PplWare Mobile

Internet por 5G? Esqueça, Donald Trump quer 6G nos EUA assim que possível


Apaixonado por tecnologia, encontro no Pplware a forma ideal de mostrar aos outros os meus conhecimentos e de partilhar tudo o que me interessa neste intrincado universo

Destaques PPLWARE

  1. Daniel says:

    Ele é um visionário.
    Muito à frente para a sua época.

    Implementar 6G … somem
    Laboratório para já.
    Há que instalar depois faz-se upgrade de software.

  2. George Orwell says:

    Se bem se lembram, ainda durante a campanha eleitoral, Trump tinha prometido, pasme-se, “fechar a internet” ( talvez com um cadeado ), o que pode ser testemunhado aqui:
    https://pplware.sapo.pt/informacao/donald-trump-para-acabar-com-radicalismo-e-fechar-a-internet/

    Quem, como eu, esteve atento ao recente discurso anual do Estado da Nação proferido perante o Congresso e convidados especiais, poderia ter respigar do discurso de Trump, nomeadamente, o seguinte :
    “Para assegurar o nosso incrível sucesso económico, uma prioridade é primordial, trata-se de reverter décadas de políticas comerciais calamitosas. E muito más. Agora, deixamos claro para a China que, após anos em que esta tem vindo a agravar as nossas indústrias e a violar a nossa propriedade intelectual, o assalto aos empregos e riqueza americana chegou ao fim. Com efeito, recentemente impusemos tarifas de US $ 250 mil milhoes em produtos chineses e agora nossas finanças estão cobrando milhares de mulhões de dólares por mês, porém não culpo a China por esta ter tirado vantagem de nós. Eu culpo nossos líderes e representantes por terem permitido que esta desfeita tenha acontecido. Tenho grande respeito pelo Presidente Xi e agora estamos a trabalhar num novo acordo comercial com a China. Mas deve incluir mudanças estruturais reais para acabar com práticas comerciais desleais, reduzir nosso déficit comercial crónico e proteger os empregos americanos”

    Porém, desiludam-se aqueles que pensam que a ofensiva do discurso de Trump tenha visado só a RP China. Visou também os parceiros próximos da NAFTA ( Canadá e México) a quem endereçou igualmente críticas, além dos parceiros da NATO de quem se gabou de os ter obrigado a um dispendioso suplemento em gastos com a defesa e será bom recordar que Trump tinha recentemente obrigado a nossa UE a um novo acordo comercial após a imposição tarifas ao aço europeu.
    Ou seja, tal como um “cowboy” de um “western spaghetti”, por um punhado de dólares dispara na direção de todos aqueles que tenham um “superavit” comercial com os USA apesar ninguém o ter imposto. O “superavit” alheio devia-se sobretudo aos próprios USA e ao seu livre comércio, grandes paladinos de uma globalização económica que teve o seu início quando em 1972 Nixon e Kissinger visitaram a RP China, altura em que o trânsito em Pequim era de um caótico caleidoscópio de … bicicletas.

    É pois o retorno a um radical mercantilismo económico típico do sec. XVII e digno de um expedito merceeiro mas, em regra, desajustado a um mundo global do sec. XXI. Sendo certo que, no curto e médio prazo produzirá resultados económicos positivos para a economia americana, porém, a pergunta que se impõe é a de saber o que aconteceria se a RP China, UE, Canadá, México, F. Russa, India etc. ripostassem da mesma maneira e também agravassem as taxas aduaneiras em relação a produtos americanos, ou se a RP da China, o maior detentor de dívida americana deixasse de a comprar. É que, se estes países selectivamente agravassem taxas de certos produtos industriais e agrícolas capazes de afectar negativamente o eleitorado de Trump, a sua reeleição estaria desde logo comprometida.

    A acção de Trump é também um temerário exercício de rasgar acordos antes firmados, como o da NAFTA, ferindo a confiança que os parceiros depositaram nos USA. No futuro, o que esperar de um qualquer acordo com os USA que parece ter o direito leonino de o revogar quando quiser ? É como se uma equipa de futebol decidisse terminar o jogo ou dá-lo por nulo se por acaso tivesse a perder, ou seja, as regras do jogo só funcionariam se a equipa ganhasse sempre.

    Felizmente, tal como o eleitorado já demonstrou nas últimas eleições intercalares, quer através do sistema constitucional de “checks and balances” vão aparecendo sinais no sentido de não permitir que Trump confunda o Estado com a sua própria pessoa e o leve a declarar “L’État c’est moi”.

  3. Falcão Azul says:

    O Trump quer dar um passo maior que a perna,como se diz.A tecnologia 5G ainda nem foi implementada e ele já quer impor a 6G.Que parvo. 🙂

  4. Jo says:

    “..more powerful, faster, and smarter”
    Lembro-me dele ter mandado uma posta sobre misseis..
    “Get ready Russia, because they will be coming, nice and new and “smart!””

    • Falcão Azul says:

      Só que a Rússia vai ter a sua própria Internet,vai desligar-se da World Wide Web definitivamente,e depois quero ver como é que os Estados Unidos vão ficar neste jogo do rato e do gato.Depois quero ver quais das 2 super potências vai ser o “gato”,se me faço entender. 🙂

  5. Joao Ptt says:

    Malta é fácil: é fazer como a AT&T é só meter lá no ecrã “6G” e está feito: presidente satisfeito.

  6. BlackFerdyPT says:

    No que toca à tecnologia informática, e não só, a que já foi desenvolvida e é secretamente usada pelo governo estadunidense (sabe quem está bem informado) está sempre cerca de duas décadas à frente da que é do conhecimento público e é usada pelo comum cidadão.

    Alguém aqui sabe, por exemplo, que o governo dos EUA já desenvolveu a Fusão a Frio – e que poderá tornar tal tecnologia pública se o preço do petróleo subir para valores demasiado elevados? (https://www.youtube.com/watch?v=mbMnsNuXhJo)

    Alguém aqui sabe, por exemplo, que o mesmo tipo de Inteligência Artificial imensamente poderosa, cuja uma variante é hoje usada para gerir todas as máquinas de ATM do Mundo em tempo real e ao mesmo tempo, já existia desde a década de 1970 – e que, desde a criação da Internet, que tal IA é usada para vigiar tudo o que nesta última rede se passa? (https://trisquel.info/en/forum/sentient-code-inside-look-stephen-wolframs-utterly-new-insanely-ambitious-computational-paradi#comment-46043 + https://www.wook.pt/livro/conspiracao-octopus-daniel-estulin/10636938)

    (E, a título de muita curiosidade, alguém aqui já se deu alguma vez ao trabalho de ler o que têm a dizer aqueles que dizem que as imagens que nos mostraram da alunagem de 1969 são falsas? Quem conhece pessoalmente astronautas estadunidenses, diz que foi para não revelar a tecnologia avançada que já na altura o governo dos EUA possuía: [vídeos censurados pelo YouTube: https://www.infowars.com/update-youtube-bans-alex-jones-channel/%5D)

    Por isso, das duas uma:

    1) Ou Donald Trump está apenas a fazer uma afirmação que visa apelar a um mais acelerado desenvolvimento tecnológico.

    2) Ou, de facto, “Donald Trump sabe mais do que diz sobre o 6G”…

    • Carlos1 says:

      Este teu post é hilariante, tens a mania das conspirações.

    • Carlos Mogas da Silva says:

      Uépá! A Terra é plana também?!

    • Peace says:

      Mas que grande atrasado. Estás tão bem informado e não sabes que os standards das redes de telecomunicações são definidos pelos operadores e pelas empresas que desenvolvem as tecnologias, e levam tempo a definir. O 5G por exemplo está em desenvolvimento à anos, mas só agora os fornecedores têm as primeiras soluções comerciais prontas.
      Achas mesmo que empresas privadas iriam gastar biliões de euros a desenvolver tecnologias para as meter na gaveta durante 10 ou 20 anos?

      Já agora, para os mais distraídos, dos fornecedores de tecnologia para redes americanos sobra a cisco… Outras como a Lucent, Motorola e a canadiense Nortel já foram pelo ralo.

  7. Milagre says:

    Sempre à frente, Trump quer Ali G.

  8. MrHide says:

    Afinal nem é original. Dizia o President John F. Kennedy em 25 de maio de 1961, num discurso ao congresso:
    “First, I believe that this nation should commit itself to achieving the goal, before this decade is out, of landing a man on the moon and returning him safely to the Earth.”
    Esse objectivo foi atingido em 20 de julho de 1969.
    Assim sendo o 6G chegará daqui a cerca de 8 anos.

  9. Gevanildo Mendes says:

    Só rindo mesmo, o país correndo o risco de ficar atrasado no 5g, por pura ignorância (tá mais fácil o Brasil ter uma rede 5G melhor que a americana) e o maluco do Trump vem com esse devaneio de 6G.

  10. Ederbayor says:

    O Trump é uma besta mas este artigo está errado, ou lança a confusão. Nos Estados Unidos chamam 5G ao LTE com Carrier Aggregation, logo chamam 6G a aquele que é para nós o 5G.

    • Vítor M. says:

      Chamam erradamente. Lá por serem Estados Unidos não têm o direito de dizer e mostrar palermices 😉 como andava a AT&T a “reinar” com o povo 😉

      • Sérgio J says:

        Victor, então estás a dar razão ao Ederbayor. A questão é sobre se ele está a tentar puxar pelas empresas americanas para irem muito mais além das empresas asiáticas e começaram a tomar já a dianteira no projecto seguinte, pois este já está quase em produção Ou se simplesmente está erradamente a puxar por elas para por cá fora o 5G.

        De uma forma ou de outra não me parece descabido o discurso. Ou estão à espera de um discurso destes quando todo o mundo já está a trabalhar nele?

        • Vítor M. says:

          Não, eles chama erradamente 5G ao que na realidade é o 4.5G http://bit.ly/2U2MJrp por isso o que ele diz é um disparate baseado nos disparates que algumas operadoras dos states estão a dizer. Mas isto daqui a uns meses fica tudo OK, basta na verdade começarem, a vender o serviço 5G que é realmente o 5G. Mas o Trump não é burro de todo, a “boca” para polémica tem a ver com outras coisas, é uma guerra de palavras contras a China e as empresas tecnológicas chinesas. 😉

  11. Ana Isabel says:

    Este tipo é tão anormal… Nem sei como é que alguém o consegue levar a serio!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.