PplWare Mobile

Quase 100 mil libras de dinheiro público gasto no Brexit em anúncios no Facebook


Responsável pelo Pplware, fundou o projeto em 2005 depois de ter criado em 1993 um rascunho em papel de jornal, o que mais tarde se tornou num portal de tecnologia mundial. Da área de gestão, foi na informática que sempre fez carreira.

Destaques PPLWARE

  1. Andy says:

    Propaganda… nos tempos atuais é sempre mais fácil e discreto comprar banners online do que mandar avionetas lançar panfletos como antigamente se fazia

    • Não Interessa says:

      Na minha opinião, produto que é bom não precisa de publicidade o simples passa a palavra basta, especialmente se já está na cabeça de toda a gente 😉

  2. Filipe says:

    Oxalá continuem na UE para poder continuar a comprar na Amzon UK sem me preocupar com a alfândega eheh

    • Hugo says:

      À excepção de um ou outro artigo que não exista em Espanha, compensa mais comprar na Amazon.es.

      • Joao says:

        Para ser enviado pelos ladroes da SEUR? Nao obrigado 🙂

      • orgasmo says:

        nem tudo há muitas lojas de terceiros associadas á amazon UK que compensa comprar lá mesmo com o cambio, alem de que há muita oferta que lá se encontra a preços em conta e não é vendido directamente pela Amazon… a mesma é apenas intermediaria…

        eles agora quando saírem em muitos artigos vou ter de me virar para os Alemães o problema vai ser o tempo de entrega, pois vindo do UK era muito mais rápido…

        nem tudo se arranja aqui ao lado em nossos hermanos…

  3. Rogerio Sameiro says:

    Espero que continuem porque fazem falta e porque temos muitos portugueses lá a trabalhar e ficariam com a vida mais atribulada.

    No primeiro referendo o povo foi manipulado com fake news e o Facebook foi o grande culpado. Começou aí o esquema de manipulação das políticas governamentais. Trump é a favor do brexit ele que é um produto da manipulação das consciências.

    • Toni da Adega says:

      Os Portugueses que estao lá a trabalhar estao seguros, só podem ficar a vida um pouco mais dificil se a economia for abaixo. Agora aqueles que nao fazem nada na vida esses sim podem ser “convidados” a sair.

      • Rui says:

        Não estão nada seguros. O Brexit só vai acontecer em meados do ano que vem e só depois disso é que se vê as perdas, isto para além de não se saber se será com acordo ou sem acordo.
        Um dos acordos feitos pelo RU com a UE nos anos 70, foi a segurança do mercado Londrino (a chamada bolsa da Europa), com o Brexit acha que os europeus vão permitir que continue na mesma e perderem muito dinheiro com isso?

    • João M. says:

      O UK, só com o anuncio do Brexit já começou a perder economicamente – porque as empresas e bancos não arriscam. A própria liberdade de circulação que impulsionou bastante o turismo e o emprego especializado no UK vai ser algo que será certamente abalado.
      Depois do referendo fizeram umas sondagens e a malta que mais votou no sim à saida foram os mais velhos, gente que já teve a sua vida e que agora está a limitar o futuro da geração mais nova. Infelizmente a democracia tem disto: – Os velhos do restelo, que já viveram tudo, vão votar em decisões que já não mexem com o futuro (médio/longo prazo );
      – As gerações mais novas, que podem votar, preferem ficar em casa a queixarem-se no facebook ou a atirar pedras a carros do que a exercer o seu poder de voto.
      Depois os Brexits da vida acontecem e temos a vida a piorar e a malta la´veste o colete amarelo e vai destruir propriedade alheia.

      • Rui says:

        Está a mandar a piada aos franceses, mas é merecida. Aquele país tanto reclama e não tenho a menor dúvida de que vai caír nas mãos da extrema direita da Le Pen. E o mais caricato é que vejo os dedos americanos e russos na tentativa de destruição da União Europeia, assim como vejo a Le Pen (extrema direita) e o Melanchon (extrema esquerda) com os coletes amarelos a reinvindicarem!

        E o mais absurdo é que em França exigem o impossível: baixar impostos e mais subsídios/apoios!!!!

        Paradoxalmente uma parte da Força do Brexit advém do facto do RU não querer uma comunidade como a Francesa, onde uma minoria pode partir tudo e saír impune, só porque são muçulmanos!!!!!!

  4. Carlos1 says:

    O refendo nunca deveria ter existido, foi um erro monumental, Cameron vai ficar na história pelas piores razões.

    • Falcão Azul says:

      Olhe,agora é que não há volta a dar !! Na altura queriam sair,agora o governo britânico tem o povo na mão.Que votassem ao contrário.Quando entrar o “Brexit” vai ser o bom e o bonito lá na Inglaterra.E depois com aquela extrema-direita que lá anda que ninguém se admire de virem a acontecer confrontos todos os dias nas ruas entre as pessoas.E a última leva de emigrantes portugueses (de há 10 anos para cá),que se ponha a pau porque vai apanhar de tabela.É que nem ponham a mínima dúvida !!

  5. Timmy Timmy says:

    “o desejo de voltar atrás e dar o dito por não dito é a preferência da maioria dos cidadãos ingleses.”
    Como sempre a mentalidade portuguesa é que o Reino Unido é tudo inglês e que querem ficar (quando a maioria dos ingleses que querem ficar são de Londres e muito desses “ingleses” são descendentes de imigrantes de outra paragens, pois Londres é mais uma cidade mundial hoje em dia que “Inglesa”.
    O Reino Unido é constituido por 4 países, País de Gales, Inglaterra, Escócia e Irlanda do Norte, não é apenas “os ingleses”, mas quem votou na maioria para sair foi os Ingleses. Mas pronto, parece que faz confusão aos portugueses ter nacionalidades diferente no mesmo país, visto que em Portugal os governos regionais com suas bandeiras e hinos dos Açores e Madeira já faz confusão a mentes centralistas e unitárias como são os Portugueses.

    • Joao says:

      Acho que estás a levantar problemas que não existem. Não é uma questão de mentalidade, é uma questão de vocabulario.

    • Rui says:

      Não misture os assuntos. Se fala do pretendida independência dos Açores e da Madeira, é melhor ler mais para perceber que os Ingleses e americanos manipularam as populações açorianas e madeirenses a pedirem a independência, porque receavam que Portugal se tornasse em mais um fantoche de Moscovo com o 25 de Abril de 74. Só quando os moderados afastaram os a extrema esquerda do poder em Portugal, em 1975, é que a CIA deixou de financiar os movimentos separatistas nas ilhas.

      Quando fala no Brexit, o mais trágico para os Ingleses, é que só eles e o País de Gales votou a favor do Brexit, mas os escoceses e os norte irlandeses votaram pela permanência na UE. E é importante não esquecer que estes países querem permanecer na UE, ou o Brexit só deve favorecer os Ingleses que apoiam o Brexit?

      O principal responsável pelo Brexit é sem dúvida o Cameron, mas não é o único, já que há muitos extremistas que apoiaram o Brexit e quando viram que ganharam, puseram-se a milhas porque sabiam que tinham enganado o povo! Onde anda o Nigel Farage?

      • Timmy Timmy says:

        ” Se fala do pretendida independência dos Açores e da Madeira” Pronto e já está. Mas quem raio falou de “pretendida independência”? E quem disse que é pretendida? E sim, concordo 100% nas não foi só porque “foram manipulados” houve de facto pois 25 de Abril um movimento forte de independência pois Portugal não dava a autonomia pretendida que durava mais de um século e claro, o isolamento, o facto das populações de lá terem uma identidade própria e populações frustradas de séculos de neo colonialismo faz isso. Mas aí está o que quero dizer, fala-se nas bandeiras, hino e governos próprios, os portugueses falam logo em independência. Parece que até hoje faz confusão.
        E quanto ao Bre Exit nem acho o Cameron culpado, pois apesar de suas críticas há união Europeia (como ela merece em muitos casos), ele era pró UE. E o Nigel Farage anda por aí a comentar, caso não tenhas reparado.

        • Rui says:

          Neocolonianismo nos Açores e Madeira? Está a gozar, só pode! Sabe que os impostos cobrados na Madeira e Açores são todos gastos lá, não sabe? E sabe que além disso recebem transferências do orçamento de estado do continente (que eu apoio porque sem dúvida são uma região desprotegida), que ultrapassa os 500 milhões de euros por ano!

          O que pode dizer é que sem dúvida Lisboa é absolutamente centralista e fica com a maior parte do investimento público, que é um aspecto que eu sempre referi! Então agora que já não bastava todos os portugueses financiarem as empresas públicas falidas de transportes públicos de Lisboa e do Porto, ainda vamos subsidiar os passes, como se no resto do país existissem transportes públicos!!!!!!

          • Timmy Timmy says:

            “Neocolonianismo nos Açores e Madeira? Está a gozar, só pode! ” Pronto e aqui está a ignorância e falhanço do sistema educativo português.
            Para já, estou a falar no passado, daí eu ter dito as pessoas na altura estavam frustradas (e com razão) com o continente. Só porque é algo muito pouco falado no sistema educativo português, não quer dizer que não tenha acontecido. Por razões óbvias Portugal não fala muito nisso, até os governos regionais também não, mas já se fala mais no assunto hoje em dia. Cheira-me se os Açorianos e Madeirenses fossem etnicamente africanos iria ser algo muito mais falado. Aconselho veres (caso não tenhas paciência de pesquisar ou ler) os documentário da RTP “Uma História de Autonomia”.
            E o dinheiro do orçamento de estado para o estatuto de “região desprotegida” vem do estatuto especial da UE que são as RUP, que até tem um presidente. E sim isso de Lisboa ser centralista é um problema do continente Português, pois como bem disseste, o dinheiro dos Açores e Madeira (sem ser os campos que a Republica tem lá) é gasto lá. Pode ser que a coisa mude com esta onda de descentralização tão falada agora. Mas claro que não vai ser como os níveis dos Açores e Madeira (por razões óbvias). E sim, o centralismo Lisboeta é um problema geral do país, mas durante a história afectou mais uns que outros.

          • Joao says:

            Nao entendo nada do teu discurso…
            Então es pro independencia das ilhas? É aí que queres chegar?
            Qual é conclusão?

  6. John says:

    100.000€ não é nada para o pais/tema em questão.

    Já trabalhei em empresas que gastaram isso em panfletos para promover apps.

  7. Louro says:

    Podem pelo menos explicar qual é a razao para eliminarem os meus comentários?

  8. Fernando says:

    Brexit = País auto-Suficiente / Economicamente Independente ——-> Nos dias de hoje, isso já não é possível, parece que estão sonhando com as politicas ou pensamento de Thomas Robert Malthus. Pensamento da Teresa May é fundado no pensamento deste homem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.