PplWare Mobile

Emprego como programador? Conheça as linguagens mais populares


Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. Mc says:

    Oh O BASIC COBOL e RPG morreram !!

    • Macopio says:

      O RPG (RPG II, RPG400, RPGILE) é usado em máquinas IBM. É uma linguagem que para além de cálculos estava direccionada para emissão de relatórios. O velhinho cobol ainda é usado em grandes instituições.

  2. Costa says:

    A popularidade da linguagem, não depende apenas da linguagem em si, mas de outros factores, desde históricos, de monopólio, da disponibilidade de pacotes/bibliotecas extra para um conjunto de tarefas, a factores de facilitismo dos programadores, etc…
    A tabela é clarinha como a água.

  3. Heldr says:

    Tabelas inúteis.

    Se eu quiser programar um front end gráfico touch, C não serve para nada.

    Se eu quiser programar para dispositivos embebidos, boa sorte com Python também.

  4. FV says:

    Se não fosse o Android…. o JAVA nem aparecia nessa lista.

  5. Mentecaptor says:

    Portanto a popularidade tem vindo a descer para todas… estranho.

  6. Hefesto,o Grande says:

    E ainda falam tão mal do Java,da Oracle… Enfim… 🙂

  7. Chevichev says:

    Tabela orientada por estudantes. Se fosse mundo empresarial a tabela seria diferente. E para quem quer emprego, que não vá fiado na “popularidade” desta lista.

    • zeca says:

      muito do que ali aparece, ainda é bastante usado no mundo empresarial, mas sim ha outras linguagens a crescer rapidamente e com cada vez mais procura

    • PeFerreira98 says:

      Se fosse orientada por estudantes o php nem aparecia ali. E o javascript estaria muito mais alto na minha opinião.

      • Chevichev says:

        Por isso é que disse “orientada” e não “feita”, não é uma realidade absoluta, é uma tendência. Se não fosse haveria alterações na tabela sim, mas nada radicalmente diferente. Java até poderia manter-se em primeiro mas com percentagem mais baixa, C e C++ abaixo de C# e javascript provavelmente.

  8. Kabindas says:

    Esse gráfico tem umas “cores giras”, no entanto uma visão mais atenta deixa algumas duvidas. Como explicar a queda de C em 2017 e a consequente recuperação em 2018 ?

  9. Rui RM says:

    SQL não é uma linguagem de programação… (PL/SQL sim).. SQL, não

  10. Bruno says:

    Gosto muito de Python e SQL mas Java e swift neste momento dão muito mais dinheiro , em Lisboa só por saber java muito bem ofereceram logo 4200euros brutos de ordenado + carro para deslocacao e nem licenciatura acabada tenho. Vale a pena investirem no Java pessoal.

  11. DevGeek says:

    Isto não faz qualquer sentido!! Em primeiro SQL não é uma “programming language” mas sim, conforme o significado da sigla em si, é uma “Structured Query Language” e partimos do principio que quem programa sabe SQL ou já teve contacto com, caso contraio é um DBA e não um programador. Em segundo, como é que o Javascript esta tão em baixo?? Tendo em conta que estamos numa era de revolução dessa mesma linguagem no mundo da web, muito devido aos Angulares, Vues e Reacts da vida (entre muitos outros)…. Enfim, como tudo na vida não se deixem guiar por tabelinhas e façam vocês as vossas pesquisas, percebam o mercado fora de linhas e colunas inúteis..

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.