PplWare Mobile

NASA regista Tesla de Elon Musk como um corpo celeste


Tomás Santiago

A tecnologia e aquilo que é possível fazer com ela sempre foi algo que me cativou bastante. Estudo Ciência de Computadores na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto. Adoro programar e desenvolvimento de aplicações móveis, principalmente para iOS. É a escrever para o Pplware que partilho os meus conhecimentos. Sigam-me no Twitter: @mrtomasantiago

Destaques PPLWARE

37 Respostas

  1. Rui Afonso says:

    Tudo é lindo, tudo é extraordinário, tudo é grandioso…. até o prejuízo recorde da Tesla. Posso estar muito enganado, e se estiver peço já as minhas desculpas, mas alguém está a “fazer-se ao piso” para experimentar um Tesla… ou então já anda de Tesla.

    • Renato Farinha says:

      O prejuízo é enorme porque há muita coisa a acontecer ao mesmo tempo! Construção da giga factory, desenvolvimento do novo roadster, de novos camiões, e de sistemas autónomos.

      • Rui Afonso says:

        Não sou eu quem lhe vai dar a resposta correta a essa questão, será o futuro.

      • Bruh says:

        Isto sem falar que perderam um central core do falcon heavy, e em vez de o reutilizar vão ter de construir um novo para o próximo lançamento. O que não deve sair baratinho.

        • DasSs says:

          Vocês adoram falar sem saber…o Core não se perdeu, só caiu no mar e foi ou vai ser rebocado…

          • Bruno M. says:

            É que falam sem saber, dizem asneira e não acertam uma!

          • Ricardo Carvalho says:

            O center Core ficou destruido sim sr, bateu na água a 300 mph porque dois dos tres motores que deveriam ter ligado nao o fizeram e o Core não conseguio abrandar o suficiente, fez overshoot à plataforma. Os destroços do center Core incluisive destruiram 2 motores da plataforma, entre outras coisas. De qualquer maneira eles não iriam utilizar mais esse core pois a partir de agora vão usar a versão 5 dos falcon. Os dois booster que aterraram também nao vao ser mais usados. (informação do proprio Elon Musk na conferencia de imprensa que deu a seguir ao lançamento)

  2. Paulo Mendes says:

    A NASA é uma comédia dos nossos dias, é com esta propaganda barata que querem dominar o espaço? Kkkkkkkkkkk… A agencia espacial russo Roscosmos não brinca, e quando faz e no que respeita a trabalhar no espaço faz obra e não atira coisas para espaço para se promover….

  3. George Orwell says:

    Tanto quanto julgo saber, o “marketing” é bem sucedido quando atinge positivamente a maioria do universo de consumidores alvo de tal campanha.

    Quem poderá assegurar que os destroços do automóvel não venham a prejudicar uma missão espacial, inclusivamente uma futura nave da própria empresa, sonda, laboratório espacial ou até a cair sobre as cabeças ou bens de alguém ? Na verdade, se tal automóvel leva como tripulante um “crash test dummy”, deve ser para chocar com alguma coisa. A propósito, terá travões ?

    A preocupante abundância de lixo espacial à deriva no sistema solar decorrente de actividades humanas, há muito denunciada pelas organizações competentes, deveria conduzir a uma prudente utilização do espaço ou a um chauvinismo empresarial ou ego pessoal sob a forma de “marketing” no espaço que, a exemplo do que sucede na Terra, é muito pouco respeitado ?

    O que impedirá outras marcas, desde o atum Tenório ao mais sofisticado camião de colocarem igualmente os seus produtos no espaço para os mesmos efeitos de “marketing “ ?

    Se ,“a Toyota veio para ficar “ será que o “slogan” da Tesla é “a sucata que veio ao espaço para ficar”, ou “2018, lixo no espaço”.

    Ou terá por destinatários os extra-terrestres para que estes fiquem extasiados a admirar o quão extraordinárias são as a capacidade dos humanos ao produzirem automóveis com condutor “dummy” para circular numa A1 entre Vénus e Marte pressupondo igualmente que os foguetões se destinem a passear em à velocidade da luz em caminhos de cabras ?

    Razões e questões que me levam a questionar se, um automóvel transformado em sucata ou lixo no espaço constituirá um bom exemplo para quem arroga o pioneirismo e vantagens ecológicas dos carros eléctricos da marca ou sequer um genial golpe publicitário.

    Quanto ao resto, no tocante ao foguetão, só tenho de tirar o meu chapéu (cuidando que não me caia o dito automóvel em cima ) ao empreendedorismo privado e o salto qualitativo conseguido em matéria de carga e custos.

    • polo says:

      Tens razão, o carro vem em direção à terra, espero que não abrande muito já que não tem travões

      • George Orwell says:

        Pelo que me diz, além de não ter travões, não tem volante para mudar de direcção e está proibido de voltar à garagem.
        Que carro extraordinário !

    • Renato Farinha says:

      O Tesla não vai ficar na órbita da terra, nåo tem qualquer perigo e é tanto lixo como os milhões de asteroides naturais que orbitam o sol.
      O objetivo da missão não era o lançamento do Tesla, mas sim do Falcón heavy como teste, e inicialmente era para ser lançado um bloco de cimento! Ele como dono daquilo tudo, preferiu fazer um marketing poderoso ao tesla

      • George Orwell says:

        E a força gravitacional de Marte ? Se o plano a longo prazo é chegar a Marte, quem lhe pode assegurar que não possa causar nenhum transtorno aos futuros “Marcianos” ?

        Claro que o objectivo era mostrar as capacidades do foguetão, em relação ao qual e tal como acima referi, tiro o meu chapéu.

        Só não compreendo a lógica de acrescentar mais um “asteróide” artificial aos milhões de asteróides naturais que orbitam o sol mesmo a coberto de um presumido marketing.
        Sacrificou a vida o Bruce Willis a evitar o Armagedão, para isto !

    • Ricardo Carvalho says:

      Quanta ignorância… primeiro o lixo espacial que tanto se fala são os restos de satelites/foguetoes/ferramentas (sim ferramentas) etc em orbita da Terra, e quem diz orbita diz “Low Earth Orbit”. Esse lixo é que poderá ser perigoso para futuras missoes espaciais. Fora isso o Espaço é muito grande… MUITO GRANDE. São mais perigosos micrometeoritos para uma nave fora ou nao da orbita da Terra que qualquer sonda/Tesla que para lá ande a vaguear. Segundo, o Tesla não está em orbita da Terra mas sim em Orbita do Sol. Nunca mais irá voltar à Terra a não ser que alguém o vá buscar (um alien talvez). Preocupa-te mais com a estção espacial Chinesa Tiangong-1 a cair-te em cima que com o Tesla.

      • George Orwell says:

        ‘Using the JPL database, skywatchers now know the car will do an Earth flyby in 2026, 2031, 2039. “It might make a close approach (nominal 1.6 lunar distances, but with clear margins of uncertainty) to Earth in 2073”’

        Mais detalhe em :
        https://www.popularmechanics.com/space/solar-system/a16763226/musk-space-tesla-roadster-tracking/

        Já acima tirei duas vezes o chapéu à Tesla e a Elon Musk pelo feito do empreendedorismo privado e pelo ganho de carga e custos, mas estes aduladores de Elon Musk e fan-boys da Tesla parecem que querem condenar à ignorância todos aqueles que não se prostrarem ao novo corpo celeste, melhor, corpo celestial. IRRA!

        Adaptando uma conhecida frase de Carl Sagan :
        “Não é possível convencer um adulador de Elon Musk ou do Tesla de coisa alguma, pois suas crenças não se baseiam em evidências; baseiam-se numa profunda necessidade de acreditar.”

        • Ricardo Carvalho says:

          Para alguem que faz tantas citações de Lusiadas, Carl Sagan e afins não deves ter percebido o português que escrevi (Factos), aliás nem deves ter percebido o inglês que leste e citaste do PopularMechanics porque 1,6 lunas distances é bastante longe da Terra. Existem asteroids que passam constantemente mais perto que a distancia da lua e não é por isso que cá chegam. Aproveita a informação que te estou a dar que é de borla, pois as evidências que tu demonstras no post deixam muito a desejar aos factos concretos.
          Outra coisa, e esta é para o PPlware, o Tesla não é um corpo celeste, está referenciado como (Spacecraft). Um corpo celeste é qualquer objecto natural fora da orbita terrestre.
          PS: George Orwell deves ser dono dum iphone para vir com essa de fan-boys… lol

          • George Orwell says:

            FACTOS:
            I- O teu facto :
            “1,6 lunas distances é bastante longe da Terra”
            ( não cito só Carl Sagan, quem dá lições de ciência de borla também merece uma citação. Camões não citei. )

            O que dizem os astrofísicos :
            Uma “Luna distance” distância média ( média tendo em conta o perigeu e o apogeu ) da Terra à Lua é muito próxima de 385 KM. Logo 1,6 Lunas = 616 km
            fonte : https://en.wikipedia.org/wiki/Lunar_distance_(astronomy)
            Ora 616 Km, melhor 1.6 Lunas, é uma menor que a distância de condução entre Caminha e Vila Real de S. António a qual se cifra em 696 km. Ou seja, em distância terrestre não precisarias de sair de Portugal para igualar 1.6 Lunas. Qualquer taxista que se preze já percorreu essa distância.

            II- O teu facto :
            “quem diz orbita diz “Low Earth Orbit”. Esse lixo é que poderá ser perigoso para futuras missoes espaciais”

            O que dizem os astrofísicos :
            Orbita terrestre baixa (LEO), do inglês Low Earth Orbit) é uma órbita em que os objectos, como satélites, se encontram abaixo de 2000 km
            fonte : https://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%93rbita_terrestre_baixa
            Logo, replicando as tuas palavras “Esse lixo é que poderá ser perigoso para futuras missoes espaciais”, o que inclui o Carro Tesla que em vários momentos vai passar dentro dos parâmetros da LEO

            Mas o meu ponto não é estar a contradizer quem fala de factos que os astrofísicos não sustentam e que antes de os expor, talvez por não serem fortes, começa logo no início por um argumento provocativo “ad hominem” denotando ao que vinha. Não admira pois que os dê a conhecer de borla

            O meu ponto é outro, é que respeito o Universo e, assim como não deito um plástico ao mar não contribuindo pois para uma ilha de plásticos nos oceanos neste momento maior que o Benelux, também não quero que a partir de agora todas grandes corporações e multimilionários usem o espaço para manobras publicitárias largando nele “corpos celestes” de marca.
            Eu pensava que tinha sido suficientemente claro. Mas, confesso que falhei e, como falhado que sou, da minha parte esta conversa acaba aqui.

          • Ricardo Carvalho says:

            Este comentário é para responder à resposta abaixo, que por qualquer motivo não tem o botão responder.
            Meu caro George Orwell, já reparei que vc deve ser das “letras” e não das ciencias e mais uma vez quando enumera o meus factos, nao entende o que está a ler. Leia bem o que leu no site da wikipedia para perceber que a distancia média terra – lua sao 385 MIL KM (quase meio milhao de km) e que 1.6 lunar distantes são 616 MIL KM. Qual taxista qual Caminha – Vila Real?!?!? Portanto como vê nem vai chegar perto.
            Sugiro que dê uma olhadela a este link para perceber o quão vasto o espaço é, e quão insignificantes nós somos nessa vastidão
            https://www.youtube.com/watch?v=1Eh5BpSnBBw

  4. Bmv says:

    Acho piada como ao fim de tantos anos e tentativas falhadas conseguiram os americanos ir a lua em 69 tenham dó e não gozem com aqueles que eles acham ser atrasados mentais.

    • Nuno says:

      Pena não conseguires proferir uma frase que faça sentido. Sim, em 69 os Americanos foram à Lua. Inclusive, a União Soviética confirmou que estes foram à lua e temos imagens do Lunar Reconnaissance Orbiter que mostram os sítios das missões Lunares, bem como o equipamento deixado para trás.

    • JVC says:

      São atrasados mentais. Quais tentativas falhadas? Houve 3 programas Mercury, Gemini e Apollo e com excepção da Apollo 1 ninguém morreu pelo caminho. Houve seis missões na superficie da lua a ultima com a duração de quase 3 dias em solo lunar.
      A sonda SELENE japonesa fotografou os locais de pouso e as marcas deixadas pelo rover. Assim como durante a Apollo 11, americanos e soviéticos foram obrigados a partilhar os planos de voo para evitar uma colisão entre Eagle e a sonda Luna15.

      Mesmo assim há e haverá iquem se ache extremamente inteligente – mais que toda a comunidade cientifica – e não se deixe enganar por uma farsa que envolveu meio milhão de pessoas e foi amplamente divulgada e escrutinada quer por rivais quer por aliados de monitorizaram todo o programa em redor do mundo.

      Kudos para ti

  5. manito says:

    Parabéns para o Elon, conseguiu nos motivar para os grandes desafios da humanidade, como a exploração interplanetaria!

  6. George Orwell says:

    Permitam-me discordar daqueles que por aqui sugerem que os americanos nunca chegaram à Lua.

    Se os americanos não tivessem alunado em 20 de Julho de 1969 no culminar da missão Apollo 11 e em missões posteriores certamente que seriam denunciados e ridicularizados pela União Soviética que então dispunha dos meios mais que suficientes para monitorizar ou espiar ais missões. Aliás, a União Soviética foi a pioneira na exploração espacial e não deixaria passar em claro uma distorção da verdade que os ultrapassasse nesse capítulo. Para mais, o Museu da Ciência da Universidade de Coimbra (UC), com o apoio da NASA e da Critical Software, recebeu uma pedra lunar trazida na última viagem à Lua, competindo aos detractores demonstrar que tal pedra não é lunar

    Todavia, tenho para mim que a mais importante viagem da história não foi a chegada do homem ao satélite natural da Terra mas sim a viagem de Vasco da Gama à Índia na medida em que cruzou pela primeira vez três continentes e dois oceanos abrindo caminho à prova de que Terra é redonda e mudando o centro do mundo do “mare nostrum” do Mediterrâneo para o grande e desconhecido oceano.

    E quantas missões náuticas falharam até que o Cabo Bojador e o Cabo da Boa Esperança fossem ultrapassados ?

    Tais feitos não foram obra de um sortilégio qualquer.
    A cartografia atingiu patamares nunca antes alcançados, a adopção das velas latinas permitiu navegar à bolina, ou seja, contra o vento, o regime dos ventos foi estudado permitindo a chamada volta pelo largo usada pela denominada “Carreira das Índias” evitando assim as perigosas calmarias, o astrolábio foi melhorado, a construção naval concebeu a caravela mais ágil para reconhecimentos além a nau mais apta a cargas logísticas e operacionais. E para toda esta ciência muito contribuíram os melhores sábios disponíveis, uma autêntica NASA a operar em solo luso com as limitações da alta Idade Média face ao desconhecido ao incógnito que então permanecia assombrado numa caverna de lendas e monstruosidades.

    Porém, por a ciência não dispensar a experimentação, foi preciso recorrer ao heroísmo dos homens que deram a conhecer novos mundos a um mundo que ainda hoje não conhece totalmente os seres vivos das profundezas das fossas abissais ou das florestas do Bornéo ou Nova Guiné.

    Na sua obra “Os Descobridores» escrita em tempo posterior às missões Apolo, Daniel J. Boorstin, ex-Director da Biblioteca do Congresso Americano, opina igualmente que a mais relevante viagem foi a de Vasco da Gama.

    Assim, despojado de qualquer chauvinismo ou nacionalismo bacoco, direi que sem o pioneirismo português da alta Idade Média, a colonização americana seria muito mais tardia e, consequentemente, a alunagem ou este feito de Elon Musk correria em data diferente. Aliás a própria Nasa sempre evidenciou o pioneirismo português na descoberta do mundo.

    Poderia dizer muito mais, mas tudo o que eu dissesse jamais superaria a sublime síntese e profunda essência aqui contida :
    “Ó mar salgado, quanto do teu sal / São lágrimas de Portugal! / Por te cruzarmos, quantas mães choraram, / Quantos filhos em vão rezaram! / Quantas noivas ficaram por casar / Para que fosses nosso, ó mar! / Valeu a pena? Tudo vale a pena / Se a alma nao é pequena. / Quem quer passar além do Bojador / Tem que passar além da dor./ Deus ao mar o perigo e o abismo deu, / Mas nele é que espelhou o céu” – FERNANDO PESSOA

    • Sujeito says:

      Repondendo apenaas ao primeiro parágrafo, as pedras lunares trazidas dessas missões são, oficialmente, falsas. Todas as que foram oferecidas pelo mundo aos diversos países.

      Quanto aos Russos, a história é mais complexa mas eles estavam a colaborar com os americanos na altura, e continuaram desde aí. A história deles serem adversários está muito longe da verdade.

      • Bruno M. says:

        Realmente… E sustentares as baboseiras que dizes com fontes? É que da maneira que “falas” acreditas-te no que dizes e baseias-te apenas no que julgas 1ue é sem factos veridicos ou fontes que sustentem as tuas afirmacoes…

        Mais um troll fa inyernet ingelizmente…

        • Sujeito says:

          Ó Bruno M, tento na língua sff. Já aqui conversámos de forma amena noutros assuntos, portanto esses insultos são desnecessários.

          Se queres saber, procura. Eu não sou teu professor. Se fosse, chumbava-te rispidamente pela tua escrita e maus modos.

          Acerca das pedras lunares, esteve nos jornais, está em publicações científicas de renome e foi declarado por altas patentes de vários países. Tudo sem grande destaque, ou esperas que seja a tv a dar-te tudo ?

          Quanto à Russia, é informares-te sobre como funciona a investigação científica entre estes dois países, que nunca terminou até aos dias de hoje. A maneira como, mesmo em tempo de guerra, têm protocolos para continuar a colaborar.

          Junta-lhe mais um bocado da história do Kennedy, o desinteresse dele pelo espaço e como é que acabou por ser um assunto de relevo na época para a administração dele, quem esteve por detrás, as declarações dele, e começas a ficar com uma boa ideia.

          • Bruno M. says:

            Vá.. não te sintas ofendido, eu sustento as minhas afirmações com fontes e não rumores.

            Já procurei, e vi precisamente o contrário do que dizes!
            Quanto aos erros, infelizmente aqui não podemos alterar e como foi via tlm.. olha azar, ficou como ficou!
            Tudo é razão para apontar o dedo quando não temos argumentos 😀

            https://www.lpi.usra.edu/lunar/samples/
            Vê… diverte-te.. espero que sustente mais as tuas teorias das conspirações infundadas, sem fontes que sustentem as tuas afirmações!

            De ti, Sujeito, teorias, teorias e mais teorias … sem fundamento, sem bases de sustentação, sem fontes!

  7. Nuno says:

    Porque razão irá este dia ficar para a história, se o Falcon Heavy não é o foguetão mais poderoso alguma vez produzido? A NASA bem como a Roscosmos já lançaram foguetões mais potentes?

  8. Ana says:

    É bom, ver que a tecnologia utilizada no programa McDonnell Douglas DC-X não foi abandonada.

    https://www.youtube.com/watch?v=wv9n9Casp1o

    https://www.youtube.com/watch?v=JzXcTFfV3Ls

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.