Quantcast
PplWare Mobile

Alemanha: Acabou-se a “Lei da selva na Internet”

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Pinto


  1. def_jonhy_dep says:

    CNN??? e abrangida por esta lei?

  2. José Rodrigues says:

    Volta a censura, historicamente são sempre os alemães e os russo.. e os motivos são sempre “nobres”..

    • Guilherme Peruzzi says:

      Eu concordo com a sua opinião, que a censura não é nem nunca será solução para nada.
      Mas também concordo com a opinião do Heiko Maas.
      As pessoas que têm como objectivo propagar o ódio e difamação (ao que ele refere de direito criminal) não podem ser autorizados a continuar a espalhar a sua “mensagem”.
      Este tipo de mensagens só vai trazer mais ódios e mais pessoas “bestas” que acham que nada na Internet tem consequência.

      • Just love technology in general says:

        Concordo plenamente, e tendo em conta que este é um problema que tem escalado abruptamente, já era tempo de se tomar alguma atitude.

    • Hugo says:

      Estava a ler o artigo e a pensar nisso mesmo.
      Por muito correcto que seja isto está tãaaao errado :S

    • David Silva says:

      Desde quando denunciar e apagar mentiras e falsidades é censura?

      • Hugo says:

        Isso é a teoria. O problema é que a linha que separa essa teoria de censura é muito ténue…ou mesmo muito difícil de distinguir em certos casos.

        • David Silva says:

          Isto não é futebol, em que num fora de jogo duvidoso, deixa-se jogar! Estamos a falar de viver em sociedade. A futilidade e ignorância estão a atingir níveis preocupantes. As notícias falsas só servem para esse aumento, e parecem cogumelos e têm de ser erradicadas. A não ser que a anarquia não permita…

          • Hugo says:

            Eu compreendo o ponto de vista atenção. E partilho da mesma opinião.
            Mas vamos supor por exemplo que alguém mete uma piada no mural (humor negro vá). Quem vai decidir se é racismo, ironia ou whatever?
            Obviamente que tem de haver controlo na sociedade, mas limitar quem se sabe comportar em prol de outros não vai resolver nada.
            É um pau de dois bicos sem dúvida alguma.
            E acho que é óbvio qual a resposta quando surgir censura em posts sem razão aparente: “ah..foi o algoritmo”.
            Em relação às notícias falsas até acho que contribuem para o crescimento intelectual dos cidadãos. Enquanto continuarem a ser burros vão continuar a ter feed dessas notícias.
            Ninguém é enganado com notícias falsas. Ninguém apanha virus por causa de um crack de um jogo ou o que quer que seja. Se isto acontecer…é porque ainda não atingiram o nível mínimo de inteligência para navegar na web. O mundo é uma mafia…isto funciona em todos os aspectos, não só na net.

          • Just love technology in general says:

            Aqui está um comentário maduro, coisa em vias de extinção por aqui.
            Concordo plenamente. Uma vez que se está a perder o respeito mutuo, a noção do eticamente e minimamente aceitável e correto para se poder viver saudavelmente em sociedade, tem que se educar o povo, filtrando a porcaria daquilo que realmente interessa.

          • Timmy Timmy says:

            Concordo que todos temos de ser respeitadores e isso, e que existe muitas “fake news” mas pergunto-me se essas “fake news” vão-se aplicar em coisas como um exemplo nos EUA quando o Trump foi eleito, em que uma mulher disse que a amiga Muçulmana dela estava a ter ataques á vida e que já disse á policia. No entanto a polícia confirmou que era mentira. Resumindo, só queria meter o outro lado mal. Isto como é contra a Alemanha que é praticamente dominada pela esquerda (que é quase extrema pelo que vejo nesta notícia). Será que isto vai ser aplicado?
            E o que são fake news mesmo? Será que são “fake” ou é apenas notícias que não interessam? Como a falta de cobertura que deve as violações de ano novo na Alemanha feitas por imigrantes/refugiados. Ou será que sempre que se questionar a politica dos refugiados, também vai ser visto como algo racista e vai ser censurado?
            Engraçado é que durante anos até hoje, extremistas muçulmanos celebram ataques terroristas ou espalham sua mensagem, no entanto os governos preocupam-se mais com os “racistas” (que muitas vezes são racistas, mas hoje em dia, pessoas cansadas das actuais politicas, estão a criticar ou questionar politicas de imigração, será que isso também as faz racistas/fascistas nos olhos desta nova lei ou de quem controla isto?).
            O maior problema disto é decidir o que é “racista” mesmo, porque para a Alemanha e nesta sociedade politicamente correcta, muita coisa é “racista” quando não é.
            Podem dizer o que quiserem, mas vejo isto como uma forma de censura e controlo de quem vai contra as visões do regime que está no poder. E quem defende isto, tem memória curta pois literalmente á 50 anos era isto que se tinha por aqui. Mas aplicada de outra forma.

      • eu says:

        a Comissão de Censsura do Estado Novo dizia o mesmo…

    • Darth says:

      Mas tu por cá também podes escrever tudo sem conversível num jornal físico?! A liberdade sem limites é anarquia. Avança onde começa a liberdade do próximo

  3. Spoky says:

    As pessoas tendem a criar polemica e drama por nada.

    Se alguem me chamasse “Idiota” na Internet acham que eu iria ligar? Acham mesmo que ia ligar? Ficar ofendido? É apenas uma pessoa por detrás de um dispositivo a tentar a sua sorte e tentar deitar a baixo, muitos cedem a pressão e fazem logo queixinhas “Aii para lá com isso!”

    Por amor de deus, deixem la o drama… O problema das pessoas é ligarem a tudo o que é sítio…
    Exemplo “Se eu fosse Gay” e dissessem “gays não prestam ou odeio gays” acham que me iria importar? E então? Mudou algo por causa dele ter dito aquilo? Resposta: Não.

    É esse o grande problema, mas pessoas têm de saber lidar com a liberdade de expressão, excepto quando divulgam fotos tuas privadas, ou algo teu sem consentimento.

    Se for uma opinião própria tem mais que direito de o dizer, tal como disse e digo não gostam, ignoram.
    O que dizem na Internet os insultos, ofensas a mim não me diz nada! Acreditem.

    Se dissessem “O teu clube, ou o teu pais é uma valente porcaria” nem perdia, nem irei perder tempo a insultar, ofender ou contra atacar, porque raio vou eu perder tempo a defender algo? Acham MESMO, mas MESMO que fico ofendido por falarem mal do meus pais? Do meu clube? A sério? Só fica e se chateia com isso quem tem uma mentalidade e raciocínio fraco!

    • Spoky says:

      Crimes de ódio, discursos ofensivos não devia ser crime. Se eu disser “Gays não prestam” estou a falar em termo geral, isso afecta quem? Ninguem! Muda algo a alguem? Não! O problema é esse, deixam e importam-se com essas coisas, principalmente quando se tratam de opiniões pessoais e GERAIS.

      Excepto, repito EXCEPTO se utilizarem o vosso nome, foto ou alguma foto intima vossa ou ameaças que vão divulgar algo, ai sim é crime.

    • Gonçalo says:

      “as pessoas têm de saber lidar com a liberdade de expressão” – porquê?
      A liberdade de cada pessoa acaba onde começa a liberdade de outra. Se eu tenho que aprender a lidar a liberdade de alguém, basicamente estão a pedir-me para ceder um pouco da minha liberdade: a liberdade de ser quem eu sou, uma construção complexa de eventos que me trouxe até o que sou hoje. Não se pode pedir que toda a gente saiba distinguir o pessoal do impessoal da mesma maneira.

      Se alguém “tem que” alguma coisa são os libertinos de expressão. Têm que aprender a respeitar quem “criticam”. Têm que aprender a oferecer uma melhoria, em vez de uma cacetada. Têm que aprender que as pessoas são todas diferentes e que a mesma palavra tem significados diferentes para cada um.

      Criticar é fácil e só por si inútil. Quando não se tem algo a acrescentar mais vale estar calado.

      Respeitar, ajudar, oferecer, aí sim está o valor.

    • Whoknows says:

      Concordo plenamente…. Isto de “safe places” chegou a um ridículo que até já em algumas universidades já nem pode haver certas discussões porque ofendem x ou y, concordo que têm que haver respeito mas este tipo de políticas só vêm a estragar a liberdade de expressão

  4. Freitas says:

    Acho bem, porque o Facebook depois das queixas que eu faço só tem a dizer, não encontramos.

  5. Hugo Gomes says:

    Mais uns trocos para os alemaes

  6. Antunes says:

    Mais censura… Falta saber o que é Verdade ou Mentira, vai ser um governo a decidir isso?

    Se for um tribunal concordo, fora o resto é imoral!

    Imaginem um tipo de gravata com um job for the boy a clicar no botão a eliminar tudo que seja contra o governo…

  7. ervilhoid says:

    E quem determina o que é mentira oi não?

    Tanta notícia falsa mesmo dos ditos órgãos de comunicação “credíveis”..

  8. Sergio says:

    Assim à primeira leitura isto é algo que aplaude e que acho que faz sentido, contudo e após pensar um pouco na história mundial, a mesma diz-nos que há uma linha muito ténue que separa isto da censura.

    Aconselho-vos a ver a série Black Mirror, de uma forma inteligente e satírica exemplifica bem o poder e influencia da massificação das redes sociais. Não se pode impedir o crescimento mas acho que é importante estar bem explicito os direitos e deveres das pessoas no uso das mesmas. E, para isso, por vezes é preciso um travão para controlar toda a situação.
    Quem define esse travão? será a eterna questão, mas sem ordem e disciplina dá-se o caos.

  9. K0izo says:

    “Notícia de Última Hora: A. MERKEL contrata 7000 Gnomos Mágicos para analizarem e filtrarem conteúdos da web originados por Magia Negra. O Bruxo do Benfica parece que dará também o seu contributo para a causa.”

  10. ze manel pincel de papel says:

    Carrega Alemanha, estamos juntos contra os USA 🙂

  11. Jaquim says:

    Haviam de criar a mesma lei para promessas políticas. Não cumpre, 50 milhões e toca a pagar a partir pedra à moda antiga nas prisões.

    De resto concordo com o Hugo. A linha que separa é muito tênue e quem é que vai decidir o que é fake news e o que não é? Existem sempre várias versões da mesma história. O mundo não é objetivo é o que para mim pode ser uma piada, para outros pode ser considerado racismo.

  12. Alvega says:

    1º como forma de CENSURA, tem o meu repudio.
    2º como limite ao uso abusivo e indiscriminado de um direito que é de todos…(a opinião própria), acho bem desde que com regras, claras e objectivas, como parece ser o caso.
    3º Com o proliferar de noticias falsas, foi ainda há dias aqui no blog SUGERIDO que o leitor \ usuário , cruza-se informação para proceder ao despiste da informação, como na altura manifestei, acho estúpido\ impraticável, ser o usuário a ter que fazer esse tipo de trabalho, e SIM quem o PUBLICA, neste caso o proprietário da rede, pois o filtro (verdade \ mentira, bom \ mal, legal\ ilegal) deve estar sempre a MONTANTE do usuário \ leitor, é mais facil de implementar e responsabiliza quem deve ser pela disseminação de fakes \news.
    Quem vende material, roubado, contrafeito, ilegal…etc, é que tem de ser chamado há pedra, nao quem o compra, a meu ver, pois muitas das vezes nem sabe que o está a fazer, se duvidam…vejam as lojas de marca que vendem artigos ALDRABADOS, como se fossem legítimos. (foi um expl.)

  13. Janito says:

    “Notícias falsas” aka “informação que não nos interessa que ande aí a circular”, é engraçado como a história se repete

  14. Gato Maltes says:

    Na realidade trata-se de uma medida fascista para calar os críticos dos refugiados. Nao imaginam o quanto esses “refugiados” tem feito bosta. A criminalidade disparou. Provavelmente este meu comentario seria agora censurado na alemanha.

  15. Migas says:

    Com tanta porcaria que há hoje em dia na internet quase que me apetece dizer que isto é uma boa medida. Lol

  16. NT says:

    Responsabilizar redes sociais? Deviam era responsabilizar as pessoas que as usam. Quanto ás chamadas mensagem de ódio, só o simples facto de dizerem que estão “proibidas” estão a dar mais força a esse ódio.(a melhor maneira de expor esta ideia https://www.youtube.com/watch?v=X-jnuXPolGg pena não encontrar a entrevista completa mas ide aqui uma das partes mais importantes)
    Agora essa cena das “fake news” está na moda mas já existem à séculos… Será que coisas como o ataque ás torres gémeas, as armas químicas do Iraque, os banqueiros/fornecedores do Isis entre tantas outras artimanhas vão ser publicadas de forma verdadeira na Alemanha?
    Este tipo de noticias fazem-me lembrar de um poster que dizia “Fazer guerra para manter a paz é como fazer sexo para manter a virgindade”…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.