Quantcast
PplWare Mobile

Starlink vai começar a aplicar limites na utilização da Internet durante o dia

                                    
                                

Autor: Pedro Simões


  1. José Marques says:

    Isto não é mais um saque?

    • Álvaro Campos says:

      Todos os contratos de dados têm uma PUR….
      Serve também para justificar alguma quebra de serviço

    • rjSampaio says:

      É mais problemas de crescimento, sempre considerei que o custo era demasiado baixo.

      A malta pode mandar vir a vontade que os antigos 99$ era muito, não não eram a plataforma é incomparável com a concorrência, e sempre achei que era baixo e teria de ser mais caro para a manter, agora começam as limitações, ao contrário de muitas outras tecnologias que quantos mais utilizadores mais barato fica, os satélites não se multiplicam do nada para o crescente aumento de utilizadores.

      • Manuel da Rocha says:

        Neste caso o problema nem são os satélites… são as 8730 estações terrestres que o Starlink tinha previstas e que, por agora, só 48 estão operacionais com satélites disponíveis que precisavam de 2690, pelo menos. A da Andaluzia deve ficar operacional em Maio de 2023, a da Corunha só em 2025.

    • Lopes says:

      Não, a PUR existe mesmo para isso mesmo, se não houver controlo e todas as pessoal se meterem a fazer grandes volumes de dados nas horas de pico vão congestionar o acesso, isto está mais que provado e aconteceu muitas vezes no passado, não agrada a muitos mas é por causa desses muitos que abusam que se tem de criar regras…

      • Filipe says:

        nao vendam o que nao podem, aí é que está o problema, deixam os operadores vender o que não aguentam

        • Manuel da Rocha says:

          Uma das razões é que há clientes que estão a pagar a mensalidade ao mesmo tempo que usam routers externos para partilhar o acesso com prédios inteiros. Só com denúncias a SpaceX sabe disso…

  2. Técnico Meo says:

    Será quer o pessoal tem noção do que é um Tera? Não é um giga!

    • Biotico says:

      Só por curiosidade fui ver as estatísticas do tráfego mensal gerado aqui em casa e com 2 desktops, 2 laptops, 4 smartphones e um consumo de serviços de streaming (netflix, youtube, etc) considerável, verifiquei que ronda os 550/ 600 GB.
      Penso que um limite de 1 TB é bastante aceitável.

    • Lopes says:

      Para muitos não, mas outros sabem perfeitamente o que é e esses é que normalmente movimentam mais que isso num mês de uso e querem a torneira toda aberta.

    • gambuzino says:

      um Tera das 07:00 ás 23:00. Se quiseres ver um filme ás 23:01 pagas á parte.

    • Manuel da Rocha says:

      Maioria sacam filmes 4k para clouds externas e nem notam que sacaram 500gb e enviaram 500gb para outro lado.
      Não sabem que a tv de 200 euros mal suporta 1080 e lá espetam com ficheiros acima do dobro. Depois vão ás redes sociais postar 500000000 vezes a queixar-se que o ficheiro não funciona.

  3. Atento says:

    Se há congestionamento da rede, é culpa do prestador do serviço que não tem essa mesma rede devidamente dimensionada.
    O problema aqui. é que o vendedor vende o serviço (acesso, velocidades e volumes), aumenta a base de utilizadores (gerando congestionamentos) e aplica limitações de utilização, por força do problema que o próprio gerou e fatura mais gastando menos.
    O meu entendimento é que a solução passa por apenas cobrar o período em que o serviço foi utilizado sem congestionamento (ao contrário de vender um sobre-serviço para cumprimento do acordado inicialmente).
    Imaginem uma transportadora vender 150 bilhetes de autocarro quando sabe que o seu autocarro apenas tem 50 lugares, depois, alega congestionamento de passageiros e determina que os passageiros que estão a mais têm que ir a pé, mas … se pagarem novo bilhete já podem embarcar no autocarro novamente …
    Quando eu era miúdo isto tinha um nome, chamava-se vender a «banha da cobra». Nada de novo, de onde vem.

    • Lopes says:

      Tu de atento não tens nada, nem percebes tão pouco disto, e depois só escreves as coisas como te dá jeito…

      • Joao Ptt says:

        Mas tecnicamente ele está certo.
        Estão a prometer um serviço que NÃO podem prestar. Isso visto de forma não embelezada é FRAUDE.
        Se os governantes não fossem uns vendidos, as empresas de telecomunicações há muito que teriam parado com estas práticas de ENGANAR os clientes a prometer mundos e fundos sem qualquer base técnica para serem capazes de cumprir o que prometeram. Basicamente coisas como dar a entender aos clientes que é tráfego ilimitado mas depois meter letras pequeninas que é só os primeiros 500 MB e depois baixa a velocidade para 128 Kbps, ou de um dia para o outro decidem começar a descriminar tráfego a partir de certo patamar ou para certas pessoas que usam o serviço no seu máximo potencial… daria prisão imediata para o resto da vida para todos os administradores. Paravam logo com essas práticas de enganar as pessoas.

        • Zé Fonseca A. says:

          Na verdade nenhum operador tem largura da banda sufficiente para garantir a disponibilização da mesma a todos os clientes em horário de pico, sempre foi assim e sempre será, não seria possível de outra forma.
          É quase que como um overbooking, se forem todos usar a capacidade máxima da rede em simultâneo vai sempre haver uns que ficam a ver navios.

          • Joao Ptt says:

            Na verdade os operadores têm capacidade sim, para ter todos os clientes em simultâneo, pelo menos na fibra-óptica. Se não têm capacidade é porque não querem gastar o dinheiro. Isto li eu num artigo qualquer de um proprietário de um pequeno ISP nos EUA, que disse que as empresas tinham essa capacidade sim, mas que muitas só não faziam o investimento (relativamente baixo) porque não queriam, e nem era por falta de dinheiro, era só não quererem prestar um melhor serviço, porquê? Porque “compram” os políticos para terem áreas exclusivas sem verdadeira concorrência.
            Por exemplo certas áreas que tinham o mesmo mau serviço aos anos e que o(s) ISP(‘s) não melhoravam de jeito algum por mais que as pessoas pedissem, mal a fibra óptica da Google começou a chegar (concorrência) de um dia para o outros os outros operadores que antes não podiam ter uma infra-estrutura melhor {insira aqui a sua desculpa esfarrapada preferida} começaram logo a melhorar a infra-estrutura e a oferecer melhores velocidade e outras condições que antes teria sido “impossível” nessas mesmas áreas… mas outras áreas na região onde continua a não existir concorrência da Google, estranhamente agem como se não se passasse nada e continuam com o mesmo mau serviço, e a fingir que não é possível melhorar, e todas as outras desculpas esfarrapadas em que eles são especialistas a dar, até aparecer concorrência a sério e mostrar que não só é possível fazer melhor, como aqueles que lá estavam e que antes diziam que não podiam fazer melhor afinal podem e fazem-no de forma extremamente rápida! … quando estão em perigo real de perder os clientes todos para um concorrente a sério.

            No final do dia a minha mensagem não diz respeito à capacidade das redes dos operadores ou falta dela, mas sim à forma como (não) comunicam aos clientes as condições reais do serviço e à forma como mudam as condições assim sem mais nem menos porque sim, e quem está mal que se mude.

          • Zé Fonseca A. says:

            Não percebes o que andas a ler, uma coisa é capacidade dos clientes até aos backbones dos operadores, aí qualquer operador decente garante essa disponibilidade, o problema é do backbone para a frente, para a dita internet, pura e simplesmente não existe capacidade em nenhum lado do mundo para garantir internet a todos os clientes em simultâneo, dai a existirem taxas de contenção, em PT sendo as mais comuns 1:20 e 1:50, fora de PT já vi coisas bem mas como 1:150 ou pior.
            Se o teu problema é como os operadores comunicam isso aos clientes, a verdade é que é algo demasiado técnico para ser explícito em, quem quer consulta o wholesale da anacom e anda a analisar dados de ocupação de rede dos peers usados pelo seu operador.
            Boa sorte, longe vai o tempo que se usava o CPRM para tudo em PT e que facilmente conseguíamos ver a ocupação de rede nacional no máximo e a internet a ficar congestionada, bons tempos esses.

    • AltTab says:

      O problema é que os contratos tem isso previsto. Entao em portugal so te garantem 90% de acesso a internet (temos de ler as letras pequenas para ver isso).
      Outra coisa é a velocidade minima garantida nesses 90% que nao é a velocidade máxima garantida que publicitam em letras gigantes.

      Isso do overbooking é real mas nas comunicacoes é diferente… E inviavel doutra forma.
      No tempo do analógico uma cidade so suportava 20 chamadas. Isso quer dizer que so 20 pessoas podem utilizar o telefone? Não. E isso nunca mudou. Se a velocidade minima garantida fosse a máxima os custos seriam se calhar 100 vezes mais.

      Neste caso aqui, 1TB? Nenhum consumo domestico consegue atingir estes valores a nao ser que:
      Seja para uso empresarial
      Seja partilhada para um predio inteiro
      Ou seja usada como servidor ou fornecedor de torrents.

      Nao sou defensor destas politicas. Mas por exemplo acho mais importante atacarem o bloatware que os ISP em portugal nem sequer se esforcam para resolver do que um cap que o consumidor domestico nao atinge.

      • Atento says:

        Problemas de pico de utilização sempre existiram em todas as redes, porque não faz sentido dimensionar a rede para os picos.
        Por isso é que os contratos de fornecimento de comunicações em Portugal previam as taxas de contenção. Mas quando os picos acontecem, a carga é distribuída equitativamente pelos utilizadores (não se vendem pacotes adicionais para ultrapassar o problema existente, porque isso é degradar o serviço que já havia sido comprado).
        O problema aqui, é que os serviços foram vendidos sem aplicação de limites, os compradores fizeram investimento inicial para a compra do serviço e agora vêm as regras mudar(eu não tenho esse serviço, pelo que acredito que a minha visão é neutral).
        Pior ainda, é que a alegação da sobrecarga de rede não vence, porque, nesse caso, não fazia sentido a venda de um pacote de «acesso prioritário». Se a rede está em sobrecarga não faz qualquer sentido incentivar a entrada de mais carga, a não ser a pura extorsão. É que, se todos os clientes comprarem o pacote de acesso prioritário, o problema vai persistir e os clientes apenas vão continuar a pagar por algo que não utilizam.
        Pergunto: A Starlink aceita a devolução com reembolso, dos kits dos clientes que não aceitem este mecanismo ?

        Este tipo de estratégia já foi utilizado antes nas empresas do individuo e sempre nos limites da legalidade (mas já do lado de lá).

        • Manuel da Rocha says:

          No contrato da Starlink não é referido que garantem aqueles valores. Ainda mais que o contrato prevê “alterações de serviço, como velocidade, acesso e tráfego, possam ser alterados com o aviso legal previsto”.
          É por isso que estão a avisar os clientes que irá acontecer.
          Pior acontece cá que operadores, como a MEO, dizem que o cliente paga 39,99 por 500mbs (mais tv e telefone), sendo que o router nunca se consegue sincronizar acima de 40mbs, nas horas de ponta nem a 10mbs se liga. E o problema é o mesmo da Starlink: a central disponível não consegue processar os pedidos dos utilizadores que usam aquela ligação. Aí sim, o problema é o investimento, pois as operadoras só criam novas centrais quando chegam a 200% da capacidade de uma, o que valida a existência de outra para cobrir parte daquela célula. Com o 5G isso piorou ainda mais, pois as torres foram “invadir” as células da fibra.

    • Filipe says:

      para mim é falta de fiscalização das entidades competentes que deixam vender o que não aguentam a nível de redes. se vendem 1 TB tem de aguentar com x pessoas, não vendam a xxx contando que não estejam todos ligados ao mesmo tempo, aconteceu isto durante a pandemia quando toda a gente ficou em casa e a internet era uma vergonha, porque o que se passa aqui é só um exemplo do que se passa diariamente…..

    • David Guerreiro says:

      Isso sucede na aviação, e chama-se overbooking.

  4. 652mga says:

    O tipo mais rico do mundo, grande impulsionador de tecnologia, um “visionário” pelo menos no que toca à possibilidade do homem habitar Marte, também é humano, possui defeitos… alguém “tão à frente” a colocar limites à utilização da internet que vende, é “apenas” um “defeito”.

    • Técnico Meo says:

      Essa azia vem do twiter? O Musk não é woke que baste?

      Mundo perigoso este em que vivemos ,em que a histeria dos meios electrónicos tolda e destrói por completo qualquer sentido racional do mundo físico das coisas…

      Qualquer dia ainda vamos assistir a julgamentos de praça pública com base nos likes.

      Penso que já vi um episódio do star trek onde demonstrava esse mundo distópico.

      Porque não canalizar todo este activismo modernocontra os verdadeiros monstros, o mundo está emprestado de ditaduras genocidas mas a malta só tem porte para andar a apontar o dedo às democracias em vigor, onde vivem e se expressam e são servidos do melhor possível. Bom senso procura-se!

      • 652mga says:

        Eu não possuo Twiter e Facebook, apenas uso o WhatsApp, uma vez que o uso como um complemento para chamadas e envio de algumas imagens… Azia não possuo nenhuma, é me absolutamente indiferente o Twiter tal como o Facebook… nunca os usei!

        As democracias, infelizmente, fazem negócios com ditaduras… por isso é que tudo vai mal.

        Os meios electrónicos não são um “mal”… só o serão por culpa dos utilizadores.

  5. Wagner Kadyrov says:

    Elon, o maior vendedor de banha de cobra da actualidade. Do que promete nem 2% cumpre.

    • Américo Mendes says:

      A sério que acreditas no que escreveste?
      Porque não desligas o teu serviço de telecomunicções, poupas dinheiro, vais ler um pouco, cultivas-te e regressas?
      Ele há cada um…

      • rjSampaio says:

        2% é um exagero, mas vai lá ver todas as promessas ao longo dos anos,
        hiperloop? Nunca
        túneis para transporte de carros? Nope
        Full self drive? Adiado desde 2016 e renovação de processas a toda hora.
        Entrega do cybertruck? Ainda nem produzem.
        2 foguetes em marte em 2020? Nem fora de órbita…
        Payloads a 10% do preço normal? Nem perto.

        E como tens esses tens muito mais.
        Ele exagera é muito nas promessas, isso não é opinião é facto.

        • David Guerreiro says:

          El não irá fazer o Hyperloop, lançou a tecnologia sem patentes e agora há empresas a investir. Os túneis estão a ser feitos, até há encomendas de cidades.O Cybertruck está muito atrasado, mas o camião Semi vai começar em breve.

          • rjSampaio says:

            Estamos a falar de promessas falsas ou longe da realidade.

            “Hyperloop, lançou a tecnologia sem patentes e agora há empresas a investir”
            ah sim? onde? quem é que ainda percebeu que isso não é exequível?

            “Os túneis estão a ser feitos, até há encomendas de cidades.”
            Serio?
            Tipo prometer velocidades impossiveis com sleds para transportar carros, e o que acaba por ser feito são tuneis perfeitamente normais com teslas, mas seria autonomo, mas nao é com condutores, e pior tuneis unicos sem escapatórias, uma unica via, e sem qualquer segurança… muito longe do prometido e ja passou mais do dobro do tempo prometido.

            “O Cybertruck está muito atrasado, mas o camião Semi vai começar em breve.”
            ah pera, entao a promessa de em 3 anos recebem o camião falhou? bom ok esta atrasado,mais do dobro mas ok.
            Full autonomo? nem pensar
            Ele afirmou em palco que a tecnologia para o convey conseguia fazer “agora”, isto em 2017
            onde esta?

            Queres mais?
            Solar roof? fake
            Aquele humanoide? video completamente fake/aldrabado.
            e mais uns quantos.

            Em nada denegrir os reais contributos, mas que ele promete muito mais que realiza isso é facto.

      • Wagner Kadyrov says:

        A sério que acreditas no Pai Natal?
        Porque não te informas e depois regressas?

    • secalharya says:

      2%? Eu diria 1%.

  6. Hugo Sousa says:

    Engraçado como muitos criticam o que não entendem …
    Na rede terrestre twmos contenção de 50 … o Starlink nos 20 … e é uma rede de satélite….
    Pensem um pouco nisso …
    O problema …muitos estão a comprar por ser um serviço mais fiável e com flexibilidade sem precedentes … o pessoal está a abusar, usam Starlink “em casa” quando podem usar o serviço terrestre… o aumento de terminais nas cidades está muito além do precisto …tipo 1000x mais … Este serviço é para ser usado em locais sem rede terrestre….

    • Filipe says:

      se a rede aguenta no máximo aguenta com 100 000 pessoas não a vendam a 1 000 000 contando que não se ligam todas ao mesmo tempo, para mim era assim que devia ser feito e supostamente é assim as regras, mas ninguém cumpre…e as entidades fiscalizadoras não percebem ou nao querem saber….

      • Bruno says:

        Meu caro, se for assim, então temos o que chamamos de um acesso dedicado…
        E esses acessos são caros que dói…
        Se não fosse a solução que estamos a praticar agora, as telecomunicações em todo o lado aumentavam o preço para níveis muito altos.

    • Manuel da Rocha says:

      Cá em Portugal sei de 2 condomínios privados que estão a usar a Starlink. O sistema até é simples e dá lucro ao empreendedor. A antena está num edifício central, onde existem 4 routers. Daí é feita uma distribuição por 4 pontos para cobrir as 60 a 100 habitações. E cada casa tem wifi e 5g local, assim como em todo o recinto. Num deles até os canais de uma operadora, são distribuídos por um hotel de 70 e tal quartos, usando a “velha” rede de cabo coaxial. Cada quarto tem 100 e tal canais, e o comprador só paga 200 euros mensais à operadora. Para cobrir as utilizações extra, recebe acesso à Starlink do empreendimento, que usa no router do hotel, para dividir os acessos à rede fixa e móvel. Win win e poupa milhares de euros anualmente.

      • 652mga says:

        Mas não existe no local Fibra? É que é mais barato e pode-se fazer o mesmo esquema que usa com a starlink.

        Talvez nunca tenhas conhecido uma tecnologia denominada FBC (Full Capture Band)… um só receptor com um tuner com esta tecnologia ligado a um Unicable pode dar sinal de tv a muitos quartos.

  7. Bruno says:

    Para quem falou que antes dava para ver a ocupação internacional da CPRM (famosa Telepac), podem sempre consultar aqui:

    http://cprm.net

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.