PplWare Mobile

Astrónomos descobriram dois novos planetas errantes na nossa galáxia


Vítor M.

Responsável pelo Pplware, fundou o projeto em 2005 depois de ter criado em 1993 um rascunho em papel de jornal, o que mais tarde se tornou num portal de tecnologia mundial. Da área de gestão, foi na informática que sempre fez carreira.

Destaques PPLWARE

17 Respostas

  1. George Orwell says:

    Em 2006, com toda a pompa e circunstância e depois de um acalorado debate, a Assembleia Geral da UAI – Union Astronomique Internationale ( agora que o Reino Unido está em vias de “Brexit”, prefiro denominações internacionais na língua de Victor Hugo e Voltaire ), decidiu, despromover Plutão para a segunda divisão dos planetas com a doutrina do “Almeida varredor” ( uma canção de Fausto Bordalo Dias), isto para espanto e horror e de muito gente sobretudo aqueles que cresceram a adorar o simpático personagem Pluto criado em 1930 pela Walt Disney, ao exigirem (?) que, para serem considerados planetas, tivessem de cumprir, cumulativamente, esta lei:

    a) estar em órbita em torno do Sol;
    (b) possuirem massa suficiente para que sua própria gravidade superem as forças de corpo rígido, de modo que adquirirem uma forma de equilíbrio hidroestático (próxima à forma esférica)
    e, não bastando, acrescentaram mais uma alínea, plasmando então a tal doutrina do “Almeida varredor”;
    (c) tenha dominância em sua órbita, varrendo os corpos na proximidade
    Como o cão e fiel amigo Pluto não só obedecia ao dono como nunca aprendera a varrer, azar o dele. Por outro lado, muito injustamente, a nenhum planeta deram o nome de Almeida.

    Tudo se passava como se fosse tal norma fosse uma “fattispecie” do Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado sujeita ao espartilho legal e constitucional do princípio da legalidade, aprovada numa espécie de assembleia para-lamentar de deputados onde uns mandavam e-mails às queridas ou jogavam paciências, outras pintavam as unhas, outros dominavam o dom da ubiquidade estando formalmente presentes mesmo que estivessem no espaço exterior em afazeres de Vénus, outros mais na retaguarda, definitivamente na Lua.

    Se dúvidas subsistissem sobre o aspecto provisório e sempre refutável da ciência, decidiu quem pôde e obedeceu quem deve ( os planetas). É que, se a ciência já abandonou o sua escola positivista, o Direito balanceia entre o Direito natural e o positivismo, um “mix” tipo café com leite.

    Eis senão quando se descobriu se que afinal havia milhentos exoplanetas fora do sistema solar, logo, em violação da alínea a) da referida lei. Chamem as autoridades para autuar os milhentos faltosos e enviem os autos por e-mail a velocidade próxima da luz para não prescreverem, e detenção física se for necessá

    No Brasil existe uma dupla de comediantes, o Casseta & Planeta.
    Confesso que têm muito menos graça do que a UAI ( ai, ai se têm!)

    Não bastavam os exoplanetas, eis agora que o Pplware nos dá a conhecer em primeira mão ( chapeau !) que enquanto Trump e Putin andam entretidos com a nova guerra fria, cientistas polacos descortinaram dois supostos planetasque não orbitam uma estrela antes vagueiam “sem rumo através do vazio frio e morto do espaço – e presumivelmente passam o tempo numa rota angustiante” . Por uns momentos pensava que estava a ler o guião dos monstros do gelo da série “Game of Thrones”, mas não, confesso que o Pplware me fez comover e derramar um furtiva lágrima, tão furtiva como o Planeta X que tarda em ser descoberto e no nosso sistema solar, “pero que lo hay, lo hay”.

    E tal lágrima – dêem-me um tempo para puxar de lenço ( de papel que a carteira não está para modas ) – não foi pelo desespero e angústia dos planetas a monte e sem rumo, que também não cumprem a alínea a) e possivelmente nem a b) e/ou a c). Foi pela Ciência que nos últimos tempos tem derivado entre especulações sobre naves de espionagem alienígena para agora ver os planetas a escaparem à sua sábia jurisdição.

    Isto sem falar nas realidades humanas que a ciência actual, tendo abandonado o tal refutado positivismo para se fixar num realismo materialista, não consegue boa convivência ou pura e simplesmente as despreza. Refiro-me, a título de exemplo, poderes telepáticos, o poder da oração, a capacidade do humano por sonhos ou pensamentos prever um acontecimento aparentemente improvável mas que, para estupefacção do próprio, vem a acontecer de facto, ou o estudado fenómeno constatado por amostragem estatística de pessoas que, de costas voltadas, pressentem que estão a ser miradas pelo olhar fixo de alguém, acabando por, num reflexo voluntário e imediato, a voltarem-se para ir de encontro ao olhar que as fixava, para além de demais fenómenos humanos. Creio que muitos de nós, senão todos, já alguma vez nas nossas vidas experimentámos um ou mais destes fenómenos de forma a poder testemunhar que há mais vida para além da matéria e para além daquilo que a ciência não quer ou não pode conhecer.

    Com esta última tirada, já sei que vou levar pancada da grossa por um esquadrão de guardiães “ex-officio” dos manuais de ciência, mas podem tirar desde já os cavalinhos da chuva, tomem já de barato, eu sou um idiota que apenas sabe o suficiente para poder dizer que nada sabe e, assim, estamos conversados e vamos dar-nos bem.
    Façam de conta que eu sou apenas um novo “smartphone” com poucos núcleos e menos gigas de ram entre os tantos que aqui gravitam ou um desses planetas que deambulam angustiados e sem rumo no frio distante.
    E nisto já se foi outro lenço para secar as lágrimas.

    • R says:

      Excelente texto, pleno de ironia e sarcasmo. Bem escrito, ainda por cima. Um prazer, ler.

    • JCFB says:

      Dos melhores comentários até hoje no pplware.

    • Gd says:

      Deviam de contratar pessoas assim para o ppware.
      Tenho que lhe tirar o chapéu

    • PL says:

      Excelente! Melhor que o artigo, ja de si interessante.

    • Neu_cinetico says:

      Boa tarde, desde ja uma boa analise mas como todos erramos tens ai algumas coisas que devias rever.

      a) sao considerados planetas nao em orbita do sol mas em orbita de estrela ou conjunto de estrelas. Nada de especial.

      Agora que ha mais vida alem da materia A MEU VER pelo facto da ciencia n saber explicar ou nao perceberem o que as equaçoes nos dizem nao quer dizer que nao va haver explicaçao para esses factos que mencionaste o que ia tornar essa vida para alem da materia.
      Podes afirmar que a ciencia nunca vai puder ou querer perceber mas essa afirmaçao corta logo as bases da ciencia. Ela foi criada para perceber os macanismos da natureza, para alem disso é religiao que afirma algo e tens de ter fe (acreditar cegamente) no que nos dizem.
      Ainda temos muito que evoluir e aprender e objetivo da nossa ciencia (fisica, matematica, biologia, etc) e compreender e ter controle sobre a natureza.
      Precisamos de ideias, se calhar extremas, para testar-mos e descubrirmos as surpresas da natureza que e muito mais criativa que a menta humana (meu ponto de vista :p)

      Gostava era de saber se ha “vida” nesses planetas caso seja possivel, vida como a gente a conhece.

      Espero nao ter ofencido e desculpem o desabafo.

      Tenham bom dia

    • Nuno V says:

      A IAU não decidiu despromover Plutão. E este tipo de discussão não é novo. Ceres passou pelo mesmo. Ceres, descoberto em 1801, também orbita o Sol, e também atingiu equilíbrio hidrostático. O problema foi que descobriu-se outro objeto na mesma zona em 1802 (nessa altura Herschel lançou a sugestão de chamar estes objetos asteroides). Em 1807 mais outros dois outros objetos foram descobertos, em 1845 foi descoberto outro, e a partir daí o numero começou a crescer tanto que na década de 1850 estes foram retirados da lista de planetas e eventualmente atribuído a categoria de asteroides. O mesmo se passou com Pluto, quando se começou a descobrir na década 1990 objetos na mesma zona e, mais tarde, a descoberta de Eris e Sedna. Nessa altura a IAU decidiu acabar com a ambiguidade da palavra planeta e atribuiu-lhe uma definição precisa, porque até à atura esta não tinha uma definição cientifica, era um termo geral. Houve várias propostas, e criticas (aliás, ainda continua a existir), mas em 24 de agosto de 2006 a IAU publicou a sua definição final que define os seguintes termos: planeta, planeta anão e corpos pequenos do sistema solar. Isto é uma definição, não é uma lei, nem nada foi refutado no processo.

      Correto, os exoplanetas, segundo a definição não são planetas. Lamento, mas a primeira deteção confirmada de um exoplaneta foi 14 anos antes da definição do termo planeta, em 1992, e em 2006 já se tinham descoberto mais de 80 exoplanetas. Logo a tua afirmação que a IAU era ignorante à possibilidade da existência destes é uma mentira, porque na altura essa possibilidade já tinha sido prevista faz muito tempo, bem como já tinha sido demonstrada dezenas de vezes. E o mesmo se diz dos planetas errantes, este já tinham sido previsto faz muito tempo devido às interações entre os exoplanetas durante a formação de um sistema planetário, bem como na altura já existia candidatos de planetas errantes. E demonstra bem que não estás dentro do assunto. Aliás, os dois pontos que mencionaste foi precisamente umas das maiores criticas entre os astrónomos, eu incluído, à definição da palavra planeta.

    • anonimo says:

      kkk. Enfim, alguém se pronuncia aliando conhecimento com humor. Teu post, a mim, chega como uma brisa fresca em paisagem desértica, nestas paragens cheias de pseudo-sábios atrabiliários. O toque de humildade é muito bem-vindo e expressa, a meu ver, um grau de sabedoria de quem não se preocupa em nada a ninguém provar. um respeitoso abraço, meu irmão em cristo.

      • Nuno V says:

        Claro que os religiosos muito gostam de equivocar a palavra humilde. Ora eu que penso que sou insignificante, temporário, que o universo existiu bem antes de mim e que não se vai lembrar de mim por muito tempo, sou arrogante. O cristão que afirma que nós somos a razão pela qual o universo existe, é humilde. Se o que tu disseste não é um projeção, então não sei o que é.

    • Nuno V says:

      E mais uma coisa, estás correto quando afirmar que todo o conhecimento na ciência é provisório. A única maneira de aumentar o nosso conhecimento é procurar erros neste e corrigir-los se possível, ou então descartar-los. Tu nunca estiveste envolvido em qualquer tipo de investigação cientifica, portanto não sabes como é brutal o processo de revisão de pares. Algo na ciência é aceite após um escrutínio enorme por parte dos nossos pares, e mesmo depois disso este é aceite tentativamente (isto é, temos que estar preparados para rejeitar este em caso de ser demonstrado que afinal é falso). Não só isso, mas quando um cientista é demonstrado que está a ser desonesto, isto conta para a sua reputação de forma negativa. Olha para as teorias da relatividade, estas foram aceites como teorias pela comunidade cientifica mais de 15 anos após a sua publicação, e durante esse tempo a comunidade cientifica atirou tudo a ela na tentativa de a falsificar. Mas se o nosso conhecimento não fosse provisório, significaria que sabias a verdade absoluta, estando o nosso conhecimento completo. Ora, como já te disse, a verdade absoluta apenas existe no reino da fantasia. Tudo que o ser humano tem capacidade para perceber irá conter sempre um grau de erro. Não sabemos tudo sobre o quer que seja, e aquilo que sabemos não o sabemos com precisão absoluta, nem conhecemos todos os detalhes. Homens honestos admitem isso.

  2. George Orwell says:

    Corrigenda:
    *necessário
    algumas repetições, tempos e partículas desajustadas e errantes como os planetas ora descobertos ( ou não estivesse a falar de Física ). As minhas desculpas.

  3. DrFrankenDerpen says:

    Definicão de planeta:
    ASTRONOMIA: astro sem luz própria que gira em torno de uma estrela e reflete a sua luz.

  4. Marcio Sousa says:

    Leitura mais prazerosa nos comentários que o próprio artigo, desculpem Pplware 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.