Quantcast
PplWare Mobile

Apple manda produzir na Índia o iPhone 14 ao mesmo tempo que na China

                                    
                                

Autor: Vítor M.


  1. Ricardo says:

    Posso estar enganado mas já li que produtos apple fabricados na Índia não têm a mesma qualidade e há pouco tempo, vários AirPods produzidos la vieram com defeitos.

  2. BitBit says:

    O que é novo é a produção do novo modelo começar ao mesmo tempo na China e na Índia.
    Por exemplo, a Foxconn começou a montagem do iPhone 13 na Índia em Abril deste ano e no Brasil poucas semanas depois.
    A produção principal continua na China.

  3. Nuno says:

    Será a Apple a antever uma Guerra….

  4. Joao Ptt says:

    Estranho é a Apple não produzir nos EUA, e ajudar a fazer a América grande novamente.
    Preços altos? Não é um problema, os compradores pagam o que ela pedir como já se viu, seja 1000 ou 3000 euros as pessoas pagarão.

  5. Secadegas says:

    Eles querem lá saber se há ou não guerra… Os lucros obrigatórios estão em primeiro lugar. Os accionistas estão acima de tudo!!!

    • Vítor M. says:

      Antes de distribuírem lucros pelos acionistas, eles pagam a funcionários da Apple, pagam a empresas fornecedoras e só depois disso tudo é que distribuem os lucros, se houver (no caso da Apple, a empresa dá lucro já há muitos anos, prova que é bem gerida e não é uma empresa estatal 😉 ) com isso, a empresa faz aquilo que lhe compete, como devem ser todas as empresas, pagar antes de mais aos seus funcionários, pagar os impostos, pagar aos seus fornecedores e distribuir em que apostou. E é isso que está certo.

      Claro, quando é uma empresa da dimensão da Apple, uma das maiores do mundo, há que ter sempre em conta estes problemas geopolíticos. Se os EUA confrontarem a China, possivelmente haverá uma dura batalha nos mercados. E a Apple não quer ser prejudicada. E diversificar o fabrico, apesar de sair mais caro, permite não estar nas mãos de qualquer governo. Mais ainda em países onde não há democracia e mantêm conflitos latentes com o mundo em geral. Trump tinha já essa visão, quando criou um projeto de financiamentos para trazer a produção destas empresas para países em volta dos EUA, como nas Caraíbas, México e alguns países na América do Sul. A Foxconn usou estes incentivos, assim como outras empresas e hoje o México, por exemplo, está em segundo lugar nos países que mais exportam para os EUA. A China, tem caído, depois da introdução de algumas políticas na presidência de Trump e seguidas por Biden.

      • Jose Lapao says:

        Mais um Apple fan, não deixa de ter razão em alguns pontos, mas como já foi dito aqui no Pplware assim como noutros sítios o custo de produção de um iPhone custa em média 250€, e é vendido em media por 1250€ ou seja 5x mais, ok eles pagam aos trabalhadores, fornecedores, e afins mas isso já estará reflectido nesses 250€ do custo, com a Apple e todas as outras empresas a produzirem em países onde não há um mínimo de escrúpulo nas condições de trabalho, onde se trabalha mais de 15h por mês e ganharem um valor irrisório para que os grandes acionistas comam caviar todos os dias.
        Se produzirem nos EUA ou mesmo na Europa, os lucros deram menores, mas a qualidade será de longe melhor e levar a que países como a China, pensem melhor como tratam os seu trabalhadores e a sua sociedade, ao produzir em países assim só promovem a pobreza e e a desigualdade

        • Vítor M. says:

          Apple fan não, sou utilizador de todo o ecossistema há mais de 10 anos. Por isso, assim como nas restantes plataformas, tenho um conhecimento aprofundado dos assuntos. 😉

          Sobre os custos de produção, vamos lá ver, o iPhone até pode ter um custo em média 250€. Mas isso é o custo de fabrico (supostamente). Depois há o custo de investigação, desenvolvimento, transporte, de venda, de pós venda, de marketing, e outros custos associados a taxas e impostos. Isso não está nada refletido no preço de 250 euros. Nem pensar.

          Depois, sobre o fabrico, a Apple até é uma empresas que tem feito pressão nos países onde fabrica para melhorar as condições dos trabalhadores. A Foxconn é uma empresa que já não é “de vão de escada”. Assim como a Samsung, e outras grandes empresas que produzem os componentes para os iPhones e outros equipamentos Apple.

          A Apple, por seu lado, tem lucros e mantém o seu negócios espalhado por todo o mundo. Tem lojas físicas pelos 4 cantos do globo. Quem mais tem isso no mundo da tecnologia? E não estamos a falar de qualquer loja. Tens lojas com qualidade incrível. Já estive em algumas e é uma qualidade mesmo para quem lá trabalha.

          Depois, conheço muitas pessoas que trabalham, por exemplo, em Espanha e que fazem o atendimento ao mercado português e sei que não são mal pagas. Bem pelo contrário.

          Como tem sido reportado, se há uma empresa que na China ajudou aos trabalhadores deixarem de trabalhar por uma malga de arroz, essa empresa foi a Apple. Está lá há mais de uma década e dá trabalho a alguns milhões de pessoas direta e indiretamente. Relembro que muitas das grandes cidades que hoje vivem da tecnologias, no passado eram pobres aldeias piscatórias sem grandes recursos. Havendo outras, claro, mas a Apple foi uma das que mais fez mexer o mercado asiático de tecnologia nos últimos 10 anos. Aliás, assim como a Samsung na Coreia e noutros países ali na Ásia.

          Mas há mais, a Apple deu e dá trabalho a empresas na Índia, Taiwan, China, Coreia, Vietname, Japão, Tailândia, Malásia, Brasil, EUA, Porto Rico, México, Austrália, Costa Rica e muitos mais. Nos últimos 10 anos foram dezenas e dezenas de países. Vê aqui o último relatório https://www.apple.com/supplier-responsibility/pdf/Apple_SR_2022_Progress_Report.pdf

          Portanto, essa música de explorar os coitados na China é uma treta (a Apple está sempre a ser vigiada pelos olhos do mundo, mas como referi, não é a Apple que contrata os trabalhadores, contrata as empresas que estão obrigadas às leis de cada país). Assim como o discurso sindicalista que muitos gostam de ter, mas que não fazem ideia de como são as condições em milhares de fornecedores que trabalham e trabalharam para a Apple.

        • Castro says:

          muitas ideias enviesadas no que dizes.
          Primeiro que tudo, com uma mera pequena pesquisa é fácil de encontrar o estudo de custos de materiais dum iPhone 13 Pro, indicando um valor de 570 dólares para um aparelho que é vendido a 1099 dólares.
          E este tipo de valor não inclui todos os custos da Apple (ao contrário do que afirmas), é apenas uma estimativa do custo directo com materiais e fabrico… não inclui os custos de I&D do aparelho e de componentes desenhados pela Apple, não inclui outras despesas com pessoal, marketing, transporte, etc…

  6. Jose Lapao says:

    A mesma retórica dos custos de investigação, design, marketing, etc, etc, como se todas as outras marcas não tivessem os mesmos custo, o que conta aqui é a margem de lucro, e valorizar a produção nacional ao invés de desloca-la para países com regimes ditatoriais e pouco escrupulosos.
    Podemos ver ao logo da história, a China ofereceu terra a que os ajudou no passado, Macau, Hong Kong, Taiwan, e muitos outros, agora quer tomar (e já tomou muitos) desses territórios de forma hostil, e há empresas como a Apple, e outras que financiam esses regimes mascarados dizendo que estão a melhorar a vida deles.
    Querem melhorar a vida criem as fábricas nos EUA, paguem os salários nos EUA, ajudando os seus, mas não a ganância do dinheiro faz disso. Alimentar regimes ditatoriais onde não há liberdade de expressão e ainda levam tecnologia para lá. Enfim cada um pensa como acha que deve pensar.

    • Vítor M. says:

      Mas há comparação entre as outras marcas? Quantas são do mesmo calibre? Número de patentes, quantidade de tecnologias proprietárias, número de dispositivos no mercado registados Apple? Tens algumas que possas dizer?

      • Jose Lapao says:

        Por essa lógica poderíamos dizer que há mais Bugatti no planeta que Fiat Punto ou Opel Corsa, ou mesmo Renault Clio, lá por ser mais caro na venda não quer dizer que sejam melhores ou que tenham mais patentes, muitas delas foram compradas e não desenvolvidas, e essa compra só foi possível devido ao alto preço a que vendem algo que fale o mesmo que o mais barato no mercado, exactamente como os carros.
        Um Bugatti tem um motor, 4 rodas e anda na estrada, que dentro da lei em Portugal, não pode exceder os 120km numa autoestrada , ou seja faz o mesmo que um Clio, um Corsa, ou Punto, mas custa uma ínfima parte, um iPhone é a mesma coisa, fazes chamadas, envias SMS e acedes a net e usas apps como qualquer outro smartphone, que custa uma ínfima parte.

        • Vítor M. says:

          Não percebeste, porque não leste o que escrevi. Mas lê.

          A par disso, e não havendo sequer comparação do que é a Apple e o que é a Bugatti (que faz parte do grupo Volkswagen), dentro de cada segmento uma é a líder, a outra não, é apenas uma marca com poucas unidades de venda e muito residual no mercado automóvel. Já a Apple dentro do mercado dos smartphones, nos premium, é líder há muitos anos e a tendência, segundo os números, é para continuar. Logo aí tens a separação entre os conceitos que chamaste à conversa. Isto é, nada a ver.

          O preço dos equipamentos premium, se deres uma olhadela, nivelam-se todos. A própria Samsung vende equipamentos premium mais caros que a Apple, a Huawei tem equipamentos mais caos que a Apple, a própria Xiaomi tem equipamentos já na gama de preços dos iPhone. Logo, disto, tiramos uma conclusão, criar bons equipamentos, custa mais e estes na venda ao público são mais caros.

          Depois, indo um pouco atrás, um smartphone Apple, como um premium de qualquer outra marca, traz às costas custos grandes, entre eles o desenvolvimento. Basta ver, por exemplo, que o preço de um ecrã AMOLED não custa o mesmo que um ecrã IPS. Ter um iPhone com 5G acrescenta um custo que outros sem 5G não têm, ter um Face ID ativado pela câmara TrueDepth para reconhecimento facial, a melhor tecnologia da atualidade para segurança do equipamento, tem um custo que outros sem Face ID não têm. Ter boas câmaras custa dinheiro e equipamentos com este conjunto de tecnologias, vão sempre ser mais caros.

          Não basta ter uma delas, não, se tiveres um smartphone com um ecrã deste nível dos da Apple nos iPhones mais caros (ou Samsung, entre outros), 5G, um sistema de câmaras com a tecnologia que a Apple coloca e um estrutura em vidro e aço inoxidável… vais ter preços acima dos mil euros. Depois é o custo da quantidade de armazenamento que faz a diferença.

          A somar a isto tudo, está o custo de ter uma rede de lojas global, ter uma das melhores estruturas logísticas do mundo, e ter, claro, um marketing poderosíssimo. Tudo isto custa muito dinheiro. Claro, tem de dar lucro, qualquer empresa tem de dar lucro. E quem aposta nas empresa, o obrigacionistas, entre outros, têm de ganhar 😉

    • Castro says:

      Para calculares a margem de lucros tens que saber todos os custos…
      E não, outras marcas não têm os mesmos custos… É a Apple que tem que arcar com todos os custos
      de desenvolver um processador e um sistema operativo de raiz… Isso é numa dimensão que não vês nos fabricantes de smartphones Android, já que: 1) aproveitam-se do investimento da Google para as novas versões do Android e 2) no que diz que respeita a processadores não é sequer comparável, pois ou compram o SoC às fabricantes (maioria dos casos) ou no caso especial da Samsung, usa os designs da ARM para poupar no desenvolvimento…

  7. Stanley says:

    Momento especulação: será o iPhone 14 o último a ser produzido na China?

  8. claudio says:

    Conclusão da conversa: A Apple segundo eu entendi nos comentários é a marca que tem sempre qualidade em tudo e a melhor em tudo e as outras nem sequer existem. Engraçado que a mentalidade das pessoas vive em redor de uma Marca que vive mais da fama e do poder associado que propriamente aquilo que rouba nos preços dos produtos que fabrica que independemente da qualidade não vale um tostão. As marcas chinesas fazem mais e melhor e de uma maneira geral as novidades aparecem nos Android só depois passado meses ou anos é que a Apple tem. Tenho vários exemplos: Ecrã sem Notch a Apple tao inovadora não sabe fazer o Face ID sem Notch depois os Widgets que o Android sempre teve, a personalização que na Apple nem existe quase. Carregamento rápido esquece leva 2 a 3 horas para carregar um IPhone e as baterias ruins que dói……..há tantos exemplos que a Apple prova que a fama e aquilo que vende ás pessoas é uma ilusão completa, cabe a cada um escolher claro. Abram os olhos malta da Apple. Android pode ter coisas más mas tem telemóveis bem melhores que Iphone.

    • Vítor M. says:

      Se calhar tu tens de abrir os olhos 🙂 porque ano após ano, quem está a perder não é a Apple nem os utilizadores Apple. Repara bem se não são os outros 😉 tu és o que vais na autoestrada a ver tantos carros a vir de frente e dizes “porra, este povo está todo em contra mão” 😉 não dês a volta não 😀 Não tens nenhum Android que seja, no seu conjunto (serviços, software, hardware e ecossistema) melhor que o iPhone, acrescentando que o iPhone tem maior longevidade e 3 mercados na sua vida útil, novo, recondicionado e usado.

  9. Profeta says:

    A Apple foi uma experiencia espiritual do Steve Jobs e o resultado esta a vista. E mais glamor e querer pertencer as elites electronicas que outra coisa, porque no fundo e um telemovel como os outros. Pode ser mais bonito ou mais feio consoante os gostos de cada um. E sim custos de producao existem em todas as marcas, nao ha uns que gastam mais que outros, anda tudo mais ou menos pelos mesmos valores nos custos. Mas para alguns a Apple continua a ser a Apple, tem nome e bonita e fascinante, e da ca 1500€ e o resto e conversa. Os accionistas agradecem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.