Quantcast
PplWare Mobile

Samsung manipula benchmarks do Galaxy Note 3

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. elsaldanha says:

    A velha história do “comprar gato por lebre”.

    • Ken says:

      Simplesmente ficamos a saber que no modo alto desempenho e não “Overclocking” como se anda a dizer por aí, os quatro nucleos ligados conseguem as ditas pontuações e que eu saiba estão lá para isso! Acho ridículo tanto banze à volta deste assunto! Ora se uma determinada aplicação para correr de forma eficiente necessita de um determinado nível de potência vindo do processador e não mais do que isso, salvaguardando recursos de sistema ex: drenagem de bateria porque não correr essas aplicações com um nivel de potência mais baixo aumentando depois (activando 4 núcleos em vez de um) para que os valores dados por um qualquer app de benchmark revelem do que realmente o aparelho é capaz..! Realmente acho que alguém quer criar uma tempestade num copo de água para desacreditar a marca. Enfim.

      • Nelson says:

        Ouve lá, como é que sabes se está em overcloking ou não, se a única informação que tens é te dada pela samsung, e não há garantias nenhumas que é correcta?

        Enfim, comentários destes explicam porque é que a samsung PODE fazer isto, e “não se passa nada”…

        Vigaristas, vigarizam no S4 a dizer que é octo-core, quando na verdade, tem 2 tipos de cores diferentes (que mesmo assim, não chegam para o quad-core da qualcomm, nem para o dual-core da apple), vigarizam no overclock, vigarizam tudo…

        Mas não tem mal, enquanto venderem telemóveis dos 100 aos 800 ou 900€, sem problemas! Afinal, isso é lixar a cabeça a muita gente…

        Assim, como jornalistas que são subornados pela samsung, e não só.

        Samsung = Religião

  2. arkan says:

    samsung ta ficando desonesta, ja tem casos que a bateria colocada possui menos da metade do que é armazenado, e isso denovo de benchmark, como aconteceu no s4. A samsung só se queima com isso.

    eu dei um tempo, e não comprarei mais nada samsung, nem tv, nem smartphone, o ultimo produto foi o s4 i9505 que a bateria é bem ruim, nao aguenta o dia todo, e ja foi trocada na a.t dela.

    então, samsung espero que todos leiam isso e tomem as providencias para parar com isso de falcatruas.

    • É verdade que não é bonito fazer-se isso, mas não tem nada a ver com o comprar “gato por lebre”, até porque a performance de um equipamento não se mede nos benchmarks, os benchs só servem para “medir pilinhas” e dizer eu tenho a “pilinha maior”.

      Muitos programadores de kernels fazem isto, como por exemplo aquele kernel que apareceu há uns dias para o Xperia Z1.

      A performance vê-se como o equipamento se porta nas várias situações possíveis de uso, como se porta nos jogos mais pesados, se fica lento se não fica, se ganha lag se não ganha, etc etc.

      O que interessa realmente é a performance real do equipamento, e como ele se porta a longo prazo.

      • Pedro says:

        É essa “medição de pilinha”, utilizando a tua expressão, que faz com que tu possas escolher entre um S4 ou um HTC One – um exemplo.
        Para quem gasta mais de 600€ num equipamento e se informa devidamente sobre este, quer ter a certeza que as informações a que tem acesso são verdadeiras e que aquilo que está a comprar é de facto o melhor.
        O que quero dizer com isto é que num equipamento tão caro tudo é relevante.

        • Saber se vale a pena comprar é uma coisa, agora informar-se e decidir através de benchmarks, são casos de consumidores que não conhecem a real finalidade dos benchs.

          Atenção que não estou a defender a Samsung ou outra marca qualquer, sim eu também não acho bonito isto, mas falo por mim próprio, não são os benchs que me levam a escolher este ou aquele equipamento.

          Eu comprei o equipamento que tenho depois de analisar várias coisas onde os benchs não estiveram incluídos.

        • Nelson says:

          Benchmarks é para burros.

          Nunca mostram a verdade toda, e a menos que compres o telemóvel para poder de cálculo, é estúpido.

          Há milhentas características de um smartphone, agora se tira 100 ou tira 90 na nota… enfim…

      • Nunes says:

        quando se é enganado sobre a qualidade do produto está-se a comprar gato por lebre, a não ser, claro, que por já ser prática da Samsung não se leve a sério essa suposta qualidade!

        • Qualidade?
          A qualidade não está em causa, mas sim foi incluído um mecanismo que adultera o resultado dos benchmarks, é um problema grave? Não vejo onde possa ser grave, é só uma questão de Not Fair.

          Mas como disse no comentário anterior, também não acho isto bonito, mas não vejo como pode ser uma situação grave, seria grave se a performance real do equipamento não fosse boa / realmente boa, o que não é o caso.

          • Nunes says:

            mesmo? desempenho que eu saiba é um dos parâmetros de qualidade dum produto
            Se não se tivesse verificado a adulteração dos resultados, não ficarias com a impressão que o equipamento tinha qualidade bastante superior há que na realidade tem?

          • Mas não houve adulteração de nada.
            Seria adulteração se o resultado fosse irreal ao hardware, o que não é o caso.

            Dou um exemplo de adulteração. Apareceu há uns dias no Antutu um equipamento de baixa gama a dar mais de 40 mil de score.
            O hardware detectado era o real do equipamento, o resultado é que foi adulterado, isto é, era falso, não correspondia à capacidade do hardware.

            Tal como referi em cima, é possível fazer isto através de software.

            O score do Note 3 mesmo com o boost é real, não houve adulteração no valor final.
            Simplesmente é feito Overclock para dar mais resultado, é considerado adulteração? Não, se foi feito Overclock para uma X frequência para dar aquele resultado é porque o hardware tem aquela capacidade, simplesmente não vem é com aquelas frequências nativas.

            Não é grave nem muito menos falta de qualidade, simplesmente não é bonito fazer isso pelo menos só para os benchmarks, poderiam fazer isso também para outras aplicações, como jogos mais pesados.

          • Nunes says:

            meu caro, o Benchmark serve para comparar a performance entre aparelhos. A Samsung adulterou as condições de comparação sem qualquer aviso, e dado que só com o benchmark é que há overclock, é impossível fazer qualquer comparação com outros aparelhos que não usam esta artimanha.
            Isso tb torna o resultado irreal porque não consegues obter a performance implícita ao resultado com as aplicações que vais usar!

          • Tiago Dias says:

            Hélder, não é adulterado o valor final, mas é adulterada a forma de chegar ao valor, não deixa de ser uma adulteração e um engano para o consumidor.

            É simples: ao jogar Angry Birds num HTC One estás a usar a potência que foi medida pelo benchmark. Ao jogares Angry Birds no Note 3 não estás a usar a potência que foi medida no benchmark, porque o overclock é feito apenas ao correr o bench.

            Isto é adulterar os resultados e enganar os consumidores.

            Quanto ao facto de benchs não valerem muito na utilização real dos equipamentos, nem deverem ser usados como razão principal para compra de um ou outro modelo, tens toda a razão 😉

    • Nelson says:

      Deixa lá, não é só a samsung.

      http://www.anandtech.com/show/7384/state-of-cheating-in-android-benchmarks

      Todos fazem batota, excepto a Motorola e a Apple.

      Uns fazem mais batota que outros, porém XD

  3. Pedro Pinheiro says:

    Samsung’s shenanigans 🙂

  4. Pedro says:

    Obviamente que é algo grave.
    Tudo que seja adulteração de dados de modo a que consiga enganar resultados para levarem as pessoas a comprar um produto supostamente mais rápido, é errado e merece esclarecimento por parte da empresa.
    Pelos vistos não é um caso isolado, o que torna a situação ainda mais grave.

    • Não é grave, simplesmente não é bonito fazer-se isso.
      Os benchmarks não foram desenhados como meio de servir de referência para se saber se um equipamento é bom ou mau, eu nunca comprei um equipamento por referência de benchmarks, as que compram por causa disso é aquelas pessoas que não percebem qual a real finalidade dos benchmarks.

      Os próprios benchmarks podem ser facilmente adulterados para melhor ou pior simplesmente através de configurações no sistema, não me refiro ao overclock, repara só que até dá para enganar os benchmarks e conseguir um score irreal ao hardware do equipamento só através de software sem ser necessário mexer no hardware.

      Os demais programas de benchmarks não testam totalmente a performance do hardware e são extremamente variáveis.
      Falo por experiência própria em centenas de testes que já realizei tanto no meu equipamento como noutros equipamentos que testei para fazer análises.

      • Pedro says:

        Como eu já disse, TUDO que seja manipulação de dados, para mim, é grave. Não deve ser feito. É iludir. Muito pior quando se tratam de equipamentos tão caros, como já disse num comentário lá em cima.
        Sei que os próprios benchmarks podem ser adulterados mas isso não faz com que seja lícito fazê-lo e que uma empresa como a Samsung passe impune quando o faz.
        Não é bonito e na minha opinião é grave.

        • Não é ilícito fazer isso, simplesmente é uma questão de Não Ser Justo (Not Fair).
          Se o hardware permite mais, porque não o fazer de forma real?

          Mas não é por aí que se tenha de considerar um caso grave. Como está muito na moda andar-se a fazer benchmarks e dizer que X equipamento tem mais score que o equipamento Y, a Samsung pegou nessa ideia para o Show Off (para se fazer grande).

        • Alexandre Pinto says:

          Isto é como o director que vai visitar a escola. Nesse dia fica toda a gente aperaltada, as salas são limpas, e os alunos comportam-se como anjos.

          A escola não deixa de ter a capacidade de se organizar assim diariamente, no entanto iria perder alguma dinamica pelo meio devido a tanta “picuinhice”.

          Transpondo a analogia, em dia de “visita do director” (correr um benchmark), o telemovel tem mesmo é de abrir as goelas ao máximo e mostrar as suas verdadeiras capacidades. Quando volta a uma utilização normal aí já tem de ter em conta que não se pode ter o processador e outras instruções a correr ao máximo, de forma a não gastar a bateria em horas por exemplo.

      • Nunes says:

        é grave porque quem vende está activamente a enganar em parâmetros usados por muita gente para comparar equipamentos. A desonestidade repetitiva da Samsung põe em causa muito mais do que os benchmarks
        Os benchmarks não são o único factor para uma escolha mas podem ser um factor de desempate quando se está indeciso entre equipamentos diferentes!

        • Os benchmarks nunca foram desenhados para esse fim, agora é que os usam para isso.

          Nem para muito menos servem para desempate.
          Eu antes de comprar o equipamento que tenho estive a equacionar outro que dava mais score nos benchmarks, mas preferi este que comprei, porquê?

          Primeira e única razão, suporte out-of-box, o meu equipamento é um dos que tem mais suporte nas comunidades Android.
          Eu nunca comprei equipamentos por influência de benchmarks, mas isto sou eu, mas claro que o interesse não igual em todos os consumidores.

          • Nunes says:

            nunca foram desenhados para esse fim?
            então foram feitos para quê? para brincar, como passatempo? não têm qualquer valor? não avaliam equipamentos? Não é a ponderação da avaliação de equipamentos que nos ajuda a escolher?
            enfim…

          • justanotherone says:

            Honestamente? Não! lol As pessoas compram com base no marketing que passa na publicidade “oficial”. Um punhado de gente vai procurar comparações, em que alguém poe um benchmark como sendo um modo objectivo e claro. Não é.

            Quando compras um carro guias-te apenas pelos numeros no papel, ou pedes um test drive? Uma casa compras porque viste as imagens, ou queres ver ao vivo? A facilidade com que informação passa, passando por objectiva, real, factual, e uma verdade verdadeira única no mundo! é para lá de impressionante. Nisso à que dar a mão à palmatória porque não lembro de se fazer isso aos iOS ou ao WP.

            Só olha para números é enganar-se a si mesmo.

          • Nunes says:

            @ justanotherone
            e introduzir a ideia que é o mais rápido não faz parte do marketing?
            poucos compram só olhando para os números, mas certamente que ninguém compra sem olhar para alguns números, tentando obter uma comparação mias objectiva para além da impressão subjectiva!

      • miguel says:

        lol, não é grave? não é grave porque é desta marca rafeira que já se espera tudo que seja competição baixa. agora se fosse a Apple era o fim do mundo, era já aí os samsung poorboys a criticar todos aziados, etc. Manipulação de dados é grave, sim.

        • golias17 says:

          Mas sabes o que significa manipular? Os dados podem ser obtidos sem batotas, lá porque o processador vem a X Ghz não quer dizer que em condições diferentes não possa correr a Y, era manipular se o hardware não pudesse correr nessas condições!

  5. Benchmark do iPhone 5 says:

    Mas onde é que está a novidade ? Já fez isso com o Galaxy S4 octa-core.

  6. hmx says:

    eehehehehehe android 😀

  7. coiso0 says:

    Há algo que me escapa, a função de um benchmark não levar o hardware ao limite das suas capacidades para avaliar o seu desempenho? Qual era a lógica de avaliar o desempenho de apenas 1 core quando existem 4?

    E outra questão, não existem apps que tirem proveito dos 4 cores? se assim for os quad-core apenas são proveitosos para users que usem N de apps em background o que, sinceramente, me parece um absurdo.

    Se o note 3 fizesse um OC ao cpu em benchmarks aí sim seria desonesto. Neste caso, no meu entender, apenas mostra o poder real do hardware @ full load que é exactamente esse o objectivo dos benchmarks.

    • António says:

      também há benchmarks que levam ao hardware ao limite. Mas o objectivo é avaliar o telefone nas aplicações de dia a dia ou quando estas a jogar. O que achas que acontecia ao telemovel se fosse possivel as apps colocarem o telemovel em alto rendimento? Baterias a durar meia hora, telemovel aquecer de mais e queimar-te a mao e danificar-se a ele proprio etc.. Não é por acaso que muitos telemoveis tem processadores com relogio baixo. é para aquecer pouco e gastar menos bateria. Não estamos a falar de desktops com fontes de alimentações de 100 watts e umas 20 ventoinhas.

    • Nelson says:

      > Há algo que me escapa, a função de um benchmark não levar o hardware ao limite das suas capacidades para avaliar o seu desempenho? Qual era a lógica de avaliar o desempenho de apenas 1 core quando existem 4?

      Porque os chips saem com determinadas especificações, e fugir a isso, vai cortar na fiabilidade. Não se trata de usar todos os cores ou não, trata-se de aumentar a temperatura, por meios de voltagem, para atingir uma frequência maior, e assim, ludibriar os resultados.

      > E outra questão, não existem apps que tirem proveito dos 4 cores? se assim for os quad-core apenas são proveitosos para users que usem N de apps em background o que, sinceramente, me parece um absurdo.

      Claro que existem. Mas poucas.

      > Se o note 3 fizesse um OC ao cpu em benchmarks aí sim seria desonesto. Neste caso, no meu entender, apenas mostra o poder real do hardware @ full load que é exactamente esse o objectivo dos benchmarks.

      É exactamente isto que faz.

    • Carlos says:

      “Qual era a lógica de avaliar o desempenho de apenas 1 core quando existem 4?”

      Há várias razões, por exemplo os CPUs Intel já há várias gerações que têm o Turbo Boost que permite exceder temporariamente a frequência máxima de funcionamento se todos os cores não estiver a ser usados. Por exemplo um i7-970XM (um i7 de primeira geração) com uma velocidade base de 2GHz, se só estiver a usar um core pode chegar aos 3,2GHz.

      E como muitas aplicações só usam um core, isso faz diferença.

  8. Nelson says:

    Quer dizer, uma empresa que faz tudo e mais alguma coisa, inclusive o chip do iPhone, não sabem ou fazer um CPU mais rápido, ou declararem a sua posição, que usam um Snapdragon 800, como outros, como o LG G2 estão a usar?

    É que o SD800 não é nada mau, e é dos melhores SOC’s que andam por aí… mas não, a Samsung quer mostrar para os Geeks que é grande… saiu-lhes o tiro pela culatra, pois os “geeks” não são assim tão burros…

    • Pedro says:

      O CPU é rápido e os testes demonstram isso, se o aparelho tem 4 cores porque raio é que a app de benchmarks só utiliza 1 quando faz o teste que deveria levar o aparelho ao limite?

      O que a samsung fez foi ao detectar a app colocar o aparelho a dar o máximo da sua capacidade.

      Se calhar o que não é justo é compararem-se aparelhos não estando os mesmos na sua máxima capacidade.

      Concordo que a samsung não devia ter escondido essa informação mas se calhar também os testes aos outros aparelhos tem sido adulterados porque não revelam realmente as capacidades dos mesmos uma vez que não os levam ao máximo das suas capacidades.

      Se o telemóvel te 4 cores e os usa nos seu normal funcionamento é natural que nestes testes também os possa usar o que não acontecia em situação normal.

      • Nelson says:

        informa-te melhor, não é nada disso.

      • Nunes says:

        só usa 1 core? onde é que tu vês isso? O benchmark usa os 4 cores, o que a Samsung faz é activar todos os cores logo que a aplicação é aberta, ao contrário do que é normal! PAra além disso modifica os parâmetros em que o teste é realizado para condições que não estão acessíveis a 99,99% das aplicações e que em nada se assemelham às condições em que os mesmos testes são feitos nos outros telemóveis.
        O normal funcionamento do telemóvel é com uma gestão rigorosa dos recursos segundo as necessidades, pois doutra forma em menos de uma hora ficas sem bateria no telemóvel! Não tem qualquer interesse obrigar um telemóvel a gastar mais bateria num teste, se tal não vai ser possível com as outras aplicações.

        • Pedro says:

          Expressei-me mal, o que eu queria dizer é que, pelo que percebi do artigo (e não sou um expert), como é óbvio ele usa os 4 cores mas não na sua máxima força durante o teste, ou seja, fazer um teste para ver qual tem mais potencia e não usar toda a sua potencia não é um teste bem feito tendo essa finalidade.

          Seria o mesmo que um carro ter 400 cv mas ao fazer o teste de potencia não acelerar até à sua máxima força.

          É óbvio que o carro ia andar com os 400 cv na estrada mas não estariam a mostrar a sua máxima velocidade se ao testar apenas acelerassem até um certo ponto.

          Dizem que fazer o teste na máxima força gasta muita bateria e não é real. Mas e quando se testa um carro nas sua máxima potencia para ver qual é mais rápido o interesse é ver a rapidez ou ver o consumo? Todos sabem que quando se testa a rapidez de um carro não se vai a olhar o quanto ele gasta obviamente não será para transpor isso para a media real.

          A meu ver o que a Samsung fez de mau foi esconder a situação. Por outro lado se o teste é para mostrar o máximo do telefone então a app de teste já devia fazer isso por si.

          Podemos dizer que depois o teste não mostrava o valor real do aparelho mas isso seria outro teste, como por exemplo temos no caso dos automóveis fazem o teste em que levam ao máximo e dizem a velocidade máxima rotações etc e outro onde medem os consumos e outras variáveis

          Espero ter-me feito entender…

          • Nunes says:

            parece que tu não entendes que a app de teste já dá o máximo segundo a gestão que o sistema faz ao aparelho.
            O que a Samsung decidiu foi modificar as condições em que o teste corre, condições essas que não estão disponíveis a nenhuma outra aplicação.
            Quando tu testas um carro na sua máxima potência não fizeste qualquer modificação ao carro, e podes testar em qualquer lugar onde consigas retirar essa potência.
            No caso da Samsung, ela modifica o comportamento do telemóvel para uma única situação, coisa que não podes repetir com aplicações mesmo que sejam mais exigentes que o teste

  9. Hugo Marafona says:

    Mas anda tudo doido?

    Então um Benchmark não é para se usar tudo o que se tiver?
    Isto não é manipular, é abrir as goelas ao bicho!!!

    Agora se voces se queixassem o porquê de a samsung não fazer o mesmo com as outras apps, aí sim tinham razão!

    Isto é só fanboys…

    PS, tenho um nokia E52 e chega para mim..a bateria dura uma semana :p

  10. iNelson says:

    De notar que o desempenho nos benchmarks é real, o que acontece é que entra num modo de “overboost”, activado quando corre certos benchmarks e que sendo Android facilmente pode ser activado no futuro, pelo utilizador, quando o entender.

    • António says:

      Qualquer processador actual com overclock atinge numeros iguais ou melhores. O problema é que os telemoveis não suportam esses overcloks para o uso das apps se nao as baterias duram menos de 30 minutos e o telemovel aquece tanto que queimas as maos e danificas o processador.

    • Nelson says:

      Blá blá blá… overboost o tanas, a Qualcomm vende esses chips com 2.3Ghz por alguma razão.

      • Nuno Vieira says:

        E os processadores continuam a funcionar a 2.3GHz. Se leres a notícia, quando uma aplicação de bench corre (desde que esta esteja na “whitelist”) os quatro cores são bloqueados à velocidade de 2.3GHz.

        Mesmo estando o SoC a funcionar a um clock nominal, falta saber se o telemóvel tem capacidade de dissipar o calor gerado por este num período longo de utilização. Muito provavelmente não. Como os benchs são programas que não demoram muito tempo a correr o telemóvel consegue dissipar o suficiente para que o SoC atinja temperaturas destrutivas. Em caso de uso prolongado, como no caso de um jogo, se calhar já não.

        A Samsung devia ter vergonha, pois os testes de bench devem de ser efectuados com os componentes a funcionarem num regime que é sustentável pelo aparelho a longo prazo. Se este apenas aguenta funcionar naquele regime por curtos espaços de tempo, então é uma adulteração do resultado.

        • Nelson says:

          Quem é que te diz que estão a funcionar a 2.3Ghz?

          Pois…

          Esse CPU, tem as performances que toda a gente já sabe, cerca de 2500…

          Vai igual para a Samsung (a tão conhecida fabricante do CPU do iPhone, que não fabrica um CPU para os seus), como vai para a Acer ou para a Asus, LG, Sony, etc…

          • Benchmark do iPhone 5 says:

            Repara na terceira imagem do post:
            – Geekbench: 2,3GHz
            – Stealthbench (o teste Geekbench, mas foi mudado o nome e já não é reconhecido) : 300MHz

          • Nuno Vieira says:

            Faz-me um favor vai ao site da Ars Tecnica e lê cuidadosamente o artigo. Devois volta…

    • iNelson says:

      Bla Bla e o meu galaxy S corre a 1200 quando o limite seriam os 1000, isto há 3 anos, sem me queimar as mãos. Entra em overclock apenas quando necessário, tal como acontece nesta história dos benchmarks. Uma coisa é certa, o desempenho nos benchmarks foi real!

  11. Jose says:

    Na minha opinião não houve manipulação nenhuma.

  12. Alexandre Pinto says:

    Isto para mim é a mesma história dos Mercedes e BMW’s limitados a 250Km/h. Alguns andam bem mais, mas por alguma razão (neste caso leis europeias) aplicaram um limite. Em situações de teste, estes andam com as goelas bem abertas.

    O Benchmark mede as capacidades em bruto de um equipamento. Se os resultados foram obtidos tendo o equipamento se “auto-configurado” para dar o máximo, não me parece mal nenhum e acho que todas as marcas deveriam fazer o mesmo.

    Por outro lado, quem vai por benchmarks á procura de um indicador sobre a experiencia de utilização, então vai ter uma grande desilusão.
    O que conta é o software! Aprendam isso de uma vez por todas!
    Por alguma coisa os iPhones e os Windows Phones têm uma fluídez nativa muito difícil de acompanhar por androids. E isto mesmo com os multi-cores nos actuais androids topo de gama.

    • António says:

      Aquele benchmark não é feito para desktops. é para telemoveis e quer medir a capacidade de resposta do telemovel no uso do dia a dia. Por isso é que é imoral. Para testar o processador mais vale colocar num pc.

      • Alexandre Pinto says:

        Qual é a diferença? Sinceramente não percebo.
        Eu acho que podes criticar sim o descuido das outras marcas por não fazerem o mesmo.
        E volto a repetir, é com benchmarks que vais medir a capacidade no dia a dia? Um benchemark excelente pode dar uma bela de uma porcaria de experiência se o software não acompanhar. 😉

        • Nunes says:

          criticar o descuido das outras marcas? há cada um!!!
          Um benchmark serve para comparar aparelhos em condições idênticas.
          Se há uma companhia que modifica as condições para os seus aparelhos sem qualquer aviso, são as outras companhias que têm de ser criticadas? Qual a validade da comparação nessa altura? nenhuma, pois não vais saber qual o aparelho que poderá dar a melhor performance com as aplicações que queres usar!

          • Alexandre Pinto says:

            Mas o resultado indica algo que o smartphone não possa fazer? Pelo que vi, o sistema optimizou-se para dar a melhor resposta ao teste. Porque criticas isso?

          • Nunes says:

            o sistema não se optimizou! Os seus parâmetros são modificados só para o teste, e não tens possibilidade de obter o mesmo pico de performance por mais exigente que seja a aplicação.
            Ou será que não reparaste que o mesmo teste dá outro resultado nas definições em que todas as aplicações correm?
            E explica como é que queres comparar os resultados do teste com outros aparelhos se não corres o teste nas mesmas condições? não é esse o objectivo dum benchmark?

      • Nelson says:

        Aquele benchmark foi feito para Mac’s.

        Depois, para telemóveis, a coisa é bem diferente.

        Um CPU pode ser rápido, mas como no android, corre em código interpretado, fica bastante mais lento.

        Além disso, é dificil isolar um componente, porque tens vários componentes dos quais nada sabes, como RAM, memória flash, Wifi, 4G, etc…

        Finalmente, por exemplo, só com um atraso de 50ms na resposta ao toque, faz a diferença toda, em 50ms, um CPU moderno consegue realizar milhões de cálculos, é um grande avanço, especialmente tomando que a maior parte das tarefas demoram menos de 20ms em termos de tempo de processador.

      • Jose says:

        Não é imoral, o teste é real, e testa o telemovel no seu melhor, não vejo manipulação nenhuma.

        O benchmark esta a mostrar o performace real do telemóvel, nada mais, isso não e manipulação.

        Mas enfim, aqui só atacam a Samsung, eu no lugar da Samsung nem perdia tempo a responder a estas coisas insignificantes.

        • Nunes says:

          performance real? em que condições!? As aplicações não conseguem correr nessas condições, nem os outros telemóveis correm as mesmas benchmarks nas condições definidas pela Samsung!
          Se não podes comparar com outros telemóveis e nem consegues inferir a performance para as aplicações, para que é que serve então o benchmark? para nada?

      • Quim says:

        E tu achas que o Benchmark num pc e para medir a resposta do mesmo no dia a dia? yeah right..

    • Nelson says:

      “Em situações de teste, estes andam com as goelas bem abertas.”

      Então vai ver as especificações dos BMW’s e Mercedes (fora versões “especiais”), a ver se não diz lá “250Km/h”.

      Não são leis europeias, são “acordos de cavalheiros” de fabricantes alemães, para evitar que carros “comuns” seus fossem utilizados como carros de escape de criminosos (que se tornam em autênticos mísseis a tal velocidade), mas sobretudo para evitar uma guerra atómica “o meu dá mais que o teu”, e concentrarem-se na aceleração e “handling”…

      • Quim says:

        Esses acodos podem ser considerados como “leis”, até porque se regem por elas.

        Apenas Mercedes, Audi e BMW é que fazem parte desse acordo.

      • Pedro says:

        ahahah

        Para que raio iam andar as marcas a fazer motores ultra potentes para depois lhe meterem um limitador de velocidade a 250 km/h por acordo de cavalheiros?

        Essa do limite ser para os criminosos não os usarem para fugir foi de mijar a rir…

        Os carros tem um limitador que qualquer pessoa entendida em mecânica retira e não me parece que os criminosos sejam tão estúpidos que não o saibam fazer ahahahaha

        O que eu me rio com isto…

      • Alexandre Pinto says:

        Sim, tb não tinha muito a certeza da real razao dessa limitação. Mas onde queria chegar é que na realidade, eles dão bem mais.

  13. sakura says:

    a app é que falha… pq 1 não detecta o “overboost” 2 não ” activa o “modo de alto desempenho”” para todos ou desliga para todos.
    a samsung tem mais apps que usão esse modo. (pq não pub, a lista toda?)
    tal como o windows 8
    http://hwbot.org/news/9824_breaking_windows_8_benchmark_results_no_longer_accepted_at_hwbot/
    não há “Ajustamentos” mas se os há deveriam ser feitos pela app.
    quem faz o teste é que deve garantir a qualidade do teste == para todos o que pelos vistos não fazem……. pq?

  14. Obrigatorio says:

    A história é simplesmente esta:
    A industria do pagar/lucrar VS Free Open Source onde quem programa Android pode descobrir as faces ocultas das ditas grandes empresas que adicionam inputs no codigo para tentar ganhar algo com isso.
    No fundo é do estilo a montanha pariu um rato.

  15. Laurinda says:

    Bem… Eu daqui só consigo tirar que a LG não sabe optimizar o hardware dos telemóveis deles…
    De resto, quando faço um benchmark, espero que estejam todos os cores a funcionar e não só 1.

  16. Luis says:

    Na minha opinião não considero que seja grave, apenas considero que a samsung falhou ao fazê-lo, pois aos olhos de muitos utlizadores será um ponto negativo para a Samsung o que poderá num futuro próximo se refletir na marca, no entando digam-me uma coisa? Por acaso existe no mercado algum producto com todas estas características?…nunca tive nenhum Samsung desta serie porque acho-os demasiado grandes. Fiquei-me pelo iPhone, no entanto valorizo muito a samsung pelo excelente trabalho que tem feito nos seus equipamentos. Eu dei quase 700 euros por um iPhone e não nego que não gosto, mas vendo bem as coisas estou bastante limitado em termos de funcionalidades mesmo com jailbreak aplicado. Já este samsung vem repleto de funções inteligentes e bastante úteis que quase dispensam instalações de terceiros.

  17. Ricardo Luis says:

    Eu quando faço um Benchmark no meu PC, desligo todas as aplicaçoes, desligo todos os efeitos e meto o hardware todo ao maximo.

    Nao me parece muito diferente do que se passa neste caso. Porque fazer um benchmark so com 3 cores, se o SoC tem 4 cores?

    • Nunes says:

      Alguém que corra benchmarks em PCs para comparação tenta sempre que sejam em condições idênticas, e não é o que o que sucede aqui! A Samsung, às escondidas, modifica as condições em que os benchmarks correm, inflacionando os valores e adulterando a comparação com outros aparelhos.
      E se num PC até podes introduzir modificações nas definições para melhorar o desempenho, o facto é que ao contrário dum telemóvel, num PC não estás limitado pela bateria e por limites térmicos tão baixos, nem tens que em condições normais manter um sistema de comunicações.

  18. golias17 says:

    Se for como no S4 não estão a enganar ninguém pois havia aplicações que tiravam partido deste modo de alto desempenho.

    Agora isto do overclock não é novo, o meu primeiro android foi um S1 1Ghz de processador, pois bem o meu andava em 1.2 sempre pois a 1.4 ele não era estável mas havia quem conseguisse puxar mais.

    Se ele não vai abaixo no teste é porque aguenta bem com o modo de desempenho.

    • Nunes says:

      Dizia a Samsung que tal sucedia com uma ou duas aplicações (suas), depois de ser apanhada com a boca na botija! Será que dá para acreditar?
      Mas depois queres usar as outras 99,9999% aplicações e onde é que fica a comparação que supostamente um benchmark deveria fazer? na gaveta, ou então procuras por um benchmark que realmente corra nas mesmas condições em todos os aparelhos.

      • golias17 says:

        As aplicações deles são testadas para ver que não há problemas queres que vão testar todas as outras? Fora o facto de a maior parte delas não precisar deste poder de processamento.

        Sem esquecer o aquecimento que é essa a razão que eles têm cuidado com estes processos, em jogos em tão podia causar sobreaquecimento.

        • Nunes says:

          e passas a tua vida só naquelas duas aplicações? e o resto do tempo? como é que comparas com os outros telemóveis? não é esse o objectivo dum benchmark, poder comparar aparelhos em condições idênticas?
          Falas no cuidado a ter com jogos, mas a Samsung tb modifica as condições de benchmarks que inferem sobre a performance em jogos. Se é preciso ter cuidado com o sobreaquecimento nos jogos, então para quê inflacionar os resultados com condições que tu próprio dizes podem ser prejudiciais para o aparelho nos jogos!? É só para enganar!
          E para além do sobreaquecimento, tens a bateria!

          • golias17 says:

            A bateria do note 3 não é pequena, mas custa te assim tanto perceber que aquela é a melhor performance do aparelho numa condição real?

            Ninguém usa estes testes para isso usa sim para ver puder de computação, quem percebe do assunto porque comprar um telemóvel pelo benchmark é um erro.

            O cuidado a ter tem a ver como o mudo que os jogos estão programados, pois se estiverem mal podiam ter graves problemas! Logo correm este programas com precaução!

          • Nunes says:

            melhor performance numa condição real?
            onde é que está o real se o teste corre com parâmetros que não estão acessíveis a mais nenhuma aplicação?
            Ver só o poder de computação? Mas isto é um passatempo, um jogo? O teste é para comparar aparelhos, aliás o resultado final nada te diz sobre o poder de computação se não comparares com outros aparelhos, pois não tem qualquer unidade e é calculado usando centenas de testes diferentes, alguns nem sequer relacionados com poder de computação!
            A bateria não é assim tão grande que dê para esbanjar, daí a Samsung não usar os parâmetros do teste no funcionamento do telemóvel com as outras aplicações!

  19. Quim says:

    Mas é possível que haja quem pensa em adulteração de resultados? Sabem o que isso significa ao menos?

    Daqui a nada vão dizer que o motor V10 do M5 só dá 250km/h porque está limitado a esse valor.
    A marca anuncia velocidade máxima de 300 e alguns km/h (testados com máxima capacidade) e depois limita a velocidade devido a leis.

    O Samsung atinge a pontuação com o hardware que tem, não pediu emprestado, nem falsificou o valor final.

    Alguém com dois dedos de testa percebe isso.. (ou os não fanboys)

  20. Benchmark do iPhone 5 says:

    Não há nada de novo nesta história. Procurem por “Samsung cheating S4” e encontram textos destes:

    “Samsung indeed didn’t specify the PoweVR SGX 544MP3 clock, but as per Anandtech’s investigation it runs always at up to 480MHz unless you are using benchmarks. When you do open a benchmark app the Galaxy S4 GPU start ticking at 532MHz and continues to do so until you exit the app. This means the Exynos-powered Galaxy S4 only brings its A-game to benchmarks and does slightly worse elsewhere. It’s not like the smartphone is a slouch with regular apps, but that’s blatant cheating.

    We are not quite sure what is the reason for the lower clock cap in non-benchmark apps, but risks of overheating or huge battery drainage are the main suspect.”
    http://blog.gsmarena.com/samsung-exposed-to-be-cheating-on-benchmarks-with-the-octa-core-galaxy-s4/

    A Samsung confirmou que habitualmente o processador do S4 octa-core corria a 480MHz, para não aquecer e gastar bateria, mas corria a 532MHz: “S Browser, Gallery, Camera, Video Player, and certain benchmarking apps”.
    http://blog.gsmarena.com/samsung-responds-to-benchmark-cheating-allegations/

    É esta última parte – de ter sido introduzido código para reconhecer os testes de benchmark para os correr a 532MHz – que levou o pessoal a dizer que a Samsung estava a fazer batota. Agora com o Note 3 é uma repetição. Porque é que a trafulhice é feita nuns modelos e não noutros não se percebe.

  21. Fernando Pinto says:

    Seja como for, é uma grande máquina e penso que os testes devem ser feitos com a máquina no máximo…

  22. Afonsov says:

    Pelo que tenho lido nos forums XDA Developers, isto acontece com várias marcas e é feito ao nível dos drivers do processador. Ou seja, também acontece com os modelos da HTC e de outras marcas.

  23. The Man says:

    Independentemente de ser ou não grave e de ser feito por “n” marcas, em mainstream foi só a samsung. E é de facto péssimo.

    A Samsung conhece o mercado e sabe que a avaliação de grande parte dos consumidores android caiem para as spec’s porque senão ninguem comprava samsung. E portanto sabem que os consumidores agarram-se aos benchmarks para segmentar a sua escolha, logo se manipularem esses resultados é certo que os números de vendas disparam nem duvidas tenham disso.

  24. Tiago says:

    Que xunga (lol)!!!!!

  25. Rio says:

    Benchmarks para que? testem o smartphone ao lado dos outros e verão as diferenças, o poder do processador está lá.
    A mim não me interessa que se a marca usa truques desde que faça o smartphone muito bom.
    Na categria de jogos, em vez de andarem com benchmarks metam o Fps Metter

    https://play.google.com/store/apps/details?id=com.aatt.fpsm

    e testem a perfomance real deles.

  26. Ricardo says:

    Não devo ter percebido muito bem a noticia, mas qualquer equipamento quando submetido a um benchmark, é suposto usar ao máximo os recursos do mesmo.
    Neste caso quando é detectado uma app de benchmark o dispositivo passa a usar todos os recursos de hardware. É claro que para receber/enviar sms e chamadas não necessitamos de tanto poder de processamento, logo nem todos os cores são utilizados. Não vejo aqui nenhuma falha por parte da samsung, apenas uma melhoria no uso adequado do equipamento que por sua vez irá melhorar a duração da bateria quando não são usadas aplicações “pesadas”.
    Seria sim manipulação se o score resultante fosse maior enquanto o dispositivo utilizasse menos recursos.

  27. Francisco Pinto says:

    Ui se Fosse a Apple… 🙂
    Uma coisa é certa os que estão aqui a defender com unhas e dentes a Samsung estariam a atacar com a mesma tenacidade a Apple… e os que atacam estariam a defender.. 🙂 🙂

  28. João says:

    Que titulo e subtítulos mais sensacionalistas…

    Pergunto-me eu, não é suposto qdo se usa este tipo de programas avaliar o máximo desempenho que o equipamento pode ter?

    Dizem que manipulou e têm como argumento o LG G2 que tem praticamente o mesmo hardware mas que o Note 3 consegue uma melhoria de 20% ? onde está a lógica disto?

    Volto à primeira questão, como é avaliariam a velocidade máxima de um carro.. se não a dar o máximo que pode dar? era a todos a darem 100à hora? como é que avaliava assim se uns ainda podiam dar mais que outros? lol

    Aqui passa-se o mesmo, como é que avaliariam o máximo de um equipamento se não forçá-lo a dar o máximo?

    é mais que óbvio que o Note nao iria dar o máximo numa APP que nao considere necessário dar o máximo, isto nao é manipulação mas sim optimização, para que é q iria dar o máximo se pode fazer bem com um core e optmizar a energia da bateria?

    Ficam as perguntas no ar….

    • Nunes says:

      Usando a tua analogia dos carros, o que a Samsung está a fazer é modificar o carro para correr o máximo num único trajecto, para depois dizer que pode correr assim em qualquer lado, quando na verdade tal não é possível pois para nenhum dos outros trajectos o carro será modificado.
      A gestão normal de recursos dá um máximo às aplicações que necessitam (o que será uma optimização), mas esse máximo não é o mesmo que o máximo que foi dado de propósito para o benchmark, por isso no benchmark há manipulação!

      • João says:

        Se queres mesmo usar a analogia dos carros, ao menos usa-a bem, não sejas ignorante ! O que a Samsung fez foi tirar o “limitador” que encontras nos carros que sem o mesmo andariam a mais de 250 km/h 😉

        OU SEJA

        Tu como utilizador é que sabes se queres ter um BMW M3 a dar 250 km/h ou a dar 300 km/h, a gastar mais ou a gastar menos. MAS se o levares para a pista (benchmark) vais querer que dê os 300, vais tirar-lhe o limitador e encher o depósito com gasolina 98, não venhas cá com coisas. Claro que se depois só vais andar dentro da cidade, para quê tê-lo “deslimitado”?

        • Nunes says:

          a questão é que tu como utilizador nunca terás oportunidade de ter os 300km/h em nenhum outro percurso (e há percursos bem mais exigentes), a não ser naquele que serviu de teste.
          E tu como utilizador vais pensar que tiveste essa performance a 250km/h e nas mesmas condições do teste que fizeste com outro carro. Leva a uma comparação adulterada, e uma comparação credível da performance de aparelhos é o principal objectivo do uso de benchmarks!

        • justanotherone says:

          Se queres carros como analogia, não é o limitador de velocidade que tiras, mas o limitador das rpm. Arriscas-te a puxar tanto pelo CPU/motor, que ele fica demasiado stressado, quente, e acaba por falhar.

          A Intel já faz isto com o Turbo Boost. Mas faz a propaganda assim. “CPU 2.4 ghz com turbo boost 3.0 ghz”

      • iNelson says:

        O carro não foi modificado, foi optimizado. Os consumos anunciados de um carro, nunca são iguais aos reais, porque são conseguidos em condições óptimas, tal como aqui. Em utilização normal nao chega lá, mas a verdade é que optimizando, consegue lá chegar, sendo portanto esse o seu máximo. O maximo de algo não é o rendimento normal/diario, mas aquele que consegue obter no limite das suas capacidades.

        • Nunes says:

          não foi modificado?
          Não sei qual é a tua definição de modificar, mas quando alteram os parâmetros do sistema para algo que não ocorre em mais nenhuma situação isso é modificar, não optimizar.
          Optimizar seria dar os recursos necessários segundo as necessidades e conseguir os mesmos recursos com outras aplicações com exactamente as mesmas necessidades. Neste caso claramente se vê que com as mesmas necessidades não tem os mesmo recursos disponíveis.
          O máximo é o rendimento nas mesmas definições do telemóvel em que todas as aplicações correm. Doutra forma pegava num tablet com o mesmo processador e teria o mesmo máximo no benchmark, coisa que não faz qualquer sentido numa avaliação, pois toda a gente sabe que com o tablet terei muitos mais recursos disponíveis e muito melhor performance.
          Pegando no caso dum carro, seria o mesmo que fazer um tuning qualquer numa garagem e dizer que a performance que obtive com o tuning é a performance do modelo do carro

          E por fim, se tu queres comparar aparelhos com o benchmark como é que vais conseguir esse objectivo se um dos aparelhos não corre nas mesmas condições?

      • João says:

        Desculpa?

        Onde foste buscar o “O máximo não é o mesmo máximo dado às aplicações?”

        O que eu vejo no artigo e nas fontes é que no BenchMark os 4 cores ficam a funcionar ao mesmo tempo, enquanto que em aplicações que nao necessitam tanto recursos corre apenas 1 core

        O dispositivo é testado no seu máximo, e o seu máximo é dado, é para isso que servem este testes para saber qual é o máximo.

        • Nunes says:

          O benchmark corre sempre nos 4 núcleos, mesmo quando se evita as modificações que a Samsung introduz no comportamento do hardware especificamente para o benchmark, pois os testes são multithreaded. Aquilo que tu vês nos gráficos é os 4 núcleos a ficarem activos mal abres a aplicação, coisa que não sucederia com outras aplicações, pois só são activados à medida das necessidades!
          Todas as outras aplicações vão correr sem a alteração no comportamento específica para o benchmark, e a comparação nos resultados do benchmark permite concluir que o máximo disponível para as aplicações não é o mesmo máximo a que benchmark foi corrido

    • Nelson says:

      Não, não é esse argumento, vê o artigo original.

  29. Paulo alexandre says:

    Vou so dizer uma coisa que ja disse na outra noticia que houve sobre estas alegadas “aldabrices”…..

    Ninguem manipolou valores, o hardware obteve aquele resultado, se as pessoas realmente quiserem obter aquela performance sempre, e relativamente facil de a ter, simplesmente mudem de governator, e deixem os cores sempre ligados….. nao se venham depois e queixar de aquecimento e de baterias que duram horas…

    Sejam realistas o telemovel nunca vai precisar de todo o power que tem, e realmente acham mal um empresas demontrar o que realmente o hardware do seu equipamento vale como medida de markting??? Para mim e esperteza ….. As empresas de automoveis fazem o mesmo com os consumos dos automoveis e ninguem se queixa tanto.

  30. FXX says:

    Se a ideia é testar as capacidades máximas do dispositivo, há que o por nas suas capacidades máximas. Não vejo nenhum problema.

  31. Diogo R. says:

    Gostava de ver uma app para adicionar aplicações a lista do boost 😀

    • FSantos says:

      Olha!!! De todos os comentários que li este é o melhor. 🙂

      Estava mesmo a pensar nisto. Se calha de alguém criar uma aplicação para manipular o tal ficheiro já estou a imaginar a malta a reclamar para a samsung, tipo:

      O telemóvel está a fritar ovos!!!
      ou
      Isto tem avaria na bateria (só dura 50 minutos)!!!

      Penso que a samsung não mediu bem as consequências de criar este tipo de alteração.

      Já agora pergunto: Se mudar as aplicações que tenho para um nome da lista tenho os 4 cores?

  32. kekes says:

    Ora bem toda a gente a comentar uma coisa que não interessa a ninguem, ou seja, ao comum dos mortais. Da igual se fazem overclock ou não… O que interessa é se faz as tarefas para que foi destinado no dia a dia, e não acredito que não as faça…
    Alias já se sabe que a Samsung faz isso a muito tempo, para que voltar a bater no velhinho, do mesmo que se bate nas noticias da “patente” de cor dourada. São coisas que não interessam a ninguem a não ser a mesquinhos que fazem concursos de tamanho de pilinhas.

  33. Jonathan Fitzgerald says:

    Já é a segunda vez que manipulam resultados de Benchmarks, para mim perdem toda a credibilidade como marca! Eles que se ponham a pau, porque a concorrência mesmo dentro do Android já tem lançado uns bichos muito interessantes, como por exemplo a LG (veja-se por exemplo os Nexus), isto para não falar da concorrência da Apple e Nokia.

  34. Benchmark do iPhone 5 says:

    Afinal, dos grandes fabricantes, só a Google/Motorola e a Apple é que não foram apanhados a enganar os testes pelo menos uma vez. A Samsung, desde Julho, ganhou-lhe o gosto 🙂

    http://www.anandtech.com/show/7384/state-of-cheating-in-android-benchmarks

    • Ricardo Luis says:

      A Apple não é bem assim. CPU’s a 64bits tiram muito partido destes testes sintéticos, mas que depois nao se reflecte na maioria das acçoes do dia-a-dia.

      • Nunes says:

        estás bastante enganado quanto a isso! O que um dos benchmarks demonstrou foi um ganho de cerca de 80% em performance para código a 32bits, e cerca de 100% para código a 64bits que tira partido das novas instruções do processador. Não há nenhum subterfúgio, pois qualquer aplicação pode obter essa performance se necessitar, o ganho está lá, pronto a ser recolhido!
        Arranjas já algumas aplicações que tiram partido dos 64bits, algumas na área do video com ganhos surpreendentes

  35. coiso0 says:

    Nelson, falas tanto de testes de dia-a-dia, mas que tipo de feedback consegues ter de um score quanto ao uso do aparelho no dia a dia?

    Dizem que não existe aplicações que correm nas condições que a samsung faz correr os benchmarks mas eu acho extremamente estranho.
    Vão eles colocar um cpu XPTO para depois andar com ele capado? Por essa lógica posso estar, por exemplo, a jogar com frames baixos quando o smarthphone/tablet tem recursos para me dar uma experiência melhor, isso para mim é um absurdo.

    Talvez a samsung não tenha apenas benchmarks nesta “lista” mas sim varias app’s que tirem proveito do hardware no seu todo e para as restantes app’s o smarthphone entre em modo de baixo consumo.

    Seja como for, isto dos benchmarks não me diz nada, benchs é para hardcore users que passam horas e horas a fazer tweaks e a testar a maquina, para o user comum não há nada como ler e ver no youtube umas reviews de fontes fidedignas para saber a qualidade real da maquina.

  36. klyze says:

    Estes assuntos são uma palhaçada, tanto da parte dos
    utilizadores como da parte das empresas.

    1. Os utilizadores porque querem ter o telemovel com o maior depesemnho (como disseram acima a pilinha maior)e o metodo mais simples de avaliar o smartphone com um valor de desempenho é mesmo um benchmark.

    2. As empresas porque dão importância ás opiniões dos users relativos aos benchmarks e fazem boosts minimos aos gadgets so para ficar á frente por mijesimos num benchmark e que na realidade o chip usado é o mesmo logo a performance do chip é semelhante +/- migalha.

    E no final os users ignoram os aspectos importantes como por exemplo, e não só!.

    1. a velocidade da memoria flash do telemovel.
    2. o facto do desempenho real do gpu do snapdragon 800 ser igual a chips do ano passado, como por ex. o tegra 3, (testado por mim) no epic citatel e não valores testados em offscreen para tapar os olhos aos users).

    Isto deve-se ás resoluções absurdas dos smartphones(1080p)os chips são mais poderosos mas o desempenho grafico continua igual devido ás altas resoluções.

    O exemplo mais absurdo foi o do ipad3 (2048×1536) onde as aplicações 3D exigiam mais do chip, logo consumiam mais bateria, e para n mencionar a bateria que um ecran com essa resolução vai gastar.

    Os ecrans dos smartphones estão completamente exageradas ( e n me venham com a teoria do retina display).
    E pior de tudo está previsto que os smartphones de 2014 cheguem a ter 2560×1600.
    Ou seja, maior bateria, melhor chip, mas vai ficar tudo mais ou menos na mesma.

  37. Ricardo Luis says:

    Exacto,

    Parece que apenas a Motorola e os Nexus não artilham ou fazem overclock aos componentes quando é hora de fazer benchmarks:

    http://www.anandtech.com/show/7384/state-of-cheating-in-android-benchmarks

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.