Quantcast
PplWare Mobile

Pagamento do IMI começa hoje! Saiba quanto vai pagar

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. João Cartaxo says:

    Pagar pelo que é meu. E tenho que limpar se não levo multa. Depois quero construir no que é meu e mesmo assim não posso mesmo depois de pagar algo que não se justifica

    • Não digo says:

      Chama se impostos para sustentar directamente a tua autarquia, este dinheiro não vai para o estado.
      Acho bem que não te deixem construir o que queres, tem de existir controlo para que não seja cometido os mesmo erros do passado.
      Num estado de direito há leis a cumprir, não estás contente, vai para outro país.

      • Luís Costa says:

        Num estado ladrão queres tu dizer, este imposto era temporário para ajudar nas finanças das autarquias, bem se vê o “temporário”

      • jaugusto says:

        Vai par outro país o tanas isto é uma democracia as pessoas tem o direito a reclamar e exigir quem não gosta vá á embaixada russa e peça um visto.

        • Svetlana says:

          Eu só russa ,mas também não percebo porque tem que pagar o que já é nosso?trabalhei 15 anos e consegui comprar ma casa pequena .Porque estou aqui,porque Deus me colocou ,nem pergunta a mim,mas pode perguntar Deus.

      • João Cartaxo says:

        Controlo? Construir o que quero? Vou construir na mesma porque bastou pagar às pessoas certas… Chamas a isto estado de direito?

      • Rui says:

        Concordo que tenha de haver certas regras para construção. Mas as mesmas deveriam de se adaptar mais a realidade e para determinados casos.
        Agora IMI, pagar do que já é nosso?
        Imposto mais bandido que existe.

    • Jane Doe says:

      Só tens de limpar se não levares multa? E se levares multa, já não tens de limpar?

    • Svetlana says:

      é bem,assim mesmo. Se casa já é nossa porque pagamos?também não percebo desses impostos .Mas elo menos quando se não passar três anos estou livre pagar.

  2. Tomás says:

    Não dá..ao tentar emitir aparece um erro.

  3. Carolina Costa says:

    ainda nao dá para pagar, nao me aprece informação no site das financas

  4. Ricardo says:

    Deviam acabar com isto, no máximo, aplicar apenas e só imi para imóveis de luxo acima um determinado valor, 500 mil/1 milhão.

  5. paulo says:

    imposto é roubo ! buy bitcoin!

    • joao says:

      O que e que uma coisa tem a ver com a outra?
      Eu sou a favor de BTC, mais do que imaginas, mas tens de pagar impostos na mesma…

      • Test User says:

        criptomoedas em si não estão regulamentadas e não têm regime tributário.

        Possivelmente lógica do Paulo é não ter bens que estado possa taxar e penhorar.
        Opções de vida.

  6. PorcoDoPunjab says:

    Tem que se pagar IMI, senão como é que haveria corrupção nas autarquias?
    Sem dinheiro não há corrupção, não há arranjinhos directos com as empresas dos amigos, tudo sobre avaliado, etc.
    E tem que haver dinheiro para fazer bairros sociais e espetar com eles junto de bairros normais que depois ficam sociais tb.
    E depois como se recusam a pagar as rendas de alguns euros mensais, alguém as vai ter que pagar.
    Ah não sabia para que serve o IMI?
    O mais importante já lhe disse…

    Atenciosamente, PorcoDoPunjab

    • Jane Doe says:

      Quantas dessas situações irregulares, de que tens conhecimento, já denunciaste oficialmente?

      • Test User says:

        Quando El Pais têm noticia:
        Isaltino, el alcalde corrupto al que adoran los portugueses
        Condenado por fraude fiscal y blanqueo de dinero, los vecinos vuelven a votar al alcalde que les roba

        Mais grave tens Primeiro-Ministro: Socrates. Consequências?

      • PorcoDoPunjab says:

        Jane Doe, mas vc vive onde?
        Neste país não é, com toda a certeza.

        Atenciosamente, PorcoDoPunjab

  7. Poke says:

    As matrizes prediais – sejam rústicas ou urbanas – são os registos que descrevem as propriedades, a sua localização, confrontações, área, identidade do(s) proprietário(s) e correspondente rendimento colectável. Mau grado a opinião de alguns autores e as imprecisões que naturalmente conformam, através destes registos, pode fazer-se a história da propriedade, das flutuações económicas, das sucessivas alterações dos proprietários e do tipo de cultivo praticado, para além de terem conteúdo probatório relativamente à posse das propriedades. Desde o início da nacionalidade que os prédios rústicos estavam sujeitos a um imposto denominado jugada e que consistia no pagamento de uma quota parte de cereais produzidos numa determinada propriedade por uma junta de bois. A jugada foi extinta por decreto de 13 de Agosto de 1832. Complementarmente, nas Cortes de Lisboa de 1641 foi lançado um novo imposto sobre os prédios rústicos, a décima militar, com vista a fazer face às despesas com a guerra da independência. Em princípio, era uma contribuição com uma taxa de 10% e a duração de três anos, tendo-se, no entanto, prolongado e, inclusivamente, chegado a atingir os 30% devido às necessidades do erário público. A 31 de Dezembro de 1852 a décima, assim como outros impostos anexos, foram extintos sendo substituídos pela contribuição predial, cuja importância era fixada anualmente, pelo que houve necessidade de se proceder ao cadastro dos bens situados nos concelhos. Estavam, assim, criadas as primeiras matrizes prediais. Inicialmente previa-se que o arrolamento da propriedade fosse feito com base nas declarações dos contribuintes, que, naturalmente, se furtaram a essa tarefa por forma a escapar ao pagamento do imposto. Por portaria de 20 de Julho de 1912 foram nomeadas 120 comissões destinadas a proceder à avaliação da propriedade por todo o país, nunca chegando a surtir qualquer efeito, por falta de verba e pela extrema morosidade do processo, estimado entre 36 a 72 anos. Outros diplomas se lhe seguiram no sentido de uma melhor organização das receitas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.