Quantcast
PplWare Mobile

Simplex 2022: Mudar a morada vai ficar ainda mais fácil

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Tiago Rodrigues says:

    Cartão de cidadão renovado via digital, é um atentado ao Direito, à CRP!

    Quem nos garante que daqui a uns anos, já usemos óculos, cabelo rapado ou tenhamos sofrido um acidente ( ou outras situações ), que alteram o nosso aspeto?!

    A ideia do fácil, rápido e prático, pode não, coloca o Estado De Direito completamente subjugado!

    Isto é grave.

    • Fim do mundo says:

      Amigo, compreendo a sua preocupação, mas as coisas são mesmo assim, não há nada a fazer, o digital é o futuro, o ter de ir perder tempo para o locais para lhe irem tirar uma foto e media altura , peso e afins para colocar num cartão, tem os dias contados, qualquer dia nem cartões existem está digital, levamos um chip e feito…

    • Pedro H. says:

      “Quem nos garante que daqui a uns anos, já usemos óculos, cabelo rapado ou tenhamos sofrido um acidente ( ou outras situações ), que alteram o nosso aspeto?!”

      – Penso que nesses casos, a aplicação teria de tirar fotografias anuais ou semestrais para atualizar um possível modelo de reconhecimento facial que iria “aprendendo” a evolução da face da pessoa. Naturalmente isso dá azo ao Estado ter informações suficientes para poder fazer reconhecimento facial em qualquer lugar e a qualquer momento. Se essa tecnologia não está pronta ainda, é uma questão de tempo.

      “Cartão de cidadão renovado via digital, é um atentado ao Direito, à CRP!”
      Concordo consigo, mas, a partir do momento que utilizamos a aplicação por essa via, estamos praticamente a dizer que deixamos de ter esse direito, seja integral ou parcial.

      Isto acontece em contratos ( ou é possível que aconteça ) em contratos com instituições financeiras ou até mesmo quando compramos um electrodoméstico e diz lá nas letrinhas pequeninas que desistimos do direito à garantia do produto.

      A tecnologia muda, mas a legislação tem que acompanhar. Se não acompanhar ou acompanha demasiado depressa sem a devida reflexão… pois temos bastantes exemplos em Portugal e no Mundo…

    • TSSRK says:

      Podes ir fazer o cartão do cidadão sem levares os óculos, com o cabelo por cortar e com barba à Gaddafi. E depois cortas…e usas os oculos…ou fazes o inverso…

      O problema é mais na obrigação de renovar o cartão após terem atingido a idade adulta. Não vejo a necessidade, e mesmo que venham com a historia do acidente, podem ficar sem as pernas que a foto do CC continua a mesma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.