Quantcast
PplWare Mobile

Canonical: Ubuntu 13.10 não virá com o XMir por omissão

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Pinto


  1. Nelson says:

    Em 2013, ainda há muitos entusiastas a título individual, a utilizarem o Ubuntu?

    A Canonical ainda é relevante, mais as suas ideias?

    A canonical tem um rumo que não me parece ter nada a ver com a filosofia GNU/Linux.

    • Luís Nabais says:

      A única coisa de jeito que disseste foi a última frase, que é verdade e é por esse mesmo motivo que não gosto de Ubuntu.

      Ubuntu tem muitos fãs, tanto porque gostam da facilidade de usar o sistema, mesmo com os seus defeitos, tanto pelo facto de andarem a fugir a tudo o que o OpenSource tem.

      A verdade é que o Linux tem muita coisa má, eles, em vez de tentarem ajudar a corrigir essas mesmas coisas, estão a ir pelo caminho de fazer essas coisas, coisas deles, com regras deles, ao jeito deles.
      Até concordaria, se fosse tudo totalmente OpenSource e em total harmonia com as comunidades OpenSource, o que não é o caso.

      • Pedro says:

        Não gostam do Ubuntu porque “parece ter nada a ver com a filosofia GNU/Linux” ou porque esta a assumir um papel cada vez mais de destaque na plataforma?

        Onde é que o Ubuntu deixou de ser opensorce ou passou a deixar de ser um software livre?

        Alem de que, ao contrario do MS, existem sempre alternativas. De facto o Ubuntu é bom para quem se está a iniciar.

    • Nelson, toma algo para leres que só te vai fazer bem. Assim deixas de escrever tanto disparate no mesmo comentário =)

      http://blog.canonical.com/2013/10/01/ubuntu-pre-installed-and-in-retail-worldwide/

      • Nelson says:

        e que é que isso interessa, achas que não sei isso desde há séculos? sou utilizador Linux, antes do tempo sequer do rpm, se calhar, na altura nem sabias o que era uma (v)tty 😉

    • Nelson says:

      não percebo os ataques, já que eu perguntei para saber, e não para receber sins.

      Linux é para quem quer, e não uma questão de medir pilinhas de market share, se vêm PC’s com Ubuntu é tão mau como vir com Windows. idealmente, vinham sem software absolutamente nenhum. Nem no disco, nem no firmware.

  2. João says:

    Claro que a comunidade se tem afastado da canonical.

  3. lnxslck says:

    Mais um tiro no pé da Canonical, a juntar ao Unity. A queda da Canonical acentua-se cada vez mais.

  4. Nuno José says:

    Pois eu ainda tive um tempo no mint mas de momento voltei pro ubuntu está excelente e em servidores também.

    • lmx says:

      boas…

      Em servidores sempre foi muito bom…é debian based, e tem muita coisa facilitada…é um SO de eleição…não é ao acaso que a google o usa extensivamente, grupo wikimedia, a amazom na sua EC2, etc, e os chineses…é a pasada 😀 o ubuntu esta a ser vendido em Pc’s la como paisinhos quentes…

      Mas de facto eles teem divergido um pouco do debian em algumas coisas…e isso faz com que quem é fiel ao debian sinta que vai ter que decidir se quer seguir um caminho ou o outro…eu escolhi debian…o aclamado “Sistema Operativo Universal”.

      A era dos Desktop’s parece estar a acabar…nunca mais senti o mesmo avontade que senti usando o ubuntu 9.04 e o 9.10…nem mesmo actualmente com o MATE, apesar de ser bom, faltam-lhe features, que eram pensadas para desktop’s…se o Mate acaba…nem sei para o que irei, não encontro opções que goste…parece tudo a acabar lol

      O Unity é seguramente diferente…por exemplo na M$ as pessoas comem o que lhe poẽm a frente…o pessoal do Software livre está habituado a ser livre, e é muito dificil impor algo a alguém deste mundo.
      No meu caso tive que escolher o Mint Debian Edition, mas não é uma coisa ideal…isso parece que ja não existe 🙁

      O Mir/xmir é uma coisa arriscada para a canonical, a intel não o quer suportar(sai-lhe mais barato), e por outra lado não dá uma facada na M$…sua parceira nas conquistas desde sempre!!

      No entanto o ubuntu é de longe o SO linux mais usado no desktop.

      cmps

  5. Faria says:

    Penso que existe algum lapso na noticia.
    “existe um problema, ainda não resolvido, entre uma parte do XMir e a camada que permitirá a compatibilidade entre o servidor X e o Mir”.
    Na realidade o XMir é essa parte.
    “XMir acts as a compatibility layer between Mir – Canonical’s display server alternative to the ageing X server – and applications that only support X”,
    http://www.omgubuntu.co.uk/2013/10/xmir-longer-default-supported-cards-13-10
    O problema é que a equipa de desenvolvimento não está satisfeita com a perfomance do XMir quando existem vários monitores.
    Assim, preferem apenas pôr por definição o X-server e apenas colocar o Mir na proxima versão do Ubuntu. Ou seja, tentar que tenha menos bugs possiveis, em vez de ter que estar constantemente a lançar patchs para corrigir erros.

  6. Alucard says:

    Nada surpreendente. Um display server é uma tarefa hérculea, a segunda coisa mais complicada a seguir ao núcleo do sistema, se o projecto Wayland que conta com os maiores especialistas da Intel e da equipa do X.org está a demorar anos, não seria meia-dúzia de programadores da Canonical que iam conseguir fazer um trabalho equivalente em poucos meses. A Canonical a meu, não sabe bem no que se está a meter com o projecto Mir, terão de ser eles a portar tudo para os diferentes ambientes de trabalho e toolkits (GTK+, Qt) se assim quiserem. E esperar que a Nvidia, AMD e Intel façam drivers agnósticos que funcionem no “coiso” deles. E para quê, para serem diferentes de tudo o resto, numa coisa que 99,9% dos utilizadores nem sabe o que é? Quais serão as diferenças práticas mesmo entre usar Mir ou Wayland para o utilizador comum?

    • Nelson says:

      É uma tarefa hercúlea, porque o Linux está bem organizado, depois chega á parte do display gráfico, e é uma salganhada 😉

      Os drivers gráficos deviam estar na kernel, que é o sítio deles, e oferecerem uma interface standard (tipo OpenGL).

      Se fores a ver, todos os Unixes comerciais funcionam/funcionavam assim, como o Mac OS X, o SGI Irix e o Solaris.

      • Nunes says:

        estás a confundir drivers (suporte para hardware) com a framework responsável por desenhar interface (X Window, etc). A salganhada está neste framework antiquado, e na variedade de interfaces no Linux!
        A framework não necessita de estar no kernel, nem creio que fosse boa política pois qualquer problema a desenhar a interface e deitava o sistema abaixo. Vês a mesma organização no Unix (com X Window) e no Mac (com o Quartz)!

    • lmx says:

      boas…

      eles partiram para o mir porque sentiram que aquilo que queriam fazer no Unity não era possivel com o Wayland…e sentiram-se ameaçados…

      Porteriormente perceberam que a falta de comunicação que existia entre canonical e wayland provocou este desentendimento e afinal até era possivel, mas com tantas desavenças internas no Wayland e depois de tanto trabalho que eles ja tinham realizado, continuaram…

      cmps

  7. NT says:

    O ‘BOSS’ da Canonical acho que está a perder o norte… Essas alterações todas para ter um sistema “moderno”(Unity, mir, upstart, o suporte para telemóveis…) Vejo a posição da canonical a querer ser algo como a Apple dos ‘linuxes’…
    Neste momento (se não estão satisfeitos com o gnome 3 podiam fazer algo ‘tradicional’ tipo mate) e deixarem de brincar com os telemóveis.
    A parte de servidores também podiam ‘publicitar’ mais e mais uma vez deixar de fazer campanhas para os trélélés (já temos muita tralha…)

    O linux (principalmente a Canonical/ubuntu) já ‘perdeu’ quando saiu o windows Vista, podiam agora aproveitar o “sucesso” do Windows 8…
    Porém pensem como um utilizador que entra neste mundo e vê coisas como o STEAM que começou a ser suportado(oficialmente) só para ubuntu, skype tem lá para ubuntu, montes de software/sites têm lá o ficheiro .deb para ubuntu… Pensa logo que será o sistema de ‘eleição’ mas depois passeia pelos foruns e pelo site da canonical… O que é que vê/pensa?

    – ‘Poixa este pessoal do forum não se decide se o unity é bom ou mau…. Espera o unity ‘espia’ as pessoas(lentes ou lá que raio)? hááá pode ser desactivado… Fixe ubuntu phone, ubuntu tablet, ubuntu tv!!!! Porreiro vou já comparar um ubuntu phone… Quê????? não temos ubuntu phone? Ok, talvez o tablet… não também não! bem a TV, pode ser que seja tipo samsung para falar com o pessoal no skype e jogar angry birds… Nopes nada disso posso comprar… no site vejo lá store, deve ser mesmo isso! o quê T-shirt’s???????????
    Humm o que é isto Mint?

    A Canonical pode é dedicar-se a ter um desktop de topo (ok que seja o unity bem polidinho até passa no meu teste). Ver o que se passa no Software Center, facilitar o processo de meter lá as aplicações(um sdk decente!)e a melhorar a parte da compra(olhem para o ‘itunas’, simples de fazer uma compra e depois de uma estar feita, canudo que não tenhas grande crédito no cartão, senão ide tudo ao ar) não me façam meter vezes sem conta os meus dados para comprar um programita (tipo um ‘bloco de notas’).

    A parte dos servers eles são bons… talvez um pouco de publicidade para empurrar mais uns $$ para a conta da canonical.

    E mais uma vez não se deixem levar pela moda das tabletas e telefones(quase)intelegentes e façam do ubuntu desktop um sistema MUITO bom!

  8. Filipe N. says:

    E parece que é já amanhã que a Canonical irá lançar a versão final do Ubuntu 13.10 e, segundo consta, a versão 1.0 (estável) do Ubuntu Phone.

    Quanto ao Ubuntu Phone, aparentemente, apenas funcionará ainda nos Galaxy Nexus e Nexus 4 mas parece que já está “arrumada” a loja e as ferramentas para os developers criarem apps.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.