PplWare Mobile

Saúde: Precisa de ir às urgências? Saiba quanto vai esperar


Pedro Pinto

Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

16 Respostas

  1. Dan says:

    Vai esperar muito tempo, se uma pulseira vermelha consegue esperar 1h o resto é para chorar.

  2. jmsc says:

    raramente os tempos indicados têm correspondência com a realidade já para não falar que uma avaliação humana é naturalmente falível.

  3. Marco says:

    Deve ser tão fiável quanto as estimativas do tempo de espera nas senhas … no entanto …qualquer inovação é melhor que nenhuma. Ainda há muito médico que demora demasiado tempo fora do consultório …

    • Nuno says:

      La tinha que vir a posta de bacalhau contra os medicos. Aconselho-o a passar um turno (de 12 horas chega) ao lado de um medico ou de um enfermeiro num qualquer servico de urgencia deste pais. Estou certo que fica estoirado so de observar.

      Quanto a fiabilidade tem toda a razao, os tempos indicados valem o que valem. Ha varios hospitais que pressionam os profissionais para abrir os episodios de urgencia bem antes de os doentes serem realmente vistos. Ou seja, para o sistema o doente ja esta a ser observado e saiu da lista de espera, diminuindo os tempos (virtuais), mas na realidade ainda esta na sala de espera.

      Para alem disso um doente pode iniciar a observacao num SU a uma dada hora mas depois ter de esperar horas por exames e/ou tratamentos no seguimento dessa primeira observacao. Esta cadeia faz com que o tempos de espera se prolonguem muito, mesmo quando quase tudo esta a funcionar bem. Por exemplo, um crianca e observada 10 minutos apos chegar a Urgencia, iniciado o tratamento 10 min depois, mas necessita agora de uma ecografia. Acontece que o ecografista tem mais 10 doentes urgentes para ver (da ginecologia, cirurgia, ortopedia,…). La se vai a rapidez de resposta e o miudo passa mais 3 horas na urgencia a espera do exame.

      Desculpem a falta de acentos. Cumprimentos!

      • Dan says:

        Desculpa mas eu no meu trabalho trabalhando 10 ou 12 horas e não ando lá a passear a dar à língua, a contar o dia de ontem todo e depois volto ao consultoria. Diga-me lá que um enfermeiro e médico tem a mais do que eu?

        • Nuno says:

          Sei lá… Uma vida nas mãos…assim de repente.

          • Dan says:

            Com tantas pessoas à espera uma sujeitas a perder a visão, outras um braço, um dedo, em que a prontidão e a rapidez se espera dessas pessoas e tu vens dizer uma vida, quando eles andam a passear só para demonstrar o seu descontentamento pelas horas dadas. Continuo a dizer o que eles são mais do que eu ou outra pessoa que trabalha muitas horas e não fazem o que eles fazem. Eu tinha vergonha de trabalhar 12 horas a passear e a dar à língua, problema eles não o tem é fazem isso à frente de todos. Talvez se trabalharem as 8 horas com tanto afinco não seria preciso as 12h, mas depois lá vem o problema do ganhamos pouco, lá vão eles continuar nas calmas e dar à língua. Isso acaba por ser a forma deles de protesto mas não está mais acertada porque quem se paga são os utentes, a direção do hospital, o estado estão a marimbar para isso. Agora custa ver os utentes pagarem pela falta de ética dos enfermeiros e médicos. Mas também sabemos que precisamos de mais médicos e enfermeiros e que os estado precisa de fazer algo, agora quem paga é sempre o utente com menos possibilidades. Por isso se esses senhores querem passear no corredor e dar uma de letras façam mas a frente do parlamento que não é assim que as coisas vão mudar, porque por mim todos que andam lá a gozar com a nossa cara era olho da rua, nem eu nem ninguém temos que pagar com o seu descontentamento.

          • Marco says:

            Os condutores de veículos de transporte de pessoas chegam a ter mais de 50 de uma só vez, ouvem as mesmas broncas e recebem muito menos 😛

          • Nuno says:

            Será que recebem mesmo? Menos que um médico sim. Que um enfermeiro já tenho as minhas dúvidas. É fácil falar, a verdade é e
            Que quando um médico ou enfermeiro os safa até ao hospital vão levar as couvinhas lá da horta, o bolinho caseiro, e a bela da lembrança. O comum dos cidadãos acha que o funcionário público lhe deve alguma coisa… É o país que temos. Se quando vêm médicos ou enfermeiros e até outros profissionais a passear os confronta – se talvez tivesse uma resposta que não estivesse à espera.

        • ervilhoid says:

          Ora talvez seja melhor pagar a um médico, que estudou uma vida, tem um trabalho que é um estudo continuo e uma responsabilidade enorme, o mesmo que ganha uma pessoa que trabalha 8 horas diárias num outro trabalho qualquer…

          Se ainda dissesses que um jogador de futebol ganha muito, ainda se fazia uma comparação

      • Marco says:

        Certo 😉 … a excepção não é a regra.

        Já deixei queixas em livro de reclamações do hospital contra o facto de por exemplo médico “x” chegar à hora de entrada ao serviço, ir picar o ponto, e de imediato ir tomar tranquilamente o café no bar à vista de todos, demorando e atrasando o serviço em cerca de 30mins, ou o facto da pausa do café da amanhã demorar cerca de 45mins também no bar à vista de todos enquanto os pacientes ficam à espera … é inadmissivel, e daí as queixas a quem de direito. Ou o que dizer do médico de família que devia entrar às 8am e só chega perto das 11am (felizmente agora andam mais na linha). Num qualquer hospital privado já piavam mais fino, e já tendo apanhado o mesmo médico nos dois sistemas, parece que nem são a mesma pessoa.

        Certo que isto relatado não são casos nas urgências, mas nas urgências já apanhei há uns meses um médico que nem me estava atribuido, a mandar-me umas larachas incompreensíveis que após a resposta que teve à frente dos outros utentes deu meia volta e foi-se esconder tamanha a vergonha da barbaridade que acabou de largar. Ou então o que dizer de um atendimento de uma médica que claramente ou não tem capacidades para o que está a fazer, que parece estar a dormir, ou tomou algum alucinogénico … se estava sem condições para trabalhar, que sejam acionados os mecanismos para tal, se não tem competência … mude de área, ou ainda de uma médica que se mete a disparatar ainda antes de eu expôr o caso, ao que lhe respondo que “o que acabou de fazer demonstra uma total falta de profissionalismo” e esta se silência perante a percepção das barbaridades que acabou de vomitar cá para fora …

        É certo que são ambientes altamente stressantes, mas responsabilizem a ordem pelo monopólio que há no meio, uma ordem corrupta que não luta pelo interesse dos próprios em prol destes e dos doentes. Á semelhança das ordems em geral … que acabam por sucumbir à política mesmo que não transpareça.

        É certo que os paciêntes / clientes (como lhes queiram chamar) primam cada vez mais pela falta de educação, pelo pouco civismo, e pela pouca paciência, no entanto vê-se cada coisa pela parte dos médicos que pergunta-se se gostam do que fazem. Muitos, especialmente os mais velhos primam pelo estatudo de um Deus, em que se o paciente demonstra ter alguma informação mais técnica, ficam indignados e arrogantes perante tal, quando deveriam considerar isso uma mais valia. Em relação a enfermeiros, tenho menos queixa (por norma a queixa maior é mesmo a arrogância) e os auxiliares ainda menos …

        Obviamente que nem todos são assim, mas com questões de status quo e afins, perde-se muita produtividade. Enquanto os pacientes esperam … também se vê muita coisa 😉

        Em todo o caso o que o Nuno diz, é totalmente válido, no entanto nem todos os profissionais … são profissionais e nem todos os utentes são educados e civilizados … esperemos dias melhores 🙂

        Cumprimentos,
        Marco

  4. soba says:

    por vezes o muito tempo de espera é gracas aos medicos pouco se importarem com os doentes,estarem na conversa ou atendendo o telefone para tratar de assuntos privados

  5. jaugusto says:

    mysns isto mysns aquilo Eh pá tantas apps, porque não uma mysns em que eu activava o que cria e pronto!!

  6. Pedro says:

    Por experiência pessoal, não funciona. Os tempos que são apresentados não dão para entender.. no hospital a que fui, São João (Porto), os ecrãs que apresentavam esta informação estava sempre a alterar para valores errados e nada relacionados (por exemplo, em 2 minutos passava de 0 pacientes e 30 min para 12 pacientes e 2 min de espera). Por onde fui passando estive atento e não encontrei um único painel que apresentasse os dados corretos (mesmo considerando as contas que eles indicam, média dos últimos x minutos). A ideia é boa, mas infelizmente na prática o sistema não funcionou no meu caso.

  7. Daniel says:

    Costumo usar.
    SE bem que uma vez por outra… não está devidamente atualizado.

  8. José Carlos Proença Garcia says:

    essa app, melhor os dados fornecidos pelo SNS são falsos – a situação é sempre MUITO, mesmo MUITO piores do que a app mostra

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.