Quantcast
PplWare Mobile

Google venceu mais um caso contra o Android e as suas apps

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Simões


  1. int3 says:

    E a M$ também faz mais ou menos o mesmo.

    • ptpedropt says:

      só não faz quem não tem..

    • João Machado says:

      E a apple não?

      • Nunes says:

        Não! O que está aqui em causa é o fornecedor dum sistema impor a um fabricante um conjunto de serviços/aplicações quando o fabricante só quereria parte dos serviços e liberdade para usar outros serviços de concorrentes, o que poderia trazer benefícios económicos aos fabricantes podendo baixar os preços.
        A Apple não fornece o seu sistema a mais ninguém e como qualquer fabricante tem grande liberdade para decidir que serviços/aplicações incluir nos seus aparelhos.

        • Copernico says:

          Se queres um sistema onde tu tomes todas as decisões sozinho, pague pelo desenvolvimento dele.

          Amazon fez isso.

          Se queres que a Google carregue nas costas os encargos de atualização e melhoramentos no sistema em teu lugar, essa é uma parceria e existem regras.

          Não vejo nada errado com isso.

          • Nunes says:

            A questão é quando essas regras num monopólio levam a abuso de posição dominante, impedindo outros de competir.
            A Microsoft, como fornecedor de SO a fabricantes de hardware, já teve esse problema com as autoridades por dificultar que concorrentes pudessem fornecer o seu software/serviços a esses mesmos fabricantes. Obviamente que há muitas nuances nestas questões de abuso de posição, mas a a razão que dás não serve de desculpa caso a Google hipoteticamente force os construtores a não usar certos serviços concorrentes.

      • int3 says:

        ganha quem gastar mais €/$

  2. Ricardo Pontes says:

    Se a Google perdesse é que eu me admirava!
    A Google não obriga nenhuma empresa a nada. Se alguma empresa quer meter android num dispositivo qualquer, não tem obrigatóriamente de ter as aplicações da google. Olhem o Kindle Fire por exemplo, é android e não tem NADA da Google!

    • Nunes says:

      Uma empresa que queira usar o Android com a loja da Google está obrigado a integrar um conjunto de outros serviços da Google e está sujeito a um conjunto de regras. A questão é o fornecimento de serviços em bloco, dificultando o negócio de fabricantes com serviços concorrentes.

  3. Jhonathan says:

    Uso aplicações da Google não porque sou obrigado ou por ja vir instalado no sistema, mas porque são os melhores em seus segmentos. Jamais deixaria de utilizar o Google para usar o Bing por exemplo.

  4. Benchmark do iPhone 6 says:

    Estive a ler o que disse a juíza “Judge” e parece-me que é assim:

    – Os consumidores queixavam-se que os fabricantes Android, ou se ficavam pela versão AOSP, ou se queriam a GMS tinham que levar com todos os serviços da Google e que isso era monopólio anti-cocorrencial;

    – A juíza considerou que para se aplicar a legislação anti-monopólio tinha que ficar provado que encarecia os produtos e não ficou, embora tenha dado mais duas semanas aos queixosos para inventar mais argumentos.

    Talvez se lembrem de dizer que a Microsoft estava disposta a pagar para ter o Bing como browser pré-definido e isso tornaria os Android mais barato. Mas a juíza não se vai deixar convencer, vai dizer: “Se é por isso, o consumidor pode comprar um Lumia ou esperar por um Android AOSP Cyanogen com serviços Microsoft”.

  5. Scheldon says:

    É sério que estão levando uma ação judicial por conta de celular java?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.