Quantcast
PplWare Mobile

COVID-19: MEO, Vodafone e NOS não podem “cortar-lhe” a internet

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Pinto


  1. Filipe says:

    Dão de um lado, tiram do outro, utilizando a desculpa dos tais “serviços essenciais”. Se não têm estrutura para os manter, que a arranjem. Ou isso ou desçam o preço das mensalidades já que cortam em largura de banda a toda a gente, mais uma vez com a desculpa dos “serviços essenciais”.

  2. SANDOKAN 1513 says:

    Não paguem não.Fiem-se na virgem.À primeira factura sem pagamento segue-se logo uma multa,depois se não pagar cortam-lhe imediatamente todos os serviços.Ninguém brinca com as operadoras de telecomunicações,esta é boa.Isto não é nenhuma brincadeira,não é o que as pessoas julgam,era bom,era.

    • Fak says:

      Sandokan
      Estas enganado.
      Vai ler o artigo 437 do código civil.
      Tudo o que for uma mudança anormal das circunstâncias que impeça o consumidor de continuar a cumprir o contrato faz com que se tenha de chegar a um acordo com a operadora ou faz proceder ao cancelamento do contrato.

      Ter o covid, etc que fala neste artigo são alterações de circunstâncias, logo estão abrangidas pelo artigo 437 do código civil, basicamente as leis não são novas, já existem há anos.

      Já cancelei um contrato por Justa causa (não me conseguiam fornecer o serviço, eu tinha fibra, na nova morada só dava satélite e queriam que eu renova-se a fidelização e de 32€ passa-se a pagar 49). Segundo as leis, eu não podia sair lesado, mandei a carta a cancelar por justa causa explicando o motivo começaram com ameaças de multas… Invoquei o artigo 437 do código civil, acrescentando novamente o motivo por carta registada com aviso de receção, nunca mais me chatiaram, nem me ligaram para entregar os aparelhos, tecnicamente já são meus, já se passaram 5 anos a Meo já não pode fazer nada.

      Alguém precisa de uma BOX e ROUTER MEO fibra? vendo 20€ tudo. Loool

      • SANDOKAN 1513 says:

        Não me faças rir.Conheces as firmas de advogados(até internacionais !!),que trabalham para as operadoras de telecomunicações ?? Nem imaginas o suplício que é intentar um processo contra eles em tribunal.Fora as cartas que aparecem da INTRUM,que normalmente em casos destes aparecem sempre que há falhas nos pagamentos das mensalidades.Passa os olhos às páginas de Facebook da MEO,NOS e da NOWO e depois conversa comigo.Olha que eu não minto.

        • iMF says:

          Olha eu já recebi muitas cartas da INTRUM, até chamadas telefónicas, ameaças de tribunal…
          Já se passaram 3 anos e ainda tenho em casa os equipamentos da Vodafone.
          ( Já sei que na Vodafone não consigo nunca mais contrato com eles) e supostamente tenho 300€ em falta.
          Mas não passou disso, nem vai passar.
          Essas formas de advogados é para meter medo só isso, desde que tenhas razão nada te podem fazer.
          Aqueles m€@#s, recusaram a minha morada fiscal, invocando que tinha de enviar uma carta da luz ou de água a provar a morada. Só mesmo as operadoras de telecomunicações para tentarem arranjar argumentos sem cabimento.

        • iMF says:

          Para não falar que até 15000€ podes resolver o teu problema num julgado de paz, que não tem as custas de um tribunal comum.

          Basta teres razão, e provar que eles estão a agir de má-fé contigo que isso vai logo em saco roto.
          Ou pensas que o Sr juíz não sabe a máfia que as empresas de comunicação são??
          A menos que não tenhas argumentos válidos é que vais pagar.
          E as empresas de comunicação também sabem isso, daí usarem as empresas de advogados, para fazer àquela pressão psicológica contigo, para te borrar a cueca e pagas 300€ porque não queres chatices.
          Mesmo a tuga

        • O bastardo says:

          SANDOKAN 1513, as leis são para ser cumprir e igual para todos, não é por serem grandes empresas que fogem à regra.

          1) eles ameaçam mas não fazem nada se não estiver dentro da lei. Cão que ladra…

          2) eles dão “até” X velocidade mas se não cumprirem grande parte do serviço, podes cancelar sem custos. É justa causa; se mudas de casa e o serviço não existe, também é justa causa. Eles não podem “exigir” nada, podem é ameaçar mas sem consequências.

          Quanto ao Reis, mais um teórico de que os governos só mentem e são maus, no fundo é mais um dos que só reclamam, mas se fosse para o governo não sabia o que fazer. A média é IGUAL em TODOS os países civilizados e alguns até se lei: se os serviços essenciais e necessários à segurança e funcionamento e direito democráticos (rádio visual estatal, serviços essenciais para trabalho, etc) fogem prejudicados por outros não essenciais (jogos, filmes, etc), existem cláusulas em que OS GOVERNOS TODOS podem limitar o acesso aos outros.

          Só vocês desinformados e meninos da mamã é que acham que o mundo gira com os jogos online…

        • José Fonseca Amadeu says:

          Se passarem 6 meses da data de consumo dos serviços não precisas pagar nada, não há nada que nenhum advogado possa fazer.
          Existem N formas de rescindir sem qualquer penalização.

  3. Jorge Santos says:

    podem ate não cortar, mas podem reduzir a largura de banda para valores praticamente inuteis

  4. Vera says:

    Como faço pra cancelar periodo de fidelização da meo ,estou desempregada

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.