Quantcast
PplWare Mobile

iPhone 11 passou 6 meses no fundo de um lago… e ainda funciona!

                                    
                                

Autor: Marisa Pinto


  1. Anibal says:

    Boas Camaradas e amigos da Paródia.

    Ora vamos lá esmiuçar a “coisa”.

    Estima-se que o iPhone 11 tenha ficado então durante 6 meses numa profundidade de cerca de 2 metros.

    Apesar de uma equipa ainda ter tentado recuperar o smartphone caído em águas profundas, verificou-se que essa era uma tarefa impossível de alcançar naquele momento.

    Se 2 metros são águas profundas, que dizer quando tem 1 km , 2 km …. nem falo das fossas da minha prima Mariana… abraços inté

    • Marisa Pinto says:

      Mas ninguém disse que a tarefa era impossível por causa da profundidade. O lógico será devido à dimensão do lago provavelmente.

      • LR says:

        Realmente não sabemos porque não o conseguiram recuperar. Mas quando vocês, na redaçãodo artigo, se referem a uma profundidade de 2 mts como “profunda”, é realmente ridículo. Qualquer pessoa consegue “mergulhar” a dois metros de profundidade sem grande esforço. Também não vamos para o exagero do Anibal, 1km, 2km, não é? Isso só com submersíveis tipo o Alvin.

        • Marisa Pinto says:

          São estimativas, nada disto foi confirmado. Mas para ser profundo tem que ter X metros? Profundo é um adjectivo, caracteriza estar no fundo de algo.

          • LR says:

            “Apesar de uma equipa ainda ter tentado recuperar o smartphone caído em águas profundas”; “numa profundidade de cerca de 2 metros”. Palavras vossas. Além disso, basta ver o video para perceber que a profundidade é realmente muito pequena. Qualquer pessoa que tenha experiência em mergulho vê que a profundidade é muito pouca.
            De qualquer forma, não é dito qual foi a dificuldade em recuperar o smartphone inicialmente, é verdade, mas que não foi a profundidade a que estava, isso garanto que não foi.

          • Paulo Pinto says:

            Definição de profundo da Porto Editora: adjetivo: cujo fundo está muito baixo ou fica muito longe em relação às bordas ou à superfície; muito fundo; baixo; inferior.

  2. Joao says:

    Desculpem mas será que ao menos leem o que escrevem ? 6 meses no fundo do mar e a bateria ainda tinha 96%? Só podem estar a brincar pois o meu ao fim de dois dias acaba a bateria e mesmo que tivesse desligado ( um pouco estranho para quem perdeu o telefone que tava a tirar fotos) ele
    De certeza que tinha bateria 0 Desculpem mas 6 meses? Não brinquem com coisas sérias sff

    • sayWhat says:

      Tbm duvido um bocado da veracidade destas histórias.
      Mas segundo o que está descrito, o iPhone estava desligado.

      • Galo says:

        É verdade que estas historias têm sempre o seu q.b. de duvidoso. No entanto, acredito ser possivel. O iphone 11 tem certificação IP68, e pelas imagens ainda se vê que tinha uma capa plástica protetora, que terá ajudado na impermebialização.
        Depois provavelmente é lago de água doce. Em água salina, o potencial de corrosão seria bem maior.

    • Tabonitota says:

      Deve ser 96% da vida útil da bateria. Digo eu.

    • Barta says:

      96% de carga mesmo depois dela ter passado o dia a tirar fotos. Quem sabe se não andou por ali uma enguia electrica e fosse carregando xD

      • Marisa Pinto says:

        Bem, eu se tirar várias fotos num dia, garanto que o meu iPhone não desce muito mais o que 96%. Acontece.

        • Galo says:

          Eh Marisa o teu iPhone deve ser mágico 😀 1 dia de uso e ainda com várias fotos e só gasta 4% de bateria?

          Ou querias dizer, o iPhone paradinho sem lhe mexeres, e apenas lhe tocaste para tirar “meia duzia” de fotos?.

          ps: quem diz iphone diz qq smartphone, exceptando aqueles que têm mega baterias.

        • Barta says:

          Se espera que acredite está enganada, mentir é muito feito ou então tem um iphone do “outro mundo”.

          • Vítor M. says:

            Tu é que mentiste a ti mesmo. Porque seguindo o assunto, estando o iPhone sem fazer mais nada, não levará tanta energia assim a tirar fotos. Mas tu, como não percebeste, tal como o galo, voltaste a dizer disparates. 😉

          • Galo says:

            Desculpa Vitor?!? Quem é que disse disparates? Isso já começa a aborrecer…que facilidade tens em insultar pessoas. Eu é que digo para não dizeres disparates!

            A frase da Marisa não é clara!
            “Bem, eu se tirar várias fotos num dia, garanto que o meu iPhone não desce muito mais o que 96%. Acontece”

            Eu no meu comentário até disse o mesmo que tu! Que a única forma de um iPhone ou outro smartphone qq perder 4% de bateria num dia de utilização, e ainda com várias fotos no meio, é ter estado “paradinho” na maior parte do tempo!

            Ou não sabes ler?

          • Vítor M. says:

            Insultar? Não, tu vitimizas-te muito, mas não foi sobre o que disseste, foi sobre o que o Barta disse. E foi um disparate pensar que ela estaria a dizer que numa utilização diária convencional, gastava só 4%. E ele é que disse que ela estava a mentir. E não, ela referiu e bem, no decorrer do diálogo, que a tirar fotos não consumia mais que o valor referido. Tu, como é normal, levaste para outro lado, sarcástico, quando sabes bem o que ela queria dizer… 😉 porque tu sabes ler, certo?

          • Galo says:

            Claramente disseste que eu disse disparates! Meteste-me no mesmoa “saco” do Barta, e eu é que me faço de vitima?
            Eu tive o cuidado de não chamar a Marisa de mentirosa.

            No meu comentário, brinquei com a situação, de modo a clarificar um comentario cuja mensagem nao era clara. Até porque o comentario da Marisa veio em resposta a ” 96% de carga mesmo depois dela ter passado o dia a tirar fotos. ”

            Ora alguém acredita que o iphone ou outro telemovel chega ao final do dia com 96% de bateria apos se ter passado o dia a tirar fotos?

            Outra coisa que não tinha ficado claro, e que a MArisa mais tarde corrigiu, era que 96% se referia à vida util, e nao carga remanescente.

          • Vítor M. says:

            Não desvies o assunto, o que ela disse da carga de utilização era no decorrer da atividade de tirar fotografias. E não, não me referia a ti, quem disse que era mentira, porque não percebeu, ou não quis perceber, foi o Barta. E foi um disparate dizer ou pensar que a Marisa estaria a dizer que o telefone em plena atividade num dia apenas consumia 4% de bateria. É um perfeito disparate pensar-se isso, mas de facto ela não se referia a isso, mas sim ao ato de fotografar.

          • Barta says:

            Sr Vitor, então vamos aprender a ler e não a divagar e a supor. Foi dito “Bem, eu se tirar várias fotos num dia, garanto que o meu iPhone não desce muito mais o que 96%. Acontece.” Desta forma implica o uso normal do telefone, tal como a senhora do barco, e com uso normal e fotos durante um dia, Continuo a dizer que não é verdade. Pode argumentar como quiser mas é impossível e desafio a provar o contrário.

  3. Euéquesei says:

    Pelos vistos no meio aquático a Apple não traz status, senão a esta hora andava um peixe com ele na algibeira.

  4. TrincaEspinhas says:

    Fantástico, 6 meses num lago e ainda funciona… creio que se esqueceram de dizer que o lago estava seco.

  5. Barta says:

    Mais uma história de fantástico, mesmo já tendo lido versões diferentes da mesma, tendo em conta os factos relatados compreende-se logo que é mais uma treta. Vamos começar:
    1. a proprietária esteve no parque em setembro e tirou muitas fotos e depois foi andar de barco, todos conhecemos a bateria e os consumos do iphone e é impossivel ir para o parque, tirar muitas fotos e ficar ainda a 96%.
    2. então ligaram o equipamento e conseguiram ver logo quem era a dona??? então o telefone é inviolável e conseguiram entrar assim sem mais nem menos? o FBI tem que os contratar.
    3. Todos sabemos que as baterias mesmo com os equipamentos desligados, perdem carga, é perfeitamente normal. Neste caso, depois de ter tirado muitas fotos e ter estado no fundo do lago à 6 meses, acreditando que se o deixou cair ele estaria ligado, só poderia ter 96% de carga se a capacidade da bateria fosse de 200% ou se andou por ali sempre uma enguia eléctrica a dar carga.

    • Joel Abrantes says:

      +1 kkkkkkkk quase morri de tanto rir com a parte da enguia!!!

      Os fanboys dão-me cá uma graça com essas histórias da Disney kkkk

    • Homer says:

      Isso é o que dá falar sem ler o artigo.
      1 – É sim possível passear com o iPhone 11 e ainda tirar uma data de fotos e ele perder pouca bateria, depende do que estiver a correr no background, como procura de rede, internet, aplicações de seguimento….
      2 – Retiraram o SIM de forma a tentar extrair alguns contacto para chegar à proprietária do equipamento, não é assim tão complicado, no entanto, o iPhone ate podia estar dado como perdido e dessa forma podia ter uma mensagem no ecrã a indicar quem era o proprietário. Não era necessário desbloquear.
      3 – 96% de vida útil, ou seja, não havia desgaste de bateria associado ao facto de o iPhone estar submerso.
      A ler chegamos sempre la. 😉

  6. Marcos Correia says:

    Partindo do pressuposto que tinha ainda 96% de carga máxima e depois de retirarem a humidade e devidamente carregado não considero impossível voltar a carregar. Quanto aos contactos, se estavam no cartão SIM o sistema da Apple não protegue os mesmos pelo que é possivel terem encontrado o dono através dessa via, todo o resto (SMS, fotos, ficheiros diversos estariam proteguidos). Insólito mas não impossivel

  7. Theboice says:

    Teve sorte, de dois que conheci bastaram 5 segundos na sanita e… já era, grande publicidade…

  8. Manuel Monteiro says:

    Então o cartão SIM não estava protegido por PIN…

    • Vítor M. says:

      Não sei se foi o caso, mas muitas pessoas não têm o cartão SIM com PIN. isto porque se o telefone for perdido, se alguém o ligar, ele vai ter ao código de bloqueio do iPhone mas liga-se à rede de dados móveis pois o cartão não para no PIN.

    • Paulo Pedroso says:

      Não uso PIN à pelo menos 10 anos.
      Se o telemóvel for roubado a primeira coisa que fazem é cortar o cartão

  9. Cortano says:

    Mas depois há malta a queixar-se que o tlm caiu na sanita ou a banheira e avariou…
    Mistério..

  10. Mário Ferreira says:

    O Marketing é tramado

  11. Euéquesei says:

    Bom, para tirar as teimas.
    Quem tiver um iPhone que faça o favor de o meter num balde com água durante 6 meses e depois que o vá buscar.
    Tudo documentado com fotos, vídeos, tudo como deve de ser.
    Só assim fica tudo esclarecido.
    Voluntários?
    Talvez quem tem iPhone e escreve isto? Sim?

  12. Pensador says:

    Normalmente os homosapien adoram histórias Mas como sempre tinha de ser de uma Maçã (iphone) engraçado as histórias vão sempre no mesmo sentido

  13. TatiART says:

    Poiss é pensador tem razão

  14. Robin Hood da Silva says:

    o meu tio Pancrácio da Alemanha andava a apanhar alfaces e ao puxar uma viu uma luz. Começou a cavar e era um jipe da 2ª guerra mundial e, sim, ainda tinha as luzes acesas! Portanto não sei qual o espanto para uma coisa de 6 meses…

  15. joca says:

    epá acabei de tirar o tlm da carga, deixa-me ligar para tirar umas fotos, ups caiu a agua sem ser ligado??? se tivesse caido a agua ligado não durava seguramente 6 meses

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.