Quantcast
PplWare Mobile

COVID-19: Site do Governo “EstamosOn” está inoperacional

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Spoky says:

    Só tenho a dizer isto, este homem disse tudo em plena TV e foi silenciado… É engraçado ver como não se aceita opiniões contrárias, ainda que exista respeito pelo próximo, somos censurados.

    https://www.youtube.com/watch?v=Dic07GcWop0

    Tal como ele disse, é a minha opinião e sempre será.

    • Jorge Fernando says:

      Porque uma opinião contrária não significa que seja um pensamento correto e o que este senhor disse foi essencialmente lixo.

    • AD9 says:

      Claro para além que isso já foi comprovado como sendo falso (como por exemplo foi bem exemplificado no polígrafo da sic), nós ate agora estivemos fora do período sazonal da gripe “normal”. Nos outros verões também não se registrou os números da gripe estavam a disfarçar o quê, os números do tétano para obrigar o pessoal a tomar vacinas??
      Mas tem piada para vocês as centenas de entendidos de entendidos que deram e dão a voz pela pandemia vale 0 mas um gajo qq que liga para um programa de tv só pq partilha das vossas desconfianças já é o maior expert da zona. Para mim vale tanto como os “médicos pela verdade” que se calhar até o artista que me tratou da verruga do pé está lá a mandar o seu bitaite mas virulogistas estão lá um belo número de 0, o pessoal que trabalha diretamente na área e que podia de facto expor “a mentira” não se aproxima desse movimentos pela “verdade”, porque será??
      Mas pronto o resto do rebanho é que não consegue ver o que está a frente, os especialistas do programa da Júlia e os podologistas com basta experiência em virulogia é que têm toda a razão!

      • Spoky says:

        Procura pelo o que ele disse no final do vídeo, ai tens. Não foi uma pessoa qualquer, foi Graça Freitas a dizer-lo!
        https://www.youtube.com/watch?v=bx7w-2Y6w_Y

        • Marisa Pinto says:

          Mas tu achas que as coisas estão bem??? Desculpa lá mas tenho visto os teus comentários e realmente acho que precisas de uma resposta. Estamos numa situação caótica e descontrolada, e pessoas como tu são as principais promotoras dos comportamentos de risco. Desculpa mas isso é inadmissível. Comecem e ter noção porque se acham que ter liberdade é pôr em causa a vida e o trabalho dos outros, não se admirem que as pessoas se comecem a afastar de vocês porque parecem-me nada mais do que lunáticos. É uma extrema falta de respeito por quem quer levar as coisas o mais controladas possível, quem nos seus trabalhos se esforça diariamente para cumprir as medidas, isto já sem falar dos profissionais de saúde, mas o que vocês entendem disso? Estão-se a borrifar, querem é direitos, e acham que isto é tudo uma selva sem regras.

          Dedica-te ao voluntariado, vai fazer umas horas aos hospitais e pode ser que aprendas com a realidade e não com vídeos do youtube.

          • LR says:

            +100000000000000000000

          • Pois says:

            100% de acordo…
            Embora… Existam muitos governos e empresas a tirarem belos dividendos dista situação.
            Infelizmente existem sempre uns a tirar proveito das pandemias e afins.

          • Jamaral says:

            Subscrevo integralmente!

          • Sujeito says:

            Pondo opiniões pessoais de lado, esse argumento está completamente invertido Marisa.

            Quem efectivamente está a pôr em causa a vida e o trabalho dos outros é quem os está a mandar fechar e quem apoia esses métodos.

          • Marisa Pinto says:

            Meu caro, eu comentei a frase dele que não tem qualquer factor desses que agora escreves.

            Então, sendo assim, os infectados que não fiquem confinados. Liberdade aos infectados, só depois a saúde. Parece-te coerente?

            Cumps,

    • AC says:

      Em resposta ao economista, que sabe interpretar os números, deixo o link que mostra que a mortalidade atribuída à Covid-19 peca apenas por defeito. Se ele é economista tem a obrigação de saber o efeito de um crescimento exponencial (aumento de casos críticos) aplicado sobre uma constante (total de camas em UCI).
      https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUESdest_boui=452172550&DESTAQUESmodo=2&xlang=pt
      Pela interpretação dos números, em termos homólogos, apenas posso concluir que a Covid-19 provocou um aumento de quase 11% to total de mortes (das quais 3% atribuíveis directamente à Covid-19).
      Eu, por uma questão de integridade moral e intelectual, apenas aceito as opiniões de um «negacionista» que tenha registado testamento vital que exclua os tratamentos utilizados para assistência na Covid-19.

      • Sujeito says:

        Ainda bem que te tens em tão alta moral e pedestal de integridade para depois fazer uma exclusão de outros baseado na tua visão do mundo. Mais íntegro e moral que isso é difícil. Quase cristão até.

    • AD9 says:

      E qual é a novidade disso? Só estão a fazer um escândalo pq é do Covid pq isso é algo que já acontece há anos.
      Uma pessoa que tenha cancro ou qq outra doença que o deixe mais fragilizado e apanhe por exemplo uma gripe e acabe por falecer, a doença terminal é a gripe. Se formos por aí a gripe (e muitas outras doenças) também não matava 1/10 do que aquilo que são os números finais.

    • ToFerreira says:

      Eu só não consigo compreender é a panca com a gripe. Já te explicaram, aqui, que no verão não há gripes e que as medidas de segurança tomadas para a COVID são eficazes também na gripe.
      Agora, o que é que interessa se o que matou a pessoa foi uma doença ou outra? Se tem duas, que parece ser essa a grande confusão em cabeças pequenas, ambas contribuem para a morte, o nosso organismo é um sistema complexo e interligado, onde tudo pode contribuir para a recuperação ou para a morte. Se queres levar para o extremo, sabes qual é e única causa de morte? A paragem cardio-respiratoria, toda a gente morre disso e nada mais.
      Eu quero saber é o que é que isso altera na prática. Se quem tiver pé de atleta e COVID morrer e a morte for contabilizada como sendo por pé de atleta, vai haver menos doentes internados? Vai haver mais vagas em UCI? Vão crescer os recursos do SNS? O SNS vai ficar ilimitado?
      O que muda, ao certo?

      • Petrus says:

        Certo! Eu tenho doença coronária. Estando medicado e vigiado regularmente, posso viver muitos anos com isto e morrer de outra coisa qualquer, mas, se apanho a Covid-19, as minhas hipóteses de sobrevivência reduzem-se abismalmente. Pergunta: Morro de quê? Resposta: De Covid-19.

        • Santos says:

          Pois, a piada da coisa (ou nao) é que acontece exatamente o mesmo com a gripe mas ao fim destes meses todos ainda há quem continue a usar esse argumento vezes e vezes sem conta.

        • Sujeito says:

          Oficialmente morrerias *com*, e não *de*.

          Segundo eles próprios, ainda ninguém morreu *de* .

          • AD9 says:

            Claro, aqueles idosos que tinham outros problemas mas que até estavam bem na altura e faleceram depois de apanhar o coronavirus, de certeza que não morreram “de”.

          • Petrus says:

            Se uma pessoa tiver várias doenças/patologias e morrer, morre de nenhuma delas mas com todas?

    • Peace says:

      Outra vez arroz

    • Hugo Nabais says:

      Isto há com cada um! Pensem um pouco… Mesmo que a gripe mate em Portugal cerca de 5000 por ano, a Covid já está a matar quase 50 pessoas por dia o que dá aproximadamente 18.000 por ano e se continuar a subir será bem mais.
      A gripe não requer o uso de ventiladores da mesma forma que a Covid.
      Será que os negacionistas não conseguem pensar nisto?!?!

      • Sujeito says:

        O Covid também não requer ventiladores como andaram a palrear.
        Ou não apanhaste a parte de afinal estarem ainda arrecadados em armazém, ainda hoje?
        Também não deves ter apanhado a parte dos ventiladores afinal terem morto mais pessoas por estarem a ser usados de forma indevida, em intervenções indevidas, como foi apontado desde o início por N indivíduos.
        Nem 8 nem 80. As coisas estão mal contadas, mas o negacionista pareces tu.

        • AD9 says:

          Pois estão, as pessoas deviam prestar mais atenção a programas como o poligrafos e outros de “fact checking” em vez de darem tanta atenção a publicações de Facebook. Isso não aconteceu e o ventilador pode provocar danos se for mal usado mas não leva a morte.

  2. Tony says:

    Como diz o Alex VanTrue na musica “Valente da Internet” (procurem no youtube)…
    “Adora a liberdade da expressão até tu expressares uma opinião”

    Penso que já não existem duvidas de que o mundo vive uma ditadura.

  3. Petrus says:

    Mas é bastante claro que este ano deverá ser um ano com muito menos casos de gripe. Por um lado, porque há mais gente a vacinar-se, por outro, porque o uso da máscara e a desinfeção das mãos nos protege contra a gripe que tem uma forma de contágio semelhante ao da Covid-19. Não é preciso tecer uma conspiração só por causa de uma coisa tão simples. De resto, ainda não começou a época da gripe. Deve estar a chegar. Ou esperavam a gripe na primavera/ verão?

  4. Pedro Rodrigues says:

    Aqui funciona.

  5. Miguel says:

    Porque é que apagar o meu comentário?
    Isto não é fake news ou o DN publica fake news?

    500 pessoa morreram num dia só de gripe em 2019.
    https://www.dn.pt/pais/surto-de-gripe-em-portugal-e-o-mais-forte-da-europa-10461066.html

    • Marisa Pinto says:

      O que disse acima também serve para ti. Muda o disco e faz alguma coisa pela tua comunidade.

      • Spoky says:

        Aconselho-te a fazeres o mesmo, em vez de entupires tu e os teus colegas com pacientes a dar antidepressivos, faz alguma coisa de jeito. Procura alternativa, ou nunca ouviram falar de L-Theanina, GABA, Niacina, Basil?

        Pois tal como calculei, nem sabem o que é isso e se souberem já vão com sorte!

    • Santos says:

      Vocês e a panca com a gripe. Isso aconteceu a meio de Janeiro o covid chegou aos 40 no último dia de outubro, com a atitude do pessoal nem quero imaginar como será em pleno inverno, na altura, ai sim, da gripe atacar.
      Ah para além de que se leres mais que o título a notícia refere que apesar de tudo com a toma da vacina havia esperanças de que a situação se controlasse o que de facto aconteceu.

    • Jorge says:

      Não morreram 500 pessoas de gripe mas sim morreram quase 500 pessoas (483 para ser exato) pelos mais diferentes motivos em todo o país naquele dia (14 janeiro 2019). Isto inclui gripe e outras causas, por exemplo outras doenças, acidentes, suicídios, etc. e isso é dito na notícia.

      “(…)na segunda-feira, dia 14, morreram perto de 500 pessoas no país, um dos dias com mais mortes da última década, boa parte delas na sequência de problemas provocados pela doença[gripe]. ”

      Para contexto em Portugal morrem normalmente entre 250 a 350 pessoas por dia, sendo o valor mais alto no inverno e mais baixo no verão.

      Os dados da mortalidade diária do país podem ser consultados em:
      https://evm.min-saude.pt/

  6. ToFerreira says:

    “EstamosOff”

  7. Ricardo Pereira says:

    Já estão ON

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.