Quantcast
PplWare Mobile

Portugal: 60% dos telemóveis vendidos têm suporte para 5G, mas…

                                    
                                

Fonte: Dinheiro Vivo

Autor: Pedro Pinto


  1. GM says:

    Nem o 4G/4G+ funciona devidamente, quanto mais….
    Resido numa cidade do litoral, e estou regularmente com interrupções, curtas, no fornecimento de rede. Preocupam-se com a expansão do 5G, sem assegurar a devida cobertura das tecnologias já implementadas.

    • Joao Ptt says:

      Desde o 2G que tem sido assim, nunca se preocupam em fornecer uma rede com qualidade em todo o lado, mas apenas onde têm mais regularmente clientes.

      São empresas comerciais com o objectivo de lucrar, não é de prestar um bom serviço. É um problema de uma educação rasca que faz com que esta gente que realmente manda depois não faça o certo, mas vise apenas o lucro.

      O dinheiro não é certamente o problema, do contrário eles não estariam constantemente a comprar novos equipamentos e a alugar frequências, para novas tecnologias e a implementá-los no terreno, é apenas uma questão de ganância comercial de nunca querer servir o país mas apenas onde acham que poderão ter clientes em quantidades suficientes que justifiquem o investimento necessário para lhes prestar o serviço.

      É pelos motivos acima que na minha opinião terá de ser uma empresa do Estado, ou uma empresa privada financiada por todos aqueles que quiserem ter acesso ao mercado de redes públicas de comunicação via rádio (“rede pública móvel”), uma espécie de “SIBS”, mas o Estado, via lei, teria de impor cobertura nacional redundante, assim como uma estrutura capaz de resistir às catástrofes naturais e provocadas pelo homem (ex.: incêndios florestais). E depois as empresa (MEO, Vodafone, NOS, NOWO e todas as demais) operavam como operadores virtuais, cada uma fornecendo os serviços que consideravam úteis aos seus (potenciais) clientes.

      Para mim só com uma única empresa realmente independente responsável pelo fornecimento da infra-estrutura, sujeita a legislação exigente, e controlada pelo Estado (pelo menos no sentido de fiscalização à séria) de forma implacável para não se desleixar em nada, é que existe verdadeiramente a possibilidade de algum dia Portugal ter uma boa infra-estrutura de comunicações móveis acessível a toda a gente em todo o lado.
      Os operadores móveis actuais já provaram ao longo destas décadas que por sua vontade NUNCA, jamais em tempo algum, o farão.

      • GM says:

        Esse mesmo princípio aplica-se à produção de energia e distribuição da mesma. Os comercializadores apenas teriam de comprar a quantidade que estimassem vender, e face a isso apresentar os preços que entendessem. Aí, sim, ver-se-ia que os investimentos feitos nas energias renováveis resultariam na redução dos preços. Actualmente o que existe, é a redução de custo na produção sem reflexo na comercialização, aumentando portanto as margens de lucro. Não tem mal nenhum na existência de lucro, é até desejável e imperativo que tal aconteça. Mas de forma moderada e não obscena.

  2. MyNameIsChi says:

    Simplesmente desligo o 5G porque não tem grande estabilidade e usa muita bateria.
    Precisam de muitas mais antenas, o sinal está sempre fraco em qualquer operadora, prefiro o 4G que está bem implementado.

  3. Danny says:

    O 5G não avança pois além da mensalidade da net movel, ainda temos de pagar para conectar mensalmente ao 5g. Ou seja, 2 mensalidades para o mesmo feito. Mais, o 4G chega perfeitamente para o comum cidadão.

  4. Filipe says:

    Dos vários lugares que já visitei em Portugal, só obtive sinal 5G pela Vodafone por brevidade em Leiria, Santarém e Entroncamento. Évora, Portalegre, Coimbra, Castelo Branco, Vila Real, nada e outras cidades que não sejam capitais de distrito, também não.

    • Manuel da Rocha says:

      Em Castelo Branco, toda a zona da Estação Ferroviária e as 3 superfícies comerciais, há boa cobertura 5G.
      Se se afastar dessa área, então sim, até no 4G é complicado. Se passar na A23 não tem 5G disponível. Na Guarda há 5G na saída da A23 e até ao centro da cidade, para se aproximar da A25, é que 4G já é excelente, porque a maioria das vezes é 3.5G.

  5. Ac says:

    Moro em Vila Nova de Gaia e o sinal de rede e aos soluços e 4G …. Imagino 5G…E o mais grave é as reclamações não fazem nenhum efeito…

  6. Jorge Carvalho says:

    Mesmo dentro de cada localidade é preciso ter em conta quantas antenas são 5g , porque ter uma que cobre uma área pequena não significa que a freguesia esteja coberta por 5G

    Abc

  7. Joao Ptt says:

    Estes operadores móveis só se “esquecem” de dizer que serão literalmente necessárias MILHÕES de antenas (e respectivas fibra-ópticas) para uma cobertura 5G a prestar o seu serviço na sua potencialidade máxima… até uma simples árvore no caminho entre o dispositivo e a antena do operador corta o sinal de forma muito impactante! E basta virar numa esquina de um prédio para perder o sinal se não houver uma antena desse lado a cobrir essa zona específica.

    Claro que 5G pode chegar a todo o lado sem milhões de antenas, mas nesse caso os operadores não conseguirão fornecer as velocidades loucas que a tecnologia permite quando o dispositivo, antenas e ligações ao operador da antena até à sua central e da sua central até ao servidor final estão preparadas para suportar tal.

    • Manuel da Rocha says:

      99% dos telemóveis 5G não conseguem usar mais de 10mbs de velocidade, pois exige que usem a RAM e espaço para gravar dados.
      Daí que você bem pode ter 999GBs que o aparelho usa os 10mbs e fica por aí, pois já usa 5000% da energia média e dispensa o resto.

  8. carlos mateus says:

    Acredito que o “5 G” nas grandes cidades funciona mais para quem tenha internet por fibra óptica e um router 6.0 em casa, certo?

    Se estivermos a falar de rede 5G móvel (via antenas) duvido que haja cobertura (à excepção de Lisboa e Porto), certo?
    E será que vão mesmo instalar antenas novas, ou vão usar as antenas velhas existentes, simplesmente adaptando-as (mudando algum transmissor ou componentes)? Creio que basta emitir uma frequência mais elevada (5 G é cerca de 700 mhz).

  9. Yamahia says:

    Já o dizia antes das licenças e reafirmo:
    Lá para 2025 compro 1 telemóvel com 5G para substituir ou fazer parelha com o meu w10m.

    • Manuel da Rocha says:

      As operadoras quiseram ganhar 300000% como fizeram com o 4G.
      O problema é que 99,999999% dos clientes nem usa 50% da capacidade 4G disponível. O que dá lucro ás operadoras, pois em vez de 2000 clientes, por antena, enfiam lá 17000 a 23000 e ninguém se queixa. ´
      Países como a Inglaterra e França, viram 87% dos clientes 5G, voltarem para tarifários 4G assim que puderam. É que pagar mais 50% mensais, por algo que não se usa, levou os clientes a desistir daquelas super velocidades anunciadas.

  10. _RJCA_ says:

    Quando começar a sentir arrepios no meu corpo já sei do que é (isto se for a acreditar nas teorias da conspiração que circulam nos canais não oficiais). Assim não preciso de telemóvel já que eu sou a minha própria antena. Como será para receber e fazer chamadas? 😀

    (Estou no gozo como é lógico)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.