Quantcast
PplWare Mobile

FBI já acedeu ao iPhone e terminou o caso contra a Apple

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Simões


  1. Scor says:

    Nenhum sistema é infalível, deal with it.

    • RVM says:

      Não é isso que está em causa!

      • Miguel says:

        Nada mesmo… LOL

      • Mota says:

        Este RVM é um autocolante daqueles.

        Defendes tanto a Apple, pra quê?! Eles têm coisas boas e têm coisas más.
        Isto é algo mau para a empresa, depois de exovalhar o fbi por toda a comunicação social, dizendo que não davam info dos utilizadores agora acabam por ver os seus equipamentos serem hackeados..

        Lá se vai o marketing acerca da segurança dos iphones.

        • RVM says:

          Os cães ladram, a caravana passa.

          Os iPhones são os telemóveis mais seguros, e os únicos sem backdoors, era isso que estava em causa, quer gostem, quer não, é óbvio que Samsung, Microsoft, etc. cedem aos governos todos, até aos da China.

          Uma GRANDE vitória para a Apple, quer gostem, quer não!

          • Ricardo M. says:

            Vitória? Estas lavagens cerebrais.
            Os dados foram acedidos e tu gritas vitoria.
            Prova lá que o teu iphone é mais seguro que o meu lumia 1520.
            Prova que o meu tem backdoor.

          • Hugo says:

            Já toda a gente assumiu que a apple tem valor.
            Assume tu agora a tua doença que ainda vais a tempo. Amen.

  2. Francisco says:

    Tretas do FBI. Apenas deixou cair o caso porque se fosse parar ao Supremo e a decisão fosse favorável á Apple, o que era bastante provável, esta faria jurisprudência o que impediria as autoridades americanas de tentar violar equipamentos em futuras situações semelhantes. Gostava de os ver a revelar o que encontram no iPhone, mas certamente vão alegar segredo de justiça.

    • RVM says:

      Ora nem mais!

      Estavam a ver que estavam TODOS contra eles, meteram o rabo entre as pernas, e “fica para a próxima”…

      Daqui a 12 meses, estão eles a queixarem-se de outro “criminoso” qualquer…

    • Daniel says:

      “esta faria jurisprudência o que impediria as autoridades americanas de tentar violar equipamentos em futuras situações semelhantes” isso até teria alguma possibilidade de acontecer não fosse o caso da DMCA ter uma cláusula específica que dá a capacidade de “violar” propriedade intelectual explícitamente às autoridades e entidades governamentais. Complicado fazer-se jurisprudência contra a palavra da lei.

      • Daniel says:

        E refiro-me concretamente a esta passagem na lei:

        17 U.S. Code S 1201 SS –
        Law Enforcement, Intelligence, and Other Government Activities.–This section does not prohibit any lawfully authorized investigative, protective, information security, or intelligence activity of an officer, agent, or employee of the United States, a State, or a political subdivision of a State, or a person acting pursuant to a contract with the United States, a State, or a political subdivision of a State..

      • Tomás says:

        Ele está a falar da jurisprudência sobre obrigar empresas como a Apple a criar ferramentas para ter backdoors nos seus próprios sistemas.
        Neste caso nunca esteve em causa se o governo pode ou não fazer um hack por si; as ferramentas de análise forense aos dispositivos já há muito tempo que usam pequenos hacks.

        • Daniel says:

          Não, não está. Até está bem explícito e escrito no comentário dele, basta saber ler: “o que impediria as autoridades americanas de tentar violar equipamentos em futuras situações semelhantes”.

          • Tomás says:

            a situação semelhante é uma ordem dum tribunal a obrigar uma empresa a criar algo que ajude as autoridades a “violar” os equipamentos da empresa

          • Daniel says:

            Este comentário foi removido.

          • Tomás says:

            Daniel, é realmente português para totós: “parar ao Supremo”, “decisão fosse favorável á Apple”, “faria jurisprudência”, “futuras situações semelhantes”. Só pode ser mesmo desonestidade minha que o que é dito se refira à questão legal do caso Apple; que jurisprudência só se aplicaria às leis argumentadas no caso, sendo que nem a Apple ou o FBI pegaram na DMCA ou argumentaram sobre legalidade do FBI fazer por si um hack/crack; e que era intenção do FBI aceder/violar ao dispositivo depois de obrigar a Apple a criar a ferramenta e aproveitar esse precedente para voltar a fazer o mesmo no futuro.

          • Daniel says:

            Este comentário foi removido.

          • Tomás says:

            Daniel, respeitinho se faz favor.

      • Francisco says:

        Compreendo! No entanto, segundo li, os receios do FBI prendem-se com o facto de uma possivel decisão de um tribunal superior originar uma alteração á lei existente e terá sido isso que levou á desistência do processo. Já agora há uma conversa entre dois bloggers que li e achei engraçado sobre o assunto:´

        “How do we know they’re not lying? How do we know they’re not just saying this so it never gets to the Supreme Court? ”
        “Of course they are. Their lips are moving aren’t they?”

        • Daniel says:

          Isso era em relação ao All Writs Act e não quanto às leis que citei. A jurisprudência não se sobrepõe à palavra da lei, normalmente é criada jurisprudência quando uma lei é ambígua ou há uma lacuna na lei e a interpretação dada a essa ambiguidade (ou decisão face à lacuna) toma de certa forma palavra de lei (se o juiz que analisa o caso assim o entender, porque nem sempre o juiz aceita a jurisprudência e obriga o caso a ser julgado por inteiro, depende sempre da decisão do juiz responsável).

          No caso do All Writs Act a discussão é se é sequer um uso correcto. O All Writs Act surgiu em 1789 e obrigava todas as pessoas ou organismos/instituições/empresas a prestar auxilio sob qualquer forma possível a quem tivesse jurisdição no caso, desde que mandado pelo tribunal (que basicamente foi o que aconteceu)… é a adequabilidade do uso do All Writs Act é que está em causa, tendo em conta que desde então surgiram bastantes leis para clarificar situações e contextos que não existiam na altura em que surgiu, além do facto de ser por demais ambígua

    • Ragnar says:

      Pronto, como se esperava os fanboy com as suas teorias da conspiração.

      • Francisco says:

        Há por ai pessoas que for para deitar a Apple abaixo, até o EI apoiam.

        • Ragnar says:

          Não se trata de deitar abaixo a Apple ou não, todos sabemos que a Apple é uma marca de topo, mas como todas tem defeitos e os utilizadores deverão ser os primeiros a apontar o dedo para que a marca seja cada vez melhor e não defenderem tudo com unhas e dentes como se fosse só virtudes.

          • Mota says:

            ” utilizadores deverão ser os primeiros a apontar o dedo para que a marca seja cada vez melhor e não defenderem tudo com unhas e dentes como se fosse só virtudes.”

            *clap clap clap* Long live, Ragnar Lothbrok ahah

  3. KURT says:

    Segundo alguns iluminados, a Apple ganhou e assim está tudo controlado! Não há backdoors made in Apple está tudo em segurança!

    • RVM says:

      Pronto, lá vêm os ranhosos dos Androidtretas, a meter nojo, como de previsível.

      Então como era a Apple ganhar?

      O FBI meter backdoors no código do iOS, como já o faz no Android e Windows/Windows Phone?

      Vai lá brincar com o teu Androtretas, que de certeza vem com backdoors chineses, para além do facto de ser basicamente spyware/adware da Google como um SO…

      Tão “baum”, que nem podes apagar o Chrome, e não podes tirar a publicidade do Chrome, mas para as G-ovelhinhas, não interessa, a Apple é que é má!

      • BS says:

        Sai um bacalhau fresquinho, é só postas destes artistas iluminados que poluem o forum com teorias da treta, não posso apagar o chrome? Essa é para rir amigo ahah, compro bilhete para o seu espetáculo bo circo

      • KURT says:

        Em primeiro lugar quando te diriges a alguém, principalmente que não conheces, fá-lo com respeito.
        Como já alguém da pplware aqui disse, isto não é para todos uma guerra iOS vs Android, ambos têm coisas boas e coisas más e por isso é que sou utilizador dos dois sistemas, queres medir pilinhas volta para o infantário.

        Apenas comentei algumas opiniões que acham que para a Apple não ter de colaborar mesmo que isso signifique perder o controlo sobre a situação tendo o FBI recorrido a outras entidades para quebrar a protecção do iPhone longe dos olhares da Apple, consideram uma vitoria para a empresa e para os utilizadores que são contra isso, quando é completamente falso.

        Uma vitoria seria colaborar, negociar alguns pontos para não colocar em causa a segurança dos utilizadores e tentar manter a situação controlada ao máximo.

        Quanto à tua teoria do Chrome no Android, como em qualquer outro equipamento existem configurações e software pré-instalado que não é possível alterar/remover sem acesso root, isso acontece em qualquer sistema, mesmo nos mais liberais.

        Para terminar a Apple não é má nem boa, agiu em conformidade com aquilo em que acredita ser o mais correcto, eu simplesmente não concordo, é uma opinião e aceito que haja quem tenha opinião contrária uma vez que este é um tema delicado.

        • Tomás says:

          O que quer que a empresa externa tenha feito, isso continuaria a ser possível mesmo que a Apple tivesse colaborado.
          Se a ordem do tribunal sobrevivesse isso implicaria que daqui para a frente a Apple teria muito provavelmente que andar a abrir buracos em todas as próximas versões do sistema operativo e iPhone. Tal seria bem pior do que alguém arranjar um método para uma determinada versão dum determinado aparelho, que pode até nem funcionar nos aparelhos e/ou versões mais recentes.

          • Ricardo says:

            Não é preciso abrir buracos nenhuns. Eles estão lá. Ainda não perceberam isso?
            Eles aproveitaram este caso para querer outra coisa, não foi por causa dos dados. Os dados conseguem sempre.
            O que me revolta e ver utilizadores tapadinhos que acham que estão seguros por terem um equipamento Apple. Se dormem descansados fiquem lá com esse pensamento.

          • KURT says:

            Nada é impossível, mas desde o momento em que isto começou a ganhar mediatismo o sistema fica mais exposto só pelo facto de ser alvo de exploração intensiva.
            Nenhum sistema é 100% seguro e a velocidade com que é quebrado só depende do seu mediatismo, popularidade, do numero de pessoas que o exploram e do interesse que isso tem.

            Se a Apple fizesse o que a empresa externa veio fazer, em silencio e controlando minimamente os riscos certamente que as coisas seriam muito mais agradáveis, para os utilizadores e para a empresa.

          • Tomás says:

            Ricardo, ganha um pouco de juízo. Pões-te a falar que outros são tapadinhos mas vens para aqui dizer “isto e aqueloutro” como se soubesses como foi feito, ignorando que segundo a opinião de quem é da área isto terá quase de certeza passado por um ataque de força bruta ao PIN.

          • Tomás says:

            KURT, o sistema já era alvo de exploração daquela empresa que se tem falado como mais provável, faz parte do seu ramo de actividade fornecer soluções deste género. O mediatismo não tornou a empresa mais capaz, nem terá mudado muito o seu incentivo financeiro, apenas terá acelerado o processo.
            O que tu acabas por falar é de efeitos em relações públicas e não segurança.
            Se a Apple fizesse aquilo, abria a porta a muita coisa que ninguém deseja.

        • MLopes says:

          desculpa mas estás totalmente errado!
          tal como errado estaria a criação de uma backdoor intencional. seria uma violação gravíssima da privacidade de todos nós.
          não nos devemos esquecer que a Apple não é quem ganha ou perde em casos como este. somos nós que ganhamos ou perdemos.
          a instalação de uma backdoor intencional permitiria que tal fosse feito em qualquer telefone localizado em qualquer parte do mundo bastando apenas “rodar a maçaneta da porta”.
          pelo contrário, atos de pirataria (sim, a ter acontecido o relatado tratou-se de pirataria) são muito mais difíceis de realizar do que apenas rodar uma maçaneta e exigirão, com certeza, a disponibilidade de muito mais recursos ou até, eventualmente, o acesso físico ao equipamento.
          acho que a maioria das pessoas que defendem a invasão da privacidade ainda não perceberam bem o que está em causa, tal como não perceberam a diferença importantíssima entre abrir propositadamente uma porta ou mantê-la fechada para que o bandido não entre e este ter que a arrombar para entrar, se conseguir…

          • KURT says:

            A questão poderia ser resolvida apenas com a colaboração da Apple e isso não implica que o desfecho seja criar backdoors e aqui é que as pessoas que defendem a Apple falham redondamente na minha opinião. O serviço prestado pela 3ª empresa poderia ter sido prestado pela Apple que muito provavelmente não passou pela criação de backdoors, com isto a Apple mantinha tudo minimamente controlado.

            Como eu disse, apesar de ignorares no teu comentário, eu tenho 90% certeza que seria possível encontrar um meio termo que desse acesso ao iPhone em questão (ou a qualquer outro nas mesmas condições), sem criar backdoors que comprometessem todos os sistemas, eventualmente aos quais eles não têm acesso físico como tu próprio mencionas-te, aliás foi provavelmente o que esta 3ª empresa veio fazer.

            Basicamente a Apple perde o caso e falha redondamente porque não se chegou a frente e deixou que viesse uma empresa externa colocar toda a segurança em causa.

          • Tomás says:

            Criar um novo sistema com as características que o FBI queria é criar um backdoor que compromete muitos outros aparelhos, e seria o primeiro passo para ter o mesmo nos iPhones que têm melhores defesas no hardware por imposição duma nova ordem judicial. Seria criar um backdoor com alguma persistência no tempo.
            O que a 3ª empresa criou pode muito bem deixar de funcionar com uma actualização de software ou nem ser aplicável a aparelhos mais recentes e não seria a colaboração da Apple que iria evitar que aparecesse o método alternativo.
            Quereres um método sistematizado para acesso a dados encriptados sem saber de antemão a password é por definição um backdoor. Parece mais que queres inventar uma outra palavra qualquer para substituir a palavra backdoor

      • Vlad says:

        Podes indicar alguma prova em que indique que o Android ou o Windows Phone têm backdoors.

        • Ricardo says:

          W10 tem comprovadamente, a propria ms admitiu, o android e feito pela google e nsa e tb tem..basta pesquisar. So compro iphone, alias ninguem conhece outro smartphone na vida real, so os nerds que leem blogs e tem amigos quadrados

          • Vlad says:

            Onde é que a Microsoft admitiu que tinha um backdoor para a NSA?

            O Android é feito pela Google pela NSA? WTH! Eu presumo que estejas a referir ao código contribuído pela NSA ao Android com melhorias de segurança. Para a tua informação esse código é aberto, ou seja, está sujeito ao escrutínio de milhares de milhões de pessoas. Seria muito amador por parte da NSA esconder um backdoor aí. A NSA também contribuiu para o SELinux, isso não quer dizer que este seja um backdoor.

          • Ricardo says:

            A própria ms admitiu o que? O meu lumia 1520 tem backdoor? Prova me por favor. Mostra factos, não atires para o ar.

          • RVM says:

            https://en.wikipedia.org/wiki/NSAKEY

            Microsoft

            E recentemente veio a público a versão “chinesa” do Windows 10…

          • Vlad says:

            @RVM
            Ou seja quando é qualquer teoria da conpitação contra a Apple tu negas estas, quando é contra a Microsoft tu já és a favor? Ou seja tu és dois pesos duas medidas.

      • Hugo says:

        LOOOL toma um rennie rapaz.
        E desde quando é que não podes apagar o chrome? Eu pelo menos posso.
        Ninguém diz que a apple é má, simplesmente gostávamos que muitos de vós vissem a realidade tal como ela é, mas não, quase que querem obrigar um gajo a fazer uma vénia à apple.

        • Ricardo M. says:

          @rvm boa teoria essa da conspiração essa que foste buscar? Para já não tem nada a ver no Windows phone, em segundo a Microsoft negou tudo, e explicou o que era aquilo.
          Microsoft denied the speculations on _NSAKEY. “This report is inaccurate and unfounded. The key in question is a Microsoft key. It is maintained and safeguarded by Microsoft, and we have not shared this key with the NSA or any other party.”[4] Microsoft said that the key’s symbol was “_NSAKEY” because the NSA is the technical review authority for U.S. export controls, and the key ensures compliance with U.S. export laws.[5]
          É este o teu backdoor do meu Windows phone? Posso rir agora?

      • Carlos says:

        Tens razão, pá!
        Já no iOS é canja desinstalar as apps da Apple, o Safari, por exemplo.

      • Tony says:

        Não alimentar o troll

      • Nuno says:

        Sim porque todas as apps do iPhone podem ser removidas certo? Certo..? Ah não…? Ah…

      • RATM says:

        Que raio de mania da perseguição… Deixa de criticar pessoas sem as conheceres,ou só tens amigos com iPhones,elitista? Ranhoso é o teu comentário!Come o resto da maçã e cala-te!

      • Ragnar says:

        Típica resposta de quem não tem argumentos, ou seja atacar o outro, neste caso atacar o Android. Androidtretas porquê? Achas isso um argumento ou achas-te engraçado?

      • Mota says:

        Alguém que tire as palas a esta personagem RVM , sff

    • Tomás says:

      A opinião de muitos da área é que o FBI arranjou forma de fazer um ataque de força bruta à password do aparelho, que não passava de um PIN de 4 algarismos. Se fosse uma password mais complexa não teriam muita probabilidade de desbloquear; é também possível que o método usado não seja replicável em iPhones mais recentes.

  4. Renato says:

    Lol, lá se foi o FBI embora! Agora era a Apple processar o FBI para se assegurar que isso nunca mais acontece na história!

    Os Androids já andam cheios de azia, o meu contrário foi apagado no tópico da versão chinesa do Windows que “é mais para trabalho”… LOL!

  5. Boss says:

    Foi rápido que se quebrou a “segurança inviolável do iPhone, que garante segurança e privacidade a todos e nos livra dos regimes ditatoriais”.

  6. Rui Carriço says:

    A Apple merecia agora que os Feds publicassem o método para todos saberem como se faz.

    • Francisco Pinto says:

      ISso é o que os Feds não querem que se saiba! Por isso o método foi classificado como secreto! E porquês? Porque se soubesse a Apple ia inviabilizar o método! Ao contrário do que pensas a Apple ficava ”contente” por saber era um dois em um! Ganhava aos Feds e ainda podia fechar mais um bug!. Se é que foi através de um bug do iOS!

      • Tomás says:

        exacto! E mesmo assim é quase certo que esse método não servisse de muito se tivesse uma password minimamente decente, alfanumérica, pelo menos 6 caracteres.

        • Ricardo says:

          Mais uma teoria Tomás. Só leio teorias e opinioes.

          • Tomás says:

            tu em contrapartida és o fiel depositário da verdade, e revoltas-te quando alguém diz algo contra a (tua) verdade.
            http://www.zdziarski.com/blog/?p=5966
            as opiniões fundamentadas defendem que isto envolveu um ataque de força bruta à password
            No iPhone passwords alfanuméricas de 6 caracteres demoram mais de 5 anos a passar por todas as possibilidades em condições ideiais.

        • Francisco Pinto says:

          Teoria. Como não se sabe até pode ter sido através de um bug e aí a password até podia ter 100 caracteres que de nada vale!
          Neste momento e possivelmente assim vai continuar não passa de especulações quanto ao método usado.

          • Tomás says:

            é informação já encriptada e fazendo uso duma password. Não há muitos sítios para haver bugs que permitam ultrapassar a password de encriptação dum aparelho que foi desligado.

          • Francisco Pinto says:

            Tomás acorda! Já não é a primeira vez que o IOS Têm bug no lookscreen que permitiam aceder ao iPhone! Não é inconcebível que tenham descoberto outro.

          • Tomás says:

            Francisco, reflecte bem naquilo que escrevi e depois comenta. Estamos a falar dum aparelho que foi desligado.
            Os bugs no lockscreen só funcionam com um aparelho que já tenha sido desbloqueado depois de ligado (password), só assim é que o sistema consegue ter as chaves para desencriptar alguns dos dados enquanto bloqueado, havendo outros dados que continuam encriptados mesmo que passes o lockscreen usando um bug qualquer.

  7. PsySc0rpi0n says:

    Pessoalmente não é uma questão de ser Android ou iOS ou whatever! É uma questão de privacidade. Tudo bem que era necessário aceder aos dados do telefone do “artista” mas agora que (atenção) supostamente o FBI já teve acesso ao conteúdo do telefone, não estará aberta uma outra luta semprecedentes, uma vez que se conseguiu para um telefone, podem conseguir para qualquer telefone? Então se antes não havia já grande privacidade (nomeadamente para desconhecidos, aka hackers), agora muito menos haverá, já que os governos poderão ter também acesso aos nossos conteúdos!
    Por isso eu digo que poderá estar-se a abrir uma outra luta sem precedentes no que toca à “reclamação” ao direito de privacidade. Imaginemos que agora grandes empresas querem processar judicialmente essa tal empresa israelita que ajudou o FBI????

  8. David Guerreiro says:

    E pronto, o FBI já tem acesso aos dados necessários para fazer o seu trabalho de investigação e quem sabe, evitar futuros ataques com esses dados. A Apple não foi obrigada a nada. Da próxima usam o mesmo método e pronto. A Apple tem falhas abertas, e eles nem lhes dizem quais são.

  9. str says:

    “FBI já acedeu ao iPhone e terminou o caso contra a Apple” estranho não serem acusados de obstrução a justiça. Fosse um gajo particular/anónimo era apertado ate colaborar e se fosse uma empresa pequena e nova no ramo era logo boicotada e acabava por fechar portas.

    • Vlad says:

      Estilo como a Lavabit?

      • Tomás says:

        O Lavabit também teve oportunidade de lutar em tribunal contra a decisão, se bem que mal preparado e numa situação bastante distinta.

        • Vlad says:

          O Lavabit não tem o apoio publico e estatal da Apple, bem como não têm a capacidade económica e legal da Apple. Também nunca fizeram à Apple o mesmo que fizeram à Lavabit que enviaram uma intimação em cima do joelho que forçou o Levison a aparecer no tribunal sem representação legal de um advogado e ele próprio sem direito a representar-se.

          • Tomás says:

            Essa questão não invalida que a Lavabit teve direito a lutar em tribunal e ainda recorreu da decisão antes de se ver obrigada a tomar a decisão que tomou.
            Ele tinha direito a representação legal, a empresa é que não tinha advogados capazes nos seus quadros e demorou a arranjar um que contudo não pode estar presente em tribunal por causa duma nova intimação em cima da hora, sem que conseguissem arranjar outro para substituir. Isso é algo que nunca aconteceria com a Apple, mesmo com intimações em cima da hora.

          • Daniel says:

            @Tomás e Vlad, errado, a grande diferença entre a Lavabit e a Apple é que no caso da Lavabit os serviços eram da Lavabit e o FBI queria ter acesso a dados (na verdade aos metadados) que a Lavabit tinha acesso. Já no caso da Apple o iPhone não pertencia à Apple, a Apple simplesmente fez e vendeu o equipamento. Só haveria equivalência se a Apple se recusasse a dar os dados que tinha nos seus serviços (iCloud, por exemplo), algo que a Apple prontamente deu.

          • Tomás says:

            Daniel, o que dizes não está errado, mas não se estava a falar tanto da equivalência directa dos casos, mas antes das empresas e indivíduos terem direito a lutar contra certas ordens de assistência sem que isso seja obstrução à justiça. Neste caso a ordem nem tinha força legal ainda, por exemplo.

          • Tomás says:

            Vlad, se leres bem repararás que ele não concordou com parte da ordem e foi ao juiz contestar essa parte, sem que isso fosse automaticamente considerado obstrução à justiça, pois tinha direito a isso; é disto que me estou a referir. O resto do que se passou é um episódio triste de abuso de autoridade e aproveitamento das regras especiais daquele tipo de tribunal “secreto” para debilitar a capacidade de defesa duma empresa com poucos recursos.

    • Tomás says:

      E como é que iria ser acusada de obstrução à justiça se a ordem ainda não tinha valor legal para ser aplicada, e se a Apple tinha o direito a recorrer?
      Eis o que o Juiz chegou a dizer:
      I certainly don’t think, let me just comment, that Apple’s been flouting the order. The order, essentially — it isn’t — pending a final decision, there’s not really — it’s not in a stage that it could be enforced at this point.

      • Bruno Laranjo says:

        O que eu acho que o str quer dizer é que existem outras formas de pressão que não legais para o FBI/Governo Americano pressionar uma empresa a revelar dados dos seus clientes.

        • Tomás says:

          ele fala muito claramente em serem acusados de obstrução à justiça, um procedimento legal. Formas de pressão não legais não fazem partem das ordens judiciais e revelam possível ausência de autoridade legal para o que pretendem.

    • Hugo says:

      Foi precisamente o que eu pensei ao ler a notícia !

      • str says:

        Na verdade toda esta conversa está muito mal contada. Não acredito que uma agência federal como o FBI ia se deixar “bater” por uma empresa fosse ela qual fosse, e largar o caso assim do nada, passa uma imagem de fraqueza. Cheira me a acordo entre as partes. Claro que nunca vamos conhecer todos os pormenores desta historia.

        • Tomás says:

          A Apple tinha fortes hipóteses para ganhar a anulação da “pré-ordem”.
          O que o FBI realmente queria com isto tudo era levar o Congresso a criar a legislação que o FBI pretende, usando este caso junto da opinião pública. É reparar que se acreditassem na existência de uma ameaça à segurança nacional, não teriam esperado tanto tempo, nem teriam optado por um processo público.

          • Ricardo M. says:

            Mais uma vez, fortes hipóteses! Probabilidades outras vez?
            As pessoas querem certezas!
            Se isto, se aquilo.

          • Tomás says:

            Ricardo, era um caso num tribunal, não é uma equação matemática de primeiro grau. As leis são interpretadas havendo espaço para diferentes tipos de argumentação, podendo um juiz interpretar duma maneira e outro doutra.
            Mas se queres certezas, não há nenhuma lei que dê aquela autoridade ao FBI, mas até há leis que proíbem o FBI de exigir aquele género de coisas a empresas de certas áreas.

  10. Ricardo says:

    Não sei onde está a admiração. O que é o jailbreak? Depois da saída de uma nova versão já conseguem fazer o jailbreak, e achavam que não conseguiam os dados. Porque é que a Apple não combate isto do jailbreak?
    Um estudo bom a apresentar aqui seria a quantidade de utilizadores da Apple que usam jailbreak.
    Porque é que a Apple não procura respostas a esta inviolacao deste iphone? Porque é que não se pronuncia agora? Porque é que não tenta saber como acederam aos dados? Não há nenhuma declaração pública aos seus utilizadores. Há muitas respostas que estamos a espera. Silêncio vai ser a resposta da Apple.

    • Tomás says:

      Silêncio?
      http://www.macnn.com/articles/16/03/28/company.remains.committed.to.national.conversation.on.privacy.security.133242/
      Isto é silêncio?
      A Apple já tinha pedido no tribunal que o FBI informasse sobre como seria feito, mas não parece haver nenhuma lei que obrigue o FBI a fazer isso.

      • Ricardo says:

        Tomás queres enganar quem com links?
        Isso fala do antes do FBI ter acesso aos dados. Não fala da Apple perguntar como obteram os dados?
        Queres tapar os teus próprios olhos?
        Aonde está a Apple a declarar que vai querer saber como foram acedidos aos dados?
        Até podes enganar quem não sabe ler inglês, mas a mim nao.

        • Tomás says:

          Vai com calma se faz favor, lê primeiro antes de andares a acusar outros com parvoíces…
          O link é sobre a declaração da Apple após o FBI ter dito que já tinha acedido aos dados.
          A Apple ter perguntado no tribunal foi há uma semana, algo que já tinha sido noticiado. Para não andares com manias, dou-te mais um link
          appleinsider.com/articles/16/03/21/fbi-requests-court-delay-iphone-encryption-motion-citing-new-unlock-method
          e outro link sobre não haver leis que obriguem o FBI a dar essa informação
          arstechnica.com/tech-policy/2016/03/feds-mum-if-they-will-disclose-how-fbi-got-data-from-seized-iphone/

        • Francisco Pinto says:

          Qd se soube que o FBI teria um método possível a Apple disse publicamente que quero saber como? Agora como o FBI terminou o processo em tribunal a Apple não tem como obrigar o FBI a dizer como o fez! Por isso o FBI Acabou com o processo em tribunal.

    • Ragnar says:

      Porque quem faz o jailbreak sabe mais a dormir que todos os programadores da Apple, juntos e acordados.

    • Renato says:

      O que é que interessa o jailbreak?

      Para teres jailbreak, tens de ter o telemóvel desbloqueado, password e acesso físico.

      • Ricardo says:

        Diz me o significado do jailbreak por favor?
        Para que serve? O que faz? Como faz? E como é que a Apple deixa se ser “violada” por ele há tantos anos?

        • Hugo says:

          Nem a apple nem ninguem se “deixa” ser violado.
          As coisas simplesmente não são perfeitas e há quem se aproveite dessas imperfeições.

          • Ricardo says:

            Boa! Custa assim tanto admitir?
            Todos os sistemas são assim.
            Para que é vêem para aqui os fanboys defender que o seu sistema é perfeito, seguro e impenetrável?
            Teimosos

        • Tomás says:

          O jailbreak não ultrapassa encriptação do “disco”, no máximo pode facilitar a introdução de ferramentas que permitam atacar a password de encriptação

      • Brasão SS says:

        Não vale a pena @ Renato! Pensam que sabem muito, depois só sai asneiras!
        Enfim…

  11. Lino says:

    De todos os finais possíveis, este foi sem dúvida o mais humilhante para a Apple. Mais valia ter cedido desde o início do que assistir ao seu sistema ser desbloqueado desta maneira patética…

    É o fim de um mito. Nunca mais a Apple se vai poder vangloriar de ter sistemas altamente seguros, lamento.

    • Hugo says:

      Esse comentário não faz sentido por vários motivos.
      -“desbloqueado desta maneira patética”? Dizes isso com base em quê? Qualquer desbloqueio, sendo que se aproveita de alguma vulnerabilidade do sistema se pode considerar patético.
      -“De todos os finais possíveis, este foi sem dúvida o mais humilhante para a Apple” Humilhante em que aspecto? Não me parece que a opção de ceder “livre acesso” fosse melhor em nenhum aspecto. A apple quis mostrar pulso firme, e bem, e agora tem que acarretar com as consequências.
      -“É o fim de um mito”. Qual mito. Mito é acharem que algum sistema é inviolável, isso sim é um mito.

      • Lino says:

        Um mito que é promovido pela própria Apple, que por várias vezes sugeriu que nem mesmo ela seria capaz de desbloquear o aparelho. Desbloqueado de forma patética, considerando o tempo tão curto que o FBI levou a resolver o assunto. O final mais humilhante, porque se perdesse na justiça ou se fosse a própria a desbloquear o aparelho nunca teria de passar pelo vexame de ver terceiros a fazê-lo. Portanto, os teus argumentos é que não fazem sentido. Aliás, Hugo, tu tens opiniões próprias e independentes ou só és capaz de comentar por cima daquilo que os outros escrevem?

  12. Mark says:

    O problema é se fazem legislação em que obrigue as autoridades a terem acesso aos sistemas.
    Essa legislação já existe para algum software especifico, dai a fazerem o mesmo um SO é um pequeno passo.

    • Tomás says:

      Essa legislação é para infra-estruturas de empresas de telecomunicações, em propriedade dessas empresas e dados encriptados pelas empresas; coisas que essas empresas já teriam de alguma maneira acesso, sem backdoors.
      Será um salto considerável passar a ter backdoors nos aparelhos dos consumidores.

  13. Carlos says:

    Não há sistemas infalíveis. Aceitem ou não depende da inteligência de cada um.
    Aqui o que me revolta é que isto demonstrou uma enorme falta de respeito para com as vitimas, por parte da apple e dos seus fanboys.
    Será isto uma manobra de markting para conquistar pedófilos, terroristas e criminosos em geral?

  14. Andre says:

    Mas alguém tinha duvidas?

  15. RATM says:

    Se havia situação que justificasse aceder à dados esta era uma das mais prováveis, independentemente de sistemas operativos, teorias de inviabilidade etc…

  16. censo says:

    Como já disse em outra ocasião, parce que a Apple preferiu entregar este processo a estranhos, em vez de controlar o mesmo. Seria sempre preferivel a empresa colaborar e manter o assunto entre mãos e evitar assim esta mensagem que passa para o mercado, que apenas os fans recusam ainda que evidente: não ha sistemas inviolaveis. Quer queiram quer não, é mesmo assim.

    • Tomás says:

      Sim, sim, a Apple permitir abrir o precedente para que daqui para a frente todos os sistemas tivessem um backdoor iria mesmo evitar que a outra empresa desenvolvesse este possível método, que muito possivelmente depois pode ser fechado pela Apple.

      • Lolato says:

        Desenvolveu porque o FBI lhe pagou para o fazer, não por divertimento; se o FBI não precisasse, não havia dinheiro, nem trabalho, nem método.

        • Tomás says:

          A empresa trabalha e cria ferramentas em análise forense de iPhones há muitos anos que depois vende como serviço. Tanto quanto se sabe pelas declarações do FBI, a empresa desenvolveu isto por sua iniciativa própria, tal como muitas outras anteriormente, não terá sido paga previamente.

  17. Ricardo says:

    Gopro,snaochat, instagram, facebook, spotify..todas abandonam o WP..o pior SO

    • Ricardo M. says:

      E esse comentário vem em relação a que?
      O spotify abandonado? Completamente enganado, ainda hoje levou mais um update. Spapchat? Nunca teve aplicação para Windows Phone, ou seja, não se pode dizer que foi abandonado. Facebook o que? O Facebook utiliza se pelo brownser como nos outros só por causa da bateria que gasta. Gopro? 99% das pessoas não escolhe um só por causa de uma aplicação. Instagram? Portado directamente do ios. Nunca tiveste pois não? Não fales entao.

  18. Kekes says:

    Marketing. A “privacidade” foi violada igualmente, só prova que os iPhone se vendem na China porque estão cheios de buracos para as autoridades como todos os outros. Conclusão, tanta coisa para nada. No final fica tudo como estava e a Apple perde o direito de dizer que é inviolável. No entanto os menos atentos vão continuar a acreditar que a Apple é o pináculo da segurança depois de todo o filme.

  19. Jorge says:

    Tretas, o fbi apenas ligou o pino c2 ao F9 e o iphone desbloqueou-se.

  20. Jorge says:

    Isto foi bom e mau para a apple
    Bom para que eles pensem em aumentar o nivel de segurança do ios
    mau para a reputaçao deles

  21. Amsil says:

    Queria ver se a Apple fosse alvo de um atentado!

    • Mark says:

      Com a quantidade de fanáticos que por ai anda, tinham logo um exercito pronto a ir á guerra e dar a vida para defender contra novos atentados

      • Brasão SS says:

        Isso é válido para todas as “facções”.
        Não é só para uma!

        • Mark says:

          Eu cá faço parte daquela minoria que vejo tudo como sendo tecnologia e onde Google, Apple, M$ é tudo a mesma coisa: pura e simplesmente mais uma das muitas empresas de tecnologia.

          • Brasão SS says:

            @Mark
            Bem-vindo ao “club”
            Também faço parte dessa minoria em que todas são empresas de tecnologia. Mas não acho que sejam todas iguais. Tenho uma preferida, mas certas coisas que não encontro na “preferida” ou não funciona tão bem, vou buscar às outras, e assim fico com o melhor de todos os mundos. Cada empresa tem sempre diferenciais. Depois é uma questão de gosto pessoal.
            Mas sejamos sinceros, por aqui passam 4 tipos de “comentaristas”
            1- os iFans
            2- os iHaters.
            3- os moderados (tipo nós, que aproveitam o melhor de todos os mundos, penso que também sejas assim… E acho que o Tomás também entra no “club”) 😀
            4- os trolls.
            Mas o que prevalece sem sombra de dúvidas são mesmo os iHaters, atiram cada pérola!
            Vês poucos iFans a postar críticas negativas em artigos Android, Microsoft, etc… Alguns até são trolls. Mas o que se vê com muita abundância é iHaters postarem críticas negativas em artigos da Apple, e grande parte deles atiram “pérolas” muitas vezes sem saberem nada do assunto. Um exemplo:
            Se fores ver as críticas das Apps da Apple que estão na PlayStore, já ficas com a ideia do tipo de pessoas que são os iHaters. Se fores ver as críticas das Apps da Google, Microsoft, na App Store verás que grande parte dos iUsers fazem críticas bem positivas!
            Conclusão! A Apple movimenta multidões! Para bem e para mal! Mas lá está, há um ditado popular adequado à Apple que diz “que mais vale falarem mal de mim, do que me rezarem pela alma” Lol 😀
            Que falem mal, é sinal que ainda existe!
            Quanto à questão do artigo, vê-se muita gente pouco percebeu o que PROVAVELMENTE se passou. A empresa israelita ( pura especulação minha, baseada na especulação dos outros, ninguém sabe se foi realmente assim)
            Cellebrite, usou um método que foi “clonar” a memória flash do iPhone 5c para poder repetir as vezes que fossem precisas a password, sem perder os dados depois de 10 tentativas erradas. Não sei se tiveram que desmontar o iPhone ou não! Deduzo que sim, pela lógica.
            Isto ainda vai dar que falar!
            Porque o FBI adiou a audiência de 22 de Março, à ultima da hora? Porque desistiram sem obrigar a Apple?
            Edward Snowden afirmou que “se o FBI quisesse, não precisaria da Apple para desbloquear o iPhone. Que isso era para obrigar a Apple a criar um backdoor”.
            O FBI ao início disse que só a Apple poderia desbloquear o dispositivo.
            Porque o FBI levou este circo todo até às últimas circunstâncias e depois pura e simplesmente desistiu?
            Gostava era de saber o que encontraram dentro do iPhone 5c.
            E já agora, usaram iPhones nos atentados na Bélgica?
            Parece que não! Usaram telemóveis que foram destruídos momentos antes de se explodirem.
            Isto de certa forma prova que enfraquecer a criptografia pode prejudicar pessoas e empresas de bem, não os criminosos. Nos dias que correm os criminosos já não arriscam a usar seja que dispositivo for, podem ser apanhados, ou interceptados.

  22. Pedro says:

    Cá pra mim é bluf, tipico dos norte americanos…

  23. Fernando says:

    Já pensaram que há uma grande possibilidade de ter sido a própria Apple a ter cedido os dados, mas para que não seja gerado o pânico entre utilizadores foi dito que uma outra empresa já conseguiu “hackear” o dito Iphone.
    Até todos queriam e ninguém conseguiu, até sapatos se comiam. De repente…Já está. Acho um pouco estranho no mínimo e conveniente também. Acho que as notícias saem a público da forma que os grandes monopolistas pretendem.
    Este foi “só” mais um exemplo.
    Eu uso Iphone e gosto bastante, não me considero um fanático, mas acho que funciona muito bem.
    De qualquer das formas, esta é apenas a minha opinião.
    Vale o que vale.
    Abraço a todos
    Ppware, parabéns pelo vosso trabalho até agora.
    =)

  24. Joao says:

    “However, given a CNN report that the method used was specific to the iPhone 5c, which lacks the Secure Enclave of later iPhones, it seems likely that the NAND mirroring technique described by Edward Snowden was used.

    With this approach, the effaceable storage is copied, ten attempts made to access the device and then the original data written back to the NAND memory to reset the counter. Israel mobile forensics company Cellebrite was said to be the company carrying out the work for the FBI.”

  25. Serato says:

    Havia alguma duvida?
    Mas ainda existe pessoal que anda a dormir com a “protecção” da Apple?
    Vejam lá se percebem de uma vez por todas, que a Apple oferece tanta protecção nos seus productos como todas as outras empresas… o que eles dizem é só uma jogada de marketing para venderem productos caros….

  26. RATAX says:

    A Apple tinha evitado esta péssima imagem que fica da “segurança” do iphone se tivesse, voluntariamente feito isto memo, desbloqueado aquele e só aquele equipamento, sem por em causa todo o ecossistema.
    Agora o FBI sabe o que fazer para desbloquear, no mínimo, qualquer iphone 5C.
    Além disso teria dado uma excelente imagem de cidadania, mostrando colaborava com as autoridades sempre que estivessem em causa questões de segurança pública graves como é o caso do terrorismo.
    Agora já é tarde Apple…
    Que isto sirva para a Apple, a Google, a Microsoft e afins aprenderem que é possível, sempre que a gravidade dos casos e o bem comum da sociedade o justifiquem, colaborar com as autoridades dos vários estados sem porem em causa a generalidade dos seus utilizadores.
    Agora, o FBI ja sabe como arrombar, pelo menos, qualquer iphone 5C.

  27. Lolato says:

    A Apple criar a ferramenta para o FBI era o fim do mundo, uma empresa “qualquer” furar a segurança já não há problema nenhum 😀

  28. djofight says:

    Demasiado ruído aqui no thread, por algum motivo o FBI forçou o caso a tornar-se político. Não pode numa sociedade de direito uma empresa privada ou um particular sobrepor-se ao estado. É altamente irresponsável da parte da Apple, entre outras, a criação de uma tecnologia sem endereçar a necessidade de uma autoridade a poder aceder. Se eu no meu ofício não posso, por exemplo, configurar RSA num router acima de x bits, quem sou eu para me meter com idealismos? Os Tim Cooks deste mundo, com os seus complexos de Deus, criam problemas mais graves do que os que querem resolver. Numa prespectiva de governo, uma Apple, Google, Microsoft, Telegram whatever, se quiser operar num determinado país, teria de antecipadamente garantir meios de auxílio à investigação. Nem todos os países têm o poder de aceder ao knowhow da empresa israelita que alegadamente ajudou o FBI, ou outra entidade capaz.

    • Tomás says:

      Essa tem piada. A tecnologia de encriptação existe há décadas e o seu uso não é ilegal. Nos Estados Unidos o assunto da encriptação já tinha sido abordado há muitos anos atrás, chegando ao ponto de nas leis de vigilância proibirem as agências de segurança de obrigar certas empresas a tomar medidas do género que queriam agora impor à Apple. Num estado de direito respeita-se a lei e os procedimentos judiciais, coisas que davam todo o direito à Apple para actuar desta maneira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.