Vai comprar carro novo? Sistema ‘eCall’ obrigatório em março


Destaques PPLWARE

99 Respostas

  1. pedro says:

    mais um argumento para os fabricantes / representantes aumentarem os preços dos automóveis e para o mercado desvalorizar comercialmente os que não têm “eCall” ….

    • int3 says:

      lol. deixemos de evoluir e de salvar vidas.

      • Belmiro says:

        Int3:

        se formos por essa teoria importante é o eCall, mas obrigar as marcas a incluírem sensores de distância à frente para evitar colisões (distração, déficit de distância de segurança etc) e airbags laterais/cabeça para todos os lugares e veículos, isso nada… E entenda-se que os sensores pressupõem um custo (real!) baixíssimo para os fabricantes.

        PS: por favor corrijam! este sistema está em funcionamento em todos os países da UE deste outubro 2017!

        • Bruno says:

          Este sistema não está em funcionamento em quase nenhum país da UE desde Outubro de 2017. Essa era a data oficial, mas infelizmente poucos foram os países que a cumpriram. Ao contrário do qua notícia dá a entender, Portugal por acaso até foi um dos primeiros, fomos até considerados muito recentemente como exemplo para os restantes países no que diz respeito à resolução de problemas com o eCall

        • Hugo Freitas says:

          O objectivo das marcas não é zelar pela segurança rodoviária, mas sim satisfazer os desejos dos compradores. Se assim fosse em vez de sistemas de infotainment com ecrãs touch 10″ que obrigam o constante desvio dos olhos da estrada e são claramente um factor de distração, tínhamos head up displays com informação útil à condução. Visibilidade para trás? Não… mete-se um óculo traseiro minúsculo com câmera… é mt mais giro.

    • pedro says:

      não estamos perante uma revolução como foi a introdução de airbags!!! a vantagem do eCall é residual …. não falem é ao telemóvel e tenham 1 caixa de aspirinas (ataques cardíacos) no carro …. isso sim é que pode salvar muitas vidas!!!

  2. Joao says:

    Haverá algum custo periódico para os usuários?
    Qual a tecnologia de comunicações utilizada?

    • João Silva says:

      Qualquer telemóvel, mesmo sem cartão, pode fazer chamadas de emergência!

      • Joao says:

        Sim, e então? Não responde a nenhuma das 2 perguntas.

        • AS says:

          1 – Não
          2 – GSM

        • Não Interessa says:

          Por acaso responde a ambas e muito bem!

          • Joao says:

            Não, não responde. Uma chamada de voz não é o mesmo que envío de dados como a localização geográfica ou informação dos sensores que fazem com que o alerta seja lançado. Aliás, numa chamada para o 112 não permite a localização da chamada, que é a grande mais valia deste serviço.
            Pelo que tenho estado a ver, a tecnologia é assente em GPRS e não em GSM.

        • Bruno says:

          Bem, não lhe sei precisar agora se apenas usar GSM ou se também usa GPRS. A verdade é que a informação é enviada pelo canal de dados, sendo que a voz é cortada durante esta transmissão.
          Não tem qualquer custo adicional para os condutores, sendo que muitos veículos já têm este tipo de serviço a pagar para os seus próprios call-centres.
          Estes serviços de terceiros vão-se manter, mas vão ser obrigados a de alguma forma integrar com o 112, sendo que no ato de compra, o cliente terá de ter a opção de abdicar dos serviços extra, ficando apenas com o eCall (pelo qual não poderá pagar nada).

    • Rui says:

      Vai usar o SIRESP 🙂 (GSM 2ª geração)

  3. Paulo Pereira says:

    Lá vão eles saber por onde andamos, dado que suponho que o sistema tem GPS…

    • António Fagundes says:

      GLONASS

    • int3 says:

      Informa-te. O GPS é só uma rede de broadcast dos relógios atómicos dos satélites. Não existe comunicação.

    • nice says:

      ainda existe pessoal que pensa assim .
      Ligas a internet sabem de onde estar a ligar
      tens o telemovel registado a rede, sabem onde estas.
      estas preocupado em saber onde andas de carro ?
      no comments

      • NT says:

        E porque não partilhar essa informação com a Policia? Pois se demorastes X tempo de A a B é porque vais em “excesso de velocidade” digamos a 130 Km/h e o ecall passa a ser o e trama-te…..
        Este é um exemplo de como com a “simples” localização do carro pode não ser tão benéfica como parece.
        Mas pronto, como existe pessoal a partilhar vídeos no facebook com velocímetro a bater os 200 com titulo “hoje estava com pressa” …

        • Toni da Adega says:

          Se a policia quiser saber por onde andas e a que velocidade vais, basta teres um telemóvel activo (nem precisa ter GPS).
          A única opção é nao utilizar telemóvel

        • Rui says:

          Legalmente não podem fazer isso e que interesse têem os operadores/construtores em fornecer essa informação às autoridades? Se isso fosse verdade, imagina as velocidades que os pórticos registam à passagem e as empresas não comunicam nada às autoridades!

        • Alex says:

          Se a polícia poder mandar multas assim também tem a obrigação de localizar o carro em caso de roubo.

    • Miguel says:

      que não usas telemóvel
      não é?

    • Toni da Adega says:

      para “eles” saberem por onde andamos, basta possuíres um telemóvel, nem é preciso GPS

    • Bruno says:

      Não vão saber por onde andamos.
      Primeiro: o fabricante automóvel já sabe hoje por onde andamos. Quase todos os carros no mercado têm GPS, mesmo que não o usemos.
      Segundo: a tecnologia eCall apenas transmite para o 112 a informação de geolocalização após o utilizador carregar no botão de emergência ou o carro detetar um acidente e despoletar o processo automático.

  4. João Serra says:

    Boa altura para comecar a fazer negocio a vender bloqueadores de sinal

  5. TugAzeiteiro says:

    Em Portugal com a quantidade de acidentes que há todos os dias (muito devido à maioria não saber conduzir ou ir ao telemóvel) o sistema vai logo bloquear!!

    • int3 says:

      Porque os azeiteiros dos tugas preferem subornar os examinador para passar do que aprender e passar pelo conhecimento. Depois são os primeiros a reclamar da corrupção.

  6. RG says:

    Não tem custo nenhum, na SKODA ja temos em alguns veículos desde o ano passado. São serviços Pro activos e que tem somente que trocar de pilha creio que de 13 em 13 anos.

    • Pedro Albuquerque Santos says:

      Pilha? Pensei que este sistema fosse alimentado pela bateria do veículo, visto que faze parte integrante do mesmo.

    • Aj says:

      Então tem opção de remover a pilha, melhor do que ter que remover um fusível 🙂

    • O RG é um individuo decente says:

      como são feitas ass comunicações? GSM? há mensalidade?

      • Joao says:

        Tenho a mesma dúvida. E em caso de ser GSM, como funciona a nível de operadoras? E que acontece se o veículo não estiver na Europa?

        • Pedro Albuquerque Santos says:

          Deve funcionar como o 112 normal. Podes ligar para o 112 a partir de um telemóvel sem cartão SIM. É de acesso livre. O sistema instalado no carro deve ligar-se à rede com melhor sinal e fazer a chamada automaticamente.

          • Joao says:

            Mas uma chamada para o 112 é apenas uma chamada de voz. Aqui fala-se em envío de localização logo terá de haver uma comunicação de dados. As operadoras assumem a operacionalidade de essa infra-estrucutra? Sem contrapartidas? Duvido…

          • Pedro Albuquerque Santos says:

            Dados ou voz é basicamente a mesma coisa hoje em dia.

      • Belmiro says:

        O aparelho recebe sinal de posicionamento de satélite e tem alimentação autónoma bateria/pilha e tem um módulo GSM.

        Em caso de acidente (ou simulação, na Alemanha num Crash Test o “112” foi acionado e chegaram ao centro de testes a pensar que era real) o aparelho comunica via GSM (os operadores apenas retransmitem o sinal carro-centro de assistência gratuitamente, tal como uma chamada 112) a urgência e localização.

        Problema GRAVE: há ainda em muitos países zonas sem cobertura GSM, se tal acontecer não há nada para ninguém …

        • Bino C says:

          Exato, há muitos sítios sem cobertura, são também os locais onde uma solução destas faria mais sentido por serem zonas isoladas onde há menos pessoas que poderia chamar socorro.
          Hoje em dia, onde há boa cobertura GSM é onde há procura (utilizadores) e logo este sistema é quase inútil porque há sempre alguém que logo pede socorro. Ou seja, onde isto faria mais falta é onde não vai funcionar.
          Este sistema pede ajuda se a pessoa desmaiar e o carro parar devagar sem se despenhar contra alguma coisa?

          • Bruno says:

            O que diz não é válido.
            É verdade que o sistema não funciona em zonas sem cobertura, por exemplo, num túnel.
            Mas nas zonas com cobertura, mesmo que alguém ligue para o 112 a pedir ajuda, não vai ser capaz de dar a informação tão depressa ou tão precisa como o sistema eCall, sendo esse um dos problemas que o eCall vem solucionar.
            É que com eCall, o operador tem acesso á informação do veículo e da localização antes sequer de falar com a pessoa.

        • Bruno says:

          Há sim zonas sem cobertura GSM. O eCall não vem resolver um problema das operadoras móveis.
          Mas para que saiba, já se está a trabalhar no SAT eCall (eCall por satélite) para permitir o use em zonas sem cobertura.

      • Rui Gonçalves says:

        não te qualquer mensalidade, somente tem de se trocar a pilha quando ela acabar.

      • Bruno says:

        Não há mensalidades, ou pelo menos o sistema não está pensado para tal.
        As comunicações são GSM e a transmissão de dados, julgo que é GPRS.
        O sistema faz uma chamada de emergência para o 112, e os dados são transmitidos pelo canal de dados. Ao contrário do que as pessoas pensam, é possível transmitir dados por uma chamada de voz.
        O 112 já se encontra equipado com um eCall router capaz de processar a informação enviada.

  7. Ar. says:

    Peugeot 407SW 2009 – já trazia este sistema instalado….

  8. Victor F. says:

    Acho muito bem sim senhor. Creio até que no EUA já existe algo parecido? (pelo menos assim o vi num filme lol)
    Aos que se queixam da privacidade, vocês devem ser uns trafulhas do catano, tal é o medo eheheh

    • Pedro Albuquerque Santos says:

      Ser ou não trafulha não tem nada a ver com o direito à privacidade. Posso ser a pessoa mais honesta do mundo e não querer ser constantemente espiado. Mesmo que não tenha nada a esconder, devo ter direito a esconder o que quer que seja, desde que não seja alguma acção ilegal.

    • nop says:

      nao somos… mas acredito que tens cortinas nas janelas… porque sera? es trafulha?

    • André R. says:

      Então porque usas estores/portadas/cortinados em casa?…

    • Belmiro says:

      Vitor F., Como é habitual nos states são serviços pagos privados, exigem ter um cartão móvel, contato anual e a maioria tem um assistente (podes telefonar pelo carro e dizer que queres um restaurante, que o carro pifou, tiveste acidente, etc). Nos states quase tudo tem que ser pago, pouco é feito para a comunidade.

    • André R. says:

      Então porque usas estores/portadas/cortinados em casa?…

    • NT says:

      Então pronto… posta aí os dados de utilizador com respetivas senhas do facebook, email, etc… que o pessoal aqui, PARA TEU BEM!!!, filtra tudo o que possa ser considerado mau, ou trafulhice… Já viste não teres que te preocupar com spam alheio? O pessoal “vê” o que gostas e só deixa ficar lá isso… E vê lá se tiveres preso no elevador porque faltou a luz, mandas um email que o pessoal chama os bombeiros para te salvar… Já agora mete sempre a webcam lá em casa a fazer streaming, já viste se a tua namorada/esposa cai no banho e ninguém se apercebe? Pois é…

    • hsff says:

      Mais um sem noção. Mais um que acha que os outros não devem ter privacidade.

  9. Zeze says:

    E quando comecarem a determinar a velocidade dos automóveis utilizando o sistema ecall. Circulou numa localidade a 55km hora. Tau, coima! Basta abrir o precedente. Vai ser bonito vai.

    • Pedro Albuquerque Santos says:

      Sim, já pensei em cenários desse género. Ou, tal como os carros actualmente já avisam com base em GPS e leitura de sinais na estrada, limitar automaticamente a velocidade máxima do carro. Por mais que pises não passa dos 50 dentro de uma localidade ou na auto-estrada.

    • Belmiro says:

      O sistema é muito limitado a nível de autonomia, não tem capacidade para tal sem ser usando a bateria do carro; e mesmo se fosse modificado presumia uma quantidade exorbitante de dados (gratuitos) sobre a rede móvel que óbvio não deixariam.

    • Bruno says:

      O eCall é um standard europeu associado à resposta de emergência.
      Para passar multas por GPS não precisam de eCall para nada. Já em 2012 trabalhei num projeto que fazia isso mesmo usando o GPS que qualquer carro trás equipado de fábrica e que ninguém desliga.

  10. Paulo de Almeida says:

    Errado ! É somente para carros produzidos DEPOIS E ABRIL !!!

  11. Miguel says:

    ” irá contribuir para a redução do número de vítimas e feridos nas estradas portuguesas.”

    a sério?

    com isto instalado no carro
    o Zé Tuga vai passar a saber o Código??

  12. scherek says:

    e o Siresp vai funcionar?????????????????????????????????????????????????????

    • Rui says:

      É a questão que coloco, porque é esse o sistema de emergência que temos e é de 2ª geração. Para além de como referiram, há muitos locais remotos do país, onde o sistema faz todo o sentido e não tens cobertura GSM de nenhuma rede!
      Mas não me admiro, em 2007 os pesados de passageiros começaram a ser comercializados com o novo tacógrafo digital e o IMTT não emitia cartões para os mesmos. Andaram os veículos vários meses sem cartão!!!!!

  13. poiou says:

    Pelo que me parece, este sistema não passa de um tradicional telemóvel com uma capa/nome diferente e que apenas permite chamadas para um número.
    E já agora uma curiosidade, será que cá a central do 112 consegue receber a localização, ou é como as chamadas, que eles não conseguem localizar?

    • Rui says:

      É só uma questão de tempo, saber se a localização é imediata ou posterior (apesar de que o artigo recebe que a ecall envia a localização automaticamente). Conheço um resgate de uma vítima que se despistou na A24, entre Lamego e Régua, em que só foi possível encontrar o local da queda pela triangulação do telemóvel da vítima!

    • Bruno says:

      Portugal, ao contrário do que a notícia indica, foi dos primeiros países europeus a ter o sistema a funcionar em pleno.
      As soluções portuguesas estão também a ser impostas aos restantes estados membros como referência.
      Sejamos bons em alguma coisa!

  14. João Silva says:

    As informações são contraditórias: Uns dizem que é para carros fabricados depois de 31 de março, outros dizem para carros vendidos depois…
    Valeria a pena existir, se não existe já, uma App que possa ser instalada num smartphone para o mesmo efieto.

    • Bruno says:

      Não será necessário uma App no smartphone. Já existe uma norma que define o mesmo tipo de serviço que o eCall a partir do telemóvel, mas para tal é necessário que o 112 esteja equipado para receber a informação.
      O protocolo é diferente do eCall, e logo, a solução também será. Portugal está a concorrer a um projeto europeu que visa a instalação desta tecnologia por toda a Europa.

      A informação que podemos tirar de um telemóvel é diferente do que podemos tirar do eCall, sendo que o eCall dá ao operador informações como o tipo de veículo, marca e modelo; numero de passageiros e localização do acidente.

  15. Bruno says:

    Seria importante corrigir a notícia de forma a indicar que Portugal foi dos poucos países que tinha o eCall implementado e a funcionar em pleno.
    Ao contrário da Finlândia, que até pediu adiamento visto que teve problemas na sua implementação.

  16. AiOGajo says:

    Eu comprei um machimbombo que irá ser entregue agora em Janeiro (ou inicio de Fevereiro).
    Como fiz a compra em Novembro, o e-call era um extra facultativo… mandei tirar :p

  17. nuno says:

    Tenho um C-zero de 2013 importado de França com um sistema desses. Não tinha a certeza se o sistema funcionava ou não,até meu filhote carregar no botão e atenderam em francês. Falei com um operador (depois em ingles) e pedi desculpa pelo sucedido e o operador disse que não tem problema, pois o miúdos fazem muito isso. O sistema no meu carro funciona e posso usar em caso de emergência. Vão é atender em francês.

  18. Pedro Pinto says:

    Boas Bruno

    tens fonte disso?

    Abraço
    PP

  19. falcaobranco says:

    Grandes dramas que o pessoal faz… 😀

    Lá está, é como o presidente da mercedes disse á uns anos: “Os carros ficaram inteligentes, as pessoas não”

    Tambem muitas marcas á anos atrás criticavam o airbag e o cinto de segurança e agora é quase como aqueles itens que são proibidos de faltar a um carro…

  20. Pedro Lourenço says:

    Será preciso melhorar o atendimento e o registo digital das chamadas no 112, para além da sobrecarga das “falsas chamadas” que iram disparar, há que acabar com os operadores sem paciência nenhuma para ajudar ninguém e capazes de empatar um socorro por não se conseguir dar a informação do código postal e freguesia do local do acidente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.