AeroScope – DJI lança tecnologia que identifica e localiza drones


Destaques PPLWARE

15 Respostas

  1. Malic X says:

    Tanta invenção desnecessária. Que tal tornar obrigatório o “transponder” que existe nas aeronaves ditas convencionais? Simples, não?

  2. Miguel says:

    Se eu percebi bem, este novo sistema só detecta os drones de uma marca correto?

  3. Rufete says:

    Simplesmente brilhante, DJI! Criamos um problema e agora criamos a solução para o problema. $$$

  4. José says:

    E os drones artesanais feitos em casa?

  5. QualquerUm says:

    Recentemente vi num notociário na TV um vídeo que um passageiro fez através da janela do avião na aproximação ao aeroporto, em que um drone cortou a ponta da asa, a que fica dobrada para cima.

  6. Fabio Pereira says:

    Curioso ter deixado de ser notícia os crimes nos aeroportos…. É incrivel as coisas que se inventam para roubar mais uns cobres ao zé provinho

  7. Daniel says:

    Não consigo perceber como é que este aparelho vai evitar que alguém mal intencionado seja impedido de executar uma acção com um drone.
    Se alguém quiser usar um drone para executar um ataque com intenção de provocar um incidente com avião comercial ou até militar só se for muito tenrinho e inocente é que vai faze-lo com um equipamento “off the shelf” registado!
    Há montes de aparelhos que podem ser construídos sem grandes conhecimentos técnicos no dias dias de hoje, que não são registados nem são possíveis de rastrear, a não ser por meios de detecção convencionais, tais como radares e só podem ser inibidos ou desactivados por dispositivos especiais que têm de ser usados a pouca distância para serem minimamente eficazes, além de serem provavelmente muito difíceis de abater por uma bateria anti aérea ou até por misseis ar-ar.
    Só por curiosidade, que seja publico, os F-16 portugues só usam 2 tipos e de misseis, o AIM 9 sidwinder com capacidade de interceptar alvos a curta distancia menos de (20Km em condições ideais) mas que requer que o sensor do míssil adquira a assinatura térmica do alvo, duvido que por exemplo um DJI gere a assinatura necessária para obter um “lock”. O outro míssil que os F-16 portugueses podem transportar é o AIM 120 AMRAM
    que possui um alcance eficaz a cima de 100Km nas versões mais modernas, mas que na prática se sabe ser inferior a 50Km e depende das condições de disparo, trajectoria do alvo, altitude, etc… que é usado em conjunto com o radar do avião, aqui neste caso não há muita literatura que dê pistas se o radar de um caça de 4ª geração consiga seguir com eficácia um objecto do tamanho de um drone comercial que produz uma ssinatura de radar semelhante a uma ave de dimensões médias e gerar uma solução de tiro para o missil.
    Mas mesmo que fosse possível, não estou a ver a autorização ser dada para disparar uma arma dessas por cima de Lisboa ou Porto, só porque um artista se lembrou de ir brincar para onde não devia!
    Em relação a tentar eliminar ameaças aéreas com sistemas terra-ar , só temos em Portugal o sistema Chaparral baseado no missil AIM 9 Sidwinder adaptado e o lança misseis portáteis STINGER que funcionam ambos por captura da assinatura térmica do alvo.
    Isto tudo serve para dizer que os meios convencionais disponíveis em portugal , servem para isso mesmo, impedir ameaças convencionais, detectar, seguir e interceptar uma aeronave não autorizada de grande porte e que se rege por comportamentos e movimentos minimamente expectáveis para um avião convencional, os drones não são ameaças convencionais.
    Ou seja, nesta fase ainda estamos totalmente expostos a este tipo de ameaça e longe ter meios de defesa aérea ou terra-ar eficazes na detecção, identificação, tomada de decisão se o objecto é bem ou mal intencionado e por fim com a capacidade imediata de inibir ou destruir qualquer objecto que tente aproximar-se de um aeroporto ou rotas de aproximação/descolagem de aeroportos.
    Até lá podem legislar o que quiserem, arranjar os brinquedos com aspecto vindo de um filme de série B de Hollywood que quiserem não vai resultar nada.
    Só me convencem no dia quem mostrarem um radar ou rede de sensores capazes de detectar objectos de pequenas dimensões, capaz de seguir os objectos independentemente de mudanças bruscas de altitude e direcção de voo, capaz de identificar se é ou não um voo autorizado, e ser capaz de gerar uma solução de tiro eficaz para intercepção do objecto quer seja por meio de disrupção de sinal de controlo direccionado, intercepção e sobreposição de sinal de controlo, ou por exemplo o envio de outro drone para captura ou barragem física da ameaça (esta solução já vi ser testada com algum sucesso), ou em ultimo recurso, o tal sistema de detecção e seguimento ser capaz de direccionar tiro quer de pequenas armas anti-áreas ou pequenos misseis, que acho pouco provável que seja permitido sobre zona povoadas.
    Resumindo, estou a falar de uma espécie de “Sistema Unicórnio” porque não existe, mas que infelizmente será para onde se terá de caminhar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.