PplWare Mobile

Está a pensar comprar um disco rígido? Saiba qual o mais fiável


Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. rjSampaio says:

    Não percebo como é que continuam com isto, ja da outra vez disseram o mesmo…
    O ST4000DM000 é o que mais falha, porque é o mais usado… o segate X00 falha 10x mais e não o mencionam ???
    E depois dizem que o que falha menos é o HDS722020ALA330 , que na pratica falha tanto como o que dizem que falha mais, e que tal usarem o fail rate em vez do numero de falhas?

  2. João Álvaro says:

    Realmente, que raio de análise de números… é natural que o ST4000DM000 tenha mais unidades com falhas, uma vez que a amostra é de mais de 34000 unidades.
    Se formos analisar a PERCENTAGEM de unidades com falhas, esse modelo até está abaixo de muitos outros.

    Alguém está a precisar de rever o livro de matemática :).

    • Pedro Pinto says:

      Então não faz sentido o relatório que eles produzem?

      • Jose Sousa says:

        o relatório ate faz….as conclusões é que não

      • João Silva says:

        Não.

      • rjSampaio says:

        Não faz sentido terem no titulo do paragrafo “Taxa de falhas” e depois dizerem o disco que falhou mais vexes.
        O relatório deles esta bem, a tua interpretação dos dados é que não é util.

        Por exemplo, a meio ver o mais fiavela comprar é o HGST com 0.11% de falhas em +7000 discos, e nao os que tiveram 0 falhas em 40…

      • Filipe says:

        Faz todo o sentido, mas como eles dizem no relatório é preciso olhar bem para o fail rate de cada unidade, “The 4TB Seagate drives are our workhorse drives today and their 2.8% annualized failure rate is more than acceptable for us. Their low failure rate roughly translates to an average of one drive failure per Storage Pod per year.”

      • rjSampaio says:

        Não faz sentido é não teres lido o report deles
        “The annualized failure rate is computed as follows: ((Failures)/(Drive Days/365)) * 100. Therefore consider the number of “Failures” and “Drive Days” before reaching any conclusions about the failure rate.”

      • Cogumelo says:

        Para serem resultados fiáveis, o número de discos testados deviam ser os mesmos. Por muito que a taxa seja representativa ao número de discos testados, a taxa para 5 discos tende a ser menor do que para 34000 discos (a não ser que os 5 discos sejam mesmo muito maus).

      • Screamer says:

        O relatório está correcto, a interpretação que aqui estão a fazer é que não faz sentido.

    • Pedro Pinto says:

      No entanto,se avaliarmos num período anual e aplicarmos a fórmula ((Failures)/(Drive Days/365)) * 100, o modelo ST4000DX000 é o que apresenta mais falhas. Assim está melhor.

  3. Paulo Pereira says:

    Acho que há pessoal que necessita de verificar o que significam “percentagens”, só depois serão capazes de analisar um gráfico. Não interessam as falhas, mas sim mas sim a última coluna, essa é que representa a informação para tirar conclusões.

  4. Marco says:

    ((Failures)/(Drive Days/365)) * 100

  5. AM says:

    E qual é o disco rigido que elas mais usam?
    Para guardar o que dizem os homens, e que elas logo desmentem…
    Pois!

  6. Ras'a'Gul says:

    Tenho um Western Digital (IDE) que ainda està impecável e tem pelo menos 11 anos. Falha e erros? Zero! E eu que verifico sempre! O outro disco é SATA e também é WD. Tive dois externos da Seagate (em caixas da Iomega) e ambos nem duraram um mês. Evengualmente pedi a troca por um terceiro externo… da Westen Digital (um My Book)… E isto foi à cerca de três anos… and it still works. Acreditem quando vos digo que be..puxo pelos discos e estão sempre em actividade. WD ftw!

    • Ras'a'Gul says:

      E desculpem as pequenas falhas ortogràficas no texto. Estar a escrever num teclado Android num ecrã pequeno só com uma mão enquanto se tenta trabalhar noutro teclado com a outra é um bocado tramado.

  7. pedro says:

    hgst falha mais que western digital…SEAGATE ja foi boa, tenho montes de hd 1tb bichados fora do prazo da seagate.

    estamos é perdidos!

  8. DINIS DOMINGOS says:

    Outra coisa importante: um data center é um ambiente controlado. .. Os disco não são movimentados de um lado para o outro e está mais free quinhão do que em Portugal. Na vida real, pela minha experiência laboral e pessoal WD são os melhores.. cá em casa ainda tenho o primeiro disco de 80 gb que comprei e tomaram muitos discos novos bombar como esse. Tenho 2 black de 1tb dentro de um nas há 10 anos e siga… lá no emprego os seagate e os Hitachi estavam sempre a rebentar (erros smart e pior)… cá em casa só entra WD

  9. Andre says:

    Querem bons discos, comprem OCZ 150 Trion

    Como gestor de Rmas, posso dizer que em centenas de unidades já vendidas nas nossas lojas, e a taxa de avaria é 0%

    desde fins de 2013 que não tenho uma única unidade avariada

    Fica a Dica

    • rjSampaio says:

      e se disco existe em que tamanhos? 2? 4? 8TB?

    • K says:

      Calma, isto não é uma review de ssds. Nao podem ser comparados porque não estão sujeitos ao mesmo nem tão pouco tens ssd com as mesmas capacidades dos discos analisados, logo não servem como substitutos para os analisados.

      Mas, já agora, se a tua opinião dos ocz trion 150 é positiva, na minha loja é bem negativa. Esses discos usam controladoras e nands Toshiba low end e, até já foram piores (os trion 100) mas por cá pifam com facilidade. Já mandamos vários para rma e as vezes com pouco menos de 1 mês de uso em computadores básicos. É o que nos metemos quando o cliente quer ssds baratos porque entre Toshiba ou ocz geralmente são o que tem melhor preço (porque são a mesma m****) mas o cliente vai avisado que não são grande pistola e para manter backups regulares do que for meter nestes discos. É que quando avariam, é de um momento para o outro e tornam se autênticos bocados de plástico. Fora de laboratórios especializados nunca vi ninguém recuperar dados disto (ou de outro ssd). E dentro de laboratórios também não porque fica extremamente caro fazê lo e ainda nunca vi ninguém a querer. Aqui a uns 6 ou 7 anos mandei um para um laboratório em Espanha e eram 5000e se quisesse recuperar numa semana, quase 10000e se quisesse em 48h. Mas se aceitasse o orçamento, eu não tinha que pagar o disco para onde eles iam recuperar a informação lol.

      • Andre says:

        K, já ouvi também relatos disso, mas também há uma diferença nas nossas lojas.

        Nos configuramos os SSD para trabalhar no Windows, pois como se sabe, o Windows é Burro e não sabe trabalhar com SSD, é preciso ensinar ao menino como aquilo funciona, e por vezes a maquina ganha 2/3 segundos de melhoria no powerup . são alterações no REGEDIT e nas configurações de sistema.

        há muita boa gente que coloca um SSD e pensa que já esta.

  10. Soldier_2016 says:

    Tenho um WDC WD1002FAEX de 1 TB praticamente ligado 24/7 desde 2010!Para mim é o disco mais fiável que já adquiri,o pior disco foi um WDC WD20EARS de 2 TB que avariou em menos de 2 anos! Os discos 2.5″ da marca Toshiba são para esquecer!Actualmente tenho cerca de 7 TB locais e cerca de 14 TB em cloud.

    • futuro nos SDD 3d samsung says:

      Os Caviar green foram os piores discos feitos pela WD avariando mesmo se só usados para backup, ou seja mesmo em uso esporádico, nem para backup servem, é cada tiro cada melro, nas versões red até agora não tive problemas mas posso ter tido sorte, quanto ao discos HGST pertencentes à WD são de outro campeonato mas o preço até doi. Prevejo um futuro virado para os SSD se nada for feito para melhorar a qualidade destes.

      • K says:

        Na minha outra empresa usei um Green durante cerca de 3 anos para clones de computadores de clientes e consequente leitura/cópia do clone posterior para recuperação de dados, aos 2 e 3 por dia. Eram cerca de 50-300gb cada clone. Troquei o ao fim desse tempo porque começou a dar erros de smart (mesmo estando aparentemente a funcionar). Foi o disco mais silencioso que já alguma vez vi, de olhar directamente para ele nunca sabia se estava ligado. Mal vibrava ou fazia som. Não era o disco mais rápido de sempre mas cumpriu, 3 anos a levar com este volume de dados todos os dias, acho aceitável. Só usei um, no entanto. Posso ter tido sorte.

  11. Khidreal says:

    para que o relatorio fize-se sentido, terias de pegar em 100 unidades de cada modelo, e correr o teste. assim irias ter percentagens corretas. por exemplo, imagina só a desvantagem do 2º modelo e do 3º: obviamente, é normal que ao teres quase 4500 unidades no 2º modelo, hajam mais unidades com problemas, mas tbm mais unidades que func sem falhas, e isso altera as percentagens… como é que sabes se aquele modelo que tem 10.000 unidades e taxa de falha de 2% é melhor que o de 5.000 unds que tem uma taxa de falha de 0.1%? ok, aqui aplicas censo comum, é facil, é só comparar o numero de unds com a taxa, mas depois fazes as comparações, arranjas 1 grupo dos 5 mais fiaveis, como sabes qual desses é o mais fiavel? vais ter percentagens muito proximas, provavelmente numeros tbm, aqui seria onde a matematica iria trabalhar, mas com valores diferentes, é como dizeres que 2+4=1… sai errado…
    basicamente, o relatorio não diz nada, pelo menos no que toca ao ranking de fiabilidade, diz-te é o ranking de popularidade…

    • rjSampaio says:

      basicamente, o relatorio não diz nada, pelo menos no que toca ao ranking de fiabilidade, diz-te é o ranking de popularidade…

      Depois do que escreveste dizes isso??? a serio?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.