PplWare Mobile

Fabricante chinês à beira da falência: CEO da empresa perdeu 144 milhões no casino


Vítor M.

Responsável pelo Pplware, fundou o projeto em 2005 depois de ter criado em 1993 um rascunho em papel de jornal, o que mais tarde se tornou num portal de tecnologia mundial. Da área de gestão, foi na informática que sempre fez carreira.

Destaques PPLWARE

35 Respostas

  1. David Guerreiro says:

    Aqui em Portugal também há uns tantos a falir empresas com casas de férias no Algarve, Mercedes de topo, e depois queixam-se que o negócio está mal e precisam despedir todos.

    • Daniel says:

      É provável que seja verdade.

      • David Guerreiro says:

        Tens o caso da Valadares, enganaram os empregados, fizeram terminar uma encomenda grande para a Arábia Saudita, diziam que pagavam tudo e fugiram com o dinheiro. Curiosamente, agora a Valadares já funciona. A má gestão e a ganância arruínam qualquer negócio.

  2. RM says:

    A concorrência agradece.

  3. FugaparaVigo says:

    Mas como é que se perde 144 milhões no casino?

    • censo says:

      Não tens a mínima noção do que é um viciado no jogo.

      • Paulo F. says:

        A questão é, como é que uma empresa não tem mecanismos que limitem/controlem os gastos dos seus empregados, mesmo sendo o CEO? Eu trabalho numa multinacional e certos gastos/investimentos só são possíveis com várias burocracias e cadeias de aprovações.

        • Miguel Sousa says:

          Isso é para os pequenos… o director de uma unidade, tem acesso a um cartão de crédito ilimitado. Se a conta da empresa tiver 100 milhões de euros, pode usá-lo até gastar os 100 milhões. O que funciona é que quem cumprir os objectivos, passa a receber prémios em espécie, como automóveis ou viagens ou férias adicionais. Quem não cumprir, é despedido. Este era o chefão, não pode ser despedido…

    • qwertyuiopus says:

      Vicio em jogos de azar é das coisas mais comuns na sociedade, quer em recintos próprios, quer em apostas e sorteios online ou do café da esquina.

      Continuas sem noção? Experimenta ir umas horas ao bingo mais próximo. Nos primeiros boletins, ainda estas na rodagem. Mas depois vais querer saber como será nos próximos. Quando deres por ela, no meio de boletins de 1 e 2€, e depois de não ter saído nem sequer uma “linha”, ao fim de uma hora la foram 20€ a brincar.

      Agora imagina o pessoal que vai la regularmente….

  4. Mateus says:

    assim é que é, como afundar um empresa, ir para o casino jogar e perder todo o dinheiro da empresa, fantástico…

  5. Antonio Soares Carvalho says:

    O vicio do jogo é dramático e” não larga o cliente” aconteceu com o Sr. Lirong, que este caso seja um exemplo para todos.

  6. falcaobranco says:

    A falta de inteligência dá nisto… “vou investir na empresa? Nah… vou ali investir no casino para ganhar mais…” deu Error 404 … :/

  7. Carlos Marques says:

    Entretanto no México, os mercados estão aflitos porque os eleitores se atreveram a eleger um Presidente de Esquerda, quer quer distribuir melhor a riqueza, combater a corrupção e o crime generalizado, e dar o exemplo a partir de cima, começando com o acto simbólico de deixar de usar o palácio presidencial. “Ui, ui, que medo” – exclamam os mercados…

    Isto da Gionee, ou lá como se chama, pois é a 1ª vez que ouço falar da coisa, é que é bom. F*der quem trabalha, para que um só malandro possa estoirar o dinheiro todo num casino. Deste “CEO” nunca os mercados tiveram medo… nem dele, nem do caminho que a China está a seguir. #CapitalismoSelvagem

    Uma coisa o capitalismo tem de boa, e daí se ter aguentado já tanto tempo: adapta-se e sobrevive em cooperação com o que quer que lhe apareça à frente: seja uma Democracia plena (ex: Europa antes de Maastricht), uma ditadura Fascista (ex: Chile), ou uma ditadura Comunista (ex: China) – e dá-se bem em todas porque em todas existem pessoas como este gajo: egoístas, cínicos, vaidosos/invejosos, e esbanjadores – os 4 pilares do Capitalismo Selvagem.

    Os da Gionee vão para o desemprego, os da Xiaomi/Samsung/Apple suicidam-se ou morrem devido aos produtos químicos usados para “otimizar o lucro”, e nós batemos palmas ao mesmo tempo que nos atropelamos nas Sextas-Feiras Pretas para comprar o lixo do próximo ano… #EsteMundoNãoTemFuturo

    • wut says:

      Tens bom remédio, vai para a Venezuela que agradecemos 😀

    • Adolfo Dias says:

      E achas que é a esquerdalha que irá ser a salvação?
      Para além da Venezuela que aqui já foi referida, tens mais exemplos de comunismo/socialismo falhado, como a ex-URSS, Cuba e quase toda a América Latina.
      Nos melhores países para se viver, tens o norte da Europa, Canadá, Alemanha, Suiça, Bélgica, Holanda, tudo países que não abraçam ideologias de esquerda.
      Quem quer viver à custa do rendimento dos outros só tem de emigrar para o país certo.
      Este CEO fez mal em ter esbanjado a massa toda no casino, mas nada tem a ver com a ideologia política do país, até porque a China é comunista.

      • nao says:

        dá um exemplo de uma Direitada que tenha funcionado ou que funcione hoje em dia?

        “Europa, Canadá, Alemanha, Suiça, Bélgica, Holanda” -> Alemanha, Bélgica, Holanda não são na Europa…. lol já agora estas a utilizar exemplos de países sociais-democratas palavra chave “sociais” o mais perto de esquerda que se pode ser, sem ser esquerda.

    • Pedro says:

      Muito bem. O problema são os outros modelos que são tão maus ou piores que o capitalismo. Vêja-se o socialismo – ex: Cuba ou Venezuela, o Fascismo – caso do Chile do Pinochet, o comunismo na URSS. Todos modelos que levaram ainda a mais pobreza. O único molelo intermédio diria que é a Social Democracia (que não é o PSD de Portugal, apesar do nome), mas para o atingir são precisos cidadãos com um elevado padrão cultural, cívico e sentido de comunidade, algo que só alguns países têm (mas que depois tb não têm o nosso sol)

  8. José Lopes says:

    É sobejamente sabido que os casinos sempre foram a causa de enormes catrástrofes pessoais e familiares. O que espanta é que tenham a complacência e o apoio de alguns políticos e dirigentes religiosos que bradam aos quatro ventos defender a família e os bons costumes!

  9. Falcão Azul says:

    Eu sei que há pessoas que infelizmente têm o vício do jogo,mas este tipo supera tudo !! Perder 144 milhões de dólares ao jogo nos casinos ?? Este cão nem devia ter nascido !! A empresa está na falência por causa deste energúmeno !! Bandido,havia de morrer !!

  10. rodrigo says:

    Nao sei se sabem mas os chineses no geral adoram as apostas!

    Por exemplo, os europeus podem fazer uma aposta de €50 enquanto que os chineses fazem 50 apostas de €1

  11. Paulo Fernandes says:

    Esse valor são trocos… apenas! 🙂

    “…10 bilhões de yuans (US $ 1,44 bilhões)…”

    O raio dos zeros e das conversões 🙂

  12. Bruno says:

    O vicio do casino pode ser muito complicado. Nada que justifique 144 milhões, mas só não foi mais porque não havia mais se calhar.
    Conheço bem de perto pessoas amigas e não só, que perderam tudo em casinos portugueses.
    É um vicio tão enraizado no corpo e mente como a droga por exemplo. É mesmo muito complicado para um viciado no jogo deixar de jogar. Este gastou o dinheiro da empresa , mas vai continuar a delapidar o seu património todo até não restar nada. E aí pode ser que pare, ou termine com a própria vida como tantos outros já o fizeram antes.
    É uma doença, um vicio, pouco abordada nos media mas que afeta imensas pessoas por este mundo fora sejam eles CEO ou atores ou jornalistas ou qualquer pessoa de qualquer estrato social.
    Sendo um comportamento reprovável da parte deste CEO não consigo deixar de lamentar o que este vicio maligno leva as pessoas a fazer.

    • qwertyuiopus says:

      Há sempre a possibilidade de quem anda descontrolado, pedir ao serviço de Inspeção de Jogos do Turismo de Portugal um levantamento de proibição de entrada nos casinos nacionais.

      A comunicação social já mostrou muito esporadicamente em tempos reportagens sobre viciados no jogo de azar.

      O problema é que não é algo falado de forma comum. Casinos regra geral pertencem a grupos enormes de empresas que tendem a servir interesses a muitos. O que não é digamos….conveniente….

      • Bruno says:

        A partir do momento que entras num casino e começas a ver caras conhecidas da TV lá dentro a jogar rios de dinheiro, percebes logo a questão dos interesses e do não se falar do cancro que aquilo é.
        Ninguém obriga ninguém a lá ir, mas desgracada da pessoa que cai na tentação.
        A questão da inibição funciona como o centro de reabilitação para os viciados em drogas. Só aceitam ser tratados quem admite que precisa de ser tratado.

  13. B@rão Vermelho says:

    Na Tailândia os casinos são proibidos, como tal países como o Laos, junto à fronteira com a Tailândia estão cheios de casinos, os Asiáticos são fantásticos por este tipo de jogos.

  14. Walter says:

    O pior da estupidez: apostar dinheiro da empresa nos jogos de azar!

  15. Walter says:

    O pior da estupidez humana, apostar dinheiro da empresa em jogos de azar!

  16. Napoléon Bonaparte says:

    Má gestão, hein?!
    Ah! Ah! Ah!
    A ser verdade, é crime! Simplesmente.

  17. Nuno says:

    Se os chinezoides não fossem viciados em casinos já o mundo estava perdido há muito… assim ainda há uma esperaça ! ABRAM MAIS CASINOS !

  18. Mawuko di banki says:

    Não compreendo como não proibiram ainda os casinos e os jogos a dinheiro em geral (incluindo dos ditos jogos da santa casa da misericórdia). E como não extinguem com os serviços de valor acrescentado por telefonema e por mensagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.