Quantcast
PplWare Mobile

Jogos piratas podem acabar nos próximos dois anos?

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Pinto


  1. N.Silva says:

    Não acredito, nem me parece provável que isso aconteça. Acredito que dentro de meio ano a Denuvo é historia, até porque normalmente as pessoas que se dedicam a isto gostam de desafios .
    Continuo a achar que a solução mais viável para acabar com a pirataria é baixar os preços dos jogos.

    • Miguel says:

      Errado… Nem que os jogos custassem 1euro as pessoas (algumas) iam deixar de os sacar de borla… Isto é como o ser humano funciona nao é uma questao de preco. Agora claro que equilibrava a balanca isso é certo.

    • Sergio J says:

      Quantos não pirateiam jogos para smartphones a .99€?

      • N.Silva says:

        Já li um estudo algures sobre isso, e de facto numa aplicação especifica em android apenas 10% das instalações dessa app é que foram pagas, já em IOS as instalações pagas da mesma aplicação rondavam os 65%, e porque? Não é por serem caras certamente… mas existe uma grande discrepância nesses dois sistemas, a pirataria de apps é obviamente muito mais significativa em android devido o à essência livre do sistema, e muito fácil de arranjar apps e instala-las seja lá o que elas forem (e fizerem na realidade depois de cracadas), em IOS isso não acontece, já não é assim tão fácil instalar uma app pirata, porque é um sistema mais fechado, em WP é a mesma coisa.

      • Brasão SS says:

        Verdade!

      • Duarte says:

        Até podiam custar um centimo. O que interessa é a percepção do valor do jogo/aplicação.
        O que faltam por aí é jogos gratis que não valem sequer o tamanho da instalação.

    • Fernando Saraiva says:

      Há os jogos usados, 2ª mão, retomas. A pirataria (e digo-o porque também por um tempo me deixei levar) é nada mais que um vicio. É ganancia. Injusto. Se quisermos dizer que as empresas são gananciosas e injustas… ora isto chama-se retórica. Acho que é falsa moral dizermos que as empresas são injustas… porque na prática quem faz download ilegalmente é ganancioso e injusto também. A isso chama-se “prevaricação”. Falta de educação.

      Aprendi que aquilo que nós gostariamos que nos fizessem… façamo-lo aos outros. Andou aqui Cristo a espalhar mensagem para quê afinal?

      Alguém gostaria de como empresa ter seus produtos pirateados? Ser despedido devido ao fato de o volume de negócio diminuir (devido á pirataria)? Ter um ordenado baixo devido ao fato de o volume de negócio… não dar para mais?

      Acho que não custa habituarmo-nos a pagar e aprender a viver minimamente de forma justa. Se queremos… pagamos.
      Habituarmo-nos a isto: se não há dinheiro não há compras.
      Além do mais, graças a Deus, temos programas “freewares”, videos e musicas à borla em youtubes entre outros. Queixamo-nos de quê? A não ser que admitamos que somos gananciosos e maus. Isso sim, acho que tem mais lógica.

      Acho que devemos mudar hábitos senão não evoluimos. Eu acabei por um dia ter pc infetado por virus, gastar dinheiro em discos de grande espaço, cds e a orgulhar-se como um ignorante “pirata” de com não sei quantos gigas de filmes e música quando afinal não passava de um ganancioso e avarento (agarrado ao dinheiro, prevaricador, hipocrita – fazer às empresas o que não gostaria que me fizessem a mim ou a um trabalho com a minha autoria). Falo por mim não falo por mais ninguém.

      Ochalá que tenhamos “consciencia” do bem e mal que fazemos. E fazer o que está certo. Mais vale 50 euros bem gastos que 0 euros gastos e ficar com coisas que não são nossas (e de forma incorreta). Acho que o dinheiro existe para fazermos o bem com ele. Vale mais pouco e de forma justa. Isso é mais importante que os gigas de filmes e jogos.

    • Alex says:

      Baixar os preços não vai acabar a pirataria…. Veja-se o exemplo do Windows 10. É gratuito e mesmo assim há quem o “pirateie”… Vicios.

      Com preços mais baixos até se podem garantir mais vendas/compras, eu próprio muita coisa já comprem na steam e na origin (exemplos) quando estavam em promoções.

      Mas não é isso que vai acabar com a pirataria, e como alguém disse aqui, existem aqueles que gostam de desafios.. 🙂

      • Maxrio says:

        Concordo mas o Windows 10 não é gratuito. O upgrade é gratuito, até junho se não me engano, para quem já tinha o Windows 7 e Windows 8. Fora isto tem que comprar uma licença. O que eu tenho visto e recomendado é que compre uma licença do Windows 7 OEM e depois atualize. Funciona perfeitamente e é bem mais barato que o Windows 10 Completo. Esta é a informação oficial até o momento.

  2. alex says:

    Isso é mentira tem muitos sites onde se pode fazer download do fifa 16 e just cause 3 para jogar apenas não é possível jogar online de resto dá para fazer tudo.

  3. Ui Ui says:

    Para cada malandro, ha sempre malandro e meio.

  4. Hugo Soares says:

    Acho que é uma questão de tempo até que alguém conseguia quebrar a segurança imposta.
    A história recente não tem mostrado outra coisa. É esperar para ver.

  5. Nelson R says:

    À velocidade que crescem os jogos de browsers, a tendência será para que cada vez menos haja a necessidade de piratear jogos.

    • Mylittlelife says:

      Os jogos de browser não conseguem ter a complexidade dum jogo normal. Um Browser e Internet de fibra standard não permitem processar e sugar as texturas etc etc à velocidade exigida por um jogo estilo gta v, witcher, tomb raider etc. Um sistema de processo na origem estilo o que a nvidia está a implementar nos EUA é outro assunto, mas o teu PC processar on demand via Web …nop nos próximos anos.

    • Flash Games lol says:

      Lol

  6. Michael says:

    Acho que o que está em causa não é o fórum 3DM conseguir crackar os jogos em questão, mas sim ser pago pela eletronic arts para não lançar os cracks para o FIFA. O crack do FIFA 15 foi lançado mais tarde porque questões monetárias.

  7. JJ says:

    Não digo que seja impossível ultrapassar esses bloqueios, mas certamente vai cada vez mais demorar mais tempo em consegui-los. E nesse meio tempo, muitos vão acabar por optar comprar.

    Principalmente para jogos temporais tipo FIFA, a demora em crackar será tão elevado, que deixara de compensar.

  8. rui says:

    Usar o just cause 3 como exemplo de um jogo que queiram piratear é meio que absurdo. O jogo teve uma “hype” muito elevada antes de sair. Neste momento, ninguém fala desse jogo. Lembram-se do Titanfall? Pronto. É o mesmo efeito. Já ninguém quer saber desse jogo.

  9. r41m31 says:

    Faz lembrar quando saiu o Securom e outros semelhantes que já se diziam ser o fim da pirataria…mas não.
    Pala no olho e perna de pau continua na moda.

    • Adamastor says:

      e comando na mão 😀

    • kekes says:

      EXATO! Ia comentar isso, 2004 a Ubisoft e otras fizeram a vida quase impossivel a que pirateava. Demorou mais de meio ano, mas no final conseguirás crackar tudo!

      • Skelsam Mirim says:

        Nem me digas nada, tudo o que tenha uplay é para esquecer. Ubisoft adora que os seus clientes mantenham um acesso de internet constante, caso falhe algo, pronto o jogo desliga-se.. é o DRM deles. Por isso assassin’s creed e derivados, só mesmo por outras vias que não as oficiais, sem contar com o facto de que o Assassin’s creed 1 Já tem imensos anos e o máximo de desconto que fazem é 4,99€? Isto é gozar com a malta.

  10. Mylittlelife says:

    Sinceramente não vejo razão para pirataria nos jogos, a não ser para experimentar a ver se gosta ou se o PC aguenta, e depois comprar a versão paga.

    Quem não está para gastar 60 euros num jogo tem bom remédio como esperar promoções da Steam, g2a, ou até um par de meses para que o jogo baixe de preço.

    Não me parece razoável que uns artistas gastem fortunas em hardware, e depois fazem-se de pobres e vítimas e toca na pirataria. Nos fóruns é habitual ouvir pessoal sem muitos princípios dizer que perderem jogar em pc porque só gastam dinheiro no hardware. Esta visão é muito limitada e deve ser combatida porque é injusta para quem desenvolve software, e dos queixam-se que os jogos de PC saem muito mais tarde e cheios de bugs…porque será?

    Eu por exemplo já comprei imensos jogos com 50-80% de desconto na Steam, e ainda há pouco estavam os jogos recentes a 30-35€ que normalmente custam 60 euros. Não há desculpa.

    Da parte das produtoras também não há desculpa e deviam ter versões de teste a ver se se gosta e deviam por um teto máximo no preço como 50 euros e o fim dos in-App. Assim como há Apps para pc cujo preço é exorbitante para o consumidor privado e se uma empresa compensa o alto valor dado, um privado vê-se obrigado a métodos alternativos: basta fazer as contas para um privado pc + preço Windows + office + antivirus + editor decente de imagem + leitor de DVD/Blu Ray se usarmos versões pagas…

  11. Carlos Duarte says:

    “pode levar anos até que se descubram as formas de desbloqueio” – claro claro…

  12. Danny says:

    Quanto mais difícil melhor, da mais gosto para crackar.

  13. Adao says:

    Comprem mazé e deixem-se de tretas, Um jogo custa o mesmo que um jantar e copos e dura muito mais tempo

    • Alex says:

      E quando saires á rua vais constatar que tens outro bairro construido junto ao teu. Trocar copos, jantares/socialização por jogos?

      Cada um tem a sua “panka”. Há quem consiga fazer tudo. Outros só remam para um lado e quando se apercebem, nem barco nem remo.

  14. Ricardo Costa says:

    Os Jogos referidos aqui como na 3dm estão crackeados há muito tempo, basta ter acesso REAL à Scene! os quais têm estes e outros jogos já com a proteção ultrapassada, a questão é que não metem em publico, para os criadores dessa mesma proteção não elevarem o nivel para os proximos lançamentos de jogos.. o mesmo se passa com o software.. nem tudo é passado para sites warez, p2p/torrents…

    enfim é assim que funfa… a 3dm não fez mais nada do que copiar os metodos de crack da scene… sinceramente não valem nada!!!

  15. Paulo S. says:

    Que façam um serviço tipo Netflix, com uma mensalidade justa, que a pirataria “quase” que desaparece.
    De resto não estou a ver isso a acontecer nos jogos, até pode demorar, mas há-de sempre aparecer um crack, porque é disso que eles gostam, desafios.

  16. _root says:

    Realmente o reddit diz que ainda não há crack.

  17. Adamastor says:

    só porque um fulano diz que acredita não quer dizer que aconteça, senão já Jesus tinha descido á Terra mtas vezes.

  18. Hugo Barreiros says:

    Com os preços praticados como por exemplo no site “instant-gaming.com”, já praticamente que não compensa o trabalho e preocupações com Cracks Fakes (viroses, etc).

    Por exemplo o novo Tomb Raider que sai dia 28 está a 27€.

  19. int3 says:

    Lembram-se que a tecnologia evolui sempre a nível de mecanismos de segurança. Mas esquecem-se que a tecnologia evolui também a nível de mecanismos para ultrapassar essas “barreiras”.
    Estamos sempre a acompanhar um com o outro.
    Foi como a pirataria TV por satélite. Saiu o NAGRA 3 e acabou-se porque as keys mudavam muito rápido. Apareceu o card sharing e listas de IPTV’s e aí ninguém consegue parar. Cada vez que é imposto medidas de segurança há sempre gente que contorna ou arranja outra maneira de ter .

  20. Tiago Santos says:

    É triste que provavelmente isto trará consequências para o mundo dos videojogos, como um menor interesse pela industria. Uma pessoa que não tenha acesso aos jogos não vai estimular o seu lado “gaming”, não vai falar com os amigos sobre os jogos, consequentemente acredito que neste casos as vendas irão diminir. Porque é que a Microsoft não combateu de forma mais eficaz as contas piratas do Windows ?! 🙂 A meu ver porque assim dominaram (e dominam) o mercado. 😛

  21. Juka says:

    Continuo a achar como muitos de vós que quando baixarem significativamente os preços das aplicações essa problemática deixará de existir. Tal como a música e os filmes.

    Enfim, são opiniões.

    Até quando será que a humanidade continuará a viver com a intenção de maximizar sempre o lucro.
    Aparentemente, hoje em dia, parece haver necessidade de lucrar até +Infinito.
    Que modelo errado e imbecil.

  22. Carlos Neto says:

    Aquilo ta tudo em chines, como é que voces sabem o que diz? ahahah tou a brincar :p

  23. Joao says:

    Quando o cloud gaming virar realidade, penso que vai ser muito mais difícil crackear os jogos

    • Daniel says:

      Explica lá…
      Cloud Gamimg ? Deixo de ter o equipamento físico?

      Quero ver ligações de internet para isso…

      • EC says:

        Não é preciso lá grandes ligações. O processamento é feito do lado do servidor e devolve ao utilizador a imagem renderizada em forma de stream. Basta ter uma ligação que suporte stream HD (ou até mesmo 4K para os mais exigentes).
        O problema do Cloud Gaming é do lado do servidor que tem que ser um supercomputador para processar varios pedidos em simultâneo.

  24. Hugo Neto says:

    Eu acho isto tudo uma grande treta, até porque eu tenho os jogos indicados no post a funcionar e não paguei nada. Mas que grande treta.

  25. Daniel says:

    3DM ? os rapazes que estavam cheios de pica, lançaram cracks e tudo mais para o GTA V, mas que nunca foi estável.
    a equipa RELOADED quando lançou o deles, nunca mais ninguém ouviu falar das releases do chineses…

    Mesma treta nos filmes, quem vê em CAM e TS….
    Querem qualidade, esperam ou pagam.

  26. Tiago says:

    Eu não sei se isto se podia prevenir com jogos F2P, mesmo assim existe uma parte de pessoas que apenas joga offline, a maioria dos jogos piratas não têm acesso ao modo online.

  27. MK says:

    A pirataria para mim é um mal necessário, quando me da a nostalgia de jogar games antigos, como os da dreamcast que já não se fabricam, se não fosse os games”piratas” hoje não passariam de recordações.
    O mesmo se passa com o PC, é muito difícil arranjar jogos antigos, como por exemplo o painkiller, postal 2 e 3.

    se não fosse a pirataria já não jogaria a estes jogos.. 🙂

    • Ricardo says:

      Esse problema acabará por deixar de existir. Cada vez mais vai o formato digital ganhar força e quando aí chegar, a pirataria vai praticamente acabar e esse problema deixa de existir. A Microsoft na Xbox One já queria implementar apenas o formato digital, mas acabou por voltar atrás. Aposto que mais 2 gerações de consolas e o formato físico acaba.

  28. Filipe says:

    Eu nao sei esses mas o FOotball Manager 2016 ainda n tem cr@ck bom… existe mas cheio de bugs…

  29. Skelsam Mirim says:

    Isso vindo dos 3DM .. os crackers da treta que fizeram asneira no GTA V (crack com bugs/crash/miner), depois chegou a RELOADED e tratou do assunto.

  30. Powerverde says:

    Publicidade à parte, já experimentaram o Meo jogos? Gráficos bons e boa jogabilidade, sem necessidade de ter software instalado num disco. Eu comprei o wrc 3 para PC e agora este jogo está gratuito na box da meo; experimentei-o e diverti-me tanto quanto me diverti com a versão comprada.
    Moral da história: se a Meo tem uma espécie de netflix para jogos, porque é que eu vou dar 50 ou 70 euros por um jogo que mais tarde ou mais cedo vai para a prateleira se posso pagar 7 euros por mês e jogar vários, e quando nao quiser jogar mais, deixo de pagar.

  31. Ivo G. says:

    Irá sempre existir quem consiga crackar.
    Em relação ao jogar on-line, julgo que não seja problema.
    Por agora, em quanto poder vou comprando os jogos que quero normalmente Xbox, e pagando a minha mensalidade no velhinho mmorpg Ryzom

  32. miguelboas says:

    ja conseguiram quebrar o denuvo a “CPY” se nao me engano! Mas agora anda desaparecida!

  33. C9A says:

    Há 1 coisa que ninguém se lembra.
    As próprias empresas de segurança, e quem realmente faz os sistemas de protecção, nas costas do seu lindo trabalho, está a mandar o reversing para a rua… com 1 intuito:
    Gerar mais dinheiro.
    Se fizeres uma protecção que ninguem consiga nada, só a vendes 1x.
    Se fazes uma boa, daqui a uns tempos lanças reversing dela, virão ter contigo para fazer uma nova. isto gera mais €… acabar? Pirataria ? Não chamemos pirataria. Para mim, os jogos de modo Online deveriam ser FREE Edition, para jogar em singleplayer, e a “adesão a membro premium (jogar online)”, isso sim ser paga. não tem nexo, pagar por um jogo que realmente não sabes do que esperar dele. (Exemplo do ultimo batman, quem pagou, lixou-se bem lixado).

    Cumps.

    • Games says:

      Isso é mesmo que dizeres: “Olhe quero um francesinha, mas só pago depois de provar e se gostar”.
      É a conta desse tipo de pensamento que as pequenas/médias empresas de software em Portugal(lá fora não sei) são espremidas.

      • C9A says:

        Pela tua logica, se te servirem uma francecsinha, e ela vier “ESTRAGADA” tu vais pagar algo que nem sequer tá boa para consumo.

        Ou seja, pela tua logica, casos como aconteceram com o ultimo jogo do Batman são casos, que tens de pagar e calar… Boa lógica… Pela tua logica é o mesmo que: Vou mandar o dinheiro para um jogo, sem saber se gosto do jogo, se ele está optimizado, para os REQUISITOS que o jogo pede para “recomendado / medium settings”, que no caso do batman, até numa GTX960 havia “TRAVAMENTOS vindos do além”. Continua com esse pensamento, tu e muitos outros, porque com essa lógica, so ajudam mais na ideia:
        “Não precisamos de optimizar jogo nenhum, nem sequer saber se as pessoas vão jogar, elas compram e depois calam-se”.

      • Alex says:

        Quando fores comprar um carro e disseres ao vendedor: “Quero experimentar o carro”, ele deve dizer-te: “Desculpe, já pagou? Não? Só quando pagar é que poderá experimentar o carro”. E tu perguntas: “E se não gostar”. O vendedor deverá responder: “Azar o seu. Olhe, visse reviews”!! (sarcasmo).

        • C9A says:

          Dai existirem “TEST DRIVE”. A pessoa não vai comprar algo, nem ser “obrigada” a comprar algo sem saber se vai sequer ao encontro do seu agrado… É esta uma mentalidade, que altera e muito as coisas… Chegar, comprar, e não gostar?
          Tem sempre a solução que referia acima, ou lançam um “demo” do jogo, para dar a conheçer o jogo a quem possa vir a “estar interessado”.

          Mas a prova viva que existem jogos free to play que geram grande quantias de dinheiro, são jogos como grandes nomes em “MOBAS”, como LOL, smite e muitos outros. F2P e conseguem ter carradas e carradas de € a mais que franquias de grande reputação. Isto porque existe uma coisa: Quem experimenta e gosta, sente-se motivado a “gastar” o pouco que tem, porque afinal de contas está a investir em algo que gosta 🙂

  34. TiagoDM says:

    Se existe, pode ser crackado… é só uma questão de tempo!

  35. Tiago says:

    Isto não seria mais fácil de prevenir se houverem mais jogos F2P (Free to Play)? Também não acho bem essa cena de andar a roubar o trabalho dos outros, mas tudo podia ser mais seguro com aqueles jogos que têm funcionalidades online para verificar se o jogo é ou não pirata, mas também falta aí muitos jogos que possam ser jogados offline.

  36. 2 cents says:

    Indie.
    Tanto jogo brutal sai de garagens feito por 1 ou dois programadores. Muitos deles recorrem ao financiamento do tipo kickstarter e ultrapassam os orçamentos. Por vezes duplicam ou até mesmo triplicam os valores que pedem inicialmente. Não me venham dizer que o pessoal não gasta dinheiro em jogos porque não é verdade. Esta história é semelhante à dos direitos de autor para músicas e filmes e pode ser comparada a tantos outros negócios que, fruto da evolução da sociedade, tiveram um fim. A blockbuster não foi à falência porque o pessoal copiava filmes, simplesmente não acompanhou a evolução da tecnologia. Se quisesse era hoje uma Netflix. A Kodak passou de ser a maior e mais importante empresa na área da fotografia para uma empresa falida porque se recusou a acompanhar os tempos e falhou ao menosprezar o potencial da era digital na fotografia.
    Os gigantes da industria de videojogos, se querem acompanhar a evolução devem criar formas do utilizador pagar o trabalho desenvolvido porque quer, e não porque é obrigado.
    Vejam o caso de um dos jogos de maior sucesso a nível mundial “League of Legends”. É um jogo grátis que movimenta milhões. Qualquer jogador que não gaste dinheiro tem as mesmas regalias que o jogador que paga para ter “skins”. É um modelo de jogo que permite ao utilizador “compensar” a empresa que desenvolveu o jogos se quiser.
    Concordo com o C9A. Os jogos deviam ser grátis para jogar em singleplayer e terem conteúdo pago para aceder aos servidores oficiais e jogar em multiplayer.

  37. ZeusMaLibre says:

    Desde que inventaram o DRM que dizem o fim da pirataria dos Jogos/CDs/DVDs/BDs/Filmes está perto

    O doomsday da pirataria. Grande palhaçada… há sempre quem consiga contornar as protecções.

    E tenho que discordar noutra parte das afirmações do sr. da 3DM é que vai continuar a haver muito jogo gratuito. Mesmo que consigam impedir todos e mais alguns de jogar no PC jogos cracados isso só vai dar mais força aos jogos gratuitos, porque terão mais procura e existe outras formas de monetizar que pedir 60€ por um artigo digital…

  38. Okocha says:

    Enquanto os jogos custarem até uns 80€ … Chuloooos!!!

  39. Witacken Forsaken says:

    ahhhh isso já aconteceu!, e não tenho nenhuma duvida disso, posso listar milhares de jogos aqui lançados desde 2014 até 2018 que ninguém conseguiu crackear ou hackear, são jogos excelentes e todos oferecidos pela steam e origin, e EA, estas empresas ao que parece conseguiram de uma vez por todas parar a pirataria em jogos, o sistemas deles e incrivelmente superior ao que já vimos até os dias de hoje, no que diz respeito a venda e disponibilização dos games, até porque bloqueiam até usuários legalizados pela compra de licenças de seus jogos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.