PplWare Mobile

YouTube: este é o segredo e possível perdição da plataforma da Google


Imagem: WSJ

Fonte: Fortune

Desenvolveu desde cedo o gosto pela escrita e comunicação. Em leis formado, tem como hobbies a aquariofilia e a música. Mas é na tecnologia que encontrou o seu expoente máximo e no Pplware a plataforma ideal para a redação e produção de vídeo.

Destaques PPLWARE

  1. Asdrubal says:

    Já tinha visto um vídeo do Gustavo Pinheiro https://www.youtube.com/watch?v=OH4NXmtndxQ em que ele diz que de certa forma se pode orientar o Youtube para visualização de crianças de certa forma mais expostas que pode “agradar” a pedófilos.

  2. Ivan says:

    Excelente matéria.

  3. Bruh says:

    Uma criança de 4 anos não pode trabalhar, no entanto, pode ser explorada pelos pais para fazer dinheiro com vídeos. Essa nunca percebi. Não devia ser permitido. Quanto a como tirar o youtube deste buraco, isso já é demasiado para a minha pobre cabecinha. 🙂

  4. Erdogan says:

    É acabar com o Youtube e plataformas sociais que só têm vindo a estragar as mentes mais fracas das crianças, e tornam-se um chamariz para os predadores.
    Controlar os feeds é essencial em qualquer plataforma social. Mas a ganância….

  5. Vítor Oliveira says:

    A minha opinião quer gostem ou não , os pais têm a grande parte da culpa. Como e possível crianças terem videos próprios na internet? Não estou a desculpar quem usa essas imagens para maus fins, antes pelo contrário . Agora julgo que a primeira linha de defesa passa por não facilitar. Qual é a necessidade de crianças estarem expostos na web? Atualmente parece que temos uma crescente vontade de aprovação pelos outros.

    • DrFrank says:

      Concordo. Não desculpando quem usa para maus fins, mas há coisas que simplesmente não devem ser publicadas nem partilhadas online.
      Tem tanta culpa quem colocou a municão na arma como aquele que disparou o gatilho nestes casos.

    • Fredbeta says:

      Concordo totalmente. Além do que YouTube não foi criado para crianças. E para criança existe o kids

  6. Gilmar Ramos says:

    Quanto mais infantil é o conteúdo e menos credibilidade tem a plataforma, mais sujeita fica a empresa a uma investigação pelas entidades governamentais.

    Aqui eu só fazia uma troca na ordem das palavras:
    (Quanto mais infantil é o conteúdo, menos credibilidade tem a plataforma!
    …..
    Está dito!

  7. sergio miguel says:

    O lucro, lucro $, Outro cenário (não quero fugir do tema), mas outro cenário é o das “fake news”, o Facebook finge querer preocupar-se com o assunto e elimina algumas páginas de fake news. Mas isso é uma enorme fonte de receitas. Muitos posts são financiados (as empresas publicam fake news e pagam ao Facebook mais de 50 dólares por publicação), alguns dos links eu pesquisei e descobri que as empresas de “media” tinham mais de 16 domínios web registados para propagar fake news (alguns anúncios idiotas sobre enriquecer, que até utilizavam o rosto de actores famosos da TVI ilicitamente), mas como são anúncios pagos $ o Facebook lucra, e continuo a ver posts desses todos os dias.

  8. DrFrank says:

    Vários pontos a tirar deste artigo:
    1. no que toca à publicidade apresentada antes/durante o video: as marcas não querem estar associadas a polémicas e outras situacões menos positivas. É sinal que vivemos num tempo em que qualquer coisa pode ofender qualquer pessoa e a qualquer altura. O que é aceite hoje, amanhã pode já não o ser.

    2. Tirem os vossos filhos da porcaria do youtube! Porra.. levem-nos ao parque, joguem jogos tabuleiro, passeio de bicicleta… tudo menos enfiar tablet/tlm/tv nas mãos com youtube, netflix e outras.

    3. Apresentarem publicididade nos videos dirigidas a adultos porque os criadores apercebem-se que há adultos a ver. Não sei se será bem assim, já que a maioria não se dá ao trabalho de se ocupar dos filhos e de lhes dar atencão..duvido que percam uns minutos a criarem uma conta à crianca. Mais provavel é terem o login feito com a deles, depois no analytics aparece a idade média de visualizacoes perto dos 30.. refletindo as tais contas dos pais perguicosos.

    4. Ganharem dinheiro à conta da exploracão do puto para fazer unboxing/reviews a brinquedos? A sério? a crianca até agradece, brinquedo novo para brincar. Mas qual percentagem vê do rendimento obtido em publicidade?

    5 e último: O youtube e outras plataformas de videos (e jogos tbm) não são substituto pela educacão dada pelos pais.

  9. AlexX says:

    O youtube está marimbando para a protecção das crianças (desde que é da goo). Os governos idem “”. Tal como muitos pais, que deviam ser os primeiros a zelar pela segurança e educação dos seus filhos e no entanto os cedem/alugam para redes de prostituição ou metem-lhes a Internet à frente só para que não chateiem. Ao youtube interessa facturar e seguir a campanha do degredo promovendo personagens como esse Jake Paul e os Desmond “Lactatia” que se vão semeando e multiplicando.

  10. Luka Orta Esterla Daurte says:

    Eu nunca gostei do YouTube. Excelente notícia Sr. Dr. Rui (Apelido)! Tudo muito bem explicado!

  11. nop90 says:

    Só se errar muito como pai é que filho meu vai ver youtubers portugueses.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.