Quantcast
PplWare Mobile

Mercedes-Benz revela o SUV elétrico EQC… está a aquecer o mercado automóvel

                                    
                                

Autor: Vítor M.


    • Pedro Oliveira says:

      Isto foi um comentário só mesmo por ser comentário não foi? Ou é isso ou não percebe Ingles, o Fully Charged referi (várias vezes por sinal) que aquele era um carro de pré-produção e que só estaria disponível em 2019. Logo esta noticia está completamente correcta…

      • jrgaugusto says:

        Exactamento como o teu comentário;
        “…havia sido “descoberta” a fazer testes à viatura no passado mês…” quando o fullychargedshow – assim é o nome do show – é de 8 maio 2018 …actualizem-se!!

  1. helder says:

    O principio do fim da Tesla.
    Não souberam aproveitar o avanço que tinham, e agora, vão ser ultrapassados é uma questão de tempo.
    Obrigado Tesla por tudo o que nos destes, mas agora passa a “bola a quem sabe jogar”.

    • Gil says:

      HAHHA! isso é tudo muito bonito, até chegar ao momento de carregar a bateria. vamos ver quem é que marca golo, vamos ver que é que sabe jogar!

    • Wave says:

      Realmente é possível que a tesla tenha os dias contados. Mas isso também é uma motivação para reduzir custos, tornar os carros mais baratos, e menos dependentes de tecnologia.
      Possivelmente se tiverem bom censo são capazes de se juntar a uma outra marca automóvel!

      • pedro says:

        Muito bem, até que enfim alguém com visão e que fala de um caminho que pode ser seguido, se a Tesla pretender claro. Achava interessante a Tesla autonomizar baterias para os automoveis, independentemente da marca, tentando um standard (atenção não sei se já faz ou fez isso).

    • João says:

      Ou não…
      vamos por aqui um SE:
      SE de repente a Tesla surgisse com uma bateria capas de carregar até aos 100% em 10/15Min… será que ainda seria o fim?

      Além disso, será que a Tesla não ganhou já??? A Tesla – sozinha – virou o raio do mercado de automoveis electricos todo de pernas ao ar. “Ah e tal já havia conceitos/prototipos de carros electricos!!!” yap, e via-se quantos havia realmente nas estradas!!!

      (não, não sou nenhum fan-boy da Tesla, mas gosto imenso de apreciar o trabalho de quem está no topo. Assim como acho imensamente interessante as baterias de estado solido do Fisker – SE forem reais, claro)

    • Bruno says:

      Esse comentário, dá ideia de alguém que fica contente com o mal dos outros, o que transparece imediatamente que o helder é uma pessoa frustada e tudo lhe corre mal na vida.
      No entanto diria que se a Mercedes e todos os outros construtores se converterem para os EVs então a missão da Tesla (mesmo que a empresa “feche”) pelo menos em parte e no que refere ao setor automóvel será bem sucedida.

      “Tesla’s mission is to accelerate the world’s transition to sustainable energy.”

      PS: Não esquecer que a Tesla tem mercado em vários setores da sociedade, sendo o automóvel um deles.

      • sabichão says:

        “Tesla’s mission is to accelerate the world’s transition to sustainable energy.”
        Treta. A missão da Tesla é tornar-se uma grande empresa construtora automóvel e fazer dinheiro. Se os outros (isto é um SE) construtores conseguirem replicar a Tesla, a Tesla desaparece, uma vez que serão mais eficientes e terão melhores acabamentos, a parte que já fazem há mais de 100 anos. A Tesla tentou fazer demasiadas coisas ao mesmo tempo (além da motorização electrica, que fazem muito bem, os Tesla tem demasiada tecnologia não essencial). Mission failed.

      • Wishmaster says:

        O comentário dele nem foi muito nesse sentido, não é isso que transparece.
        Não mostra a felicidade dele, só está a fazer uma antevisão…E na verdade, parece-me que estará correcto. A Tesla está a perder terreno.
        Quanto à missão, claro que a missão da Tesla não é só essa.

    • Wave says:

      Independentemente do tempo de carga da bateria, que claro que vai diminuir como o João refere, aqui o importante é tornarem-se competitivos. A tesla impôs algo no mercado que mais nenhuma, e volto a referir nenhuma outra marca automóvel fez, que foi a autonomia incrível.
      Não vai ser o fim da Tesla, vai ser um impulso forçado. Além disso há muito tecnologia que estas marcas não têm. Quando a tesla investir asserio na Europa vamos ver como será o mercado.
      Elon é um visionário sem duvida nenhuma, e gosta de ganhar dinheiro, mas penso que gosta ainda mais de ver as suas ideias a circular. Ele está a impor uma nova tendência no mercado e isso ninguém pode negar, e em 7/8 anos isto vai estar mesmo de pernas pro ar.

      OBS. o preço disto vai ser bonito vai… se acham a tesla cara vamos ver a mercedes.

      • Cortano says:

        E estas marcas têm algo que a Tesla não tem: Mercado e infraestruturas de produção, venda e apoio ao cliente.
        A Mercedes (ou outra marca qualquer de automóveis), tem uma rede enorme pós-produção, tem stands por todo o lado, concessionários, oficias, lojas, etc.

        Mas vocês acreditam mesmo que as marcas andaram a dormir e só acordaram agora?!? LOL

        • Wave says:

          E pensas que isso chega? Carros com 100km de autonomia, só porque há mais oficinas?
          Uma autonomia mais baixa pelo mesmo preço só porque as outras marcas têm mais oficinas? Pelo preço que este carro custa vais e vens a lisboa que possui um centro oficial da tesla, e sobram uns trocos valentes…
          As marcas não andam a dormir, apenas não querem sair da sua zona de conforto. A verdade é que mais e mais se vêm as pessoas a querer adotar elétrico, e as marcas sabem disso há muito apenas não o querem fazer, a tesla foi um exemplo, veio “desridicularizar” o elétrico e mostrar o seu potencial. Hoje em dia existem marcas com 200/250 km de autonomia mas nenhuma atinge os valores da tesla.
          Este mercedes é capaz de la chegar, mas o preço veremos…
          O petróleo ainda manda muito, volto a dizer.

          • Cortano says:

            Pelo queo artigo diz, a autonomia deste é de 400 Kms!
            A evolução das baterias e da sua autonomia é uma tecnologia que evoluí para todos, não apenas para a Tesla!
            Além do mais, caso as baterias da Tesla evoluam mais que as outras, quem te garante que as outras marcas de carros não passam a meter as baterias da Tesla nos seus carros?
            Achas que a Tesla iria recusar um negócio de milhões com vários construtores automóveis?

            As baterias que vão equipar estes Mercedes aposto que são fornecidas por outra marca (eventualmente, uma parceria de desenvolvimento com um fabricante de baterias).
            E falo da Mercedes como poderia falar da Nissan, da BWM, Peugeot, ou seja lá que marca for.
            E há cada vez mais mais marcas/fabricantes de baterias a aparecer e a desenvolverem novos produtos.

          • wave says:

            Volto a dizer, queixam-se dos preços da tesla vamos ver o preço deste mercedes. Este carro vai ser caríssimo ainda por cima sendo mercedes. Vai ser para os ricos só e apenas. 400km de autonomia mas a que preço?
            As baterias sao provavelmente da Lg, que é a marca que anda a liderar nesse mercado.
            Nunca disse que nao poderá vender, aliás se fores ler mais acima até digo que com bom censo até se juntam a outras marcas.
            Aqui o que eu falo é no que a tesla fez ao mercado, e nos preços que estao actualmente a praticar, nos USA. Ninguem bate o model 3 por exemplo. Ok ha poucas oficinas, mas ao menos o carro chega la 😉
            As marcas estao agora a avançar para o mercado forçadas por causa deste impulso da tesla, quer queiram ver isso quer nao…

          • Cortano says:

            @WAve: Claro que vai ser caro!! É um Mercedes!

        • Wave says:

          Eu falo na tesla apenas porque não vejo outra marca a fazer algo similar. A única para já que vejo a evoluir é a Nissan. Está a ficar com melhores autonomias, e com linhas mais atuais. Os preços são de encontro ao mercado atual, caros.
          Contudo, e não existindo ainda uma grande rede de assistência em Portugal por parte da tesla, e não existindo ainda os model 3 penso que é a melhor opção para o momento.

          • Cortano says:

            Já vários responsáveis de marcas automoveis disseram no passado que ainda não tinham entrado no mercado dos EVs porque ainda não era altura certa, ainda faltava (e falta), evoluir muita coisa para que os EVs sejam uma real alternativa aos veiculos de combustão.
            E não se trata apenas dos lobbies do fuel. O problema da produção e transporte de energia continua a ser um problema por resolver.

          • LFC says:

            Por acaso, já ouviu falar no Jaguar I-PACE?

    • Gonçalo says:

      Newsflash, helder: o negócio da Tesla a 10 anos não são carros. São baterias.

    • Pérolas says:

      Viaturas aldramães? Não obrigado! Já fui enganado o suficiente! Há que ter amor próprio!

  2. traveller says:

    Postos carregamento rápido Tesla 30 minutos para 300km’s só em PT são 44 da Mercedes são 0 mas sempre pode usar os rápidos da Mobi.e que carregam 150km em 30 minutos e estão sempre ocupados ou avariados.
    A Tesla está 10 anos a frente dos outros em Mobilidade Eléctrica.

    • Cortano says:

      Mas tu achas mesmo que o futuro é cada marca ter o seu posto de carregamento?!? LOL

    • sabichão says:

      Se usares os superchargers o tempo todo, ficas sem bateria em pouco tempo. A propria Tesla limita o numero de vezes que podes usar o Supercharger à velocidade máxima.

    • Rui says:

      Achas mesmo que é um avanço cada marca ter o seu carregador que não funciona com outras marcas? É um completo disparate!
      Vê onde é que eles estão: https://www.tesla.com/pt_PT/findus/list/superchargers/Portugal
      Achas mesmo que os condutores vão deslocar-se mais de 100km para carregar os seus carros!?

      • Traveller says:

        Rui, eu sei bem onde os carregadores estão e os mesmos servem para carregar em viagens grandes e estão em pontos estratégicos (Norte-centro-Sul e Europa) de resto para o dia a dia carregas em casa.

        sabichão sabes o que dizes? não vejo nenhum P100D ter a velocidade máxima de carregamento limitada, podes indicar qual o pouco tempo que algum Tesla ficou sem bateria?

        Cortana eu não disse isso, mas é a realidade de hoje.
        Com outro carro elétrico não Tesla ficas há espera horas nos 30 carregadores rápidos existentes em portugal ocupados sempre por uber’s e depois quero ver sair de Portugal com o carro elétrico não Tesla vais ter que ter uma meia dúzia de cartões e mesmo assim.(O futuro não vai ser assim mas até não ser a Tesla é rei e Senhor).

        Já agora depois de sair a apresentação então ainda me estou a rir mais com este Tesla Kill 320Km de autonomia Real para uma carro que só vai ser comercializado em 2019? ahahhah ou vem muito barato o que duvido ou nem chega aos calcanhares do Hyundai kauai.

        Uns querem mesmo outros não querem mesmo faz lembrar a Agfa,Minolta,etc na fotografia analógica vs fotografia digital.
        Mais uma vez uma mão cheia de nada, continuo a aguardar.

  3. helder says:

    Eh pá, fui mal interpretado.
    Não fico contente com o mal dos outros, muito pelo contrario.
    Oxalá a Tesla se safe, mas as coisas são como são.
    A Tesla vai ter de ser reestruturada porque não tem capacidade nem conhecimento para ela própria montar os carros.
    Ao contrario das outras marcas.
    O que vai acontecer é que vão todas beber do que a Tesla fez de melhor e otimizar.
    Coisa que a Tesla nao consegue fazer.
    O próprio Elon Musk já disse que a salvação da Tesla passa passa pelo volume e não pela tecnologia.
    Gostava de ver era a Tesla a colocar a sua tecnologia noutras marcas, ” mercedes powered by Tesla.
    Um pouco como nas e-bikes, em que a ajuda eletrica é fornecida por terceiros.

  4. censo says:

    Elétrico é nicho de mercado que tem de se aproveitar, no longo prazo, não passa de pura fantasia.

    • Wave says:

      Então qual é a alternativa?

      • censo says:

        Já pensaste no que é abastecer estes veículos ? Faz lá o exercício: por exemplo, imagina que o parque automóvel atual é maioritariamente elétrico e só restam ums carritos a combustão. Consegues ? E cada marca com um sistema de abastecimento/carregamento ?? Já pensaste ?Alternativa muito mais viável é o hidrogénio.

        • wave says:

          Hidrogénio é muito mais instavel e de dificil armazenamento. Embora seja uma boa alternativa é muito mais perigosa.
          Há que adoptar novas tecnologias… parques inteligentes, e universalidade do genero do USB

          • censo says:

            É a alternativa de massificação. O caminho será por aí. Parques inteligentes ?? Quem os paga ? Tu ? a marca ? Universalidade ? Quem está interessado nisso se se dedicar ao nicho ? Não há qualquer racionalidade económica no electrico. Pura moda fantasiosa.

          • wave says:

            Basta existir regras para tal acontecer mais nada. Aconteceu com enumeras coisas porque nao com os carros eletricos? vais a umas bombas de gasolina as agulhetas tem todas de entrar no local para abastecer, vai acontecer o mesmo.
            Quem paga as bombas de gasolina? da mesma forma que existem locais para abastecer carros a combustão irão existir alternativas para a energia eletrica. Vais pagar tu, vou pagar eu, e vao pagar os contribuintes todos com os impostos. A unica vantagem para as companhias é que nao vao haver custos humanos, apenas custos de manutenção.
            Mas seja o hidrogénio meu caro, o que nao falta é disso cá. Depois cada carro tambem terá o problema do encaixe da ficha mas la esta a universalidade servirá do mesmo modo, agora problemas irão existir da mesma forma.

    • Bruno says:

      Só o tempo o comprovará mas afirmo desde já que estás errado!!
      – Electrico já é uma realidade, as vendas são cada vez maiores e não há oferta para a procura. o Futuro tem tudo para ser ainda melhor. apesar dos + de 100 anos de desenvolvimento contra 2 décadas o motor de explosão não tem qq hipoteses com o eléctrico e esta é uma realidade.
      – é sabido que o Ser Humano custa a mudar, mas é um Ser que se habitua até os mais cépticos irão dar o braço a torcer.
      – quase apostava que em tempos disseste que o Telmv seria pura fantasia 🙂

      • Wave says:

        +1
        Essa das duas décadas de desenvolvimento não está muito bem, só se for para a industria automóvel aí concordo. O motor elétrico pouco evoluiu com o passar dos anos, até porque havia pouco a evoluir, é uma peça de tecnologia muito simples! Motores a combustão uma quantidade de peças absurdas a mexer, motor elétrico meia dúzia. Para além de simples é fiável, há pouco por onde avariar.

        • Ruy Acquaviva says:

          Rapaz, o despautério que tu dissestes é monumental. Ao CONTRÁRIO do que dizes, os avanços em relação aos motores elétricos nas últimas décadas foram extraordinários.
          Em parte foi fruto do também fenomenal desenvolvimento da engenharia de materiais, em parte pelo uso dos avanços da tecnologia da informação e em parte pelo desenvolvimento da engenharia elétrica mesmo.
          A relação peso/potência dos motores elétricos é hoje completamente diferente de uma ou duas décadas atrás. Os enrolamentos são projetados por computador, novos materiais como o neodímio permitem campos magnéticos mais densos e redução das perdas na forma de calor.
          Enfim, a eficiência dos motores, dos geradores e das linhas de transmissão foi muito grande nos últimos vinte anos.

          • wave says:

            O que eu me estava a referir foi ao principio de funcionamento mais nada. O que evoluiu foram os materiais usados, o principio está la ha muitos anos…

      • censo says:

        Não tens hipótese. Se as marcas todas tem a tecnologia, porque não a massificam. Não é viável. Por isso tens carros de luxo para um nicho de mercado. Não tens “carros do povo”. Impossível montar uma logística para abastecer/carregar todos os veículos como hoje abasteces um carro a combustão.

  5. helder says:

    E já agora na minha opinião, o futuro dos elétricos vai passar por marcas como Nissan e Renault.
    Estao a ter muito sucesso sem gastarem fortunas com o desenvolvimento.
    E com isto a terem know-how para se tornarem referencias nos carros que a esmagadora maioria pode comprar.

  6. Malic X says:

    Com a tecnología actual, baseada em baterias obsoletas os carris elétricos não vão a lado nenhum. O motor elétrico é algo tão banal em tantos setores e super eficiente. Mas quando depende de baterias é o fiasco. Até os submarinos tiveram que adotar outra tecnologia. Nuclear claro

  7. Jorge says:

    Mercedes + electrónica + electricidade … e agora com mais baterias …. tem tudo para correr mal se não forem mais rigorosos na qualidade.
    Tive o azar de comprar uma carrinha nova dessa marca e nem vos passa os problemas eléctricos (lâmpadas sistematicamente fundidas) e de electrónica (painel de instrumentos) que tive.
    Somando a muita falta de know-how em muitas das oficinas oficiais com “mão de obra especializada” !!

    Oxalá consigam melhorar a qualidade para não prejudicarem futuros compradores e fãs desta marca.

  8. M.Fontes says:

    0-100 em menos de 5s
    Quando esse Mercedes sair a Tesla vai ter o Roadster que 0-100 em menos de 2s
    Se for como os lowcost da série A e C em qualidade, esse elétrico vai ser estupendo.

  9. Uteca says:

    Atualmente esta tecnologia já está obsoleta mal chegou ao mercado.
    Já se fala de soluções viáveis, desde a água salgada íonizada à substituição do eletrólito das baterias, tal como quem abastece de combustível, ao armazenamento do hidrogénio congelado.
    O problema são os custos da investigação, da colocação das produções, que tem de ser pagas por alguém, que nestes casos são os consumidores.
    As marcas estão obrigadas à contenção, avaliar e desenvolver a tecnologia a ser produzida, qualquer investimento mal calculado, pode ser o poço para qualquer marca.
    Acredito que num futuro muito próximo, e agora inevitavelmente incontrolável pelos interesses das petrolíferas, vai haver grandes novidades, fazendo destas guerrinhas, um autêntico achou de gargalhadas.

    • Wishmaster says:

      Fazes ideia de quantos materias precisas para fabricar uma bateria..?
      Não estamos a falar de alumínio, aço, ferro, etc…Estamos a falar de materiais raros…Imagina o parque automóvel mundial ser todo eléctrico mais as baterias de substituição quer nas estações de “abastecimento” quer nas marcas para serem vendidas…uma loucura…

      • Pérolas says:

        Se formos por ai, quantos materiais são precisos para fabricar um motor a combustão? Com o petróleo e os seus derivados que contribuiram para catástrofe em que nos encontramos.

        Actualmente temos duas tecnologias muito promissoras: veículos electricos e a hidrogéneo. Pena é que o hidrogéneo não tem expressão em Portugal.

        • Wishmaster says:

          Não tem nada a ver… No motor de combustão actual são utilizadas ligas de ferro, alumínio, aço, etc…tudo materiais que encontras em abundância.
          Já os materiais raros, não se passa a mesma coisa.
          Li há tempos um relatório quanto ao lítio, que já há estimativas para o ano 2050…apesar de ser abundante. Mas com a grande procura, um autor calculou que nesse ano as reservas serão escassas.
          Apesar de haver quem diga que temos recursos para 365 anos (U.S. Geological Survey ), a verdade é que fizeram-no com a procura de 2013 ou 2014, de 33 mil toneladas métricas.
          Produzir 100 milhões de veículos eléctricos por ano (este número será muito reduzido para o que se irá produzir se estes veículos forem adoptados em massa pelas populações – pensa que só nos EUA foram registados desde 1990 cerca de 260 milhões de veículos; em 2016 foram comprados 6,3 milhões de veículos…) consumirá 800 mil toneladas métricas.
          Em 2014 estimavam-se reservas de 13,5 milhões de toneladas.
          Isto fornece recursos para 17 anos, se fizeres 100 milhões de veículos por ano.
          Claro que a corrida ao lítio começou e a produção tem procurado novas reservas, pelo que as reservas conhecidas em 2014 vão aumentar. É um número em actualização até chegarmos ao “pico” do lítio (há quem duvide que este pico vá existir, por considerarem que as reservas são vastas).
          Temos o caso do petróleo e gás natural, em que nova tecnologia permitiu o chamado fracking e aumentar as reservas (se bem que estes poços têm uma vida de produção muito curta, cerca de cinco anos e a quantidade extraída sempre a diminuir drasticamente ao longo desse tempo…).

          À parte o que dizem por aí os analistas, com diferentes opiniões, sinceramente, acho que é insustentável. As novas baterias é que poderão trazer novidades optimistas, mas a Toyota falhou a produção em massa da bateria com nova tecnologia e estima que só em 2030 o consiga fazer…
          O carro eléctrico não é uma novidade (o próprio Tesla já tinha feito um carro eléctrico e testou-o) e não foi o Musk iluminado que viu oportunidade de negócio nessa área…A questão é mesmo a dificuldade de produção e dos recursos, daí que não sei se isto não será uma bolha em que os grandes fabricantes de automóveis acabaram por ser arrastados pelo marketing da Tesla….

          Veremos 🙂

          • Wave says:

            O lítio é um recurso muito usado, mas se reparares na produção da bateria da tesla usa-se ainda mais o cobalto… As reservas vão acabar se os produtores forem burros, é preciso intensificar de uma forma gradual a exploração e não deixar essas reservas irem ao fundo.
            Apesar de tudo o segredo penso que está em novas formulas químicas e no domínio do elemento Silício, que armazena muito mais energia mas tem a desvantagem das variações de volume.
            Ao que dizes do carro elétrico, não é novidade mas a sua autonomia é, e é isso que distingue a tesla de todos os outros pelo menos para já.
            O marketing é muito reduzido, e o produto em si é o seu principal motor. Digamos que é mais um passa a palavra do que outra coisa.

          • Ruy Acquaviva says:

            As baterias mais modernas usam eletrólito de fosfato de ferro, sem cobalto. Você está desatualizado (bastante). As baterias que usam Cobalto ainda são produzidas porque as fábricas construídas precisam se pagar.
            O Cobalto é largamente usado em várias aplicações onde seu consumo é muito maior que nas baterias, incluindo a indústria de Petróleo e em ligas de aço usadas em automóveis convencionais (virabrequins e engrenagens de caixas de redução entre outras peças):
            ligas metálicas: superligas usadas em pás de turbinas a gás, turbinas de aviões, ligas resistentes a corrosão, aços rápidos, carbetos e ferramentas de diamante.
            Imãs do tipo (Alnico) e em cintas magnéticas
            Catálise do petróleo e indústria química.
            Revestimentos metálicos por eletrodeposição devido ao seu aspecto, dureza e resistência a corrosão.
            Secante para pinturas: tintas e vernizes.
            Revestimento base de esmaltes vitrificados.
            Pigmentos: cobalto preto e cobalto verde.
            Cabos de aço de pneumáticos.

          • Ruy Acquaviva says:

            O Lítio é usado em várias aplicações:
            – em baterias; sendo bastante comuns as que usam íons de lítio em sua composição. Também pode ser usado para fabricar pilhas (baterias não recarregáveis)
            – adicionado em vidros para reduzir o coeficiente de expansão térmica e baixar o ponto de fusão
            – compostos com lítio são usados na produção de plásticos, borrachas sintéticas e medicamentos.
            – em química orgânica o Li3AlH6 (hidreto de alumínio e lítio) é usado como agente redutor
            – ligas de alumínio que contém uma pequena quantidade do elemento são mais leves, e são utilizadas na fabricação das asas e componentes estruturais; nestes casos a quantidade de lítio adicionado costuma não ser maior do que 2,5%
            – na forma de carbonato de lítio é usado como medicamento psiquiátrico; o composto também encontra aplicação na indústria – do alumínio e na fabricação de baterias
            – na área nuclear o elemento pode ser usado em reatores de geração de energia e em bombas termonucleares
            – na fabricação de graxas e lubrificantes
            – o fluoreto de lítio tem aplicações ópticas interessantes por ser um cristal transparente à radiação ultravioleta de onda curta
            – na fabricação de cerâmicas resistentes ao calor e ao choque térmico; inclusive com uso na cozinha
            – na secagem de ambientes úmidos; o LiCl é bastante higroscópico
            – LiH tem sido pesquisado como uma possibilidade na estocagem de hidrogênio; com a dificuldade de ser um composto instável

            Sendo que a aplicação que mais consome Lítio é a produção de vidros e cerâmicas. A produção de lubrificantes especiais, usados inclusive nos automóveis convencionais também consome lítio.

            Há um esforço muito grande para apresentar o automóvel elétrico como alguma coisa menos sustentável que o automóvel convencional mas não é fácil. A única arma é a desinformação pois os automóveis elétricos tem menos peças, com menos desgaste e muito menos necessidade de manutenção. Não usam “materiais raros” em abundância. Não se pode dizer que o Lítio seja um material raro e sua reciclagem é perfeitamente viável.

            O grande problema do automóvel elétrico é a questão da escala de produção e da transição tecnológica, pois os indices de autonomia e tempo de recarga já colocam esses veículos dentro de padrões viáveis para várias aplicações, mas a pequena escala de produção e a ausência de uma infraestrutura de suporte já instalada em larga escala, como já existe para automóveis convencionais, são fatores limitantes.

          • Wave says:

            @Ruy Acquaviva, não estou não… você falou em baterias modernas, e eu nas baterias da TESLA. ora as baterias da tesla são as baterias que todos querem e são as que vao tendo algum desenvolvimento, eu chamo a isso “moderno”. Se for pesquisar um bocadinho tal como eu fiz, as baterias são praticamente feitas com 30% de cobalto… não me venha dizer que não se usa cobalto….
            Sim também se usa lítio eu sei, mas nas tesla usa-se mais cobalto que foi o que eu disse. No model 3 por exemplo foi publicado pela tesla “The cobalt content of our Nickel-Cobalt-Aluminum cathode chemistry is already lower than next-generation cathodes that will be made by other cell producers with a Nickel-Manganese-Cobalt ratio of 8:1:1.”.
            Até pode ser verdade o que diz, mas não tira razão ao meu comentário.

          • Ruy Acquaviva says:

            A Tesla usa baterias com eletrólito a base de Cobalto, mas não é o único tipo de bateria que existe. A chinesa BYD usa baterias a base de fosfato de ferro. Informe-se.
            As baterias de lítio com eletrólito a base de Fosfato de Ferro já existem há algum tempo mas a densidade energética era menor que a das baterias com eletrólito a base de cobalto. Mas novos avanços trouxeram a densidade energética dessas baterias para valores muito próximos que as de Cobalto. Apesar da densidade energética um pouco menor, elas tem a vantagem de ser de construção mais barata e de ter a reciclagem mais fácil.

          • Wave says:

            Outra vez arroz? eu falei nas baterias da tesla, você esta a falar noutro tipo de baterias, onde é que o meu ponto está errado?
            WAVE-“O lítio é um recurso muito usado, mas se reparares na produção da bateria da tesla usa-se ainda mais o cobalto…” DA TESLA
            Eu não disse que era a única que existe…
            Está a dizer informe-se mas não está a ler o que eu escrevo. Eu já disse e volto a dizer, até pode ter razão no seu comentário mas não tira a razão do meu…

  10. Wishmaster says:

    Esqueci de mencionar outro problema (mas é transversal a todos os sectores quando se introduz outra tecnologia): o desemprego.
    Trabalhadores das fábricas e os mecânicos das oficinas…O VE não interessa a ninguém. Outra tecnologia, mesmos problemas (ou maiores…).

    • Bruno says:

      lá vem a conversa do desemprego….
      a sociedade nunca evoluiu tanto como hoje em dia e não é por causa disso que o desemprego aumenta, bem pelo contrário, sempre que aparece algo novo são novas oportunidades para todos.
      Já agora… o que não interessa a ninguém é meter 10 Litros de combustivel no carro e 7 desses litros serem despejados para a sarjeta!!!

      • Wishmaster says:

        Exacto…então isto é o quê…?
        https://www.pordata.pt/Portugal/Taxa+de+desemprego+total+e+por+sexo+(percentagem)-550

        Mas tu é que sabes, não é?
        Vê o relatório que saiu hoje:
        “According to the report, which brought together the results of various recent studies, a rushed shift to full electric vehicles will have a profound impact on employment. This is because the production and maintenance of battery electric vehicles is less labour intensive than conventional ones, given their lower mechanical complexity and fewer parts.”

        “Europe’s automotive suppliers are expected to produce roughly 38% fewer parts and components for electric cars, compared to a loss of around 17% for automobile manufacturers” maintains ACEA.”

        Lê mais aqui: https://www.just-auto.com/news/acea-raises-electric-vehicle-employment-concerns_id184323.aspx

        Mas isto já era evidente pelo conhecimento que se tem dos carros a combustão (CC) e os carros eléctricos (CE). A manutenção no CE é mínima. No de combustão não é.

        O número de peças no motor do CC é enorme (mais de mil. fabrico das peças, substituição das peças, por marcas oficiais ou revendedores). No CE não é.
        Como sempre, mais tarde, os desempregados serão obsorvidos por outros sectores, mas muitos, devido à idade, não o conseguirão fazer. Além disso, a absorção leva sempre algum tempo até encaixarmos as pessoas noutros sectores (serviços, etc), o que causa milhares e milhares de desempregados durante algum tempo.

        Desvalorizar o desemprego, ainda que momentâneo, como tu o fizeste, por estarem fartos dessa conversa, é o que os governantes fazem. Porquê? Devido à falta de empatia, na vertente da capacidade de se colocarem no lugar do “outro”. De perceber as dificuldades que as pessoas passam quando se encontram numa situação de desemprego, ainda que momentâneo, por causas previsíveis (como é a introdução de uma nova tecnologia) e cujas consequências podiam ser mitigadas de forma a não provocar choques nas famílias.
        E ainda que alguma vez tenhas tido uma situação de desemprego em que corre tudo bem, nem todas as situações são exactamente iguais, pelo que devem os governantes olhar para essas situações. Prevendo-se a introdução de uma nova tecnologia, é necessário olhar para as situações de desemprego com outro olhar. Não como tu fizeste, do género “oh não, outra vez esta conversa, que chatice”.

        • Bruno says:

          Se quiseres dou-te 30 relatórios da BP a dizer que o petroleo é que é poluido pela água… tb te dou outros tantos da Malboro a dizer que o O2 é que promove o cancro do pulmão =D
          mas como gostas de gráficos tenho aqui um para Ti que apresenta dados do desemprego a nivel mundial nos últimos 27 anos, os dados são da WorldBank uma organização que luta contra a pobreza https://data.worldbank.org/indicator/SL.UEM.TOTL.ZS
          – Como podes verificar apesar de toda a evolução tecnológica que aconteceu nos últimos 27 anos por incrivel que pareça e segundo os dados desta organização o desemprego a nivel mundial até parece que baixou em relação a 1991.
          Conclusão final: o medo do desemprego não passa disso mesmo, a sociedade vai continuar a dar o salto e cada vez mais rapido, as pessoas “vão” ter de acompanhar como têm sempre feito até hoje.
          aquele abraço

    • Wave says:

      Neste momento iria causar um crash mas não repentino como isso. Seja a tecnologia que for, os carros a combustão ainda vao andar aí por muitos anos, e a mecânica vai continuar a ser precisa.
      De uma maneira geral carros terão de ser contruídos e peças desenvolvidas. Os jovens vão aprender a nova mecânica, e as pessoas mais velhas aprendem se quiserem.
      Mas no fundo foi dita aqui uma verdade, que há muito interesse por trás disto tudo…

  11. Leitor atento says:

    Depois do que li, vou já colocar o meu Model S para venda.

  12. Wishmaster says:

    @wave
    Com o cobalto a situação é ainda mais complicada, daí os esforços da Toyota no sentido de de desenvolver tecnologia que dispense este material do fabrico das baterias.

    • Pérolas says:

      Não sei o que pensam, mas, acho que os fluel cell (hidrogénio) podem ser uma boa alternativa complementar aos electricos, pois, o abastecimento é rápido e o resultado é… água…

  13. Wishmaster says:

    Encontrei isto no site da Nissan:
    “The battery capacity is highly reliable and durable, it has a warranty of 160,000km ”
    Garantia de 160 mil km ou 8 anos… Conheço pessoas que fazem 160 mil km em 4 anos e meio….
    Já vi aqui dizer que um Tesla fez muitos km’s e a bateria estava ok, até chegar a X kms e quase morre ou a longevidade de um ciclo cai abruptamente…?
    30 mil euros por um carro que ao fim de 4 anos e tal tem que ser substituído ou substituir as baterias (40% do custo do carro é a bateria)…? 45 mil euros….
    Ainda temos que ver se os Teslas e outros aguentam 200 mil, 300 mil km…aguentam nada…

    https://www.nissan-global.com/EN/TECHNOLOGY/OVERVIEW/li_ion_ev.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.