PplWare Mobile

OnlyOffice: Ainda é este ano que vai abandonar o Office da Microsoft


Pedro Pinto

Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

86 Respostas

  1. CMatomic says:

    Os Utilizadores de sistemas GNU/Linux não precisam de instalar este programa pois esta disponível a appimage .

  2. Falcão Azul says:

    Parece-me ser muito jeitosa esta suite.

  3. iSheepNot says:

    Pergunta.
    Num cenário hipotético em que todos os utilizadores do pacote Microsoft Office, sem excepção, migrassem para soluções alternativas que aqui são apresentadas, o que teria o Pplware a ganhar? Qual seria o grau de satisfação?

    Mais uma pergunta.
    Porque é que o Pplware, ao apresenta soluções alternativas ao Microsoft Office, tem sempre de “anexar” mensagens que dão a entender que as pessoas devem abandonar o Office da Microsoft?

    • DBs says:

      Uma vez que a plataforma da Microsoft é referência no setor, há muitas pessoas que não conhecem alternativas.

      É válido considerar que a plataforma da Microsoft possuí recursos incríveis, no entanto, para aqueles que a utilizam poucas vezes, o valor acaba se tornando alto.
      Muitas são as pessoas que utilizam a plataforma apenas para abrir um documento ou mesmo fazer anotações de valores em uma planilha.

      Fator indicativo de que o valor agregado pelos produtos varia de acordo com o público-alvo é o modelo de negócio que tem sido adotado pela Microsoft ao longo dos últimos anos, onde são oferecidas outras vantagens acessórias aos pacotes do Office 365.
      Dessa maneira, muitos consumidores optam pelos serviços para obter vantagens como armazenamento adicional na nuvem.

      Se considerarmos que a Microsoft raramente subtrai funções destes softwares e, em contrapartida, adiciona centenas de novas funções ao ano, é fácil concluir que a maioria dos usuários não utiliza todo o potencial da plataforma.

      E, com essa informação, faz sentido que a redação indique ao consumidor uma alternativa gratuita, e que pode atender às suas necessidades.

      Mesmo que apenas alguns leitores se enquadrem no cenário, considero uma ótima atitude, visto que este tipo de ação, certamente auxilia na diminuição da pirataria – infelizmente, tão comum no setor.

    • João Victor says:

      Eu acho que é válido haver alternativas em certos segmentos de softwares. Nessa área de office, a Microsoft se tornou um monopólio, sendo a única opção descente para um usuário comum. Por essa razão ela é capaz de cobrar preços elevados, pois não há uma concorrência visível, uma prática bastante errada aliás.
      É interessante haver a divulgação de aplicações gratuitas ou low-cost que funcionam bem, mas não de maneira sensacionalista como foi feito no título dessa matéria.

      • Cortano says:

        Preços elevados?! ~6€/mês consideras elevado (anuidade de 69€)? E isto é preço na store da MS, porque é muito comum encontrares campanhas a menos de 50€/ano.

        O Office365 não é só o Word, PowerPoint e Excel. Tens mais aplicativos e tens serviços associados (p.ex., 1 TB no OneDrive).

        A Office tornou-se um monopólio não imposto. Tornou-se porque nenhuma concorrência sequer fez um esforço para ser considerada concorrência – são alternativas, mas não concorrência.

        Se achas o Office365 caro, então o que dizer do suite da Adobe…

    • Vítor M. says:

      É simples, o MS Office é o melhor produto do mercado neste segmento, mas as alternativas são isso mesmo, alternativas. Se as usares o que vais fazer? Deixas de usar o Office.

      Fácil de perceber, nem precisava de explicação. Se passas a usar este, que é bom e gratuito, 100% compatível, o que acontece ao outro? É abandonado, largado, etc…Semântica.

      Depois, a título informativo, com base numa amostra real e no senso comum, 90% das pessoas usa o Word para textos simples, o PowerPoint para apresentações básicas e o Excel para tabelas e cálculos também básicos. Não terão grande perda ao passar para um sistema free como este.

      E os outros ah? Têm o MS Office. Simples.

      Devem abandonar o que nso precisam e o que pagam? Se no resto da vida já o fazem, porque levas a mal fazer isto ao produto da Microsoft? Algum interesse subjacente?

      Se a realidade não fosse assim, nso existiam tantos utilizadores do Gmail, do Outlook e outras plataformas “à borla”. True!

      Bom ano é grande abraço.

      PS: uso o MS Office porque para mim é indispensável, comprei há dias o Office 2019. Muito bom, top mesmo.

      • Ze das Quintas says:

        Correcção as outras opções são alternativas, excepto o Google Docs que na minha opinião funciona melhor na web que o MS Office, especialmente a parte colaborativa.

        • Vítor M. says:

          Uso também o Drive pela cloud e formulários.

        • DBs says:

          Realmente. O Google Docs, em termos de plataformas web, é um grande concorrente da Office.

          Apesar de pagar a plataforma da Microsoft, ainda faço uso do Google Formulários, que é muito superior ao Forms em funcionalidade e aspecto visual.

          No entanto, basta abrir os editores web de planilhas e vemos onde a Microsoft se destaca.
          Ainda que a plataforma web da Google seja muito boa, existem limitações no uso avançado. Da mesma maneira como ocorre na Microsoft.
          Entretanto, neste cenário, no Office, há a integração com a versão desktop, onde a realidade é outra, com diversas mais possibilidades, principalmente se considerarmos o uso de VBA.

          Claro, são cenários mais específicos, no entanto, que me limitariam em determinados momentos.

          Adicionalmente, não posso deixar de comentar que o Google Docs possui um potencial imenso quando consideramos o uso dos Scripts que podem ser implementados pelo usuário através da plataforma web.

          Considero que no cenário web, estão muito a frente da Microsoft, no entanto, a web ainda não é capaz de atender as demandas de todos o usuários.

      • Cortano says:

        Porque optas pela edição em pack (Office 2019), e não pelo Office 365?

    • Daniel says:

      Iria alavancar a visão dos software opensource e consequentemente diminuir o lucro da Microsoft nesse setor. Além de acabar com o monopólio, afinal existem inúmeras suítes office.

  4. SoulReaver says:

    @iSheepNot, @ Luis – A meu parecer, que não tenho nada a ganhar com isso, apenas estou a manifestar a minha opinião, no que diz respeito aos títulos, não são nada mais nada menos do que “sensacionalistas”, uma forma de “levarem” as pessoas a abrirem a notícia e lerem os artigos em questão…o que é que o Pplware ganha com isso? – Leitores, visitas, divulgação de conteúdo… E os leitores ficam esclarecidos e a conhecerem alternativas aos programas mais utilizados, pagos… O conhecimento não ocupa espaço, e este tipo de divulgação é sempre bem vindo ; )

    • José says:

      E, para isso tudo é necessário colocar “Ainda é este ano que vai abandonar o Office da Microsoft”!!! O que é aprendemos com isso? Não bastava falar de opções gratuitas e válidas pra realizar trabalhos de “escritório”? Isto como nos é dado parece propaganda comparativa, o que em Portugal era era proibido, agora nem sei bem, por que há muito tempo que não leio a legislação relativa a estas coisas, mas enfim. É não vejo estas comparações com mais marca alguma. Que culpa tem a Microsoft em ser maioritária e ter o melhor produto, tem que levar “pancada” sempre que se fala em alternativas? Aonde está então a livre opção do consumidor? Se é para informar, e que tal dizer que a própria “Microsoft” também oferece” a possibilidade de se utilizar os seus produtos gratuitamente on-line e que só não os usa quem não quer? Mas no entretanto falou-se de alternativas idênticas dos concorrentes! Coerência, parece hoje um arqueísmo.

  5. Fak says:

    vou experimentar, atualmente uso Free Office, está-me a convencer a parte dos marcadores e assim…

  6. dio says:

    Não conhecia, parece interessante.
    Primeira impressão: Não está preparado para monitores 4k ou não encontrei onde fazer o resize para ficar “minimamente visível”.
    E na versão livre Desktop Editors não tem a aplicação de email?

  7. umx says:

    Vinha a calhar era um artigo sobre a integração nextcloud/onlyoffice

  8. Hugo Nobre says:

    Eu uso o libreoffice no windows 10 e tendo eu conta que o meu PC não é muito potente (Pentium dual core) o libre office parece ser mais leve. Gosto tbm da forma como as ferramentas estão organizadas.

    • Flavius says:

      O que notei com o Libre office , foi a demora em abrir arquivos Excel ou Word com algum tamanho <30MB não e muito eficaz, mas de resto tem servido no PC pessoal.

  9. Fak says:

    fica aqui o meu review para o pessoal ler:

    pontos negativos:
    – não tem portugues de portugal, tem do brasil.
    – enquanto estava a escrever o ponto acima, tinha o “powerpoint” do only office a abrir, embirrou em meter-se à frente do browser umas 4 vezes… só por isso já conta como ponto negativo, LOL
    – não tem lá grandes opções nas definições… tem função auto-recovery caso o programa feche inesperadamente, mas não tem opção para mudar de quanto em quanto tempo grava…

    pontos positivos:
    – funciona tudo numa mesma janela, por abas, ou seja, tens o “word”, “excel” e “powerpoint” em abas, numa mesma janela, não em separado.
    – interface muito semelhante ao MS office, ajuda bastante

    Document (word)

    – tem tudo o necessário, dá para mudar estilos, tamanhos, criar tabelas, etc… tem umas opções que acho interessantes:
    – rastrear mudanças: com a opção ativa, quando se escreve, o texto fica meio rosa, indicando que o paragrafo não é o final ou seja, “para revisão”. quando se clica nele, aparece um balão a dizer quem escreveu, em que dia e a que horas, com um visto e uma cruz. clicando na cruz risca esse paragrafo (não o apaga, fica omitido na vista de markup), clicando no visto dá-se o paragrafo como final.
    – display mode: markup, final e original. o markup mostra por exemplo, o texto riscado feito com o rastreador de mudanças (track changes), o final omite o texto rejeitado e o original mostra tudo o que foi escrito.
    – tem também uns botões Next, Previous, accept e reject, é para usar com a opção de tracking de mudanças.
    – dá para encriptar o ficheiro
    – aba de plugins: basicamente facilita trabalho ao estudante com plugins pré-instalados, desde leitores OCR, plugin para adicionar videos do youtube ao documento, editor de imagens, macros e ainda dá para instalar mais plugins, ainda não sei onde os conseguir.

    sheets (excel)
    – também tem o ideal, na aba “home” chama logo à atenção umas caixas enormes com as cores branco, amarelo, verde e vermelho com o texto normal, neutral, bad, good. certamente será para facilitar o trabalho de marcar celulas como corretas ou incorretas.
    – dá para fazer comentários por celula, ou seja, cada célula pode ter o seu proprio comentário.
    – encriptação e também a aba de plugins.

    presentation (powerpoint)
    – tem uns temas… OK… não são muitos, só tem 12, mas como isto é o mundo do opensource, certamente dá para instalar mais.
    – de resto, tem tudo igual aos outros da gama, o necessário, encriptação e aba de plugins.

    a meu ver está muito bom, é opensource, certamente haverá plugins feitos por outros utilizadores que se possam usar, já li nalgum lado que dá para instalar um plugin do wordpress por exemplo.
    apesar do programa ter versões pagas, esta versão gratuita não faz spam para comprar as pagas nem muito menos tem limitações, tudo o que vem com ela pode ser utilizado e uma coisa que notei é que as letras ficam normais… um problema que encontro no libreoffice e Free Office é que certas letras como o A e o O ficam algo separadas… aqui isso não acontece…

    de um modo geral parece bom, só experimentando a sério mesmo e ver como corre, mas está interessante.

    • Fak says:

      a nivel de processos o OnlyOffice tem 3 processos, cria + 1 processo por cada document/sheets/presentation que se abra. com 1 instancia de cada um aberta o programa debita ~800MB de ram. tanto o document como o sheets como o presentation usam cerca de 150MB de ram cada.

      já tem spellcheck para todas as linguas de escrita embutidas, incluindo portugues de portugal.

    • Portugues Único says:

      Só o facto de ter a lingua de Camões na versão sul americanqa para mim é impeditivo.
      Português só existe em Portugal. O resto são tunings da pior espécie que lá por terem 200 milhoes de pessoas pensam que algum dia o fake PT br vai vingar.

    • Daniel says:

      ” – não tem portugues de portugal, tem do brasil.”
      Pensar que Portugal se acha tanto, por ser o berço da língua portuguesa e de ter colonizado o Brasil. E hoje os programas preferem fazer versões para o português brasileiro que o verdadeiro português de Portugal. A colônia agradece.

      • Luis says:

        Provavelmente porque o Brasil tem maior visibilidade mundial que Portugal.

      • PTO says:

        Não é uma questão de preferência é somente uma opção empresarial óbvia e que se traduz pelo facto da dimensão do mercado brasileiro ser muito superior ao de Portugal.

        Independentemente disso, sim, Portugal é o berço da língua portuguesa e tem muito orgulho nisso.

        Se no Brasil, ao fim de quase 200 anos de independência, ainda existe quem padeça do complexo de ter sido uma colónia portuguesa, isso seguramente não é culpa de Portugal.

  10. Andre says:

    Acho que neste tipo de artigos esquecem sempre o principal. O Office é uma ferramenta de trabalho, e a nível empresarial de que serve ter uma suite que não é 100% compatível com a que é usada pela quase totalidade das empresas?
    De que me serve receber arquivos Excel, Word, PowerPoint no formato Microsoft e depois ao abrir no Only Office ou Libre Office e ficarem desformatados ou deixam de funcionar fórmulas ou os slides sem transições?

    Se for para uso doméstico ou ocasional, ok, a nível empresarial, esqueçam!

    • Fak says:

      a nivel empresarial todos os documentos enviados devem ser os finais e consequentemente, entregues em PDF… se eu trabalho na GOOGLE e quero enviar um documento à Microsoft vou enviar um Word? obviamente que nao… envio um PDF, no minimo…
      as planilhas excel servem mais para uso Interno da empresa, normalmente as empresas servem-se mais do excel como uma Base de dados que outra coisa…
      powerpoint? a sério que vais fazer uma apresentação em powerpoint para a empresa? #ShameOnYou.

      cabe à empresa decidir o que usa a nivel interno, para externo nunca se deveria enviar documentos word, excel, powerpoint ou seja o que for, para mim é falta de profissionalismo sinceramente, mas isso é a minha opinião… já na escola todos os meus trabalhos eram entregues em PDF, apresentações eram feitas em prezi/Xmind ou outras plataformas… já ninguem quer saber do velho morto e sem graça powerpoint… nem acredito que na tua empresa ainda fazem apresentações powerpoint…

      • Toni da Adega says:

        Agora já fiquei esclarecido.
        Tenho que avisar lá na empresa (e também a todos os nossos clientes) que andamos a trabalhar de forma errada.
        Andamos nós a enviar e receber, de e para clientes, documentos para revisão/anotação em Word quando se podia enviar em pdf

        Próxima vez que for a uma reunião ou conferência (100% das vezes) e vir uma apresentação em PowerPoint vou logo salientar que isso está errado.

        • Mateus Pinto says:

          +1

          Não sei onde é que alguns trabalham mas na minha área (falamos de centenas de pessoas só em Portugal) todos fazem apresentações de PowerPoint e gravam em formato editável para o caso de terem que modificar algo; e as apresentações são em computadores dos hotéis/ centros de congressos que tem o MS Office. Os Word fazes num PC e envias aos colegas em formato editável para poderem alterar se quiserem.

          Até haver um Office livre que seja 100% compatível e não desformate os arquivos do MS, muito poucos usarão.

          • Mike says:

            Segundo a própria OnlyOffice, diz que é 100% compatível com o MS Office. Se é verdade ou não, só fazendo o teste…

        • Fak says:

          Toni da Adega
          e é verdade, PDF é mais comodo, é mais leve, oferece seurança ao criador do documento e pode ser aberto em todo o lado, já que hoje em dia até os browsers abrem PDF.

          não é que powerpoint esteja errado, nunca disse isso, está ultrapassado.

          fazer uma apresentação não é só estar à frente de um quadro de projetor a falar, é manter os ouvintes entretidos para não perderem o foco, é charma-los à atenção… eu sinceramente vejo aqueles slides estaticos ali com um gajo a falar… passados 5 minutos estou com sono…

          • Toni da Adega says:

            Eu sei perfeitamente a diferença entre um doc e um PDF, são coisas diferentes e objectivos completamente diferentes.

            Se dormes nas apresentações então a culpa é do apresentador não do PowerPoint. Para quem nao sabe o PowerPoint não faz apresentações, simplesmente é uma ferramenta de auxílio de apresentação.

      • Falcao Azul says:

        PowerPoint esta o que? Ahahahaha amigo o power point é SEMPRE usado em todas as apresentações e eu trabalho numa multinacional, a Continental. Quando acabares o secundário vais ter de comecar a aprender a usar PowerPoint pois na universidade todas as apresentações também são com o software da microsoft e não prezis…

        • José says:

          Nem mais! Sou uma pessoa que tem uma vida académica bastante activa, pois estou na pós-graduação do meu último curso, ali todas as apresentações são em PowerPoint. Durante as licenciaturas que fiz, vi talvez 4/5 apresentações em Prezi e nada mais! Para estudantes universitários de qualquer nível nem vale apena estar com mais “trabalho” já que se tem o “Office365 universitário” “oferecido, com todas as vantagens inerentes. Se por vezes em determinadas faculdades ainda encontramos computadores com o Windows XP, que dificulta e muito o nosso trabalho, por que raio andaríamos nós a “inventar”, arriscando ter uma apresentação ou uma conferência com apresentações de esquemas estragada por falta de compatibilidade?

        • Fak says:

          falcão azul
          eu já acabei o secundário faz bastantes anos, não quero ir à universidade, obrigado… é perda de tempo de vida…

          eu não sou obrigado a usar powerpoint na universidade, não sou obrigado a comprá-lo nem muito menos a usar windows sequer. ninguem me pode reprovar por não ter um determinado software, nem mo podem exigir, eu tenho que cumprir com as regras que ditam a organização e como se fazem os trabalhos e isso pode ser com qualquer software e sabes porque?
          porque enquanto um dos aspetos de avaliação for a criatividade, ninguem me irá confinar a usar um unico programa.

          • Luis says:

            Ve-se logo que o teu nivel de qualificacoes é baixo mas ele tem razao. Powerpoint é sempre usado em universidades e em qualquer empresa, ainda por cima enquanto frequentas o ensino superior tens de borla o office 365 durante 4-5anos com 1 TB na onedrive.

          • Toni da Adega says:

            Completamente errado, na maioria das organizações (Universidade é um ambiente diferente) só se pode utilizar software autorizado e as regras são ditadas pela organização.

      • R says:

        O Prezi dá uns resultados bonitos mas não passa muito daí. Tem uma curva lenta de aprendizagem. O PowerPoint é e continuará a ser nos próximos tempos a referência por ser fácil e também poderoso para os utilizadores mais avançados.

        • Fak says:

          nunca usaste prezi tou mesmo a ver… eu também não posso dizer muito, só usei 2 vezes…
          o prezi tem poucas opções, está tudo no ecra, qual é essa do “tem uma curva lenta de aprendizagem”?

      • Cortano says:

        Se tu trabalhasses na Google não dizias isso, porque as coisas não funcionam assim.

      • Cortano says:

        Já agora o Prezi não é seguro. Se estás a usar o prezi com coisas confidências, lamento dizer mas fizeste asneira da grande.

        E!! Tu não fazes mesmo ideia do que se passa no mundo empresarial pois não?

        • Luis says:

          o rapaz nem ensino superior tem…é mais um trol com tempo a mais. Ignorem no

          • Toni da Adega says:

            Pode não saber do que fala, mas não pelo facto de não ter ensino superior

          • Fak says:

            prefiro ter tempo a mais sinceramente. vida não é só trabalho, eu ao menos tenho tempo livre, vou a um bar, vou de férias, estou com a familia todos os dias e só trabalho 6h e meia por dia, fico os fins de semana em casa, já tenho carro e já tou a pagar uma casa com a mulher…
            onde andavas tu com 27 anos?

          • Eddy says:

            Hoje em dia nao ter curso superior so um ze ninguem sem interesse…acho mesmo uma vergonha.

          • Toni da Adega says:

            @Fak
            Isso é uma vida perfeitamente normal e muito semelhante à minha.

            @Eddy
            Isso é mesmo mentalidade de me…
            Como se curso superior queira dizer alguma coisa, ainda mais que o papel do canudo é muito rijo e arranha. (E sim tenho cursos superiores )

          • Fak says:

            @ Eddy
            não tenho curso superior porque os meus pais eram agricultores, não têm nada, fui o primeiro da familia a ter o 12º ano, nem toda a gente tem possibilidades para ir à universidade, é caro, mesmo com bolsa de estudo, para mim seria impossivel, não tenho conhecimentos para me aplicar a isso, andava demasiado ocupado a trabalhar no campo do que a estudar e mesmo assim tive de ir pelo caminho mais facil e tirar um curso profissional, tudo para obter o 12º ano, não me podia dar ao luxo de reprovar ou os meus pais tiravam-me da escola.

            é facil atirar pedras quando não se sabe a historia dos outros.

          • Pedro R. says:

            @Fak 28 de Dezembro de 2018 às 21:44
            Muito bem! Odeio o snobismo de meninos que nada sabem da vida!

    • naoliveira says:

      Andre temos de começar por algum sítio, aqui há uns anos havia quem dizia o mesmo sobre o IE, porquê cumprir com os standard da WEB em vez de fazer páginas que funcionassem em IE já que 90% das pessoas usavam o IE como browser.

  11. Pedro R. says:

    Se fosse gratuito, teria utilidade. Mas não é, sequer, barato. Eu sou de opinião que os serviços públicos deveriam adotar uma solução de Office gratuita. Assim como SO e todo o software que for possível , desde que funcional e eficiente. Se alguém se der ao trabalho de fiscalizar as escolas do País, vai encontrar milhares de MS Offices cracados, o que é inadmissível em qualquer lugar, muito mais em serviços públicos, muito mais, ainda, em estabelecimentos de ensino, locais onde se pretende, não só ensinar as várias áreas de conhecimento, mas também, valores e atitudes . Isto é a minha opinião, que, claro está, não serve de nada porque sou um maldito professor que devia viver a pão e água como castigo por ter nascido e enveredado por esta horrível profissão que tanto mal produz ao nosso belo país cheio de pessoas admiráveis.

    • Pedro R. says:

      Correção. Verifiquei agora, seguindo o segundo link, o do botão, que a versão desktop é gratuita.

    • José says:

      Na empresa onde trabalho sempre se usou Windows e os seus serviços, inicialmente até usamos o Lutos123, já alguém se lembra? Mas após aparecer os serviços da Microsoft com o Office depressa se largaram os outros. Hoje temos o Office365, e a nível universitário é-nos oferecido o Office365 universitário, gratuitamente, portanto não é nada difícil continuara a trabalhar nesta plataforma. O resto das instituições públicas não sei como funcionam, mas deverão existir acordos do mesmo tipo.

  12. Rui Artur says:

    Como utilizador de Linux, ja usei quase todos os “free offices” nenhum, nem mesmo o LibreOffice me convenceu, acabo sempre por usar o Microsoft Office Online.
    Nao tenho razao de queixa dos processadores de texto, mas trabalhar com folhas de calculo é um pesadelo nestes “Free Offices”.

    • Fak says:

      @ Rui Artur
      não me queixo do Onlyoffice por acaso, aqui nos meus testes ele faz tudo o que eu custumava fazer no MS excel, até mesmo as matemáticas tipo =g3+b2 ele faz, nem é preciso meter =soma(g3;b2), aceita “abreviaturas”.

      • PTO says:

        “até mesmo as matemáticas tipo =g3+b2 ele faz, nem é preciso meter =soma(g3;b2), aceita “abreviaturas”

        Isso é seguramente o mais básico que QUALQUER folha de cálculo tem obrigatoriamente de fazer. Não será a isso que o Rui Artur se estava a referir mas sim a cálculos e fórmulas bem mais avançadas.

  13. Beatriz Gosta says:

    É um lixo. Já experimentei.

  14. Furtz says:

    Atualmente estou usando o FreeOffice e não tenho o que reclamar! Super Leve e sem aqueles montes de coisas inuteis que o novo MS Office te obriga a instalar.

    • Fak says:

      @Furtz

      experimenta o onlyoffice então, eu tbm estava com o Free Office e posso dizer que na minha opinião é melhor que o free office, é mais pesado, mas tem mais funcionalidades, funcionalidaes uteis, por exemplo plugins.

  15. jaugusto says:

    Não sei se é mau ou bom, mas é feito na Letónia e em Portugal nada, nem sequer tentam, é só blá blá “ai acudam a microsoft!!” e ao que parece tem clientes como a oracle!!

  16. gui says:

    Experimentei. Não chega nem perto do Libre Office, quanto mais do Microsoft.

  17. José Monte says:

    Uso o Google Docs online – a nível pessoal e profissional (jobs) dá, na boa, para trabalhar e fica guardado na drive ou então em vários formatos inclusive essas da MS Office.

    Na empresa usamos o OpenOffice – na boa – ninguém se queixa, antes pelo contrário.

    A verdade é que, quando se quer trabalha-se com qualquer programa minimamente competente. Temos é de deixar de esquisitices.

    Bom Ano para todos 🙂

  18. Wesley says:

    Estou a utilizar o WPS Office e antes que o julguem como “produto chinês inseguro”, saibam que ele me oferece apenas o necessário: processar textos, editar planilhas e criar apresentações. Tem nuvem própria, e se você não puder pagar, usa os seus olhos para ver breves anúncios de 5s durante a inicialização do app. E sem falar da compatibilidade com Android, IOS, Mac e Windows.

  19. Ricardo Abranches says:

    Não existe é alternativa gratuita ao Outlook ? ou existe ?
    eu já não consigo viver sem o Outlook, e mesmo no android uso o outlook sincronizado com o meu pc.
    Há uns anos a traz apareceu uma alternativa, mas deixou de existir.

  20. Fak says:

    o pessoal que reclama do PT-BR que não se preocupe, já entrei em contacto com os devs e à partida eu vou fazer a tradução EN/PT-PT, se tiver tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.