Quantcast
PplWare Mobile

COVID-19: Norma sobre o uso de máscaras em Portugal já está disponível

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Dark Sky says:

    E como se faz uma máscara caseira? Quais são os melhores materiais?https://www.publico.pt/2020/04/11/infografia/usar-nao-usar-mascara-499

  2. norma Sueli Melo Soares says:

    Gostava de saber onde encontrar máscara

    Encanto nenhum eu a encontro.
    Meu esposo usa uma que ele pegou no hospital de Coimbra.
    E está usando a muito tempo.

  3. Pedro Ramos says:

    Boas,

    que tipo de máscara é que o SNS aconcelha? As cirúrgicas?

    Cumprimentos

    • David Guerreiro says:

      Em termos de proteção as melhores mesmo são as N95 ou FFP2, mas requerem treino para utilizar e são apenas aconselhadas para profissionais de saúde. Mas são aquelas que melhor protegem o seu utilizador.

      • Tozé says:

        Errado.
        As melhores são as FFP3
        A diferença entre as FFP2 (norma Europeia) e as N95 (norma Americana), é que as FFP2 apresentam eficiência mínima de filtração de 94% e as N95 de 95%, portanto são idênticas.
        As máscaras FFP3 são adequadas à protecção de partículas altamente tóxicas, eficiência mínima de filtração de 99%.
        Significado FFP – Filtering Facepiece Particles, em Português Peça Facial de Filtragem de Partículas.

    • Dark Sky says:

      Se vires o desenho de “O Público”, do link acima creio que ajuda. Fala da máscara cirúrgica, dos respiradores N95 ou FFP2 e das máscaras caseiras.

      Considerando partículas de 0,02 microns:
      – A máscara cirúrgica filtra 89%
      – O saco do aspirador 86% … mas é difícil respirar através dele (entrar o ar pelos lados, como seria uma máscara em plástico, não filtra nada)
      – T-shirt de uma mistura de algodão (2 camadas) filtra 70% e a respiração é semelhante ao ar a passar por uma máscara cirúrgica.

      A questão não é que máscara o SNS aconselha – obviamente a máscara cirúrgica, neccessária aos profissionais de saúde … é a que se pode obter (e a que preço) e se é reutilizável ou não.

      Estou em crer que já há muitas empresas têxteis a produzir máscaras que, mesmo não sendo as cirúrgicas (nem caseiras), vão ter um papel importante. Convinha era haver regulação.

      • miguel says:

        Os doentes oncológicos sempre usaram FFP2, no entanto o Governo não tem como adquirir nem para os profissionais de saude, podiam ser mais sérios quando falam as pessoas felizmente existe pessoas que pensam por si.
        Desde o primeiro dia esta história das máscaras está mal contada.

        Agora dizer que o pessoal da linha da frente deve usar cirúrgicas é atirar areia para quem não percebe um mínimo, já vimos imagens nas TVs de médicos com 2 uma sobre outra(dessas cirúrgicas) porque as FFP2 acabaram.

        Mas é melhor tarde do que nunca recomendar o uso de máscara, mesmo que seja destas sociais(caseiras) assim quando uma pessoa tosse maior parte do que espirra fica na máscara.

  4. Miguel says:

    Mais uma vez a DGS a tentar se desculpar, podiam ser sérios e dizer que não tem mascaras FFP2 ou FFP3 para todos, que os Portugueses entendiam desde o primeiro dia.
    As melhores são as FFP3, mas sabemos que não existem e as FFP2 também já começam a ficar caras mesmo na China.
    Por isso as normais cirúrgicas é melhor do que nada, mas os profissionais de saúde deveriam ter no mínimo FFP2 por isso mais uma vez andam com tretas…
    Desde o primeiro dia que uso máscara quando saio de casa, no supermercado, no trabalho…

    • Dave Snow says:

      A DGS sempre informou que não havia mascaras para todos. A comunicação social é que tentou sempre arranjar polémicas. Acho que a DGS esteve mal, foi em não ensinar mais cedo a população como se deve usar máscara. Por exemplo, algumas pessoas com mascara vão ter mais tendência para tocar na cara, nem que seja para ajeitar a mascara.

      https: //observador.pt/2020/03/20/dgs-nao-ensina-a-usar-mascaras-porque-nao-ha-para-todos-nao-vale-a-pena-dizer-que-ha-nao-ha/

      • miguel says:

        A DGS sempre disse que usar mascara ainda era pior, não venhas também refazer a história, todos os dias desde desse dia é ordem dos médicos, é ordem dos enfermeiros, é associação xpto dos médicos vem a dizer que é mentira e que todos devíamos usar mascara.

      • Sujeito says:

        Errado.
        Eles sempre disseram que não havia falta de equipamento, os media é que tiraram a frase fora de contexto para parecer que não havia.

        Media: “(…) faltam máscaras e outros equipamentos”
        Declaração oficial: “(…) faltam máscaras e outros equipamentos SE TIVERMOS de lidar com X número de pacientes”

        Assim se propagam os mitos.

        • miguel says:

          Tu gostas de rescrever a história se for preciso mostro-te o video onde a directora geral da saúde diz que não deviamos usar mascaras, não só 1 vez mas várias vezes em dias diferentes.

          Ela agora mais para o fim já vem a mudar o paleio e a colar-se a OMS, mas mesmo assim ela diz o seguinte:

          “Não use máscara, é uma falsa sensação de segurança”, reiterou a diretora-geral da Saúde, este domingo. E as máscaras de tecido “nem sequer são impermeáveis”. O essencial da proteção é “o distanciamento social”, frisou Graça Freitas.
          Fonte: JN

    • p_t says:

      Os portugueses não iriam entender nada. Da mesma maneira que se queixam agora, viriam com o queixume sobre não haver máscaras e que já se devia ter pensado em fazer máscaras antes da invenção da roda do “então não se estava mesmo a ver…?”

  5. antonio says:

    não vou usar obrigado, nem vou abrir novamente este artigo para ver as respostas à minha opinião.

  6. RCS says:

    Atenção que as máscaras com válvula não protegem os restantes pois o ar expelido não é filtrado !
    Esta informação não está a circular convenientemente e mascaras deste tipo (na minha opinião) não deviam ser utilizadas no Âmbito Covid. Funcionam para proteger o próprio utilizador mas não a comunidade!

    • Miguel says:

      Ora nem mais, alguém está bem informado.
      Convém informar que existe FFP2 sem válvula, são as que os doentes oncológicos ou transplantados usam.

  7. Joao Ptt says:

    Se o governo tivesse sido sincero desde o início, que as máscaras deveriam ser utilizadas, mas não existem, e para por favor a industria começar a fazer modelos de teste para serem testados e aprovados, segundo directrizes técnicas que garantissem a melhor protecção possível (incluindo olhos, nariz e boca), por esta altura já existiriam milhares, talvez centenas de milhares ou até mesmo milhões de máscaras, até poderiam estar a exportar para alguns países que tal como Portugal ainda andam a fingir que as máscaras são perigosas (excepto para médicos, enfermeiros e doentes ahahah)… é tipo chamar a malta de estúpidos, e existe imensos!

    Tantas outras indústrias onde se usam máscaras todos os dias, mas de repente são perigosas…

    Que dissessem que eram necessários mais cuidados eu compreendia, que dissessem que não existiam e esperavam poder comprar ou convencer os industriais portugueses a fabricar o que era necessário, também compreendia, assim foi só incompetência a roçar ali o crime por negligência… é que já morreu muita gente, sabe-se lá quantas por causa da falta de protecção adequada individual, só por causa de má orientação política que não se verificou em outros países.

    • p_t says:

      Não tens noção do que dizes. 1º Essa conversa do governo ser sincero é uma treta. A “indústria” tem feito máscaras e, no entanto, há falta delas. Não se adapta e “inventa-se” indústria tão facilmente. Se assim fosse, ninguém estaria à espera das encomendas da China. E não venhas com os “prognósticos no fim do jogo”. Em Janeiro, o Ocidente todo não achava que viesse bater forte da maneira como bateu.
      2º Claramente que não és da área de saúde para dizer “fingir que as máscaras são perigosas”. A maneira como cidadão comum usa máscaras e luvas faz com que seja contraproducente. Podes ter a certeza que é “excepto para médicos, enfermeiros”, isto é, profissionais de saúde. Se já com estes as protecções falham, quanto mais no zé povinho.
      3º As máscaras que protegem verdadeiramente são caras demais para as comprar às resmas. As únicas que se poderiam comprar em grande quantidade são as cirúrgicas, mas há muita falta delas.

      • Joao Ptt says:

        Os industriais não iam, e não vão, produzir algo que o desgoverno diz linearmente que não é necessário. Do contrário já poderiam estar a produzir milhões pelo menos daquelas tipo cirúrgicas: EN 14683 Type III, e provavelmente até das melhorzinhas que respeitam a norma: EN 149:2001 FFP3.

        No Brasil também começaram com essa conversa das máscaras serem perigosas e ninguém as deveria usar… quando pensavam que iam receber uma remessa com uns quantos milhões delas mudaram o discurso para que ia passar a ser obrigatório a utilização das mesmas.
        As máscaras foram apreendidas lá nos EUA e de repente voltou o discurso novamente de que as máscaras eram perigosas, mas felizmente desta vez os jornalistas e o povo em geral já não foram na mentira e exigiram saber mas é como quem se faziam máscaras, mesmo que não fossem da máxima eficácia possível.

        As máscaras comprovadamente ajudam a reduzir os riscos de espalhar e contrair vírus, mesmo se estiverem húmidas.
        Mesmo um cachecol captura e retém cerca de 49% de partículas com 0.02 micron, uma máscara cirúrgica captura e retém cerca de 89%, ou mesmo cerca de 97% se usar duas camadas. São menos 49 a 97% de menos partículas a serem espalhadas por um eventual infectado no espaço em seu redor para começar.
        in. https://smartairfilters.com/en/blog/best-materials-make-diy-face-mask-virus/

        Se as máscaras não funcionam melhor, e não protegem melhor, é devido ao desenho das mesmas e à utilização errada reiterada por vezes facilitado pelo desenho da mesma que não leva em conta a pessoa humana e o ambiente de utilização. É por isso que em muitos testes não se notam diferenças estatísticas entre utilizar máscara e não utilizar, existe má utilização reiterada, zonas de contaminação cruzada e por aí em diante… as máscaras são importantes, mas como se diz e bem, não bastam por si mesmas até porque ninguém as usa 24h/365d mesmo que oferecessem 100% de protecção… sempre que a tiram tem de existir todo um outro conjunto de medidas adicionais incluindo do ambiente em redor.

        Só máscaras integrais que protejam em simultâneo olhos, nariz e boca, tem alguma possibilidade de ser eficazes na prática… porque não pode andar a escarafunchar com as mãos nos olhos/ nariz/ boca… e ainda assim tem proteger entrada e saída de ar para proteger o próprios e os outros caso esteja contaminado. Úteis para ir a um lugar tipo o supermercado onde andam outras pessoas, mas poucas pessoas aceitariam utilizar tal pelos mais diversos motivos e alguns certamente válidos.

        • p_t says:

          “Os industriais não iam, e não vão, produzir algo que o desgoverno diz linearmente que não é necessário. Do contrário já poderiam estar a produzir milhões pelo menos daquelas tipo cirúrgicas: EN 14683 Type III, e provavelmente até das melhorzinhas que respeitam a norma: EN 149:2001 FFP3.”
          Claro, claro…meu caro, foi sempre necessário produzir as máscaras! As indicações do “desgoverno” ou da DGS que não valia a pena usar máscara eram exclusivamente para o cidadão comum! Porque sempre foi necessário produzi-las para os profissionais de saúde que as usam às resmas. Onde é que está essa indústria a fazê-las? Achas que se fosse assim tão fácil estaríamos (e os outros países também) a depender das encomendas!? Mas dou de barato que possas ter razão. E sinceramente quando é que o governo disse que não era necessário fazer máscaras?

          Mas vamos ao que interessa. Tu com os teus 2 últimos parágrafos refutaste a tua conversa dos 1ºs parágrafos. É precisamente por “devido ao desenho das mesmas e à utilização errada reiterada por vezes facilitado pelo desenho da mesma que não leva em conta a pessoa humana e o ambiente de utilização. É por isso que em muitos testes não se notam diferenças estatísticas entre utilizar máscara e não utilizar, existe má utilização reiterada, zonas de contaminação cruzada e por aí em diante” que as autoridades de saúde pública não recomendavam! Se bem que não sei de que problemas de desenho estás a falar, porque as máscaras de protecção têm de cumprir as normas independentemente do “desenho” delas.

          E esse link que colocaste tem por sua vez o link para o estudo em que se baseia. Ora aqui tens a conclusão sobre máscaras caseiras\improvisadas:

          “Thus any mask, no matter how efficient at filtration or how good the seal, will have minimal effect if it is not used in conjunction with other preventative measures, such as isolation of infected cases, immunization, good respiratory etiquette, and regular hand hygiene. An improvised face mask should be viewed as the last possible alternative if a supply of commercial face masks is not available, irrespective of the disease against which it may be required for protection. Improvised homemade face masks may be used to help protect those who could potentially, for example, be at occupational risk from close or frequent contact with symptomatic patients. However, these masks would provide the wearers little protection from microorganisms from others persons who are infected with respiratory diseases. As a result, we would not recommend the use of homemade face masks as a method of reducing transmission of infection from aerosols. “

        • DB says:

          Parei de ler na primeira linha e na palavra desgoverno, o resto deve ser irrelevante.
          Goste ou não, bem ou mal, a palavra certa é GOVERNO.

  8. Tozé says:

    Já diz a sabedoria popular, MAIS VALE TARDE QUE NUNCA.
    Estou é curioso, quais os estudos que a DGS mandou fazer para mudar de opinião.
    Possivelmente nenhuns…
    Quanto á credibilidade… essa anda nas ruas da amargura.

    • Dark Sky says:

      A DGS não fez estudos. Como a própria DGS diz: está em linha com a OMS e o ECDC (Centro Europeu de Controlo de Doenças), que não recomendavam as máscaras e passaram a recomendar.
      Lê o documento com o link no fim do post: “Uso de Máscaras na Comunidade”.

      • Sujeito says:

        Venha o diabo e escolha.

        A mesma OMS que tem posto os pés pelas mãos durante todas esta situação;
        A mesma OMS que há 3 anos gastou mais dinheiro em voos de luxo (pagos pelos contribuintes) do que a combater todas as doenças a que se propõe e ainda tiveram desplante para vir pedir mais financiamento aos países;
        A mesma OMS que está completamente comprada por interesses externos inclusive pelos que vendem todos os equipamentos agora em grande procura;
        A mesma OMS que o diretor tem no seu portfolio atitudes que impossibilitam qualquer lógica e validade para estar onde está;

        E a DGS submete-se, sem estudos, entregando a soberania de pensamento e práticas medicas nacionais.

        Também se perde pouco. Afinal, é a mesma DGS que:
        – errou todas as previsões desde o início;
        – falhou em fazer recomendações úteis para a população;
        – fez um pdf de 19 paginas com recomendações alimentares para esta época em que diz não haver relação entre alimentação e o sistema imunitário;
        – a diretora não sabe sequer usar umas luvas;
        – deram o dito por não dito N vezes;
        – perderam tempo a fazer um livro para educar os putos a habituarem-se a não estar com os avós

  9. SANDOKAN 1513 says:

    Essas tais máscaras FFP3 ninguém de certeza as consegue comprar.Ou então estão a um preço proibitivo,de certeza absoluta !! 😐

  10. curador says:

    exelente artigo @pedro pinto (uma noticia que nos precoucpa a todos)

    1- Seria possivel saber onde comprar ou qual os canais de comrpa mais sensiveis ao comum dos mortais sem andar no gamanço nos hospitais/clicnicas e como poderemos nós (os razos) proteger mos desta expeculação e até informar aos orgãos reguladores caso existam esta exploração (mais uma) do povozeco.

    1- https://jornaleconomico.sapo.pt/noticias/asae-esta-a-fiscalizar-precos-especulativos-nas-mascaras-e-no-alcool-566113

    2- Por exemplo o preço do gaz ainda nao reduziu por completo, nomeadamnete e comparativamente com os mecados internacionais.

    2-https://sicnoticias.pt/economia/2020-04-04-Preco-do-gas-esta-a-aumentar-apesar-da-descida-do-valor-do-petroleo

    3- Outro exemplo de louvar o Governo Nacional da Madeira, compra 1 jornal vem uma mascara e vão distribuir em acompanhamento com a lei e com as noticias da televisão em casa das pessoas uma caixa com 2 mascaras.
    Ora bem tal decisão esta de acordo com um governo que se preocupa e menos explorador dos seus cidadãos.

    3- https://www.publico.pt/2020/04/06/politica/noticia/madeira-governo-regional-vai-entregar-mascara-madeirense-1911249

  11. Carlos Fernandes says:

    e uma corda no fim 😉

  12. Joao Ptt says:

    Se for um saco do material utilizado em alguns aspiradores, pode ter uma eficácia de cerca de 86% na captura e retenção de partículas de 0.02 micron.
    Vai ser difícil é de respirar através desse material…

  13. Aníbal, o Invencível says:

    A DGS só “mudou” de opinião sobre o uso de máscaras, a meu ver, pela pressão mediática ridícula, completamente histérica e despropositada, criada em torno do tema. “Querem usar máscaras? Então usem. Quem tiver tecido de algodão em casa que se desenrasque”, parece ser o mote – certeiro – da “norma” da DGS. Os profissionais de saúde, obviamente, usam máscaras a sério, os restantes andam a brincar às máscaras caseiras. Das luvas – como alguém já referiu – ninguém se lembra como algo importante, porventura não são acessório tão “fancy” ou sexy. Falsa sensação de segurança, placebo, chamem-lhe o que quiserem, para mim esta história das máscaras é de uma parolice sem fim.

  14. robertomendes says:

    aqui em Portugal temos que usar uma máscara para proteger o ego. E aceito essa lei, mas não há lei que diga que devemos usar as máscaras que a empresa nos dá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.