Quantcast
PplWare Mobile

Carregamento de Carros elétricos: Apoio para condomínios em Portugal

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Francisco says:

    Onde ver como consigo financiamento para uma trotinete?

  2. Nuno José Almeida says:

    Se tiver custos de OPC, não obrigado.

  3. Manso says:

    Como sempre, são sempre os mesmos a beneficiar. Os pobres mais uma vez ficam a ver passar navios…

    • David Guerreiro says:

      Isso é que está mal, deviam ver se realmente as pessoas precisam da ajuda. É como isso de poder trocar portas, janelas com melhor certificação energética, qualquer um pode candidatar-se, nem que seja uma mansão de luxo.

      • Luís says:

        O que o Sr. @David Guerreiro sugere?

        • David Guerreiro says:

          Sugiro que esteja limitado a pessoas com determinados rendimentos. Os fundos públicos são limitados, portanto devem ser bem aplicados. Dar subsídios a pessoas com elevado poder de compra, não é uma boa aplicação. É um pouco como ir dar o RSI ao Ricardo Salgado.

          • Luís says:

            Entendo perfeitamente. Não poderia estar mais de acordo, mas não estamos a criar uma dependência de subsídios?
            Não estamos a dizer que “é melhor ser pobre para poder usufruir …; é melhor ter baixo rendimento para não pagar impostos(IRS)…
            Sei que é um pouco off topic, mas estamos a ir nessa direcção!

            “Promover” os baixos rendimentos…
            Claro que entendo que há muitas muitas pessoas com rendimentos baixos que precisam de incentivos. Mas..
            Abraço a todos

          • Zé Fonseca A. says:

            O que são pessoas com elevado poder de compra, aquelas que contribuem com 50% do seu ordenado para que sejam sempre as mais prejudicadas?
            Também queres acabar com a classe média como a esquerda?

          • Luís says:

            Exactamente… Zé Fonseca A

            São sempre os mesmo a suportar…
            *Estuda, dedica-te, cria, faz diferente dos demais… e PAGA/CONTRIBUI

          • David Guerreiro says:

            @Luís: Não disse que concordo que se ande a dar subsídios a torto e a direito, mas se os dão, ao menos que sejam aplicados para quem realmente precisa. Uma pessoa que vive uma vida desafogada, porque conseguiu um emprego que lhe dá uma vida boa, felizmente não precisa de ajuda. Agora alguém que vive numa casa em que no inverno faz mais frio dentro do que na rua, e que infelizmente os rendimentos não suportam pagar melhoramento de janelas, etc, se temos de dar ajuda, será a essa pessoa. A questão é que muitas vezes os subsídios são dados a torto e a direito, como é o caso do Autovoucher que até alguém que não tem carro, nem conduz consegue ter direito aos reembolsos.

          • David Guerreiro says:

            @Zé Fonseca A.: As pessoas que descontam 48% para IRS, são sujeitos que possuem um rendimento superior a 80 mil euros por ano. Não se coloca em causa o mérito de ter tal rendimento, mas convenhamos que essa pessoa, mesmo com essa carga fiscal absurda (porque é), consegue ter uma boa vida, se não andar a queimar notas na lareira. Essa pessoa tem possibilidade de ter as suas portas e janelas de classe energética A, sem precisar de auxílios, e ainda bem, todos fossem assim.

          • Luís Costa says:

            Ou seja, o teu pensamento é o tipico pensamento deste país que mais parece pensamento comunista.. Os que recebem mais de 2k líquidos estão aqui só para pagar impostos e respirar (por enquanto)

          • David Guerreiro says:

            @Luís Costa: Ao contrário dos comunistas, não defendo as cargas fiscais que são aplicadas sobre quem mais ganha, nem que é preciso taxar os “ricos”. Por mim não se davam subsídios nenhuns de eficiência energética a ninguém. Agora, se resolvem dá-los, e sendo verbas limitadas, que sejam aplicadas a quem precisa. A questão é que depois se anda a dar a qualquer um, e obviamente que há logo aproveitamento.

          • k says:

            Acerca do RSI, devia ser melhor controlado a quem é dado. E quem o recebe devia ser melhor investigado.
            Conheço muita gente a receber que, em teoria cumprem mas depois vivem em altas casas, altos carros, etc. Também lhes foi oferecido casa (que eles alugam ilegalmente e não vivem nela), vão almoçar todos os dias a um sitio de caridade, é-lhes oferecido muita comida (enlatados, congelados, cereais etc.) que dão-se ao luxo de simplesmente deitar ao lixo porque “não preciso” ou “não gostamos desta marca”.

            Custa-me ver estes animais que passam a vida a coçar os tomates à pala do resto do povo (não trabalham, passam o dia no tasco a beber e fumar) e se falares com eles ainda te gozam que nós é que somos os burros que trabalhamos e pagamos para eles. O que nem é mentira.

            Fazer queixa não adianta um corno. Conheço 2 casos em particular que já fazem isto à anos, estão fartos de levar com queixas e ainda andam e vão andar aí.

          • ogajofixedosul says:

            David Guerreiro, aqui há um tipo de visão muito típica de esquerdas: quem ganha mais dinheiro “ganha” o dever de ter que sustentar tudo e todos; ou seja, se uma pessoa empenhou-se em subir no posto de trabalho ou até foi à universidade, mestrados e tal, cursos no estrangeiro e tal… chega a um bom salário e toca-lhe o dever de pagar impostos para pagar subsídios, classe política, prémios a jogadores da equipa nacional, etc. etc.? LOL

            Por isso tens países com muitos malandros: para quê esforçarem-se se há quem lhes pague os subsídios?! para quê ganhar muito e ganhar o “dever” de pagar subsídios se podem ganhar pouco e ganhar o “direito” de receber subsídios?! E com isto bem-vindo a países em que tudo anda mal…

            Eu digo-te de primeira linha porque tenho conhecidos e vizinhos nos dois lados da linha. Tenho os que se acham com o direito a casa, café, cerveja, tv por cabo, internet, etc. e passam a vida a receber do desemprego (porque não se empenham no trabalho e quando acaba o contrato não os querem outra vez); logo tenho os que ganham bem (bruto) mas andam todos lixados porque entre o crédito para a casa, alguma saída e impostos, limpos pouco ficam. No entanto andam desanimados porque se esforçam no trabalho mas chega-lhes pouco ao fim do mês. Justo?! Não me parece…mas as esquerdas opinam de outra maneira.

          • Luís Costa says:

            @ogajofixedosul pronto era exatamente isso que queria dizer, os que tem objetivos de vida e querem subir são logo travados com estas ajudas para os coitadinhos que andam a coçar as bolas e a não fazer c* porque sabem que aquele é certo

          • Louro says:

            @David Guerreiro,
            Só para te lembrar, que as pessoas que tem mais possibilidades, geralmente sao as que mais impostos pagam (por consequencia claro).

          • David Guerreiro says:

            @Louro Sei perfeitamente disso, a não ser alguns casos de quem consegue fugir aos impostos (caso de pessoal que tem negócios informais, tipo mecânico num vão de escada, etc). Mas os que ganham bem e trabalham por contra de outrem sao os que mais impostos pagam, sem dúvida. E eu não disse o contrário. Mas então o que seria justo, já que pagam mais impostos, era terem direito a RSI, a isenção de taxas moderadoras? Parece que é isso que se está a querer passar. Eu até sou da opinião que não se devia dar estes subsídios da notícia, nem esses que andam a dar para trocar portas e janelas.

      • Louro says:

        Estavas a espera de que? que fossem pagar carros eletricos a quem nao os pode comprar?
        Ou preferias que colocassem de lado quem mais impostos paga?

    • Louro says:

      @Mansos,

      Querias o que? Que fossem financiar os que tem carros a diesel ou a gasolina com 20 anos?

      • Keyboardcat says:

        Não. E depois aqueles que usam cavalo? Vão sentir-se descriminados.

        Por definição do típico português o país deve financiar tecnologias obsoletas. Para ficar tudo na mesma e o país poder andar sempre na cauda da Europa.

        • Louro says:

          @Keyboardcat
          Parece ser mesmo assim, pelo menos considerando alguns dos comentários parece que estavam a espera que houvesse investimento em tecnologias obsoletas só porque sim.

      • FAR says:

        Claro que sim! Esses são os que mais ajuda precisam para fazer a transição.
        Mas isto não é óbvio?!

        Há muita forma de efetivar incentivos, e desta forma não se está a ajudar quem não consegue, está a ajudar-se quem já consegue e esses não precisam.

        “logo tenho os que ganham bem (bruto) mas andam todos lixados porque entre o crédito para a casa, alguma saída e impostos, limpos pouco ficam. No entanto andam desanimados porque se esforçam no trabalho mas chega-lhes pouco ao fim do mês. ”

        Também me identifico com isto e estes incentivos passam-me ao lado porque simplesmente não tenho carteira para dar mais de 30.000€ por um carro. E estes incentivos vão para quem o pode fazer.

        Pobre que é carrasco do pobre é, realmente, uma coisa triste de se ver.

    • RC says:

      E beneficiam, de onde pensa que vêm os fundos para pagar as ajudas nos passes ?

      Pois, exatamente do mesmo local, e também para ciclovias, passadiços, entre muitas outras coisas.

  4. Pedro Reis says:

    Para usufruir acho que tem de ser ligado forçosamente à rede Mobi por isso o custo do carregamento…

  5. Pedro says:

    Ligados a rede mobi.e, … mas estão malucos ?
    Alguma vez eu como administrador sugeria carregadores no condomínios ligados a mobi.e para pagarem as taxas a esses chu***s.

    • Américo Mendes says:

      Absolutamente!!!!
      Parece que estão a tentar “oferecer” (1800€) para que nos carregamentos particulares passarem a ter taxas, para esse efeito.
      Isto é quase uma ofensa à inteligência!!!! Poderia dar uns bons nomes a esta iniciativa que mais não é que verem se conseguem chular mais uns bons cobres ao povo distraído.

      Para fazer uma distribuição de pontos de carregamento nos condomínios é necessário analisar vários aspectos, sendo a inicial terem de aumentar a potência do quadro para uma distribuição, por todos. Se forem muitos pode até ser necessário instalar outro quadro (não sei se será possível).
      Para algo deste género, qualquer boa empresa de electricistas faz isso e não pagam mais nada a ninguém (taxas, impostos, etc), excepto o que já vem por kw consumido no contrato.

      Enfim…governos a verem que a futuro, não vão conseguir substituir o ISP por algo a incluir no consumo da electricidade doméstica, ou talvez não…se colocarem escalões de consumo com taxas crescentes, etc. No limite, acabarem com a tarifa noturna.
      Nunca vão abdicar de um volume tão grande de impostos, acreditem.

      • RC says:

        Não vai ter essas taxas, já que o carregador é do condominio, “ligados à Mobie” não quer dizer que vá ter as mesmas taxas, tem de pagar apenas as comunicações que custam cerca de 1 euro por mês, sei do que falo porque trabalho numa empresa que tem desses carregadores.

        Sobre o tarifário, cada um escolhe o que quiser, no meu caso tenho o mesmo que tenho em casa, ainda com um desconto de 16% nos carregamentos.

        • Américo Mendes says:

          Obrigado pela nota, se é mesmo assim como diz.
          Contudo, estando ligado àquele sistema acredita que não será uma questão de tempo até começar uma taxa e outra e outra…?
          Temos de perceber que somos um país socialista (historicamente e do presente), para o melhor (procura-se) e para o pior.

    • RC says:

      Lá vem a malta com ideias erradas , são DPC, ligados apenas por dados, apenas tem custo de comunicações que custa cerca de 1 euro por mês.

  6. João Santos says:

    Mobi.e… fujam, taxas e taxinhas….

    • RC says:

      Neste caso não tem essas taxas e taxinhas porque o posto é seu ou do condominio, apenas tem o custo das comunicações com a mobi-e, coisa que custa +- 1 euro por mês.

  7. BM says:

    O valor dos carros elétricos continua a ser um absurdo para a maioria da carteira do tuga!
    Apenas o Dacia neste momento podemos considerar como acessivél para uma família…

  8. Alfa Luso says:

    E fazem todo um plano para apoiar uma empresa… ?!?!
    Se fizessem isto (o financiamento) para apoiar as pessoas a puderem (com projectos, como o que a EDP obriga) ligar ao seu contador pessoal, isso seria apoiar os cidadãos com veículos eléctricos.
    Agora apoiar SE ligarem a uma determinada rede… isso é negócio para os primos!

    • RC says:

      Ligado à rede…. mas rede de comunicações, nada tem a ver com o fornecimento de energia.

      • Alfa Luso says:

        pois…. mas obriga a ligar à rede da Mobi.e. Isso tem custos específicos.
        Eu tenho em casa, ligado ao meu contador da luz e não tive de pagar nada a ninguém nem a nenhuma rede de primos… seja Mobi.e ou qualquer outra.
        A marca do carro montou o carregador e mais nada… pago o que consumo, ao preço da electricidade que tenho.

        • RC says:

          Cerca de 1 euro por mês, eu já uso esses cartões nessas mesmas aplicações.

          Neste caso é igual, você pode ligar ao seu contador e pagar ao preço que já tem.

  9. André R. says:

    Com 1800€ não compras um carregador de 22kw para um condomínio com meia dúzia de inquilinos com estacionamento. Só as obras, licenciamentos e projetos para essas alterações, estão muito acima desses “incentivos”

    • RC says:

      Pois não, até compra pelo menos 3, e ainda sobra dinheiro para a instalação.

    • RC says:

      Obras ?? na maioria dos casos é só passar cabo e pendurar o carregador na parede do estacionamento.

    • Pierre says:

      Verdade! A coisa bem feita fica para cim a dos 10.000 euros… leram bem!
      Por aqui já se andou a averiguar e achamos ridículo os preços… projeto, empresa de electricidade para orquestrar a obra, e-redes (ui ui ui, acesso ao ramal energético mas o tempo que leva a ser executado); etc…. amigos, isto é Portugal… não se esqueçam!!!

      • RC says:

        Deve estar a falar de postos rápidos em DC, só pode , a tesla vende isso por 500 euros.

        Qual é o carro que tem ?

        https://shop.tesla.com/pt_pt/product/carregador-de-parede-gen-3

        • Pierre says:

          Não comprei, ia comprar mas optei, após fazer contas, e estilo de vida, por um a combustão (tenho é dois vizinhos com BEV). Vou aguardar mais uns anos até a poeira assentar… mas atenção que não falo do carregador, sabe quanto custa trazer um ponto de energia só para um carregador? Instalação separada da energia geral do prédio, claro… e o temo que demora? Um carregador desses caseiros são relativamente baratos mas lentos… no mínimo 22Kw.

          • RC says:

            Pois, eu vi logo que ou não sabia o que estava a falar ou estava a ser enganado.

            Carregador caseiro de 22 kw é lento ?

            Que carro queria comprar ? É que conheço poucos que carregam a 22 kw em AC e não vejo necessidade de carregar a 22 kw em casa, a não ser que faça 400 kms por dia ou que esteja em casa menos de 5 horas por dia.

            Para quem faz menos de 300 kms por dia, um carregador de 7 kw chega e sobra, é para a grande maioria, que faz 20 a 30 kms por dia, um carregador se 3 kw é mais que suficiente.

          • RC says:

            Ah, não existem carregadores caseiros com mais de 22 kw.

      • darksantacruz says:

        No meu condomínio exatamente o mesmo, logo desistiu-se da ideia.

  10. Elkido says:

    Com custos exorbitantes de taxas de OPC o Governo que meta nas suas empresas a ver se gosta.
    Já não basta o roubo de 63% nos combustíveis fósseis

  11. Infinity says:

    Isto é só para o inglês ver e meter dinheiro nos amigos do governo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.