utilização do sistema em causa?
    2. Durante esse período, o produtor do sistema garante o bom funcionamento do seu todo (Sistema+Spares)?
    3. Quando assente em plataformas de 3ºs, esses terceiros dão garantia do mesmo suporte?
    4. Em caso de o tempo de vida útil do sistema ser inferior à janela de utilização do mesmo, estão garantidas as condições de atualização e continuidade?
    …..

    Enfim… poderia colocar aqui uma lista ou caderno de encargos básica que reprovaria este sistema e a sua utilização nos dias de hoje.
    É necessária muita mão de obra de Engenharia Informática, Eletrónica, Mecânica, Fisica…. etc…. mas é essencial

    My 2cents

  37. DAMIAN says:

    as silos de armas nucleares dos EUA ainda operam com floppys de 5″ e pcs da altura

    acaba por ser mais seguro…nao ha hacks

  38. g0tH1c.X says:

    Esqueceram-se do mais importante… que há sistemas que têm que estar certificados… e não é simples conseguir essa certificação… é por isso que no ramo da aviação ainda se usa 3270, VT100, SITA CUTE e OSs que podem parecer desactualizados… mas que são extremamente fiáveis. Aposto que não devo ser o único que já esteve em situações em que sistemas estão a correr há anos sem problemas, até que se faz um update ou reboot… e o sistema não arranca mais… xD Com CISCOs então está-me sempre a acontecer… reload a equipamentos que estão a funcionar há anos… e *puf*… já não levantam mais…
    É muito fácil falar… mas em situações em que sistemas funcionam 24/7 e não existem janelas de manutenção, torna-se muito complicado…
    Em aeroportos internacionais então, há sistemas que nunca podem ser desligados… e sim, se são assim tão importantes, então têm que ter redundância… mas mesmo assim nunca se arrisca, só em último caso… 😉

  39. Outro Paulo says:

    Estes “putos” de agora não sabem nem fazer a corte a uma rapariga sem terem o facebook e o windows 10, ou qualquer outra coisa que o tio Bill e o rapazinho da bandeira colorida inventarem que é moda ter.
    A maioria deles estão convencidos que o mundo não poderia existir sem facebook e windows…
    Li num artigo, na Internet, sem facebook e sem windows, que os sistemas de controlo electrónicos, da rede ferroviária da Inglaterra, funcionam com o DOS 6.22.
    Quando o jornalista perguntou ao engenheiro responsável, porque razão, sistemas tão sensíveis e importantes ainda funcionam com um sistema operativo tão antigo, o engenheiro respondeu ” This system continues to be the fastest, safe and reliable of all those who have already been tested in virtual environments for applications that we use on those control systems, and for that razon we do not feel any motivation to spend milions of pounds just to change something that works fine and fullfill all the security issues we need.”
    Agora o que é realmente triste é que este pessoalzinho todo cheio de windows 10 (chique, hein !) nem sequer sonha que a maioria dos sistemas que lhes fornecem, o telefone, a electricidade, a Internet, o tratamento da água que bebem, etc., NÃO SÃO WINDOWS !
    Além disso o windows XP que a Marinha dos Estados Unidos AINDA usa, é a versão militar do windows XP de 64 bits, que em relação ao XP comercial, qualquer semelhança é pura coincidência e não dá tela azul quando dispara mísseis ou controla qualquer tipo de armamento, senão, já não existia ninguém vivo neste mundo, pelo simples motivo de que os Russos não iriam achar nenhuma piada a alguma “windisse” dos XP em causa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.