PplWare Mobile

FBI fecha dois dos maiores sites ilegais de streaming


Fonte: usatoday

Autor: Pedro Pinto


  1. Nuno Monteiro says:

    Uma pessoa tem de ser obrigada a comprar diferentes serviços para visualizar diferentes series..

    Um pequeno grupo de pessoas consegue criar ou armazenar mais conteúdo que a netflix e amazon com muitos menos recursos e ainda é condenado. Este mundo egoísta está doente….

    Se depender de mim, pirataria, SEMPRE!

    • Eurico Daniel Rato says:

      Deixe ver se entendo. A netflix, a hulu, a amazon, gastam biliões de dolares a produzir séries proprias, a adquirir séries e filmes para o seu catálogo, têm milhares de funcionários, gastam rios de dinheiro a desenvolver plataformas para utilizadores. É justo que o cliente pague ou deve ter direito ao trabalho dos outros de borla ? Há de me dizer qual o seu emprego e se o seu patrão lhe paga pelo seu trabalho.

      • Luis Silva says:

        O problema não está em ser pirataria ou não. Ele tem razão, é inadmisivel que uma pessoa simples consegue por mais conteudo que os serviços ditos “legais” eu também vou usando serviços piratas, pois não sou rico e nem há serviços de jeito que valem a pena pagar, são caros e oferecem pouco.

        • Louro says:

          @Luis Silva,
          Consegue porque subscrevem os servicos disaponiveis, fazem download os conteudos e depois disponibilizam na plataforma deles.

          Custo disso? Para além da plataforma e servidores e armazenamento, 1 subscricao da Netflix, 1 subscricao da Amazon prime, 1 subscricao de …

          Pois…

        • AqueleGajo says:

          A pessoa sozinha mete mais conteúdo? Até parece que é essa pessoa que filma, produz, edita, trata de contratos, etc.
          Para fazer Copy/Paste qualquer um faz…

    • Hélder Moita says:

      Pirataria ajuda é verdade mas fazer filmes e séries não é barato ainda por cima muitos pela complexidade têm custos elevados e quem paga a toda a produção envolvida ?
      Desde a senhora das limpezas ao realizador existem profissionais com vidas e têm de sustenta-las e para dar continuidade aos projetos tem de haver dinheiro para os manter

      • Ivan says:

        Ok, mas fechar a pirataria não vai trazer mais dinheiro para eles. Não consumir produtos piratas não significa automaticamente que se vai consumir os originais. A prova é que mesmo com pirataria em todo lado, essas empresas fazem milhões, porque quem tem dinheiro sempre vai preferir o materia original de qualidade.

      • MARVEL says:

        Hélder Moita Dinheiro da publicidade na TV e nas plataformas digitais, como Youtube, etc, patrocinios, visualizacoes, normalmente ganham mais nas receitas de belheteiras de todo o mundo do que o custo da sua propria producao, mesmo havendo pirataria.

    • ASilva says:

      Que comentário tão infeliz Nuno……

    • Alfie says:

      Não és obrigado por ninguém a comprar seja o que for.
      Tudo quanto é supérfluo só compras se quiseres, o que é o caso do streaming. Quanto a ser caro quanto menos pessoas aderirem a estes serviços mais baixo será o preço se quiserem vender. Dito de outra forma: quantos mais comprarem mais caro fica.
      Deixa de ser consumista.

    • darth says:

      chama-se direitos. de transmissão, detidos por quem paga a produção. e ninguem é obrigado a comprar nada, isto nao é um bem essencial

    • Ricardo Boavida says:

      O seu comentário é fundadado em puro ódio aos serviços porque nunca os desenvolveu..
      Apesar de não ser um crime grave está a comprometer o crescimento da plataforma a que chama fraca.. e é normal conseguir armazenar seja o que for quando essa gestão é externa e de fraca qualidade.
      Estes serviços tem evoluído bastante e apesar de não ser anti-pirataria informática acho que é algo a combater na luta contra os nossos direitos. Acho também que para ser adepto de pirataria informática sem hipocrisia há que desenvolver algo e ser roubado ver outra entidade a lucrar com isso 1° e então aceitar de boa vontade.

    • FAR says:

      Mas alguém o obriga a alguma coisa? Quer luxo dado e arregaçado!
      Acho piada à menção a egoismo. Alguém que declaradamente apoia o não suporte a quem trabalha e cria conteúdos.

      Nota que também não sou o maior fã desta segmentação de serviços, preferia muito mais ter um all-in-one (e de preferencia acessivel) mas se tiver de fazer uma escolha por falta de orçamento limito-me aquilo que consigo suportar, não vou desenrascar alternativas ilegais e nao contribuir em NADA para o trabalho dos outros – e neste caso ainda melhor, andar a encher o bolso a um malandro que faz vida à custa do trabalho dos outros, literalmente!

      • Ivan says:

        Como se isso fizesse diferença, os que podem sempre vão preferir o original e de qualidade, a pirataria não tira dinheiro dos produtores originais, vê na música, hoje encontras qualquer musica na internet para download, a pirataria está mais activa do que nunca, mas mesmo assim, os músicos nunca fizeram tantos milhões como agora. Pirataria não é roubo, não se está a subtrair nada de ninguém, só a copiar.

    • Ricardo says:

      “Se depender de mim, pirataria, SEMPRE!”
      És o maior!!!
      Concordo com tudo que disseste… Empresas que ganham milhoes e tem menos conteudo que que um pequeno grupo.

      Não se trata de produções, etc. Mas sim quantidade de conteudo.

  2. Fulano says:

    Um grão de areia numa praia…
    Existem tantos com catálogos superiores ao Netflix e de borla, que só mesmo um parvo é que vai pagar para subscrever uma app ilegal.

  3. gonsa says:

    “Com apenas 36 anos” ?
    Uma pessoa para fazer estas coisas têm que ter o q, 70 anos?

  4. ze says:

    Em vez de concorrer no segmento do streaming deviam concorrer no segmento dos conteúdos e haver apenas um serviço de streaming que agregava tudo.
    97% dos conteúdos de cada serviço não passam de puro lixo para encher os subscritores para acharem que têm ali um bom negócio.

    • AqueleGajo says:

      Por outro lado permitem a estudios/empresas mais pequenas poderem mostrar o seu produto ao contrário de Hollywood que é muito mais fechado.
      E curiosamente há alguma malta “revoltada” de Hollywood a participar nestas plataformas de streaming.

  5. Tvlio Detritvs says:

    Tvlio Detritvs só vê e recomenda pirataria.
    Contra piratas corruptos tudo vale.
    Era o que me faltava encher a pança a chulos.
    E o pirata sou eu?

    • King Banido says:

      Que chulos? Os actores, diretores, Designers, markteers, water boy ? São esses, que produzem a tua série favorita, os tais chulos? É que sem pagar, a netflix deixa de fazer conteudo, e se deixar de fazer conteudo, essas pessoas vão todas po olho da rua e acabam com a tua série. Ja pensaste nisso?

      Portanto, sim, és tu o pirata por querer fazer os outros trabalhar de graça! Neste caso és mais um reizinho…

      • Tvlio Detritvs says:

        Estou a chamar chulos não aos actores e etc, mas ás equipas de gestão.
        Lucros de milhões anualmente e sempre a carregarem nas mensalidades para cima.
        Se eu pedir só internet fixa pago quase tanto como se pedisse o pacote normal.
        Mas o que é isto senão chulice?
        Em relação às séries e sporttv e que tais, comigo é muito simples.
        Se der para ver, vejo, se não der, não vejo.
        Uma vez quiseram oferecer me a sporttv gratuita durante 1 ou 2 meses e recusei.
        Deram 400 milhões ao futebol, bancos perdoam dívidas aos clubes, há gente a perder a casa por alguns milhares em falta, e os clubes devem milhões e são perdoados.
        Se o amigo quiser sustentar essa gente, força. Não conte é comigo para isso…

        • AqueleGajo says:

          O que é que o Netflix, que por direito está a fazer lucros (legalmente) tem a ver com a corrupção do nosso país?
          São esses gestores que investem o dinheiro deles para fazer mais dinheiro ou não fosse essa a ideia de criar um negócio. Mas para si são todos bandidos a não ser que andem a dar borlas a toda a gente.

          • Tvlio Detritvs says:

            Não se trata de borlas, trata se, isso sim, de preços justos.
            É disso que estou a falar.
            Acha que o português normal pode sustentar mensalmente sportv, eleven sports e Benfica TV? São 50 euros fora a mensalidade. Tudo ultrapassa facilmente os 100 euros.
            Como é que não quer que haja pirataria?
            Dou lhe outro exemplo, como é que se explica que a galp venda bilhas de gás a 12 ou 13 euros em Espanha e aqui na tugalandia vende a 24 o mesmo produto?
            Impostos não justificam tamanha diferença.
            Com os preços absurdos praticados cá a pirataria terá tendência a aumentar.
            Falar de moralismos pode ser muito bonito mas no fim a carteira fala mais alto…

  6. Filipe Ferreira says:

    Como o zé já disse devia haver plataformas que disponibilizassem os conteúdos todos (como existem), mas legais. Na minha opinião todos esses produtores/fornecedores deveriam repensar a estratégia e, de forma unificada combater a pirataria. Pouca gente poderá comportar o custo de subscrição de todos os serviços de streaming que já existem e que ainda vão aparecer. Mesmo que sejam assinantes de um ou (vamos ser inconscientes) de 2 serviços, irá sempre querer ver um filme ou série que passa em outro fornecedor .. e que solução se lhe apresenta ? Ou paga um terceiro serviço ou recorre à pirataria … não há hipótese. Todos eles deviam investir em uma só plataforma comum com um valor de subscrição e como sabem o tempo que eu gasto a ver determinada série seria uma questão de relação direta em termos do total de visionamento e a percentagem que gasto a ver conteúdos por exemplo, da netflix. Concretamente … o serviço (para simplificar) custa 10€, num mês vejo 50 horas de conteúdos, 25h das quais são da netflix, 20h da HBO e 5h da Amazon. Esses 10€ seriam distribuídos pelos produtores pelas percentagens correspondentes. Nenhum deles ficaria prejudicado … o consumidor só teria uma plataforma, e a concorrência não seria em termos de qualidade de serviço ou mensalidades, mas sim na qualidade dos conteúdos produzidos … todos ganhavam.

  7. eu says:

    Pirataria é coisa tão 2010.
    Só os putos mimados e putos grandes que vivem à conta da mãe é que vão aos torrents.

    • King Banido says:

      Se eu quiser ver um anime que não existe em nenhum provider legal, como faço?

      Filmes e séries, concordo que já é mais que na altura de se deixar de ir à “pirataria”, mas há imenso conteudo que nós não temos acesso de forma legal, como dei o caso de certos animes.

      • Eurico Daniel da Palma Rodrigues Rato says:

        Simples. Não vê. Eu quero passar férias no verão nas Maldivas e no Inverno quero ir para os Alpes. Não tenho como pagar mas quero na mesma. Isso dá-me o direito de não cumprir a lei só porque quero? Assine o Crunchyroll e veja as que tem disponíveis.

        • Tvlio Detritvs says:

          Não sei se sabe mas segundo uma alta figura do estado a lei não é para ser cumprida literalmente. Ou seja, a mesma lei varia de pessoa para pessoa.
          Dito isto, pode ser que possa ir para as Maldivas ou Alpes sem pagar, depende de como interpretar a lei para o seu caso.
          A mim já disseram que tenho que pagar, mas para si pode ser diferente. Experimente…

    • Tvlio Detritvs says:

      Sim, os que vivem com dificuldades compram tudo original.

  8. Piratatuga says:

    Tv cabo com net + playstationplus + netflix + amazon + amazon + telecine + sporttv pff facam as contas . mas se for só tv cabo repetem mesmo filme ou episodio 5 ou mais vezes numa semana

  9. NUNO says:

    Por cada 1 que eles conseguem fechar abrem 3 novos. Nem vale a pena os recursos que eles dispendem nisso pois o FBI acaba por gastar mais dinheiro para conseguir fechar 1 site do que o valor que o site “rouba” com os streaming ilegais. A verdade é que quem vê nesses sites nunca iria subscrever os outros serviços do Netflix, Amazon, etc pois não teria dinheiro para tal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.